Pintura Base PVA

Pintura Base PVA

(Parte 1 de 2)

U

NIVERSIDADE DA AMAZÔNIA

CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA

CURSO: ENGENHARIA CIVIL

DISCIPLINA: TECNOLOGIA DAS CONSTRUÇÕES

PROCEDIMENTO EXECUTIVO E SISTEMA PARA ACOMPANHAMENTO E CONTROLE DE PINTURA

BASE PVA

BELÉM

2009

SUMÁRIO

1-INTRODUÇÃO 2

1.1 OBJETIVO DO TRABALHO 3

2- CONCEITUAÇÃO E FUNÇÃO 4

2.1 - COMPOSIÇÃO DAS TINTAS 5

3 - TINTA PVA (POLÍMEROS VINÍLICOS AQUOSO) 7

3.1 - PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE TINTAS PVA/LÁTEX 8

4 – PROCEDIMENTO EXECUTIVO DE PINTURA - BASE PVA 8

4.1 – OBJETIVO DO PROCEDIMENTO 8

4.2- EQUIPAMENTOS 9

4.3 - MÉTODO EXECUTIVO 9

4.3.1 - CONDIÇÕES PARA INÍCIO DO SERVIÇO 10

4.3.2 - PREPARAÇÃO DA BASE 10

4.3.3 - EXECUÇÃO DA PINTURA COM ACABAMENTO CONVENCIONAL 11

4.3.4 - EXECUÇÃO DA PINTURA COM ACABAMENTO LISO CONVENCIONAL 12

4.4 - ORIENTAÇÕES GERAIS 14

5 - CONSIDERAÇÕES FINAIS 16

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 17

  1. INTRODUÇÃO

Em alguns livros e enciclopédias temos citações que os chineses, em meados do ano mil, já dominavam as técnicas de fabricação das tintas. A primeira receita conhecida dos chineses era constituída de negro de fumo, misturado com cola e água ou óleo de linhaça. Com o passar dos tempos, substâncias vegetais foram acrescentadas a minerais, sementes, entre outros. Foi com a descoberta dos pigmentos derivados do alcatrão de hulha que a revolução das cores tornou-se possível. A seguir, o óleo de linhaça perdeu espaço para óleos sintéticos. Com isso, a secagem da tinta foi facilitada e, anos mais tarde, o uso de resinas foi tornando a fórmula mais estável.

Hoje, as indústrias produzem tintas que secam com maior velocidade, por evaporação e até por ação infravermelha e ultravioleta. Uma tinta é constituída basicamente pelo pigmento, que destaca o poder, tonalidade e intensidade do corante, ou seja, a tinta é composta por pigmentos, ligantes, líquidos e aditivos. Os ligantes dão liga aos pigmentos e fornecem a adesão ao filme da tinta. Os líquidos, também chamados de veículo, são responsáveis pela consistência desejada.

Os aditivos um deles, os espessantes, trabalham a viscosidade na tinta e a espessura que o filme da tinta vai ter, depois de seca. Os aditivos colhidos da natureza têm maior sensibilidade e por isso deterioram mais facilmente.

Os aditivos surfactantes são estabilizantes, impedem que seus componentes se separem ou que o produto fique impróprio para o uso de tão espesso, são condutores da cor porque tornam os corantes compatíveis com o produto, de forma que a cor criada seja a mesma na tinta envazada.

Outras espécies de aditivos usados nos produtos à base de água são os conservantes bactericidas que impedem a formação de bactérias sobre a pintura e os conservantes fungicidas que retardam o aparecimento de fungos e algas na superfície com tinta seca. (nos produtos para exterior e para regiões e ambientes úmidos), como banheiros e cozinhas. As temidas bolhas na pintura são combatidas com os anti-espumantes, que estouram as bolhas formadas quando a tinta é misturada na fábrica, no agitador ou quando é aplicada na parede com rolos.

Além de água, as tintas recebem líquidos chamados coalescentes, que ajudam o ligante a formar um bom filme quando aplicado até a temperatura mínima recomendada. Há também os co-solventes, que garantem que a tinta líquida não perca qualidade quando congelada, facilitam a pintura com pincel, ao garantir o que os técnicos chamam de TEMPO ABERTO, o tempo em que a tinta pode ser aplicada e trabalhada, antes que comece a secar.

