apostila de enfermagem

apostila de enfermagem

(Parte 1 de 11)

w.soenfermagem.net Índice

1- Primeiros Socorros 2- Entrevista 3- Sinais Vitais : Ver / Ouvir / Sentir 3.1 Pulso 3.2 Respiração 3.3 Pressão Arterial 3.4 Temperatura Corporal 3.5 Nível de Consciência 3.6 Dilatação das Pupilas 3.7 Cor da Pele 4- Exame da Cabeça-aos-pés

TRANSPORTE DE ACIDENTADO Conceito Indicações Cuidados Tipos de Transporte

SISTEMATIZAÇÃO DO POLITRAUMATIZADO: O ABC da Vida Abordagem e Tratamento das Vias Aéreas Trauma Torácico Trauma Abdominal Traumatismo Crâneo Encefálico - TCE Traumatismo Raquimedular – TRM

ESTADO DE CHOQUE Conceito Causas Sinais e Sintomas Atendimento

HEMORRAGIA Classificação Atendimento

PARADA CÁRDIO RESPIRATÓRIA (PCR) Conceito Sinais de uma Parada Cardio-respiratória (PCR) Ressuscitação Cardiopulmonar (RCP): Atendimento Outros Métodos de Respiração Artificial

Método Holger-Nielsen Método Sylvester

FRATURAS Conceito Classificação Sinais e Sintomas: Atendimento

FERIMENTOS Conceito Atendimento QUEIMADURAS Conceito Gravidade Causas Classificação das queimaduras Atendimento

DESMAIO Conceito Causas Sinais e Sintomas Atendimento

CONVULSÕES Conceito Causas Sinais e Sintomas: Atendimento

AFOGAMENTO Conceito Sinais e Sintomas Atendimento

ENGASGAMENTO Sinais de Engasgamento Atendimento

Os Primeiros Socorros constituem-se no primeiro atendimento prestado à vítima em situações de acidentes ou mal-súbito, por um socorrista, no local do acidente. Lembre-se, a função do socorrista é:

Manter a vítima viva até a chegada do socorro Evitar causar o chamado 2º trauma, isto é, não ocasionar outras lesões ou agravar as já existentes.

Os primeiros minutos que se sucedem a todo acidente, principalmente nos casos mais graves, são importantíssimos para a garantia de vida da vítima, principalmente se forem bem aproveitados pelo Socorrista. As chances de sobrevivência diminuem drasticamente para as vítimas de trauma que não recebem cuidados médicos especiais dentro de uma hora após o acidente. Se o acidentado tiver a sorte de ter um Socorrista por perto, que possa prestar-lhe os Primeiros Socorros, aumentam as suas chances de recuperação. Da parte de quem presta o auxílio, há uma verdadeira corrida contra o tempo, onde os seus conhecimentos técnicos (de primeiros socorros) têm de ser praticados com Rapidez e Eficiência. O autocontrole é fundamental porque, sem ele, atitudes irresponsáveis podem por em risco a vida do paciente e a sua própria.

1. Mantenha a calma. 2. Tenha em mente a seguinte ordem de segurança quando você estiver prestando socorro:

• Você é a prioridade (o socorrista). Utilize luvas descartáveis para evitar contato direto com sangue ou outras secreções.

• Depois a sua equipe (incluindo os transeuntes).

• E por último e nem menos importante, a vítima.

Isso parece ser contraditório a primeira vista, mas tem o intuito básico de não gerar novas vítimas. 3. Ao prestar socorro, é fundamental ligar ao atendimento pré-hospital de imediato ao chegar no local do acidente. Podemos por exemplo discar 3 números: 193 (número do corpo de bombeiros). 4. Sempre verifique se há riscos no local, para você e sua equipe, antes de agir no acidente. 5. Mantenha sempre o bom senso. 6. Mantenha o espírito de liderança, pedindo ajuda e afastando os curiosos. 7. Distribua tarefas, assim os transeuntes que poderiam atrapalhar lhe ajudarão e se sentirão mais úteis. 8. Evite manobras intempestivas (realizadas de forma imprudente, com pressa). 9. Em caso de múltiplas vítimas dê preferência àquelas que correm maior risco de vida como, por exemplo, vítimas em parada cárdio-respiratória ou que estejam sangrando muito. 10. Seja socorrista e não herói (lembre-se do 2o mandamento).

