Fundamentos da nutrição de coelhos

Fundamentos da nutrição de coelhos

(Parte 1 de 7)

Universidade Federal de Minas Gerais Escola de Veterinária Departamento de Zootecnia

WALTER MOTTA FERREIRA1 FLÁVIA MARIA DE OLIVEIRA BORGES SAAD2 RENATA APOCALYPSE NOGUEIRA PEREIRA3

A maior parte das pesquisas efetuadas em nutrição de coelhos foi desenvolvida sob condições de clima temperado e têm possibilitado definir recomendações para serem utilizadas na formulação de dietas para a produção desses animais.

As necessidades energéticas ou protéicas publicadas até o momento estão relacionadas com a produção intensiva de carne de coelho e foram especialmente estabelecidas para condições européias. O comportamento desses animais criados em sistemas intensivos é significativamente diferente daqueles submetidos a condições extensivas. Sob condições intensivas de crescimento, os coelhos se alimentam exclusivamente de grãos de alta qualidade e de alfafa. O uso de ingredientes secos e moídos em dietas peletizadas ou extrusadas permite formulações balanceadas com resultados otimizados.

Infelizmente os coelhos não suportam bem a dieta farelada apresentando deficiências produtivas com esta forma de apresentação. Entretanto, é possível usar forragens frescas ou fenadas substituindo

1 Zootecnista, Esp., MSc., DSc., Professor Adjunto do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Minas Gerais; 2 Médica Veterinária, MSc., DSc., Professora Adjunto do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras; 3 Zootecnista, MSc., DSc., Bolsista Recém-doutor do CNPq do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Lavras.

parcial ou totalmente as dietas compostas e peletizadas. Existem estudos recentes que comprovam a eficácia de dietas simplificadas a base de forragens de alta qualidade protéica na produção de coelhos. Também é possível o uso do alimento em pasta, embora seja, pelo ponto de vista prático e sanitário, mais complicado. Porém, também por razões práticas de administração do alimento e para poder formular dietas balanceadas otimizando a relação custo e oportunidade dos fabricantes industriais, implementa-se o uso combinado de grãos de oleaginosas, subprodutos de cereais e forragens fenadas se dando preferência a dietas granuladas ou peletizadas. Quando proporcionamos aos coelhos dietas peletizadas, os animais jovens e as coelhas reprodutoras são capazes de ajustar seu consumo de alimentos em função da concentração energética da dieta. Esta regulação, para chegar a um consumo constante de energia diária, só é possível quando a concentração de energia digestível (ED) esteja acima de 2.200 Kcal/ Kg na dieta. Devido a isto, a recomendação dos níveis dos demais nutrientes, deve estar relacionada ao nível de energia da dieta. Por esta razão, a definição da concentração de ED é a base para a formulação de rações.

Este trabalho procurou resgatar algumas das informações mais importantes sobre os fenômenos digestivos e nutricionais de coelhos, enfatizando as necessidades de nutrientes e as estratégias nutricionais, considerando neste contexto as metodologias de avaliação de alimentos e de determinação das exigências energéticas e protéicas para estes animais.

Com relação ao comportamento alimentar, os animais domésticos podem ser divididos em três grandes categorias: carnívoros, que têm como principal fonte alimentar a carne; herbívoros, que, em condições normais, alimentam-se somente de produtos de origem vegetal; e onívoros, que consomem os dois tipos de alimentos.

Para ter acesso aos nutrientes contidos nos alimentos vegetais, os herbívoros necessitam romper a parede celular dos mesmos, a qual é constituída por componentes altamente heterogêneos quimicamente (celulose, hemiceluloses, pectinas, ligninas e outros). Estes componentes, em sua quase totalidade, constituem uma barreira ao conteúdo celular dos vegetais.

