A importância do planejamento estratégico

A importância do planejamento estratégico

(Parte 1 de 5)

13 EDMILSON MARTINS DE OLIVEIRA

Monografia apresentada à ESAB– Escola Superior Aberta do Brasil, sob orientação da Professora Beatriz Christo Gobbi.

14 EDMILSON MARTINS DE OLIVEIRA

Monografia apresentada como requisito obrigatório para obtenção do título depósgraduação em MBA em Administração e Marketingjunto àESAB- Escola Superior Aberta do Brasil.

Aprovada em 07 de outubrode2009

Beatriz Christo Gobbi Maria Lonara Andrade

Lucia de Fátima Assis

Dedico este trabalho a todos os quecomigo partilharam de seu conhecimento e experiências, aosprofessoresdo Curso MBA Executivo Empresariais em Gestão Administrativa e Marketing, dasmais variadas disciplinas e corpo funcional da faculdadepelo apoio ao atendimento as minhas solicitações, bemcomo a todos que de forma direta ou indireta contribuiu para que chegássemos à conclusão do curso.

Agradeço primeiramente a Deus pelo dom da vida epelasoportunidadesquea mim tem permitido por sua imensa bondade, aos meus pais, pelo apoio na minha educação secundária, essencial para a minha formaçãoprofissionale para o meu desenvolvimento pessoal e para o grande interesse emestudare aprender cada vez mais, aminha esposa e filhos, que são o motivo da busca pelo crescimento profissional e o desenvolvimento pessoal.

"Enquanto suspiramos por uma vida sem dificuldades, devemos nos lembrar que o carvalho cresce forte através de ventos contrários e que os diamantes são formados sob pressão."

( Peter Drucker)

O planejamento estratégicoé sem dúvida uma importante ferramenta de apoio na tomada de decisão.Através delepodemos coletar e avaliar as informações do ambienteinterno e externo da empresa, traçando os objetivos e as metas que a empresa deve seguir parachegar auma posição desejada em um determinado período de tempo. O planejamentoestratégico é um tema atual e muito importante que está ganhando um espaço cada vez maiorno ambiente empresarial. Geralmente são as grandes empresas que utilizam essa ferramentade negócio, porém o objetivo principal desta pesquisa é verificar aimportânciadoplanejamento estratégicocomo ferramenta de desenvolvimento organizacional para pequenas e médias empresas. Este trabalho será dividido em duas etapas,revisão bibliográfica e coleta e análise de dados sobre Planejamento Estratégico em Pequenas e Médias Empresas. A coleta de dados será feita por meio de entrevista, aplicada emuma pequena empresa do ramos de recreação e lazer, situada no interior do Estado, Cidade da região LesteMaranhense, paraverificar aplicabilidadedo planejamento estratégico nessa pequena empresa. A pesquisa bibliográficapermite um melhor entendimento sobreo tema citado, enquanto que a pesquisa decampo permite avaliar autilização do planejamento estratégico em termos prático no contexto das pequenas e médiasempresas.

Figura 01:A Organização e o Ambiente de Negócios23
Figura 02: Etapas do Planejamento Estratégico25
Figura 03:Exemplos de definições de negócios26
Figura 04: Matriz de SWOT28
Figura 05:Fases do planejamento estratégico no modelo de Oliveira42
Figura 06:Modelo de planejamento estratégico de Oliveira4
Tabela– 01:Tabela Para Levantamento dos Fatores Interno e Externos47
Tabela– 02:Matriz Para Análise do Fatores Internos e Externos48
Tabela – 03: Diagnóstico Estratégico49
Tabela – 04: Cronograma53
Tabela – 05: Alocação de Recursos54
Tabela – 06: Investimento Inicial5
Tabela – 07: Investimento Financeiro56
Tabela – 08: Investimento Total56
Tabela – 09: Projeção De Receitas57
Tabela – 10: Custos Fixos57
Tabela – 1: Custos Variáveis58
Tabela – 12: Resultados Operacionais58

