Organização da Central de Material Esterilizado

Organização da Central de Material Esterilizado

INTRODUÇÃO

Nosso trabalho enfoca a organização numa Central de Material Esterilizado e tem como objetivo mostrar o projeto ideal de uma CME de acordo com a legislação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária na Resolução – RDC nº 50, de 21 de fevereiro de 2002, que dispõe sobre o Regulamento Técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde.

A Central de material esterilizado (CME) – é a unidade destinada à recepção, expurgo, limpeza, descontaminação, preparo, esterilização, guarda e distribuição dos materiais utilizados nas diversas unidades de um estabelecimento de saúde. Pode se localizar dentro ou fora da edificação usuária dos materiais.

DESCRIÇÃO DAS ÁREAS

Recepção e Expurgo :

Local destinado a recepção, desinfecção, lavagem e separação de materiais:

- 0,08 m2 por leito, com área minima de 8,0 m2;

- lavagem e preparo de luvas: 7,0 m2;

- recepção de roupa limpa: 4,0 m2

Mesa de Inox

Bancada

Baldes c/ pedal

Balcão c/ pia

Área de lavagem de material

Balcão c/ pia

Balde c/ pedal

Hamper

Mesa auxiliar

Bancada

Área de recepção, separação e descontaminação de materiais

É nessa área que está centralizada grande quantidade de artigos sujos com sangue, secreção e excreção.

Esta área deve dispor de pias próprias, com cubas fundas para evitar respingos no trabalhador e em número suficiente para atender a demanda de materiais sujos a serem lavados, torneiras com disponibilidade de água quente e fria, adaptadas para possibilitar a limpeza de tubulações e artigos com lúmen e balcões em aço inoxidável, para propiciar facilidade de limpeza, onde os materiais são depositados para posterior secagem e separação.

É recomendado o uso de equipamentos para a lavagem de artigos, pois efetuam a limpeza e a descontaminação, simultaneamente, substituindo vantajosamente a limpeza manual, pelos riscos ocupacionais que esta oferece, tanto os biológicos, pelo contato com os artigos contaminados, como os mecânicos, pelo risco de corte e perfuração na manipulação de objetos perfuro-cortantes.

Esta área deve contar ainda com suporte de hamper, recipiente para lixo, recipientes para a colocação de artigos em soluções detergentes ou germicidas, suportes que favoreçam a secagem de sondas e tubulações, escovas e esponjas para a limpeza, sabões, detergentes, desinfetantes e compressas ou toalhas macias para a secagem dos materiais.

Por ser um local onde se manipulam muitos materiais sujos e há grande disseminação de microrganismos, é indicado que no expurgo haja ar condicionado com pressão negativa, de forma a evitar a sua propagação para as áreas e corredores adjacentes.

Área de Preparo:

Local destinado a revisar, selecionar, preparar, acondicionar, identificar e datar o material a ser esterilizado.

- preparo de materiais e roupas: 0,25 m2 por leito, com no mínimo 12,0 m2;

Mesa de Inox

Bancada

Estante modulada

Balde c/ pedal

Balde c/ pedal

Pia de escovação

Carro p/ transporte

Área de recepção de roupa limpa

Suporte de cestos

Cesto de lixo

Balde c/ pedal

Mesa

de Inox

Mesa auxiliar

Microcomputador

Impressora

Visualizador de R-X

Área de preparo

Esta Área se divide em várias seções, de acordo com o artigo a ser preparado: roupas, vidraria, material inoxidável, instrumental cirúrgico, borracha e alguns Materiais especiais, como por exemplo, gaze vaselinada, cadarços, drenos de Penrose e outros.

Além dos materiais que estão sendo preparados, encontram-se também os que aguardam esterilização, devidamente embalados e identificados, geralmente contidos em cestos aramados.

