As dificuldades encontradas na metodologia de ensino e aprendizado dos alunos de química no ensino médio

As dificuldades encontradas na metodologia de ensino e aprendizado dos alunos de...

(Parte 1 de 2)

Universidade Federal de Minas Gerais

Faculdade de Educação

Departamento de Ciências Aplicadas à Educação

Disciplina: Psicologia da Educação

Profª: Raquel Martins de Assis

Alexandre Gouvêa

Andréia Diniz

João Francisco

Wellington Marx

RELATÓRIO DO TRABALHO DE CAMPO

AS DIFICULDADES ENCONTRADAS NA METODOLOGIA DE ENSINO E APRENDIZADO DOS ALUNOS DE QUÍMICA NO ENSINO MÉDIO

Belo Horizonte, 24 de junho de 2005.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS

Faculdade de Educação

Psicologia da Aprendizagem 1° sem. 2005

Trabalho de Campo

Objetivo

Este trabalho tem como objetivo investigar as dificuldades encontradas na metodologia de ensino e aprendizado dos alunos na área de ciências.

Referência

Este trabalho é fundamentado na obra de Vigotsky que propõe um aprendizado lógico e estruturado baseado no meio em que o indivíduo está inserido e como isso afeta a sua aprendizagem. O texto utilizado como base de reflexão para este trabalho é “Sobre chamas e cristais: a linguagem cotidiana, a linguagem científica e o ensino de ciências” de Eduardo Fleury Mortimer. Este texto discute a linguagem científica escolar e sua estrutura diferenciada em relação à linguagem cotidiana e como esse distanciamento afeta a aprendizagem do ensino de ciências nas escolas.

Roteiro

Este trabalho segue é divido em 4 etapas. A primeira etapa é composta por uma pesquisa

a ser realizada entre os diversos alunos do ensino médio e/ou fundamental para análise das dificuldades encontradas no aprendizado de ciências/química. Segue as informações que serão abordadas para uma análise de perfil e qual a influência de cada fator no aprendizado.

Itens a serem abordados:

  • Características pessoais: Sexo dos estudantes, cor, idade e horário de estudo.

  • Características familiares: escolaridade da mãe, presença de livros em domicílio, indicador de condição sócio – econômica (se baseia em dados relativos à posse de bens deconsumo, conforto e disponibilidade de empregados domésticos contratados,sendo, portanto, um indicador do poder aquisitivo das famílias).

  • Inserção no mercado de trabalho (horas dedicadas à obtenção de renda).

  • Características da trajetória escolar (repetências, abandono de escola, etc); dificuldades em relação a disciplinas diversas, tempo dedicado a leitura, tempo de realização de tarefas domiciliares,etc.

  • Características da escola:estrutura física e pedagógica, disponibilidade de professores, laboratórios, material didático utilizado, etc.

A segunda etapa consiste em um levantamento dos dados obtidos e uma comparação dos mesmos com trabalho proposto por Enéas Torricelli.

Na terceira etapa será realizada uma análise crítica entre os resultados da etapa 2 e o texto de reflexão, baseando-se na proposta da obra de Vigotsky.

Na etapa final, serão apresentados as conclusões e resultados obtidos da análise do procedimento de campo, para discussão em sala de aula.

Desenvolvimento em campo

O trabalho de campo foi realizado na Escola Estadual Presidente Dutra, localizada na Avenida José Cândido da Silveira, 2000 – Bairro Horto.

O tema abordado foi desenvolvido com alunos da 3ª série do ensino médio, do turno da noite, sob o acompanhamento da professora Virgínia Paula Rodrigues Silva.

Características da escola:

A escola foi fundada há vinte anos e, desde 1990, trabalha com ensino médio. Seu funcionamento é nos três turnos, com a seguinte divisão: Manhã: ensino fundamental;

Tarde: ensino fundamental e médio; Noite: ensino médio. Sua estrutura administrativa é composta por:Um diretor;Três vice-diretores;Um supervisor;Um orientador educacional para cada turno; Não existem coordenadores de área. Também possui um colegiado, composto por pais, alunos, professores e funcionários, que discute todas as questões referidas à escola. Em termos de infra-estrutura a escola possui uma biblioteca, composta basicamente de livros didáticos, periódicos e muitos livros de literatura. Há, também, um xerox, uma sala de vídeo e uma outra de computadores, com cerca de dez equipamentos. No entanto esta última fica fechada aos professores e alunos, por falta de profissional competente para orientar no uso das máquinas.

