Patologia Neoplasias malignas

Patologia Neoplasias malignas

(Parte 1 de 2)

Trabalho de Patologia

Neoplasias Malignas

 

Introdução:

 Neoplasias malignas (câncer) é o nome dado a um conjunto de mais de 100 doenças que têm em comum o crescimento desordenado (maligno) de células que invadem os tecidos e órgãos, podendo espalhar-se (metástase) para outras regiões do corpo. Caracterizam-se pela perda do controle da divisão celular e pela capacidade de invadir outras estruturas orgânicas. Aqui mostraremos os aspectos morfológicos, o crescimento, antigenicidade, nomenclatura, graduação histopatológica, estadiamento, grau de diferenciação e tratamento.

 

Aspectos morfológicos:

 

Os tumores malignos são caracterizados por conterem graus variados de diferenciação celular e, portanto, guardam poucas semelhanças com as células que a originaram e são denominadas pouco diferenciadas. Quando observadas pelo microscópio, vêem-se células com alterações de membrana, citoplasma irregular e núcleos com variações de forma, tamanho e cromatismo.

 O número de mitoses expressa a atividade da divisão celular. Isto significa dizer que, quanto maior a atividade proliferativa de um tecido, maior será o número de mitoses verificadas. No caso dos tumores, o número de mitoses está inversamente relacionado com o grau de diferenciação. Quanto mais diferenciado for o tumor, menor será o número de mitoses observadas e menor a agressividade do mesmo. Nos tumores benignos, as mitoses são raras e têm aspecto típico, enquanto que, nas neoplasias malignas, elas são em maior número e atípicas.

As duas propriedades principais das neoplasias malignas são: a capacidade invasivo-destrutiva local e a produção de metástases. Por definição, a metástase constitui o crescimento neoplásico à distância, sem continuidade e sem dependência do foco primário.

NEOPLASIAS MALIGNAS

Características histológicas e citológicas

Atipia tissular/perda de polarização e desestruturação celular

Estrutura tissular

Aumentada e ainda assim deficiente

Vascularização

Numerosas (até 6/campo de maior aumento

Freqüência  de mitoses

Tri ou multipolares, e assimétricas

Tipo  de mitoses

Muito aumentada (principalmente - em sarcomas

Celularidade

Pleomorfismo (atipia celular).

Tamanho e forma celular

Escasso, basófilo (>RNA ou abundante e aquoso

Citoplasma

Atípico, hipercromático discariótico, pleomórfico, com maior qtd de nucléolos

Núcleo

Aumentada

Relação Núcleo/ citoplasma

Freqüência relaciona-se com a intensidade da atipia, e cresce de acordo com a idade da neoplasia (oncócitos são geneticamente instáveis) 

Discarioses (alterações cromossômicas)

Crescimento:

Há uma rapidez e desorganização do crescimento, pela capacidade infiltrativa e pelo alto índice de duplicação celular, eles apresentam uma desproporção entre o parênquima tumoral e o estroma vascularizado. Isto acarreta áreas de necrose ou hemorragia,           de grau variável com a velocidade do crescimento e a “idade” tumoral.

Antigenicidade:

Por serem pouco diferenciadas, as células malignas apresentam a capacidade de produzir antígenos e, isto, permite o diagnóstico e o diagnóstico precoce de alguns tipos de cânceres.

Nomenclatura:

 

Aos tumores malignos é necessário considerar a origem embrionária dos tecidos de que deriva o tumor. Quando sua origem for dos tecidos de revestimento  interno e esterno, eles são classificados como carcinomas. Quando o epitélio de origem for glandular, passam a ser chamados de adenocarcinomas. Os originários dos tecidos conjuntivos ou mesênquimais será feito o acréscimo de sarcoma ao vocábulo que corresponde ao tecido. Por sua vez, os tumores de origem nas células blásticas, que ocorrem mais freqüentemente na infância, têm o sufixo "blastoma" acrescentado ao vocábulo que corresponde ao tecido original. Exemplos:

¨      Carcinoma basocelular de face – tumor maligno da pele;

¨      Adenocarcinoma de ovário – tumor maligno do epitélio do ovário;

¨      Condrossarcoma - tumor maligno do tecido cartilaginoso;

¨      Lipossarcoma - tumor maligno do tecido gorduroso;

¨      Leiomiossarcoma - tumor maligno do tecido muscular liso;

¨      Hepatoblastoma - tumor maligno do tecido hepático jovem;

¨      Nefroblastoma - tumor maligno do tecido renal jovem.  

 

·        Exceções:

Tumores embrionários (origem embrionária, derivados de células primitivas totipotentes que antecedem o embrião tridérmico). Ex: teratomas;

Epônimos (receberam o nome daqueles que os descreveram pela primeira vez) Ex: Tumor de Krukemberg;

Morfologia tumoral (podem receber nomes complementares, para melhor descrever sua morfologia, tanto macro como microscópica) Ex: cistoadenocarcinoma papilífero;

Epitélios múltiplos (estes podem apresentar mais de uma linhagem celular e recebem o nome dos tecidos que os compõem mais os nomes dos tecidos que correspondem à variante maligna) Ex: carcinoma adenoescamoso.

Sufixo indevido (Algumas neoplasias malignas ficaram denominadas como se fossem benignas por não possuírem a correspondente variante benigna) Ex: melanoma;

·         Resumo da Origem e Nomenclatura dos Tumores:

 

Origem

Benigno

Maligno

 

A - Tecido epitelial

 

Revestimento

 papiloma

carcinoma

Glandular

adenoma

adenocarcinoma

 

B - Tecido conjuntivo

 

Fibroso

fibroma

fibrossarcoma

Mixóide

mixoma

mixossarcoma

 

Adiposo

lipoma

lipossarcoma

 

Cartilagem

condroma

condrossarcoma

Vasos sangüíneos

hemangioma

hemangiossarcoma

Glômus

glomangioma

-

Pericitos

hemangiopericitom

h. maligno

 

Vasos linfáticos

linfangioma

linfangiossarcoma

 

Mesotélio

-

mesotelioma maligno

Meninge

meningioma

meningioma maligno

 

C - Tecido Hemolinfopoético

 

Mielóide

-

leucemia

 

Linfóide

-

leucemia

-

linfomas

-

plasmocitoma/mieloma

 

Células de Langerhans

-

histiocitose X

 

D - Tecido Muscular

 

Liso

leiomioma

leiomiossarcoma

Estriado

rabdomioma

rabdomiossarcoma

 

E - Tecido Nervoso

 

Neuroblasto ou neurônio

ganglioneuroma

glanglioneuroblastoma

 

neuroblastoma

simpaticogonioma

 

(Parte 1 de 2)

Comentários