Devem constar deste local, carros para o transporte de materiais, armários e prateleiras para a guarda de embalagens e materiais de reserva, bancadas, mesas espaçosas que facilitem a abertura dos campos para a inspeção rigorosa e a dobradura dos mesmos, escadas, cadeiras, cestos aramados com os respectivos suportes, equipamentos para termo-selagem das embalagens, suporte e hamper e recipiente para lixo.

É necessário ressaltar a importância da adequação das mesas, bancadas e cadeiras, e modo a possibilitar ao trabalhador uma postura correta e confortável durante a jornada de trabalho. Assim, as cadeiras devem ter altura regulável, encosto para as costas e apoio para os pés, sendo totalmente inadequadas as banquetas, encontradas rotineiramente nas CMEs.

A iluminação neste setor deve ser cuidadosamente planejada, para facilitar aos trabalhadores a inspeção dos materiais, quanto à integridade, presença de corpo estranho e eficácia do processo de limpeza. Há no mercado mesas que contam com lâmpadas fluorescentes instaladas sob o tampo transparente, com a finalidade de permitir melhor visualização e inspeção dos artigos médico-hospitalares.

Área de Esterilização :

Espaço destinado à esterilização do material.

Área Mínima: De acordo com o equipamento utilizado, obedecendo a distância de 60 cm entre as autoclaves.

- esterilização química: 4,0 m2;

Estante modulada

Bancada

Carros p/ transporte

Área de esterilização física

Armário

Balde c/ pedal

Balcão

c/ pia

Lava-olhos

Área de esterilização química líquida

Estufa bacteriológica

Capela de Fluxo Laminar

Cesto de lixo

Impressora

Microcomputador

Armário vitrine c/ porta de vidro

Balde c/ pedal

Pia

Laboratório de Controle de Qualidade

É na Área de esterilização que estão localizados os equipamentos de esterilização física, as autoclaves e estufas, os quais deverão ser em número suficiente para a demanda dos materiais processados na Instituição Hospitalar.

Esta área deve contar com espaço físico suficiente para as instalações dos equipamentos de esterilização e para a manobra dos carros utilizados na colocação e retirada de cargas de material desses equipamentos, assim como exaustores que propiciem a eliminação do vapor que escapa para o ambiente no momento da abertura das autoclaves.

Guarda e Distribuição de Material (Arsenal) :

Local que se destina à guarda e distribuição do material esterilizado, para todas as Unidades de Saúde.

- armazenagem e distribuição de materiais esterilizados: 0,2 m2 por leito, com o mínimo de 10,0m2;

- armazenagem e distribuição de materiais descartáveis: deve ser equivalente a 25% da área destinada a estocagem do material esterilizado.

Área de estocagem

Armários

Carros de transporte

Bancada de distribuição

Área de armazenagem e distribuição de materiais e roupas esterilizados

Deve contar com carro para transporte de materiais, mesa, cadeira, escada, armários, prateleiras e cestos aramados com seus respectivos suportes, de maneira que os materiais sejam armazenados organizadamente, facilitando a identificação, localização e distribuição.

Pela sua própria finalidade, esta área deve ser de acesso restrito aos trabalhadores que aí executam suas tarefas, diminuindo assim a circulação de pessoas e conseqüentemente a contaminação ambiental.

A temperatura ambiente e a umidade relativa devem ser controladas, de maneira a oferecer melhores condições de manutenção de esterilidade dos materiais aí armazenados.

O controle da umidade relativa é importante, pois se excessiva, pode propiciar o umedecimento dos pacotes e conseqüentemente favorecer o crescimento microbiano; a umidade baixa também é indesejável porque pode danificar os tecidos pelo superaquecimento quando submetidos à reesterilização.

Inversamente ao recomendado para o expurgo, esta área requer pressão positiva de ar condicionado, o que impede a entrada de ar das outras áreas e corredores da CME.

