Operação de uma ETA

Operação de uma ETA

(Parte 1 de 10)

TRATAMENTO DE ÁGUA

OPERAÇÀO DE ETA

Ciclo Hidrológico

Hidrologia: Ciência que trata dos fenômenos relativos à água em todos os seus estados, da sua distribuição e ocorrência na atmosfera, superfície terrestre e no solo e da relação desses fenômenos com a vida, as atividades do homem e suas reações com o meio ambiente.

Apesar de bastante simplificado, o ciclo hidrológico é um meio conveniente de apresentar os fenômenos hidrológicos servindo também para dar ênfase as quatro fases básicas de interesse, que são:

  • Precipitação

  • Evaporação e transpiração

  • Escoamento superficial

  • Escoamento subterrâneo

Mananciais

São nascentes ou fontes abundantes de água, que podem ser superficiais (bacia hidrográfica) ou subterrâneas (lençóis d’água), que no caso de abastecimento público sirvam como fonte de suprimento de água.

COLETA DE AMOSTRA

A coleta de uma amostra consiste em obter uma pequena quantidade de material que represente, tanto quanto possível a massa global da água que vai ser analisada. A validade dos resultados analíticos, feitos em laboratório, depende de como foi colhido a amostra. De nada adiantaria fazer uma análise com todo o cuidado se a amostra foi colhida indevidamente.

O trabalho de colher a amostra é muito simples, quando se trata de material homogêneo, porém, torna-se cada vez mais difícil se é heterogêneo.

A coleta se destina basicamente a três tipos de análises: Físico-química, Bacteriológica e Hidrobiológica.

Material Necessário

Frasco de PVC, 2 l e 5 l com tampa rosqueável.

Frasco de vidro, 125ml com tampa esmerilhada

Frasco de Nalgene, 220ml com tampa rosqueável

Fichas de coleta

OPERAÇÃO

CASO 1 – Exame Físico-Químico

  • Lave, várias vezes, o frasco com água a ser coletada.

  • Encha o frasco com água:

  1. Mergulhando cerca de 15 cm da superfície de modo que a boca fique contra a correnteza (quando a coleta for no manancial);

  2. esgote a linha durante 3 a 5 minutos (quando a coleta for em torneira)

OBSERVAÇÃO: Utilizar frasco de PVC de 5l.

  • Feche o frasco, preenchendo a ficha de coleta (abaixo) e numerando o frasco para identificação;

FICHA DE COLETA

FÍSICO-QUÍMICO

DATA DA COLETA

N0 DA AMOSTRA

4

LOCAL

TIPO DA ÁGUA

BRUTA ( ) TRATADA ( )

CIDADE

AMOSTRADOR

CONDIÇÃO DO TEMPO NAS

ÚLTIMAS 48 HORAS

BOM ( ) RUIM ( )

OBSERVAÇÕES

  • Envie a amostra para análise no prazo de 24 horas.

CASO 2 – Exame Bacteriológico

Os frascos utilizados para esta coleta são de vidro com tampa esmerilhada de 125 ml ou de Nalgene com tampa rosqueável de 220ml. Estes frascos são esterilizados em autoclave a 1200C, durante 15 min. Antes da estabilização é adicionado 0,1 ml de solução tiosulfato de sódio (Na2S2O3) a 10%, que não tenha ação nociva sobre as bactérias. Sua função é de neutralizar a ação do cloro. Os frascos deverão ser abertos somente no instante da coleta.

  1. COLETA EM TORNEIRA

  • Abra a torneira deixando a água escorrer durante 3 a 5 minutos

  • Feche a torneira

  • Flambe a torneira para esterilização

  • Abra a tampa do frasco

  • Colete, rapidamente, a amostra sem encher o frasco

OBS.: Cuidar para não tocar a parte interna do frasco e da tampa

  • Feche imediatamente o frasco

  • Preencher a ficha de coleta numerando o frasco para identificação

FICHA DE COLETA

BACTERIOLÓGICO

DATA DA COLETA

N0 DA AMOSTRA

5

LOCAL DA COLETA

TIPO DA ÁGUA

BRUTA ( ) TRATADA ( )

CIDADE

AMOSTRADOR

CONDIÇÃO DO TEMPO NAS

ÚLTIMAS 48 HORAS

BOM ( ) RUIM ( )

CLORO REDISUAL

OBSERVAÇÕES

OBS.: A água deverá ser coletada em torneiras do cavalete (direto da rua) e nunca em torneiras que recebam água de reservatório domiciliar.

  1. COLETA EM MANANCIAL

  • Retire a tampa do frasco

  • Mergulhe o frasco com a boca contra a correnteza, coletando a amostra, sem encher o recipiente (3/4 do volume).

  • Feche imediatamente o frasco.

  • Preencha a ficha de coleta numerando o frasco para identificação.

PRECAUÇÃO

A amostra para a análise bacteriológica deverá ser acondicionada em caixa apropriada revestida com isolante térmico para preservação da amostra.

CASO 3 – Exame Hidrobiológico

Os frascos utilizados para realizar a coleta são de PVC, com capacidade para 2 l.

O procedimento dessa coleta é idêntico ao Caso 1 – Exame Físico-Químico.

4 – VAZÃO

É muito importante se conhecer o volume de água que entra e sai em uma estação de tratamento, para se efetuar as dosagens de produtos químicos e controlar a produção de água respectivamente. Como esse é um processo contínuo os cálculos são feitos através da vazão, que nada mais é que o volume de água pela unidade de tempo.

Assim, sabendo-se a capacidade de um tanque ou um recipiente qualquer e o tempo que se leva para enche-lo, podemos calcular a vazão, através da fórmula:

Q = V ,

t

onde:

Q = vazão em m3 / s, l/s, m3/h, m3/dia, etc.

V = volume do líquido em m3, l, etc.

t = tempo em hora, minuto, segundo, etc.

Exemplo:

Um decantador em 4 metros de profundidade, 5 metros de largura e 12 metros de comprimento, levou 4 horas para seu completo enchimento.

  • Cálculo da área superficial do decantador:

largura x comprimento = área

5 m x 12m = 60m2

  • Cálculo do volume do decantador:

área superficial x profundidade = volume

60 m2 x 4 m = 240 m3

  • Cálculo da vazão:

vazão = volume: tempo

Q = 240 m3

4 horas

Q = 60 m3/h

Observação

Na prática não há necessidade de encher o recipiente por completo, basta fixar uma profundidade (altura) e preenche-lo com o líquido (água).

A vazão também pode ser calculada, através da fórmula:

Q = A x v

onde Q = vazão

A = área da lâmina da água

(Parte 1 de 10)

Comentários