Insulina e Hipoglicemiantes orais

Insulina e Hipoglicemiantes orais

Diabetes Melito

É um distúrbio metabólico crônico, caracterizado por níveis elevados de glicemia (hiperglicemia), devido à deficiência de insulina e pela combinação de resistência à insulina.

Hiperglicemia = liberação inadequada de glicose pelo fígado, captação ↓ de glicose pela musculatura esquelética e ↓ síntese de glicogênio.

Diabetes melito = o cliente irá apresentar glicosúria, poliúria e polidipsia.

  • ↑ degradação e ↓ da síntese de proteínas.

  • Cetoacidose diabética (devido a degração acelerada de gordura em acetil-coa que, na ausência de metabolismo aeróbico dos carboidratos, é convertida em acetato, beta-hidroxibutirato e acetona).

Diabetes tipo I: insulino-dependente, deficiência absoluta de insulina em decorrência da destruição auto-imune das células beta. Tratamento com insulina.

Diabetes tipo II: não insulino-dependente, resistência a insulina e comprometimento da secreção de insulina. Tratamento com hipoglicemiantes orais e dietético.

Insulina

O pâncreas secreta 2 hormônios importantes, a insulina e o glucagon, que são fundamentais para o metabolismo da glicose, lipídios e proteínas.

O pâncreas é formado por 2 tecidos: os ácinos (que secretam suco digestivo no duodeno) e as ilhotas de Langerhans (secretam insulina e glucagon diretamente para o sangue).

As ilhotas contêm principalmente 3 tipos de células alfa, beta e delta.

Células das ilhotas

Função

Beta

  • Secretam insulina

  • 60% das células das ilhotas

Alfa

  • Secretam glucagon

  • 25% do total

Delta

  • Secretam somatostatina

  • 10% das células

  • A insulina inibe a saída de glicose hepática e estimula a captação de glicose pelos músculos esqueléticos e adipócitos, limitando assim o ↑ da glicose no sangue.

Fatores e condições que ↑ ou ↓a secreção de insulina

de secreção de insulina

de secreção de insulina

  • ↑ de glicose sanguínea

  • ↓ de glicose no sangue

  • ↑ de ácidos graxos livres no sangue

  • Jejum

  • ↑ de aminoácidos no sangue

  • Somatostatina

  • ↑ de hormônios gastrintestinais

  • Atividade alfa-adrenérgica

  • ↑ glucagon, hormônio do crescimento e cortisol

  • Leptina

  • estimulação parassimpática

Insulina ↓ o nível de glicemia por:

captação de glicose

síntese de glicogênio

glicogenólise

gliconeogênese

Mecanismo de Ação da Insulina

A insulina liga-se a um receptor específico presente na superfície das células-alvo.

O receptor para insulina é uma tirosina quinase composta de 2 subunidades alfa e 2 subunidades beta.

A insulina ligando-se na subunidade alfa ativa a quinase, que está na subunidade beta. A atividade da tirosina quinase do receptor inicia uma cascata de fosforilação celular que ↑ ou ↓ atividades das enzimas intracelulares, incluindo o substrato de receptor de insulina. A conseqüência será ↑ a captação de glicose e a síntese de glicogênio, bem como ↑ da síntese de triglicerídeos e proteínas.

Farmacocinética da Insulina

  • Destruída no TGI e via de administração SC.

  • Meia-vida de cerca 10 min.

  • Biotransformação hepática e excreção renal.

Tipos de Insulina

As insulinas diferenciam-se devido a velocidade com que a insulina injetada é absorvida e ainda no seu tempo de ação.

  • Ação ultra-rápida

Pode ser administrada antes ou após as refeições.

Exemplo: Lispro-Humalog, Aspart-Novolog

Início de ação: 5-15 min

Efeito máximo: 30-90 min

Duração: 3-5 horas

  • Ação rápida

Administrada durante as refeições

Exemplo: Novolin R (Insulina humana regular)

Início de ação: 30 minutos

Efeito máximo: 1-3 horas

Duração: 8 horas

  • Ação intermediária

Apresenta cristais que dão coloração turva ao líquido. Os cristais devem ser homogeneizados antes de cada aplicação.

  • Exemplo:Novolin N, Novolin L (NPH)

  • Início de ação: dentro de 1,5 horas

  • Efeito máximo: 4-12 horas

  • Duração: 24 horas

  • Ação longa

Insulinas de duração de mais de 24 horas e baixa duração tópica.

  • Exemplos: Suspensão de zinco insulina humana, cristalina.

  • Tópico: dentro de 4 horas

  • Efeito máximo: 8-24 horas

  • Duração: 28 horas

  • Insulina pré-mistura

Combinação de insulina de ação rápida (30%) e de ação intermediária (70%) em proporções padrão

  • Exemplos: Novomix, Novolin 70/30

  • Tópico: Dentro de 30 minutos

  • Efeito máximo: 2-8 horas

  • Duração: 24 horas

Esquematização do receptor de insulina

Efeitos indesejáveis da insulina

  • Hipoglicemia

  • Reações de hipersensibilidade

  • Lipodistrofia

  • Resistência a insulina

Glucagon

A secreção de glucagon é estimulada principal pela baixa concentração de glicose e ácidos graxos no plasma, já a alta concentração diminui sua secreção.

O glucagon ↑ os níveis de glicose e provoca a degradação de proteína e lipídios. Atua nos receptores específicos para estimular a adenilato ciclase. As ações metabólicas do glucagon são opostas da insulina.

O glucagon também ↑ FC e ↑ força de contração do coração, embora de forma menos acentuada que a adrenalina.

Somatostatina

  • É um fator de inibição da liberação do hormônio do crescimento produzido pelo hipotálamo.

  • É responsável pela regulação inibitória local de insulina e glucagon no interior das ilhotas.

  • Octreotida é um análogo da somatostatina. É utilizado para o tratamento de vários tumores endócrinos gastroentero-pancreáticos incomuns.

Hipoglicemiantes Orais

  • Biguanidas: Metformina (Glifage®)

O seu mecanismo de ação ainda não é totalmente compreendido. As biguanidas ↑ a captação de glicose e sua utilização na musculatura esquelética e ↓ gliconeogênese.

  • Farmacocinética: meia-vida de 3 h e é excretada da forma inalterada na urina.

  • Efeitos Indesejáveis: Distúrbios no TGI; acidose láctica é um efeito tóxico raro mas fatal. Não devendo ser administrada em pacientes com doença renal, hepática, pulmonar hipóxica, IC ou choque.

  • Uso Clínico: pacientes com DM tipo II.

  • Sulfaniluréias:

Tobultamida (Orinase ®)

Clorpropamida (Diabinese®)

Glipizida (Minidiab®)

  • Mecanismo de ação das sulfaniluréias:

Exercem sua ação nas células Beta, estimulando a secreção de insulina, ↓ o nível plasmático de glicose. Por bloquear os canais de potássio sensíveis ao ATP.

  • Farmacocinética:Se ligam fortemente em proteínas plasmáticas. São excretadas pela urina, de modo que sua ação encontra-se ↑ em idosos e renais. Conseguem atravessar a barreira placentária.

  • Efeitos Indesejáveis:Hipoglicemia é comum. ↑ do apetite podendo ↑ peso ponderal. Erupções cutâneas.

  • Uso Clínico:Estágio inicial do DM tipo II pois necessita ter células Beta funcionais. Podem ser combinadas com metformina.

8

Comentários