[A ingestão destas estruturas pelos animais superiores é primariamente limitada pela ausência de enzimas capazes de quebrar determinadas ligações, com subseqüente digestão e absorção. No entanto, ao longo do processo evolutivo, os herbívoros desenvolveram a capacidade de aproveitar alimentos ricos em parede celular, através de processos simbióticos com microrganismos e também por peculiaridades anatomofisiológica do aparelho digestivo, como câmaras fermentativas. Estes sítios de fermentação são incisivos em determinar maior ou menor aproveitamento do alimento rico em material fibroso, sendo que os mais eficientes neste processo são os que possuem sítios fermentativos localizados pre-gástricamente (ruminantes). Outros herbívoros possuem câmaras de fermentação após os sítios de maior absorção de nutrientes, limitando o aproveitamento do material fermentado].

Digestibilidade da parede celular vegetal em algumas espécies animais.

Ruminante Rumen - Colo 50 - 90

Equinos Colo - Ceco 34 - 40 Coelhos Ceco 16 - 18 Cobaias Ceco 34 - 40

Os coelhos se encontram nesta última categoria, com extensa fermentação posterior ao intestino delgado, mais especificamente, no ceco, razão pela qual são animais seletores de alimentos com maiores teores de proteína e carboidratos em relação à parede celular nos produtos de origem vegetal.

Outra particularidade desta espécie seria a dualidade da excreção fecal, com a capacidade dos coelhos de produzir e reingerir parte do material fecal, as denominadas fezes moles ou cecotrofos, oriundas da fermentação cecal (fenômeno descrito como coprofagia, ou mais especificamente como cecotrofia), o que lhes permite aproveitar mais eficientemente alimentos vegetais.

Para entender o processo alimentar dos coelhos, faz-se necessário o conhecimento de sua anatomia e fisiologia digestiva, bem como seu metabolismo ceco-cólico. Estes pontos serão abordados na seqüência.

Anatomicamente, o coelho apresenta estômago e ceco bastante desenvolvidos, bem adaptados à digestão de considerável parte de forragens e cereais, com capacidade de conter cerca de 80 % da digesta. Um coelho adulto alimenta-se aproximadamente de 20 a 40 vezes ao dia, ingerindo cerca de 1,08 g de alimento por minuto. A ingestão permanente torna-se necessária para a manutenção de um trânsito eficiente da digesta. O trato digestivo é capaz de excretar rápida e seletivamente a fibra dietética, retendo as frações solúveis e partículas pequenas no ceco.

amilase salivar, que possui alta atividade, com subseqüente deglutição

O processo inicia-se com a apreensão e mastigação dos alimentos (20-25 movimentos mastigatórios por minuto) , com conseqüente trituração dos mesmos, a exceção dos cecotrofos, que são deglutidos íntegros, aspecto que será discutido posteriormente. Concomitantemente à trituração, os alimentos são embebidos em saliva com enzimas como a Estômago

O estômago do coelho mede cerca de 115 m de comprimento por 75 m de largura, constituído por dois divertículos característicos: o cárdia, pouco pronunciado, e o piloro, bastante desenvolvido. Sua capacidade média total é de 500 ml no coelho adulto. O pH neste órgão situa-se em torno de 1 - 2 em animais adultos, embora em lactantes seja de 5,5 - 6,0, tornando estes últimos muito susceptíveis a diarréias, mas permitindo a incorporação de microrganismos aos sítios de fermentação.

As secreções estomacais incluem ácido clorídrico, pepsinogênio e muco. A despeito do baixo pH, alguma fermentação ocorre neste local, indicada pela presença do ácido lático, decorrente da ação das bactérias nos cecotrofos, como será discutido a posteriori.

Assume-se que o estômago dos coelhos possui uma túnica muscular pouco desenvolvida, pouco contrátil, sendo que estes animais nunca vomitam e o estômago normalmente nunca é encontrado vazio o que supõe que a ação mecânica da ingesta é que pressiona o conteúdo estomacal para o duodeno

Intestino Delgado e Órgãos Anexos

O intestino delgado tem um comprimento aproximado de 300 cm, com desenvolvimento total por volta de 9 a 1 semanas de idade. É o maior sítio de absorção de nutrientes, encontrando-se dividido em 3 áreas funcionais: duodeno, jejuno e íleo, sendo que este órgão é bem vascularizado nas áreas secretoras do duodeno e íleo cranial.

O conteúdo de matéria seca da ingesta que chega a este órgão é baixo e, seu pH, alto, no entanto, na medida em que se dirige ao íleo distal, onde se dá a absorção, o teor de matéria seca tende a aumentar.