AMBIENTES DE APOIO:

-Sanitários com vestiário para funcionários (barreira para as áreas de recepção de roupa limpa, preparo de materiais, esterilização e sala/área de armazenagem e distribuição - área “limpa")

-Sanitário para funcionários (área "suja" - recepção, descontaminação, separação e lavagem de materiais). Não se constitui necessariamente em barreira à área suja. Os sanitários com vestiários poderão ser comuns às áreas suja e limpa, desde que necessariamente estes se constituam em uma barreira a área limpa e o acesso à área suja não seja feito através de nenhum ambiente da área limpa.

-Depósito(s) de material de limpeza (pode ser comum para as áreas "suja e limpa", desde que seu acesso seja externo a essas)

-Sala administrativa

-Área para manutenção dos equipamentos de esterilização física (exceto quando de barreira).

CONSIDERAÇÕES GERAIS:

A planta física da Central Distrital de Material Esterilizado deverá permitir fluxo contínuo, sem cruzamento de material contaminado, limpo e estéril.

O piso deverá ser de material resistente, antiderrapante, cor clara e de fácil limpeza.

Nas áreas de Preparo, Esterilização e Arsenal, as janelas deverão ser teladas. A ventilação das áreas acima citadas será feita por sistema de ar condicionado central e sistema de exaustão.

As paredes serão revestidas com pintura lavável, acrílica, exceto na área de administração e almoxarifado.

Nas paredes com pia, colocar azulejo ou granito de aproximadamente 60 cm de altura (roda-pia).

As paredes entre o Expurgo, Preparo, Esterilização e Arsenal deverão ter altura de 1,00 m de alvenaria e o restante de vidro.

A luz artificial deverá ser fluorescente para facilitar o trabalho.

O reservatório de água fria deverá ter autonomia mínima de 02 dias.

A qualidade da água deverá seguir a norma ISO 11134.

Os filtros para autoclave a vapor mais indicados são os com capacidade de filtragem de 98% de partículas do tamanho de 0,1 mícron.

Deverá ter um gerador de energia.

FLUXO DE MATERIAIS

Os artigos utilizados nos procedimentos assistenciais pelas unidades consumidoras e os fornecidos pela lavanderia e almoxarifado são encaminhados à CME, para serem processados, onde seguem um fluxo unidirecional.

Os materiais a serem processados na CME vêm das unidades consumidoras (unidades de internação, ambulatório, unidade centro cirúrgico, centro obstétrico, endoscopia, laboratório, radiologia, farmácia, dentre outras) ou das unidades fornecedoras (lavanderia e almoxarifado) quando materiais novos ou descartáveis.

Os materiais fornecidos pelo almoxarifado, quando descartáveis, devem ser armazenados em área própria, onde são controlados e distribuídos; quando se trata de materiais novos, como por exemplo, gazes cirúrgicas, alguns tipos de cateteres e drenos, são recebidos na área de preparo e acondicionamento para embalagem e posterior esterilização, armazenagem e distribuição.

As roupas limpas enviadas pela lavanderia, como compressas, aventais e campos cirúrgicos, como também embalagens de tecido são recebidos na área de preparo e acondicionamento, para serem vistoriados quanto à integridade, presença de corpos estranhos, manchas e sujidades, dobrados e embalados de acordo com a padronização adotada pela instituição hospitalar, e encaminhados para a esterilização, armazenagem e distribuição.

Quanto aos materiais encaminhados pelas unidades consumidoras, são recebidos no expurgo, descontaminados, limpos, secos, conferidos e separados conforme o tipo (instrumentais cirúrgicos, materiais de aço inoxidável, de vidro, materiais específicos como sondas, cânulas, peças de equipamentos, extensões de borracha e de aparelhos de respiração artificial), encaminhados à área de preparo e acondicionamento onde serão embalados, identificados e enviados à esterilização, armazenagem e distribuição.

Fluxograma de materiais em Unidade Hospitalar

Legenda:

Material sujo

Material limpo

Material esterilizado

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

- Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Resolução – RDC nº 50, de 21 de fevereiro de 2002

- SOMASUS. http://dtr2004.saude.gov.br/somasus/cme.html Acesso em: 26/10/2009

12

Comentários