21 SUMÁRIO

INTRODUÇÃO12
1. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM PEQUENAS EMPRESAS13
2. CONCEITUAÇÃO DE PLANEJAMENTO14
2.1. PARTES DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO15
3. PRINCÍPIOS DO PLANEJAMENTO17
3.1. PRINCÍPIOS GERAIS DE PLANEJAMENTO17
3.2. PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DO PLANEJAMENTO19
4. TIPOS DE PLANEJAMENTO21
4.1. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO21
4.2. PLANEJAMENTO TÁTICO21
4.3. PLANEJAMENTO OPERACIONAL2
5. METODOLOGIA23
5.1 DEFINIÇÃO25
5.1.1 Tipo De Negócio26
5.1.2 Missão Da Empresa27
5.1.3 Visão Da Empresa28
5.2 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO28
5.3 INSTRUMENTOS PRESCRITIVOS E QUANTITATIVOS30
5.4 AVALIAÇÃO E CONTROLE32
6. FORMULAÇÃO DE ESTRATÉGIA3
7.O PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO NAS PEQUENAS EMPRESAS38
7.1. PARTICULARIDADES COMPORTAMENTAIS39
7.2. PARTICULARIDADES ESTRUTURAIS39
7.3. PARTICULARIDADES CONTEXTUAIS40
8. ELABORANDO O PLANEJAMENTO41
9. MODELO BÁSICO4
9.1. HISTÓRICO DA EMPRESA45
9.2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL45
OPORTUNIDADE E AMEAÇAS46
10.1 VISÃO46
10.2 NEGÓCIO46
10.3 DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO47
10.4 ANÁLISE DO FATORES INTERNOS E EXTERNOS48
1.1 MISSÃO49
1.2 POSICIONAMENTO ESTRATÉGICO49
12.FASE I: INSTRUMENTOS PRESCRITIVOS E QUANTITATIVOS50
12.1 OBJETIVOS GERAIS50
12.2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS50
12.3 METAS50
12.4 ATIVIDADES51
12.5 METODOLOGIA51
12.6 PLANO DE AÇÕES53
13. FASE IV: AVALIAÇÃO E CONTROLE54
13.1 RECURSOS NECESSÁRIOS54
13.2 INVESTIMENTO INICIAL5
13.3 INVESTIMENTO FINANCEIRO56
13.4 INVESTIMENTO TOTAL56
13.5 PROJEÇÃO DE RECEITAS OPERACIONAIS MENSAIS57
13.6 CUSTOS FIXOS MENSAIS57
13.7 CUSTOS VARIÁVEIS MENSAIS58
13.8 PROJEÇÃO DE RESULTADOS OPERACIONAIS MENSAIS58
13.9 AVALIAÇÃO59
13.10 INDICADORES DESEMPENHO59
14. CONCLUSÃO60

12 INTRODUÇÃO

Palavras-Chaves:Planejamento Estratégico; Pequenas e Médias Empresas; Tomada de decisão.

É cada vez maior o número de empresas que diante da complexidade no cenário empresarial e de tantas turbulências e incertezas, estão buscando ferramentas e técnicas para que as auxiliem no processo gerencial. O Planejamento Estratégico é uma dessas ferramentas. Ao contrário do que alguns pensam, esta contempla as características das pequenas e médias empresas. Nas empresas competitivas verificamos que, uma importante condição para sua sobrevivência está ligada à clara definição de seus objetivos e ao traçado antecipado dos possíveis caminhos a serem percorridos para atingi-los.

É necessário que as empresas estejam preparadas para os desafios quese sucedem, analisando suas competências e fragilidades, confrontando-ascom o ambiente externo. Este processo é focado na busca do melhorcaminho a ser seguido para garantir a sobrevivência e crescimentosustentável da organização a longo prazo.

O planejamento é um processo contínuo, que envolve entãoquase que simultaneamente a formulação,a implementação e areformulação do planejamento. Temos então colocada à evidência de quea implementação da estratégia retroalimenta o próprio processo deplanejamento estratégico, e quase se confunde com o mesmo, reforçandoa importância de viabilizar de forma plena a implementação, como formade se melhorar a própria estratégia.

13 1.PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO EM PEQUENAS EMPRESAS

Problema de pesquisa:Buscar entendero uso doplanejamento estratégico como ferramenta administrativa de apoio a decisão e como esse pode ser utilizadocomo instrumento de desenvolvimento organizacional no ambiente das pequenas e Médias empresas.

Objetivo Geral:Analisar os aspectos técnicos, sociais e econômicos relevantes a sua utilização prática, bem com, sua importância para desenvolvimento organizacional de Pequenas e Médias Empresas.

Objetivos Específicos:Conhecer as principais etapas para implementação do Planejamento Estratégico, avaliar as possíveis mudanças que podem ocorrer nas organizações de pequeno e médio porte em função do Planejamento Estratégico, evidenciar os fatores que podem interferir no sucesso doPlanejamento Estratégico, identificar os reais benefícios que puderam ser alcançados por essas organizações após adoção doPlanejamento Estratégico.

14 2.CONCEITUAÇÃO DE PLANEJAMENTO

OQue é Planejamento Estratégico?

Com asconstantesmudançasno cenário econômicomundial, inclusive no Brasil, surgemalguns fatores negativosque interferem direta ou indiretamente no ambiente organizacional,sobre os quais deveráse concentrar a atenção dos administradores. Questões como reduzido crescimento econômico,globalização, regulamentação governamental,inflação, escassez de alguns recursose protecionismo internacional deverãoalertar as organizações para a utilização eaperfeiçoamento desse Planejamento.

No Brasil, apesar de muitas empresas jáestarem utilizando a metodologia do PlanejamentoEstratégico, aindapersiste algumas dúvidas sobre o querealmente este vem a ser e como deve serformulado. Amaior dúvida diz respeito a uma acentuada tendência para a utilização dos termos“Planejamento Estratégico” e “Planejamento aLongo Prazo” como se fossem sinônimos.

