Sistema de Esgoto

Sistema de Esgoto

(Parte 1 de 4)

12.1 Introdução

Como conseqüência da utilização da água, há geração de esgotos. Estes esgotos vão acabar poluindo o solo, contaminando as águas e disseminando as doenças, caso não seja dada uma adequada destinação aos mesmos.

12.2 Sistema de esgotos sanitários

A. Definição

Sistema de esgotos sanitários é o conjunto de obras e instalações destinadas a propiciar:

• disposição final das águas residuárias da comunidade, de uma forma adequada do ponto de vista sanitário.

B. Benefícios

• redução das doenças causadas pelas águas contaminadas por dejetos;

• diminuição de custo no tratamento de água para abastecimento (que seriam ocasionadas pela poluição dos mananciais).

12.3 Alguns conceitos básicos

São introduzidos, neste item, alguns conceitos de terminologias técnicas empregadas no estudo de esgotos sanitários:

• Águas residuárias: esgoto gerado por uma comunidade ou por indústrias;

• Esgotos domésticos: despejos líquidos das habitações, estabelecimentos comerciais, instituições e edifícios públicos;

• Efluentes industriais: esgotos gerados pelas indústrias; • Esgoto bruto: esgoto não tratado;

• Esgoto tratado: esgoto após a etapa de tratamento;

· Água bruta: água retirada do rio, lago ou lençol subterrâneo, possuindo uma determinada qualidade;

• Água de infiltração: parcela das águas do subsolo que penetra nas canalizações de esgotos através das juntas, poços de visitas e defeitos nas estruturas do sistema;

• Águas pluviais: parcela das águas das chuvas que escoa superficialmente;

• Corpo receptor: corpo d’água que recebe o lançamento de esgotos brutos ou tratados.

• Autodepuração: melhora da qualidade do corpo receptor por mecanismos puramente naturais.

12.4 Caracterização dos esgotos

A. Relativos à quantidade

Os esgotos que são produzidos em uma cidade são basicamente originados de três fontes distintas:

A vazão doméstica engloba usualmente os esgotos produzidos nos domicílios, nas atividades comerciais e institucionais de uma localidade.

A infiltração no sistema de esgotamento ocorre através de tubos defeituosos, conexões, juntas ou parede de poço de visita.

A vazão de esgotos industriais produzidos depende do tipo, do porte, do processo de industrialização, etc.

B. Relativos à qualidade

B1. Esgotos domésticos

Os esgotos domésticos contêm aproximadamente 9,9% de água e apenas 0,1% de sólidos. Os problemas de poluição das águas ocorrem devido a essa fração de 0,1% de sólidos.

B2. Esgotos industriais

Os efluentes industriais podem exercer uma grande influência no projeto dos sistemas de esgotos sanitários. Para que o tratamento de esgoto seja eficaz, é necessário que sejam removidos dos dejetos industriais os contaminantes que possam causar problemas de toxidez aos micoorganismos e de riscos à segurança dos trabalhadores.

12.5 Soluções de esgotamento sanitário

A. Esgotamento dos esgotos

O fluxo natural dos esgotos é por gravidade, isto é, os esgotos fluem naturalmente dos pontos mais altos para os pontos mais baixos. As águas residuárias, provenientes das habitações, estabelecimentos comerciais e industriais, instituições e edifícios públicos e hospitais, são conduzidas pelas redes coletoras aos coletores tronco e interceptores.

Figura 12.1 – Escoamento dos esgotos por gravidade.

As canalizações coletoras de esgotos sanitários recebem ao longo de seu traçado, os coletores prediais (domésticos, comerciais, industriais, etc.).

Figura 12.2 – Unidade habitacional.

Cada coletor predial recebe e transporta os seus esgotos, à medida que no interior das habitações os aparelhos sanitários vão lançando os dejetos correspondentes às águas utilizadas para os diversos fins.

Pelo fato do escoamento dos esgotos ser por gravidade, as canalizações necessitam de uma determinada declividade que possibilite o transporte das águas até o seu destino final. O escoamento dos esgotos deverá ocorrer sem problemas que impliquem em obstruções das tubulações ou demais danos que prejudiquem o perfeito funcionamento de todas as unidades que compõem o sistema de esgotos sanitários.

Figura 12.3 – Declividade das tubulações.

O dimensionamento hidráulico das canalizações é feito de forma que o esgoto não chegue a ocupar todo espaço interno da tubulação. O líquido atinge apenas um determinado nível, inferior ao diâmetro interno da tubulação, possibilitando seu escoamento por gravidade, sem exercer pressões sobre a parede do tubo.

B. Tipos de sistema de coleta e transporte

Existem, basicamente, dois tipos de sistema para o esgotamento de uma determinada área: sistema individual e sistema coletivo.

12.5.1 Sistemas individuais

Sistemas adotados para atendimento unifamiliar. Consistem no lançamento dos esgotos domésticos gerados em uma unidade habitacional, usualmente em fossa séptica seguida de dispositivo de infiltração no solo (sumidouro, irrigação sub-superficial).

Figura 12.4 – Solução individual.

Este assunto será visto com detalhe no capítulo 15 que trata de problemas de esgotos em meios rurais.

12.5.2 Sistemas coletivos

Os sistemas coletivos consistem em canalizações que recebem o lançamento dos esgotos, transportando-os ao seu destino final, de forma sanitariamente adequada. Em alguns casos, a região a ser atendida poderá estar situada em área afastada do restante da comunidade, ou mesmo em áreas cujas altitudes encontram-se em níveis inferiores.

Nestes casos, existindo área disponível cujas características do solo e do lençol d’água subterrâneo sejam propícias à infiltração dos esgotos, poder-se-á adotar a solução de atendimento coletivo da comunidade através de uma única fossa séptica de uso coletivo, que também atuará como unidade de tratamento dos esgotos.

(Parte 1 de 4)

Comentários