Teoria da Contingência

De uma maneira geral a teoria enfatiza que o que acontece dentro das empresas é relativo, ou seja, depende do modo como as organizações trabalham e também do ambiente externo e que existe uma relação entre condições do ambiente e técnicas administrativas. Segundo Chiavenato em vez de uma relação de "causa e efeito" entre as variáveis do ambiente (independentes) e as variáveis administrativas (dependentes), existe uma relação funcional entre elas. Essa relação funcional é do tipo "se-então" e pode levar a um alcance eficaz dos objetivos da organização.

A teoria da Contingência surgiu por meio de vários estudos realizados na década de 1960 feitos para identificar qual o modelo de estrutura organizacional para determinados tipos de empresas. Esses estudos foram contingentes ao explicarem como as organizações agem diante de diferentes condições que variam de acordo com o ambiente ou contexto que as empresas operam.

Pesquisa de Alfred Chandler

Chandler realizou ser estudo a partir de quatro grandes empresas americanas: DuPont, General Motors, Standard Oil Co. e a Sears Roebuck & Co. Ele estudou a adaptação contínua da estrutura dessas empresas às suas estratégias. Através dessa pesquisa, Chandler constatou que a estrutura organizacional foi sendo determinada gradativamente pela estratégia mercadológica. As grandes organizações passaram por processos de desenvolvimento envolvendo quatro fases distintas:

Acumulação de recursos – integração vertical – economia de escala

Racionalização do uso dos recursos – Plan. Org. Coordenação

Continuação do crescimento – diversificação – P & D

Racionalização do uso dos recursos em expansão – Un. de Negócios

Pesquisa de Lawrence e Lorsch

Foi a pesquisa que originou a Teoria da contigencia e nela foram estudados empresas de plásticos, alimentos e containeres.Concluíram que a questão fundamental da adaptação dasempresas ao seu ambiente referem-se a dois aspectos básicos:

DIFERENCIAÇÃO – as empresas se dividem em subsistemas ou departamentos, cada um desempenhando uma função específica relacionada a um contexto ambiental também específico (marketing, produção, finanças, etc.)

INTEGRAÇÃO – a pressão exercida pelo ambiente leva a organização a buscar a integração e coordenação interna de seus departamentos para responder adequadamente às pressões e demandas ambientais. A diferenciação e integração requeridas referem-se à predição do ambiente da empresa. Quanto mais a atuação da empresa se aproximar das características requeridas pelo ambiente, maiores serão suas chances de sucesso

Pesquisa de Joan Woodward

Essa pesquisadora fez um estudo envolvendo 100 empresas com tamanhos entre 100 e 8000 colaboradores. Investigou se os princípios de administração propostos pelas teorias administrativas correlacionavam-se com o êxito dos negócios quando postos em prática. Classificou as empresas em três grupos, de acordo com a tecnologia de produção utilizada: Produção Unitária ou Oficina; Produção em Massa ou Mecanizada; Produção em Processo Contínuo ou Automatizada

•Conclusões de Woodward:

O desenho organizacional é profundamente afetado pelo tipo de tecnologia adotada

A previsibilidade da produção depende do tipo de tecnologia utilizada. Quanto mais automatizada, mais previsível. Organizações com operações estáveis requerem estruturas mais burocráticas ou mecanísticas, ao contrário das que utilizam tecnologias inovativas e dinâmicas. Cada tipo de tecnologia apresenta a predominância de uma função específica:

Prod. unitária = pessoal de P & D;

Prod. em massa = pessoal de Produção;

Prod. contínua = pessoal de Marketing/vendas

Ambiente Geral é o macroambiente, ou seja, o ambiente genérico e comum a todas as organizações. É constituido de um conjunto de condições que afetam todas as organizações e que podemos resumir em:

Condições tecnológicas: que refletem estado atual da tecnologia na qual a empresa está inserida.

Condições legais: que afetam diretamente ou indiretamente as organizações, tais como legislação comercial, trabalhista, fiscal, ambiental, civil etc.

Condições políticas: cujas decisões tomadas em qualquer dos três níveis

(federal, estadual ou municipal) influenciam as organizações.

Condições econômicas: constituem a conjuntura que determina o desenvolvimento econômico, tais como: inflação, balança de pagamentos, distribuição de renda etc.

Condições demográficas: a taxa de crescimento, população, raça, religião, distribuição geográfica, distribuição por sexo etc. Determinam as características do mercado.

Condições ecológicas: referem-se ao ecossistema na qual a organização está inserida.

Condições culturais: a cultura dos povos penetra nas organizações através das expectativas de seus participantes e de seus consumidores.

Ambiente de tarefa

É o ambiente mais próximo e imediato de cada organização. É composto por:

Fornecedores

Clientes e usuários

Concorrentes

Entidades reguladoras

Impacto da tecnologia nas organizações

Determina a forma de organização – Imperativo Tecnológico;

É um dos principais fatores de vantagem comparativa ou competitiva das organizações;

Interfere diretamente no ambiente, sendo um dos principais fatores que alteram sua dinâmica;

Barateia custos de produção e aperfeiçoa a qualidade dos produtos;

Requer perfil diferenciado dos trabalhadores, demandando maiores conhecimentos na proporção em que se torna mais avançada;

Reduz a necessidade de mão-de-obra.

Principais diferenças entre organizações mecanísticas e orgânicas:

Mecanistica x Orgânica

* Tarefas em partes * contribuição dos colaboradores

* Rigidamente dividida * tarefas ajustadas

* Estrita hierarquia * menor hierarquia

* Regras * poucas regras

* Controle no topo * controle em qualquer ponto da organização

* Comunicação vertical * comunicação horizontal

Na teoria da contingência o homem é tratado como "homem complexo" que é caracterizado por um sistema de valores, percepções, características e necessidades. Ele opera como um sistema, buscando equilíbrio interno diante das demandas do ambiente.É dirigido para objetivos, está em constante desenvolvimento e possui fatores de motivação com três forças básicas: expectativas, recompensas e a relação entre as duas.

A abordagem procura compreender as ações entre os subsistemas organizacionais e dentro deles, bem como entre a organização, o ambiente e a tecnologia e definir padrões de relações. Enfatiza a natureza variada das organizações e tenta compreender como operam sob condições diferenciadas, busca orientar,na criação de estruturas e ações gerencias nas diferentes situações especificas e considera que não existe uma melhor maneira de administrar uma empresa. Defende um intercâmbio entre as teorias e não a aceitação de apenas uma como válida. Apresenta a concepção do homem complexo enfatizando o ambiente e a tecnologia sem as tarefas,sem as pessoas e sem a estruturas.

Comentários