5S e suas Implicações na Gestão da Qualidade Total

5S e suas Implicações na Gestão da Qualidade Total

(Parte 3 de 3)

“O 5S foi um dos processos mais importantes que já conheci. Ele fez com que eu mudasse os hábitos tanto pessoais como profissionais” (João Alexander Batista, Dalkia Infra 4 – prestadora de serviços da Unidade Luiz Antônio).

Esta metodologia ajudou a VCP a reforçar seus objetivos com o Sistema Integrado de Gestão, que busca dar valor ao profissional, gerando qualidade de vida e satisfação pessoal, possibilitando a companhia atingir bons resultados.

5.1.2. O caso da Ipiranga

Visando melhoria contínua de alguns indicadores como: agilidade, padronização, alta tecnologia, qualidade e foco na satisfação do cliente, a Ipiranga Asfaltos redefiniu o seu Planejamento Estratégico. No final da década de 90, a ferramenta utilizada para se atingir estas metas foi a metodologia 5S, que aprimorou a organização interna da empresa para oferecer um melhor atendimento ao cliente.

Mas precisamente o Programa 5S teve seu inicio na Ipiranga Petroquímica em 1995, embora um pouco tímido frente ao ambiente da empresa . Com sua implantação a companhia melhorou a apresentação dos setores e/ou áreas, bem como também otimizou muitas atividades e processos. Permitiu também a economia de diversos insumos e aumentou a segurança na empresa. O Programa 5S é uma iniciativa para o aperfeiçoamento da qualidade, no ambiente de trabalho de cada um. A melhoria no ambiente de trabalho visa preservar a saúde física e mental e desenvolver a autodisciplina de todos os funcionários.

Como parte da metodologia de sua implantação, um dos cinco sensos é a separação do que agrega valor ou não, o que de uma maneira mais ampla e técnica podemos chamar de “Análise de Valor”, e que a Ipiranga utiliza, dentre outras aplicações deste, para praticar uma logística rentável (ou menos custosa) e ambientalmente responsável para seus resíduos, através da separação dos diversos tipos de lixo em sua fábrica, atitude tomada na mesma época pelas demais empresas do Pólo Petroquímico do Sul. O lixo gerado, tanto nas áreas industriais como nos escritórios é separado de acordo com suas características. Todo esse lixo seletivo é recolhido por uma empresa que se encarrega de destiná-lo para outras empresas recicladoras. Assim, a IPQ está contribuindo para o reaproveitamento dos diversos materiais, mostrando também responsabilidade Ambiental e Social.

Várias melhorias foram introduzidas com o objetivo de aumentar a produtividade e oferecer uma resposta mais rápida às solicitações do cliente. A armazenagem de matéria-prima após a implantação ficou mais organizada, permitindo um melhor controle do estoque e, conseqüentemente, agilizando as informações sobre prazos de entrega e garantindo o cumprimento destes, aumentando o nível de serviço (produto entregue ao tempo requerido).

Outra mudança foi no setor fiscal. A documentação mais organizada permitiu uma resposta mais rápida relativa a todas as solicitações dos clientes nessa área.

O objetivo foi o de maximizar os resultados, elevando e mantendo um padrão único de atendimento e qualidade do produto em qualquer unidade da Ipiranga, em todos os pontos do país. Na tentativa de padronização, a Ipiranga buscou a implantação da ISO 9001. Mais do que a certificação, objetivava contemplar os benefícios proporcionados pela ISO. Assim sendo, todos os processos da Ipiranga a partir de então passaram por um processo de padronização, tanto aqueles voltados para produção, quanto os de apoio e de atendimento. A padronização buscada visa um melhor acompanhamento dos processos, a prevenção da ocorrência de erros e a utilização de índices de tolerância cada vez menores.

Assim sendo, uma empresa mais bem organizada poderá refletir em uma empresa mais produtiva e eficiente e poderá satisfazer cada vez mais às necessidades de seus clientes. Esse foi o pressuposto da Ipiranga e de tantas outras empresas no Brasil e no mundo, que para isso utilizaram a metodologia japonesa (5S) como uma das principais ferramentas para se estruturar a organização tanto operacionalmente (organização e métodos) quanto culturalmente (relações interpessoais).