Além disso, a escola passou por uma reforma recente, apresentando-se bem conservada. As carteiras e os quadros são novos; as instalações sanitárias e a cantina foram reformadas; a quadra e as paredes da escola foram pintadas.

O laboratório de química, especificamente, é bastante precário, não sendo utilizado pelos professores por falta de materiais básicos.

A escola não possui um Plano de Desenvolvimento Escolar (PDE), que deveria ser o seu plano de metas. O Projeto Político Pedagógico (PPP), por sua vez, existe enquanto um documento de arquivo.

A prática pedagógica não é, nesta escola, uma ação pautada e orientada pelo corpo docente, administrativo e pedagógico enquanto um coletivo. Não há o estabelecimento de pontos e diretrizes comuns que dêem forma, direção e conteúdo a esta prática e faça com que ela seja, através da atuação de cada professor e da contribuição que cada um pode dar através de suas disciplinas, a materialização do projeto político pedagógico (p.p.p.) da escola.

A escola não reprova.

Existem turmas, no turno da noite, com até 50% de abandono por fatores diversos: dificuldade de conciliar os horários de estudo e trabalho, o que gera, para muitos, um cansaço excessivo; problemas financeiros, pois muitos são arrimo de família e, muitas vezes largam a escola para cumprir uma dupla jornada de trabalho; problemas alimentares, porque não têm o que levar para escola para comer e também não têm dinheiro para comprar, o que dificulta a permanência até o final da aula, pois sentem fome; falta de interesse pelos estudos.

O método de ensino segundo a professora entrevistada:

A professora elabora seu plano de aula de acordo com o conteúdo programático exigido para a série ou etapa em questão. Orienta-se por alguns livros didáticos e pelos PCN’s, mas não adota nenhum destes materiais.

Procura dar ênfase para as questões de vestibular na aplicação de exercícios.

Não exige de seus alunos nenhum tipo de memorização e não trabalha com regras. Procura aproximar o ensino de química com o cotidiano dos alunos.

A matéria é passada no quadro de acordo com seus próprios conhecimentos.

Não adota apostilas, pois alega que os alunos não compram.

Não existem livros didáticos de química distribuídos pelo Estado, para os alunos do ensino médio.

Para realização de trabalhos e pesquisas a professora leva, em certas aulas, alguns livros didáticos e os distribuem entre os grupos formados que são formados na sala, fazendo um rodízio para que os grupos tenham contato com mais de um livro.

O tempo de estudo dos alunos é na sala de aula, assim como a disponibilidade dos professores.

Segundo a professora, a dificuldade na relação ensino e aprendizado de química passa pelos seguintes fatores: defasagem no aprendizado de ciências e matemática proporcionado pelo ensino fundamental; falta de familiaridade com a linguagem utilizada pela química; dificuldade de abstração; fragmentação do conhecimento e do ensino que dificulta uma visão total dos fenômenos físico-químicos e biológicos; estigmatizaçao da disciplina quanto à sua dificuldade; muitos professores de química não são químicos (farmacêuticos, agrônomos, geólogos, engenheiro químico, etc.), o que leva a uma falta de preparo pedagógico e a um não domínio da disciplina escolar; falta de proximidade com o cotidiano, muitas vezes proporcionada pela precária infra-estrutura da escola, como no caso dos laboratórios.

Dados obtidos e conclusões

PERFIL DOS ALUNOS QUE CHEGAM AO ENSINO MÉDIO

Características individuais:

  • Analisando-se as respostas dos jovens que freqüentavam o ensinofundamental, verifica-se a predominância da população feminina no períododiurno (58%), enquanto no noturno encontram-se mais estudantes masculinos (52%).

  • No que diz respeito à cor, as freqüências observadas evidenciam maiorpresença de alunos brancos (68.8% no período diurno e 58.3% no noturno),seguidos pela raça negra (27.8% no diurno e 38.4% no noturno), sendo os de raça amarela minoritários (3,4% no diurno e 3.2% no noturno).

  • Em relação a idade, 66.7% dos estudantes do período diurno tem 15 anos, oque corresponde ao que seria esperado para esta etapa de escolaridade;20.13%, tem 16 anos e 12.9% tem mais de 17 anos, idade esta correspondente ao que seria esperado para os que iniciam a 2ª série do Ensino Médio. Distorção mais acentuada no que diz respeito

  • à correspondência idade/série é encontrada no período noturno, onde 53.3% dos estudantes tem 17 anos ou mais.