1.1 OBJETIVO DO TRABALHO

O objetivo principal do trabalho é a elaborar o procedimento para execução do serviço de pintura, base PVA, em áreas internas não molháveis. Apresenta-se ainda breve revisão bibliográfica a cerca da pintura na construção civil.

2- CONCEITUAÇÃO E FUNÇÃO

Tomando-se uma definição geral, tinta é uma mistura homogênea de solventes, aditivos, resinas e pigmentos que tem por finalidade revestir uma superfície de modo a protegê-la contra a ação de intempéries de todos os gêneros, bem como funcionar como elemento de decoração.

Outra definição mais completa é a de que tinta é uma mistura estável entre pigmentos e cargas dispersos numa resina líquida que, ao ser estendida numa fina película, forma um filme aderente ao substrato com a finalidade de cobrir, proteger e embelezar.

Neste contexto, entende-se como tinta uma composição química líquida pigmentada ou não que, ao ser aplicada em um substrato, se converte em filme sólido por mecanismos característicos de cada tipo de tinta.

Sendo assim, suas funções consistem em: criar uma película protetora de superfícies, sinalizar, distribuir iluminação e ornamentar ambientes, isto é, as tintas possuem quatro funções básicas: higiene, iluminação, proteção e segurança. A Figura 1 representa sintetiza as funções de uma tinta.

Figura 1: Funções das tintas.

Normalmente as tintas de revestimento são classificadas como:

  • Tintas Imobiliárias / Linha Imobiliária

  • Tintas Automotivas / Linha Automotiva

  • Tintas Industriais / Linha Industrial

Figura 2: Classificação das tintas.

Tinta é uma composição ou preparação química pigmentada ou não geralmente na forma líquida que se transforma em película solida quando aplicada. Geralmente, a pintura é composta de fundo, massa e tinta de acabamento. Os fundos diminuem a absorção, uniformizam e selam as superfícies, proporcionando uma economia das tintas de acabamento. As massas, em geral propiciam uma superfície mais lisa e homogênea sendo, porém dispensáveis, cuja finalidade é a de revestir uma dada superfície ou substrato para conferir beleza e proteção.

2.1 - COMPOSIÇÃO DAS TINTAS

Em sua essência, a tinta é composta por veículos, pigmentos, solventes e aditivos. Assim, os veículos ou aglutinadores constituem as resinas para tintas a base de solventes e as emulsões para tintas a base de água. Servem para unir as partículas de pigmento. Os pigmentos podem ser ativos ou inertes. Os ativos conferem cor e cobertura e os inertes conferem enchimento, facilidade de lixar, entre outras propriedades.

Os aditivos melhoram ou aperfeiçoam uma série de características das tintas, sejam elas à base de água ou solvente. Uns deles, os espessantes, trabalham a viscosidade na tinta e a espessura que o filme da tinta vai ter, depois de seca. Conforme ilustra a Figura 3.

Figura 3: Composição das tintas.

Resina: É a parte não-volátil da tinta, que serve para aglomerar as partículas de pigmentos. A resina também denomina o tipo de tinta ou revestimento empregado. É ela responsável pela formação da película protetora na qual se converte a tinta depois de seca. Outra função é a de proporcionar brilho, aderência, elasticidade e resistência. Assim, por exemplo, temos as tintas acrílicas, alquídicas, epoxídicas, etc. Antigamente as resinas eram a base de compostos naturais, vegetais ou animais. Hoje em dia são obtidas através da indústria química ou petroquímica por meio de reações complexas, originando polímeros que conferem às tintas propriedades de resistência e durabilidade muito superior às antigas.

Pigmento:Material sólido finamente dividido, insolúvel no meio. Utilizado para conferir cor, opacidade, certas características de resistência e outros efeitos. São divididos em pigmentos coloridos (conferem cor), não-coloridos e anti-corrosivos (conferem proteção aos metais). podem ser inorgânicos( naturais, sintéticos e metalicos) e orgânicos (sinteticos).

Aditivo: Ingrediente que, adicionado às tintas, proporciona características especiais às mesmas ou melhorias nas suas propriedades. Utilizado para auxiliar nas diversas fases da fabricação e conferir características necessárias à aplicação, como, os aditivos secantes, anti-sedimentares, anti-espumantes, anti-peles, molhantes, plastificantes e dispersantes.