No duodeno ocorre a neutralização do material ácido oriundo do estômago. O pâncreas está localizado em volta desta porção, difusamente, em lóbulos dissociados no mesentério, e secreta enzimas digestivas como amilase, proteases e lipases, bem como secreções alcalinas (bicarbonatos). A bile é inoculada no duodeno próximo ao esfíncter pilórico, e é sintetizada no fígado (tetralobado, com vesícula biliar) e secretada no intestino via ducto biliar.

A bile é constituída por ácidos biliares e pigmentos, com importante papel na absorção de gorduras e vitaminas. Devido a sua propriedade detergente e emulsificante, solubilizam os lipídios no meio aquoso do intestino. A bile é secretada conjugada com aminoácidos, aumentando sua solubilidade em água.

Enquanto que os ruminantes secretam os ácidos biliares conjugados com a taurina, os coelhos os fazem exclusivamente com a glicina. Outra peculiaridade é que os pigmentos biliares do coelho são principalmente constituídos de biliverdina (como aves e anfíbios) enquanto que a maioria dos mamíferos excreta bilirrubina.

Após a neutralização e mistura dos alimentos no duodeno, o bolo alimentar segue ao jejuno, considerado o maior sítio de digestão e absorção.

Até este ponto, a digestão dos coelhos é muito similar à digestão da maioria das espécies monogástricas, no entanto, a partir da passagem do material oriundo da digestão ao intestino grosso, o coelho apresenta uma fisiologia digestiva bastante particular, inclusive diferenciada de outras espécies de herbívoros com fermentação após o intestino delgado.

Intestino grosso

O intestino grosso tem um importante papel na digestão do coelho, devido à fermentação cecal, excreção seletiva da fibra e a reingestão do conteúdo cecal (cecotrofia), podendo ser dividido em ceco, colo e reto.

O ceco dos coelhos é bastante volumoso, medindo cerca de 40 cm, com capacidade aproximada de 600 ml. A mucosa do ceco é bem vascularizada e rica em células mucosecretoras e absortivas, sendo que sua porção distal apresenta um apêndice vermiforme (medindo cerca de 13 cm, aos 4 meses) contendo numerosas células linfóides, estando relacionada com a pressão arterial e secreção de íons bicarbonato

(HCO3), tamponantes dos ácidos graxos voláteis produzidos durante a fermentação cecal. No apêndice cecal ocorre também uma fagocitose bacteriana e a apendicotomia reduz , significativamente, os níveis de vitamina B12 no conteúdo cecal, em uma clara relação com a fermentação microbiana. Na sua porção proximal, o ceco se relaciona com a junção ileocecocólica, bastante importante na fisiologia do ceco e do colo.

O colo possui quatro regiões distintas: colo anterior proximal (5 -15 cm), colo posterior proximal (um pouco maior que o anterior), Fusus coli (3 a 4 cm) e colo distal (com abundantes células mucoprodutoras). Seu tamanho aproximado seria de 130 cm.

De particular importância na fisiologia digestiva dos coelhos é a separação de partículas no colo. Após a digestão dos nutrientes no intestino delgado, os resíduos passam através da válvula ileal e seguem parte ao colo proximal e parte ao ceco.

O ceco proximal então realiza movimentos antiperistálticos e contrações no seu início e fim, as quais impulsionam a parte do material ao ceco. Em contrações rápidas, desde a base do apêndice até a junção ileocecocólica e vice-versa, o ceco mistura continuamente seu conteúdo. Estes movimentos são responsáveis pela maior tendência das partículas maiores e com pouco líquido fluírem para o colo proximal, e pelas partículas menores, microrganismos e grande parte dos líquidos seguirem para o ceco.

O material no colo perde água e é rapidamente eliminado em resposta a uma estimulação nervosa. As fezes duras são constituídas pelas partículas maiores e modeladas por contrações do colo distal, e sua eliminação sempre precede contrações simples e amplas do ceco e colo proximal, com rápida movimentação das fezes através do colo distal e reto. Desta forma o coelho é capaz de excretar rápida e seletivamente a fibra dietética, retendo por tempo prolongado as frações solúveis e as partículas pequenas, no ceco.