6. Conclusão

O 5S tem sido utilizado cada vez mais utilizado em todo mundo, principalmente no Japão, onde tem sido aplicado até mesmo no ambiente familiar. O 5S é uma ferramenta simples, baixo custo e apresenta resultados a curto prazo, sendo aplicável em qualquer setor industrial e até mesmo fora das fronteiras produtivas, como: escolas, repartições públicas etc. Porém, é importante ressaltar que antes de aplicar qualquer técnica bem sucedida em outras organizações, ou mesmo países, deve-se adaptá-la a nova conjuntura que será implementada.

O maior ganho que o 5S proporciona é a mudança de comportamento das pessoas e do ambiente da empresa. Economia, organização, limpeza, higiene e disciplina tornam-se palavras comuns e praticadas por todos. Estes fatores são fundamentais para elevar e garantir a produtividade. Além disso, implantar o 5S é uma boa maneira de melhorar o seu Gerenciamento da Rotina e ter resultados cada vez melhores. Sem falar no ganho social da empresa (que tem seu valor cada vez mais reconhecido no mundo capitalista), com a prática da coleta seletiva.

Assim sendo, o 5S constitui uma boa maneira de testar se a organização esta pronta ou não para iniciar projetos mais complexos, como por exemplo, a Gestão da Qualidade Total. Pois, é uma abordagem sistêmica que envolve todos da organização, orientando melhores valores, estabelecendo melhores hábitos e criando transparência no ambiente de trabalho, em suma, estruturando a organização. “Se você pode fazer o 5S, pode fazer qualquer coisa” (Takashi Osada apud GOMES et al, 1998).

Entretanto, o 5S só retorna resultados efetivos para organização se for implementado integralmente e compreendido dentro do contexto Kaisen (melhoria contínua). Destarte, o 5S pode-se tornar o pilar dos processos de mudança organizacional.

7. Referências Bibliográficas

FISCHER, T. et. al. “Desafio da qualidade e os impactos das transformações em organizações baianas” Revista de Administração de empresas. São Paulo, 35(1), jan/fev, p. 56-59, 1995. FLEURY, M. O desvendar da cultura de uma organização – uma discussão metodológica. In: FLEURY, M. e FISCHER, R. (coor.) Cultura e poder nas organizações. São Paulo: Atlas, 1990. GARVIN, D.A. Managing quality: the strategic and competitive edge. New York: Free Press, 1988. GOMES, D. et al. Aplicando 5S na gestão da qualidade total. São Paulo: Pioneira, 1998. HABU, N.; KOIZUMI Y.; OHMORI Y. Implementação do 5S na prática. Campinas: Editora Icea, 1992. HIRANO, H. 5 pillars of the visual workplace: the source book for 5S implementation. Portland, Oregon: Productivity Press, 1995.

IPIRANGA, Disponível em:< http://www.ipiranga.com.br> acesso em 2005. ISHIKAWA, K. TQC, total quality control: estratégia e administração da qualidade. São Paulo: IMC, Internacional sistema educativo, 1986. LAPA, R. Programa 5S. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1998. LAPA, R. Os cinco sensos. Disponível em: <http://w.ptnet.com.br/5sensos> acesso 2003. MILLER, W. “A working definition for total quality management (TQM) researchers”, Journal of Quality Management, vol.1, nº2, p. 149-159, 1996. MITKI, Y.; SHANI, A. B. “Reengineering, total quality management and sociotechnical systems approaches to organization change: towards an eclectic aproach?”, Journal of Quality Management, vol.1, nº2, p. 131- 145, 1996. TRIST, E. (1971) Critique of scientific management in terms of socio-technical theory, Parkseologia, v 39-40, p. 159-174 (trad. Rodrigues, A. M., Uma crítica sócio-técnica à administração científica, EAESP-FGV, datilografado, s. d.) TRIST, E. The evolution of socio-technical systems. Documento nº2 Ontario Quality of Working Life Centre, junho, 1981. SILVA, J.M. 5S: o ambiente da qualidade. Belo Horizonte: Fundação Christiano Ottoni, 1992. VOTORANTIN, Disponível em: < http://www.vcp.com.br> acesso 2005.

(Parte 3 de 3)

Comentários