Glossário de Epidemiologia e Ecologia das Doenças Infecciosas e Parasitárias

Glossário de Epidemiologia e Ecologia das Doenças Infecciosas e Parasitárias

(Parte 1 de 6)

Glossário de Epidemiologia e

Ecologia das Doenças Infecciosas e Parasitárias

Fernando Portela Câmara

Prof. Adjunto IMPPG-UFRJ

Ação das massas, transmissão

A transmissão de uma infecção ocorre em uma taxa diretamente proporcional ao número ou densidade de susceptíveis, S, e infectados, I, presentes. Alguns autores reservam o nome “ação das massas” para o processo de transmissão da forma βSI.

Anticorpo

Proteína produzida no sangue de vertebrados após exposição a um antígeno. O anticorpo ligase especificamente ao antígeno e assim estimula sua inativação por outros componentes do sistema imune. A maior classe de anticorpos são imunoglobulinas A ou IgA, encontrada predominantemente em secreções corporais tais como saliva. As IgM e IgG são tipicamente produzidas sequencialmente em resposta a infecções por microparasitas; IgE é frequentemente elevada na resposta a infecção helmíntica. Somente IgG é capaz de cruzar a placenta para conferir imunidade materna.

Agregação

A distribuição de macroparasitas entre hospedeiros é geralmente agregada ou superdispersa, i. e., eles são encontrados mais frequentemente em determinados hospedeiros e não em distribuição randômica. Via de regra, cerca de 80% dos parasitas são encontrado em apeanas 20% dos hospedeiros, o que é conhecido como regra dos “80/20”. Macroparasitas são tipicamente agregados em suas populações hospedeiras, tal que a maioria destas hospeda poucos ou nenhum parasita, enquanto uns poucos hospedeiros hospedam grandes cargas de parasitas. Distribuições agregadas são frequentemente bem descritas empiricamente pela distribuição binomial negativa. Um teste preciso de agregação consiste em determinar se a distribuição do macroparasita difere significativamente de uma distribuição de Poisson (uma boa heurística é se a variância para a razão média é muito maior que a unidade utilizada).

Antígeno

Proteína estranha ao organismo que elicita em resposta imune específicamente dirigida contra ela.

Arbovírus

Vírus que usam artrópodes como vetores a são transmitidos através da saliva destes para o hospedeiro definitivo. Ex.: dengue e febre amarela.

Bacteremia Presença de bactéria no sangue.

Capacidade de carga

Número máximo de indivíduos que um habitat pode sustentar. Esta dedfinição não leva em consideração perdas por ação de predadores ou por doenças.

Carga de vermes

Número de vermes carreado por um indivíduo, algumas vezes diretamente mensurável (Ascaris), algumas vezes somente indiretamente (Schistosoma).

Caso-controle, estudo

sem a doença

Estudo no qual os fatores de risco de pessoas com uma doença são comparados com aqueles

Catalítico, modelo

estimado

Modelo compartimental no qual a força de infecção é tratada como um parâmetro a ser

Ciclo vital direto

Um ciclo vital no qual o parasita é transmitido diretamente de um hospedeiro a outro sem um hospedeiro intermediário ou um vetor de outra espécie.

Ciclo vital indireto

Um ciclo vital que requer um ou mais hospedeiros intermediários antes da espécie definitivia ser reinfectada.

Co-evolução

Mudanças no genótipo de duas ou mais espécies que interação entre si em consequência da ação da seleção natural sobre o conjunto.

Compartimental, modelo

Modelo matemático que divide os hospedeiros em diferentes compartimentos de acordo com seu estado. Um modelo típico para microparasitas pode ser um modelo SEIR (v. adiante), algumas vezes referido como modelo de prevalência.

Contato, taxa

Taxa de contato entre susceptíveis e infectados. Medido em indivíduos por unidade de tempo.

Coorte (cohort)

Subseção de uma população com um fator em comum, geralmente a idade. Ex.: todos os indivíduos nascidos no Rio de Janeiro em 1964.

Densidade-dependência

1) Efeitos cujas intensidades mudam com o aumento da densidade da população. 2) Efeitos cujas intensidades aumentam com o aumento da densidade da população, por exemplo, uma mortalidade que se torna muito alta próximo à capacidade de carga. Os efeitos que se tornam menos pronunciados em populações de grandes tamanhos (talvez devido à redução da fecundidade causada pela dificuldade de acasalar) são algumas vezes chamado inverso densidade-dependente. Efeitos densidade-dependente são frequentemente causa de nãolinearidade em um modelo.

Determinístico, modelo

Um modelo matemático no qual os parâmetros e variáveis não estão sujeitos a flutuações randômicas, tal que o sistema inteiramente definido pelas condições iniciais escolhidas em qualquer tempo. Contrasta com um modelo estocástico.

Dicionário

Um dispositivo para iniciar argumentos fúteis sobre definições.

Diferencial, equação

Formulação matemática correspondente a um modelo temporal contínuo. Equação envolvendo derivadas.

Diferença, equação

Formulação matemática correspondente a um modelo temporal discreto.

Discreto, modelo temporal

Um modelo no qual o sistema salta de um estado ao seguinte em intervalos fixos de tempo. Estes modelos discretos são simples de entender mas frequentemente difíceis analisar; contrasta com os modelos temporais contínuos. Os parâmetros em tais modelos referem à quantidade de mudança em cada etapa finita; por isso eles são às vezes chamados de taxas finitas. Via de regra, uma equação diferencial é o que se origina de uma equação diferença quando os intervalos de tempo se tornam infinitamente pequenos.

Distribuição binomial negativa

Uma distribuição que é parametrizada por uma média m e uma parâmetro de agregação k que é grande quando a agregação é pequena; de fato, quando k torna-se grande, a distribuição binomial negativa aproxima-se da distribuição de Poisson.

Distribuição de contágio

(Parte 1 de 6)

Comentários