Conceitos importantes em farmacologia

Conceitos importantes em farmacologia

(Parte 1 de 9)

32

  • Definições

Farmacologia

  • ciência que estuda os fármacos

  • conhecimento da sua história, origem, propriedades físicas e químicas, composição, absorção, biotransformação e excreção, efeitos terapêuticos e acessórios e o seu mecanismo de acção no organismo.

Ramos da farmacologia

- Farmacognosia: origem, conservação, identificação, extracção, análise química dos fármacos que provêm dos reinos animal e vegetal

- Farmácia: preparação dos fármacos

- Farmacodinâmica: acções farmacológicas e mecanismos de acção; o que o fármaco faz no organismo

- Farmacocinética: o que o organismo faz ao fármaco; absorção, biotransformação e excreção

- Toxicologia: acções tóxicas dos fármacos

Droga

- produtos de natureza animal, vegetal ou mineral empregados na preparação de medicamentos

Fármaco

  • substância activa de origem humana, animal, vegetal ou química a qual se atribui uma actividade apropriada para constituir um medicamento

  • Medicamento

Definição

- toda a substância que possua propriedades curativas ou preventivas das doenças e dos seus sintomas

- Com vista a estabelecer um diagnóstico médico ou a restaurar, corrigir ou modificar as suas funções orgânicas

  • pode ser curativo, profiláctico ou de diagnóstico

Efeitos, podem ser

- terapêuticos ( enquadra o medicamento em determinado grupo terapêutico)

- laterais ou secundários ( todos os efeitos que não concorram para a melhoria da situação patológica a ser tratada); podem ser adversos quando são indesejáveis, ou quando dão lugar a interacções prejudiciais

Formas farmacêuticas

- Formas como se apresentam os medicamentos: pós, comprimidos, xaropes, pomadas, pomadas, supositórios...

- Têm como objectivo: obter preparações medicamentosas susceptíveis de se conservarem com a máxima potência durante o maior período de tempo; de permitirem fácil administração; proporcionarem boa biodisponibilidade

Biodisponibilidade

- quantidade de princípio activo que fica disponível para ser utilizado como efeito terapêutico e o tempo que demora a fazer efeito e a chegar ao local de acção

Constituição do medicamento:

- princípio activo

- excipiente- toda a matéria prima que incluída nas formas farmacêuticas, se junta às substâncias activas para servir-lhes de veículo e para possibilitar a sua preparação e estabilidade; deve ser o mais inerte possível, tendo que se desagregar de forma a libertar o princípio activo

- conservante- por vezes utilizado para evitar ou retardar a degradação do princípio activo

Prazo de validade

- período até ao qual o princípio activo tem estabilidade; garante a actividade do princípio ou que este não se torne tóxico

Medicamentos organotrópicos

- efeito terapêutico resulta duma acção directa sobre o organismo

Medicamentos etiotrópicos

- actuam sobre os agentes patogénicos que causam doença

Medicamentos podem ser:

- de uso interno- administrado no interior do organismo pelas cavidades naturais ou acidentais ( via oral, rectal, nasal, etc.)

- de uso externo- exclusiva aplicação na superfície do corpo ou em mucosas facilmente acessíveis do exterior

Medicamentos genéricos ou similares

- têm o nome ou nomes do fármaco ou fármacos constituintes: apenas o nome químico ( denominação internacional comum)

  • Monitorização terapêutica

- curva do perfil de resposta terapêutica de um indivíduo a uma determinada terapêutica ( valores de concentração do medicamento)

- não é só administrar a dose e medir a concentração é a aplicação de conceitos matemáticos e o desenhar de curvas padrão de forma a ajustar a dose certa ao indivíduo

Janela terapêutica

- vai ser igual à diferença entre a concentração mínima eficaz e a concentração tóxica mínima

- quanto menor esta diferença, maior será o risco

Semi- vida- tempo em que a concentração do medicamento se reduz a metade

Concentração de pico- concentração máxima entre 2 tomas

Concentração de vale- concentração mínima entre 2 tomas

Utilizada em casos de:

- idosos; crianças; doenças hepáticas, renais, cardíacas

  • medicamentos com janela terapêutica estreita: aminoglicosídios

  • Fases da passagem de um fármaco pelo organismo

  1. Administração

  2. Fase farmacêutica ( desintegração da forma farmacêutica; dissolução do fármaco)

  3. Fase farmacocinética ( absorção, distribuição, metabolismo, excreção)

  4. Fase farmacodinâmica ( interacção fármaco receptor)

  5. Efeito

1- Vias de administração

Vias para obtenção de efeitos sistémicos

- vias entéricas: sublingual, oral, rectal

- vias parentéricas: endovenosa, intramuscular, subcutânea, inalatória, transdérmica

Vias para obtenção de efeitos tópicos ou locais

- inalatória, rectal, cutânea, intra- pleural, intra- articular, vaginal, ocular, auricular

Via sublingual

- mucosa oral com epitélio muito fino e ricamente vascularizado o que leva a uma rápida absorção

- utilizada quando se deseja uma rápida absorção e se torna imperativo que seja o doente a tomar o medicamento

- Vantagens- fácil administração; pode ser dado a doentes inconscientes; auto- administração; absorção rápida e evita o efeito de primeira passagem pelo fígado

- Desvantagens- sabor desagradável; efeitos irritantes locais

Via oral/ perós

(Parte 1 de 9)

Comentários