Características familiares:

  • Escolaridade da mãe e presença de livros no domicílio. Analisando-se os dados relativos à escolaridade das mães verifica-se que, no período diurno, apenas 9.68% das mães dos estudantes da 1ª série possuíam um nível de escolaridade superior ao alcançado por seus filhos. No período noturno, essa porcentagem era de 4.6%. Os dados indicam predominância de mulheres que cursaram apenas o ensino fundamental. Os dados fornecidos pelos estudantes apontam, portanto, que as mães dos alunos matriculados noperíodo diurno possuem maior grau de escolaridade do que os jovens quefreqüentam o curso noturno.

  • Quando se solicitou que indicassem que quantidade de livros havia em suascasas, 73% dos alunos do período diurno e 81.2% dos que freqüentavam onoturno responderam que esse número não ultrapassava os 15.

Para obter uma classificação da condição econômica dos estudantes,utilizou-se um indicador que se baseia em dados relativos à posse de bens deconsumo, conforto e disponibilidade de empregados domésticos contratados,sendo, portanto, um indicador do poder aquisitivo das famílias.Analisando-se a distribuição das respostas, verifica-se que os estudantesdo período diurno são originários de famílias com melhores condiçõeseconômicas.

Distribuição dos alunos da 1ª série, segundo indicadores de condição econômica da família (%)

Posse de bens de consumo

Diurno

Noturno

2 ou mais televisores

59.99

48.79

2 ou mais rádios

69.24

61.7

Computador

12.73

7.41

Máquina de lavar roupa

85.17

80.73

2 ou mais banheiros

34.04

25.6

2 ou mais automóveis

17.29

11.56

Inserção no mercado de trabalho

Diferenças significativas foram observadas entre os dois grupos deestudantes, segundo o tempo dedicado ao exercício de uma atividaderemunerada. No período diurno, 81,3% dos jovens não exercem atividaderemunerada. No período noturno, enquadra-se na mesma condição 34,4% dosestudantes.

Distribuição dos alunos da 1ª série, segundo a condição de trabalho (%)

Quantas horas trabalha, em média, por semana

Diurno

Noturno

De 1 a 10 horas

11.20

31.59

De 11 a 20 horas

3.27

6.84

De 21 a 30 horas

2.22

6.10

31 horas ou mais

1.96

21.01

Não trabalha

81.34

34.45

Características da trajetória escolar

Em resposta a questão "Você deixou de freqüentar a escola por algumtempo?", 7.1% dos estudantes do período diurno e 30.5% do período noturnoresponderam afirmativa-mente. Entre eles, 65% dos estudantes do diurnohaviam abandonado a escola há 1 ano. No noturno, no entanto, a proporção ésensivelmente maior.

Distribuição dos alunos da 1ª série, segundo a condição de abandonotemporário da escola (%)

Por quanto tempo deixou de freqüentar a escola

Diurno

Noturno

Por 1 ano

4.61

13.30

Por 2 anos

1.53

7.22

Por 3 anos

0.43

4.30

Por 4 anos ou mais

0.44

5.63

Não deixou de freqüentar

92.99

69.55

Distribuições bastante diferenciadas foram encontradas nas respostas à pergunta "Você repetiu o ano alguma vez?", 32.9% dos estudantes e 66.7% dos estudantes do noturno já haviam passado por essa experiência negativa. No diurno, 34,7% dos alunos haviam repetido mais de duas vezes e no noturno essa porcentagem corresponde a 54%.

Distribuição dos alunos da 1ª série, segundo a repetência de alguma sériedurante o percurso escolar (%)

Repetiu o ano alguma vez

Diurno

Noturno

1 vez

21.37

30.33

2 vezes

8.05

22.42

3 vezes

2.42

9.59

Mais de 3 vezes

1.07

4.32

Não repetiu

67.09

33.33

Solicitados a indicar em que matéria haviam tido mais dificuldades de aprendizagem, aproximadamente metade dos estudantes apontou matemática eoutros 25% indicaram Língua Portuguesa.(Nota minha - essas dificuldades são observadas na Química, porque o alunonão consegue entender o enunciado dos problemas e nem resolver os cálculosenvolvidos).

(Parte 1 de 2)

Comentários