, somente umnúmero reduzido de empresas utiliza o verdadeiro Planejamento Estratégico. A grandemaioria das organizações continua empregandoas antiquadas técnicas do Planejamento a LongoPrazo, que se baseiam em extrapolação dassituações passadas.A metodologia do Planejamento a LongoPrazo foi desenvolvida nos EstadosUnidos nadécada de 50, com profunda influência datecnologia de planejamento dos países comeconomia planejada a longo prazo.

Emconseqüência disso, na opinião de BOWER( 1966 )

, os planos a longo prazo tornaram-seprojeções de lucro ( para dez anos ou mais) semmuita utilidade, representados por uma enormequantidade de papel e uma limitada quantidadede pensamento estratégico.

, um dos defensoresda sua utilização, propõe o seguinte conceito:

“O Planejamento Estratégico é uma metodologiagerencial que permite estabelecer a direção aser seguida pela Organização, visando maiorgrau de interação com o ambiente”. A direçãoengloba os seguintes itens: âmbito de atuação,macropolíticas, políticas funcionais, filosofia deatuação, macroestratégia, estratégias funcionais, macroobjetivos, objetivos funcionais.O grau de interação entre uma organizaçãoe o ambiente, que pode ser positivo, neutro ounegativo, é variável dependendo do comportamentoestratégico assumido pela organizaçãoperante o contexto ambiental. O quadro a seguirilustra os comportamentos opcionais de uma organização e as respectivas conseqüências.

2.1. PARTES DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

“[...] O planejamento é um processo contínuo que envolve um conjunto complexo de decisões inter-relacionadas que podem ser separadas de formar diferentes.”

De forma geral e independentemente da metodologia utilizada, alguns aspectos básicos devem ser considerados em qualquer planejamento. ACKOFF( 1974, p.4) apresenta cinco partes.

Planejamento dos fins: especificação do estado futuro desejado, ou seja, a visão, a missão, os propósitos, os objetivos, os objetivos setoriais, os desafios e as metas.

Planejamento dos meios: projeção de caminhos para a empresa chegar ao resultado futuro desejado, por exemplo, pela expansão da capacidade produtiva de uma unidade e/ ou diversificação de produtos. Aqui tem-se a escolha de macroestratégias, macropolíticas, estratégias, políticas, procedimentos e processos.

Planejamento organizacional: esquematização dos requisitos organizacionais para poder realizar os meios propostos. Aqui pode-se ter, por exemplo, a estruturação da empresa em unidades estratégicas de negócios.

Planejamento dos recursos: Dimensionamento de recursos humanos, tecnológicos e materiais, bem como a determinação da origem e aplicação de recursos financeiros. Aqui se tem o estabelecimento de programas, projetos e planos de ação necessários ao alcance do futuro desejado.

Planejamento da implantação e do controle: corresponde à atividade de planejar o acompanhamento da implantação do empreendimento.

Deve-se ressaltar alguns aspectos, a saber:

O próprio processo de planejamento deve ser planejado;

O processo é interativo, ou seja, sua ação se exerce mutuamente, entre duas ou mais partes do todo;

O processo é iterativo, ou seja, repete-se ao longo do tempo;

17 3. PRINCÍPIOS DO PLANEJAMENTO em seu livro Planejamento Estratégico, cita que o planejamento dentro de uma empresa deve respeitar alguns princípios, para que o resultado de sua operacionalização sejam os esperados. Pode-se separar esses princípios em gerais e específicos.

3.1. PRINCÍPIOS GERAIS DE PLANEJAMENTO são quatro os princípios gerais para os quais os executivos devem estar atentos:

O princípio da contribuição aos objetivos, e neste aspecto o planejamento deve sempre visar aos objetivos máximos da empresa. No processo de planejamento deve-se hierarquizar os objetivos estabelecidos e procurar alcançá-los em sua totalidade, tendo em vista a interligação entre eles.

O princípio da precedência do planejamento, corresponde a uma função administrativa que vem antes das outras ( organização, direção e controle)

Na realidade é difícil separar e seqüenciar as funções administrativas, mas pode-se considerar que, de maneira geral, o planejamento “do que é como vai ser feito” aparece na ponta do processo. Como conseqüência, o planejamento assume uma situação de maior importância no processo administrativo.

O princípio da maior penetração e abrangência, pois o planejamento pode provocar uma série de modificações nas características e atividades da empresa. As modificações provocadas nas pessoas podem corresponder à necessidade de treinamento, substituição, transferências, funções, avaliação, etc.; na tecnologia pode ser apresentada pela evolução dos conhecimentos, pelas novas maneiras de fazer os trabalhos, etc.; e nos sistemas podem ocorrer alterações nas responsabilidades estabelecidas nos níveis de autoridade, descentralização, comunicações, procedimentos, instituições, etc.

Princípio da maior eficiência, eficácia e efetividade. O planejamento deve procurar maximizar os resultados e minimizar as deficiências. Através desses aspectos, o planejamento procura proporcionar a empresa uma situação de eficiência, eficácia e efetividade.

(Parte 1 de 5)

Comentários