Os cecotrofos são produzidos depois que o conteúdo cecal foi submetido por algumas horas à ação bacteriana. Sua produção inicia-se em resposta à passagem completa de ingesta pela válvula ileal. O fusus coli é responsável pela separação das fezes duras e moles.

Esta estratégia facilita a utilização de dietas altas em forragens e de baixa energia, ou seja, enquanto a digestibilidade da parede celular é baixa, os demais constituintes das forragens são utilizados eficientemente.

Existe a sugestão de que as glândulas adrenais (supra-renais) exercem alguma influência sobre o mecanismo ceco-cólico, uma vez que, em coelhos adrenalectomizados, são observados distúrbios no ritmo de produção e diferenciação das fezes, e injeções de hidrocortisona restauram o ritmo normal. De qualquer modo, a adrenalina não seria o único fator determinante, uma vez que animais adrenalectomizados recuperam seu ritmo normal depois de algumas semanas.

Cecotrofia

A fisiologia digestiva dos coelhos é estreitamente relacionada com a cecotrofia, sendo esta última importante para melhorar a utilização de proteína e matéria seca da dieta. A cecotrofia ocorre muito precocemente em coelhos selvagem, enquanto que, nos domésticos, inicia-se no momento em que se passa a ingerir alimentos sólidos, por volta de terceira semana de vida.

Após a separação de partículas, o material cecal permanece durante algumas horas onde uma série de microrganismos promove uma fermentação com subseqüente incorporação de nutrientes como proteínas , vitaminas do complexo B e vitamina K, bem como ácidos graxos voláteis. Antes de sua eliminação, as fezes moles são cobertas por uma camada de muco.

A eliminação das fezes moles ocorre posteriormente à eliminação total das fezes duras, e alguns autores sugerem que esta eliminação possa estar relacionada com ingestão de alimentos e acúmulo de ácidos graxos voláteis no ceco.

A quantidade de cecotrofos produzida está relacionada com o indivíduo, com a idade, com a quantidade e componentes nutricionais do alimento, bem como com alterações das funções fisiológicas normais se a cecotrofia é impedida. É evidente que a fonte comum para os dois tipos de fezes é o material cecal, no entanto , além de diferenças no aspecto externo (tamanho, forma e consistência), apresentam composições claramente distintas, especialmente nos teores de fibra, proteína, minerais e água.

A composição, tanto das fezes duras, quanto dos cecotrofos, é influenciada pela dieta. Em dietas com baixo teor de fibra a cecotrofia é reduzida, em função de uma baixa motilidade intestinal e um maior tempo de retenção cecal. Estes aspectos estão muito relacionados a distúrbios como diarréia e impactação cecal.

Vários fatores podem influenciar no consumo de cecotrofos, entre eles a iluminação, o tipo de dieta, regularidade das operações diárias de manejo, a densidade populacional e o ciclo circadiano do animal. Os animais adultos ingerem mais cecotrofos durante a noite e os jovens com uma distribuição regular durante o dia. Os processos fisiológicos como a lactação pode também alterar este consumo. Os cecotrofos são tomados diretamente do ânus e deglutidos íntegros, sem ocorrência de mastigação. Estes não se misturam ao conteúdo estomacal e permanecem no estômago até que a camada de muco se desintegre. O pH interno do cecotrofo é mantido entre 6,0 e 6,5, devido a um sistema tampão, enquanto que o pH do conteúdo estomacal gira em torno de 1,0 a 1,5. Durante este período as bactérias continuam fermentando os carboidratos. Após a desintegração da camada de muco seguem-se os processos de digestão normais. Não está bem definido como os coelhos distinguem as fezes duras dos cecotrofos, entretanto existem sugestões de relações com presenças de neuromotores anais e quantidade de ácidos graxos voláteis no material fecal mole, uma vez que estes possuem um odor característico que serviria de estímulo ao consumo.

Composição de fezes duras e moles (valores médios e faixa de variação)

Matéria seca (g/kg) Proteína Bruta (g/kg de MS)

(Parte 1 de 7)

Comentários