Solventes: Líquido volátil, geralmente de baixo ponto de ebulição, utilizado nas tintas e correlatos para dissolver a resina são classificados em, solventes aditivos ou verdadeiros latentes e inativos como: água, aguarrás, xilol, tuluol, àcoois,acetona,butil e celosolve.

Dentre as tintas imobiliárias disponíveis no mercado além da tinta PVA ou LÀTEX, que é tema de nosso trabalho as seguintes tintas:

Acrílicas, esmaltes sintéticos, vernizes e texturas.

3 - TINTA PVA (POLÍMEROS VINÍLICOS AQUOSO)

As tintas PVA látex são compostas por resinas à base de dispersão aquosa de polímeros vinílicos, pigmentos isentos de metais pesados, cargas minerais inertes, glicóis e tenso ativos etoxilados e carboxilados. Sua aplicação deve ser feita com rolo de lã, trincha ou pistola esta tinta apresenta probabilidade de apresentar uma ligeira mancha quando exposta a água (sereno ou chuvas leves), ocorrendo geralmente no período de cura do filme da tinta, isto é, nas duas primeiras semanas. Para a solução deste problema, os fabricantes recomendam que a superfície seja toda lavada com água em abundância tão logo tenha ocorrida a mancha.

Nos sistemas base de água a parte líquida é preponderantemente a água.

As tintas aquosas e os seus complementos, utilizados na construção civil, são um exemplo marcante, pois representam 80% de todas as tintas consumidas por esse segmento de mercado.

Estes produtos denominados genericamente de produtos látex são baseados em dispersões aquosas poliméricas (emulsões) tais como: vínílicas, vinil acrílicas, acrílicas, estireno-acrílicas, etc.

A parte volátil das tintas látex é constituída por 98% de água e 2% de compostos orgânicos (valores médios).

As cargas minerais são particularmente importantes na produção de tintas látex para a construção civil; sob o ponto de vista quantitativo representam uma parte importante da composição dessas tintas.

Em tintas, os sistemas aquosos estão adquirindo uma importância crescente; o primer eletroforético utilizado na pintura original automotiva é um dos exemplos mais importantes. Algumas tintas de acabamento automotivo também são aquosas.

É importante salientar que em tintas industriais há outras tecnologias concorrentes dos sistemas aquosos na solução de problemas ambientais, como, por exemplo, tintas em pó, tintas de cura por UV, tintas de altos sólidos, etc.

3.1 - PROCESSO DE FABRICAÇÃO DE TINTAS PVA/LÁTEX

O processo de produção desse tipo de tintas é mais simples do que o usado na produção de tintas base solvente.

Pré-mistura e dispersão: Em um equipamento provido de agitação adequada são misturados: água, aditivos, cargas e pigmento (dióxido de titânio)

A dispersão é feita em seqüência no mesmo equipamento.

Completagem: Esta etapa é feita em um tanque provido de agitação adequada onde são adicionados água, emulsão, aditivos, coalescentes e o produto da dispersão.

Nesta etapa são feitos o acerto da cor e as correções necessárias para que se obtenham as características especificadas da tinta.

Filtração e envase: Estas etapas ocorrem simultaneamente. A produção de tintas base água surge como alternativa para a redução de COV. Sua maior aplicação é no ramo imobiliário, predominando as tintas látex. As etapas de fabricação são basicamente as mesmas da base solvente. As diferenças resumem-se a ordem de adição dos componentes da tinta.

O fluxograma a seguir ilustra o processo de fabricação:

Figura 4: Produção das tintas a base água.

4 – PROCEDIMENTO EXECUTIVO DE PINTURA - BASE PVA

4.1 – OBJETIVO DO PROCEDIMENTO

O objetivo deste procedimento é padronizar e fornecer diretrizes para a execução de serviço de pintura à base de resina PVA em áreas internas de ambientes não molháveis, sobre superfícies de gesso, emboço ou reboco, com acabamento convencional ou liso convencional, de forma a contribuir para reduzir os índices de perdas, retrabalhos e aumento da produtividade.

(Parte 1 de 2)

Comentários