(Parte 1 de 6)

Definição:

A Ergonomia é um grupo de ciências que se ocupa na busca da adaptação das condições do trabalho ao ser humano, aliando-se a novas tecnologias de maneira a tornar o trabalho mais seguro, confortável e produtivo, preservando a máquina humana dentro de limites compatíveis com a sua saúde.

Histórico:

A Ergonomia antes de 1750 O surgimento da máquina a vapor

A Revolução Industrial - A turbulência do Século XIX.

O início do século X: O Fordismo e Taylorismo O período de desenvolvimento da cápsula espacial

A Industrialização Brasileira

A Reestruturação Produtiva Os Problemas causados pelos princípios de Taylor e Ford

Atividades pesadas ou penosas:

Siderurgia Mineração Transportes e mobilização de cargas

Atividade rural Reflorestamento Limpeza urbana- coleta de lixo

Construção Civil e outras

Diferenças com países industrializados

Onde entra a ergonomia na avaliação do Trabalho Fisicamente Pesado

Qual a visão do Trabalho Fisicamente Pesado

Como pode o perito médico avaliar sem conhecer o ambiente de trabalho? Os conhecimentos profissiográficos.

O homem como máquina:

Quais são suas habilidades Quais são suas carências Porque não desempenha bem as qualidades de produtor de força e produção de trabalho? Os custos comparativos do desempenho do homem e da máquina

Adaptação Aeróbica e Anaeróbica ao Trabalho

O metabolismo basal

O aumento do metabolismo para conseguir produzir:

Trabalho brusco, de impacto- mecanismo anaeróbico:

- fosfocreatina - ATP

Trabalho brusco seguido por pausas: ácido lático- transforma-se em ácido pirúvico no fígado pela utilização do oxigênio adquirido com a pausa.

Trabalho em picos seguido por pausas também ativariam a transformação do ácido pirúvico em alanina e não em ácido lático.

Trabalho planejado com aquecimento anterior- mecanismo aeróbico

Como se realizam estes mecanismos de adaptação:

O pré -aquecimento- aumenta a respiração- maior absorção de oxigênio – aumento da freqüência cardíaca daí consegue-se: - ativar o mecanismo aeróbico

- aumentar interno da temperatura do músculo - melhoria do tônus muscular e dos ligamentos.

Capacidade aeróbica é a quantidade de kcal/min que o trabalhador consegue desenvolver utilizando apenas a quebra de alimentos por mecanismo aeróbico

Capacidade aeróbica:

Depende do pulmão Da via respiratória Dos alvéolos

Hemácias e hemoglobina De um bom desempenho cardíaco e Dos tecidos em aceitar este aporte de oxigênio

O RENDIMENTO é uma das formas de avaliar o desempenho Algumas máquinas transformam energia em trabalho mecânico

O ser humano gasta parte desta energia na sua própria manutenção.

A MEDIDA DO DISPENDIO ENERGÉTICO É MEDIDA EM Kilocalorias por minuto ou Kilocalorias por hora ou Kilocalorias por dia.

Capacidade anaeróbica: é o máximo de aumento que o mesmo é capaz de instituir ä energética de sua máquina utilizando tanto o metabolismo aeróbico quanto anaeróbico

Calcula-se que a capacidade anaeróbica melhore a capacidade aeróbica dos indivíduos.

Para se avaliar a capacidade de laboral de um trabalhador durante uma jornada de trabalho devemos comparar o dispêndio energético da atividade com a capacidade aeróbica média dos trabalhadores

Para se avaliar a capacidade de adaptação instantânea devemos comparar o dispêndio da tarefa com a capacidade anaeróbica dos trabalhadores

Vários são os fatores que interferem na capacidade aeróbica:

A genética O hábito do exercício- aumenta até 15%- estimulando mitocôndrias.

O estado nutricional A idade- 18 a 20 anos

Atividades aeróbicas na adolescência

Na capacidade anaeróbica interferem:

Também a genética O exercício físico que:

Ativa as vias metabólicas alternativas para quebrar o ácido lático Ácido pirúvico – alanina e não ácido pirúvico- ácido lático, permitindo mais atividade sem produzir ácido lático, portanto menos cansaço.

O trabalhador é capaz de:

Altos níveis de dispêndio energético Em curtos períodos

Utilizando aí o mecanismo anaeróbico.

(Parte 1 de 6)

Comentários