1 - Primeiros Socorros:

É importante que se conheçam os mecanismos da injúria. Certas lesões são "comuns" a certos tipos de acidentes: fraturas são associadas a quedas e colisões; queimaduras são freqüentes em incêndios e explosões; perfurações dos tecidos moles do corpo, costumam ser provocadas por ferimentos à bala; e assim por diante. Assim, as lesões decorrem, em geral, de colisão de veículos, quedas, incêndios, explosões, assaltos (coronhadas, navalhadas, tiros, etc.), afogamentos e acidentes de barco, arma de fogo, envenenamentos, acidentes com máquinas, eletricidade (inclusive raios), picadas e mordidas de animais, e outras causas. Acontece que, muitas vezes, o acidente ocorre quando a vítima está sozinha e, chegando auxílio, o Socorrista depara-se com aquela pessoa inconsciente e não sabe, de imediato, a causa da lesão e / ou da gravidade da mesma.

Roteiro de Prioridades no atendimento (Chamado de ABC da Vida): SISTEMATIZAÇÃO

A- Abertura das vias aéreas com controle cervical B- Boa ventilação C- Circulação / Controle das hemorragias D- Distúrbios Neurológicos E- Exposição completa da Vítima e controle térmico.

* Toda vítima de trauma possui lesão cervical até provar o contrário! * O Estado de uma vítima é inversamente proporcional ao número de informações obtidas pelo Socorrista. * Não se administra nada via oral para vítimas inconscientes!

Na prestação dos Primeiros Socorros, convém Observar:

1 - Local: seguro ou perigoso? perto ou longe do Posto Médico ou Hospital? há necessidade e meios de remover dali o acidentado? 2 - Acidentado: está consciente? e tentando dizer-lhe algo ou apontando para alguma parte do seu (dele) corpo? está sozinho? (se há vários corpos, pode-se suspeitar, por exemplo, de envenenamento por Monóxido de Carbono). 3 - Curiosos: escute o que dizem. Peça ajuda. Afaste os que estiverem só atrapalhando. 4 - Agente causador: caiu algo sobre o paciente? há fumaça? está próximo de um trator tombado? 5 - Ferimentos: o acidentado está caido numa posição anormal (com o braço torto, por ex.)? há sangue? 6 - Sintomas: o Socorrista deve apurar os seus sentidos, de modo a poder ver, ouvir e cheirar, à procura de sintomas. O vômito, por exemplo, é indicativo de algumas lesões específicas; urinar sangue é sinal de fratura de bacia; etc. Observar se o acidentado apresenta sintomas como: náusea, sede, fraqueza, inquietação, medo, etc. Esses sintomas serão muito úteis ao serem passados, posteriormente, ao Médico que atender o acidentado.

Verificar:

Pele: fria, viscosa, quente Olhos: embaçados, pupilas dilatadas Face: pálida, rubra Lábios: azuis, descolorados Pulso: rápido, fraco Respiração: ofegante, quase inexistente, outras. Quanto ao nível de consciência da Vítima, devemos verificar:

A = alerta (acordado) F = fala D = dor I = inconsciente (não responde)

2 - Entrevista:

Se no local do acidente, estiverem outras pessoas (além do acidentado e do Socorrista), é importante que se obtenha(m) dela(s) as informações e a ajuda de que necessita, para o melhor atendimento da vítima. As informações a serem obtidas pelo Socorrista nesta "entrevista" rápida, podem estar relacionadas a:

• causas e hora do acidente

• conhecimento ou parentesco da vítima

• indicação de antídodos e endereços úteis

• idade, hábitos, doenças e remédios usados pelo acidentado

• conhecimento prévio de Primeiros Socorros

3 - Sinais Vitais: Ver / Ouvir / Sentir

Respiração: Geralmente usa-se o dorso da mão para senti-la. Pulso: No Carotídeo ou Radial (adultos e crianças). PA: Precisa-se de instrumental específico. Temperatura: Precisa-se de instrumental específico.

Sinais vitais são indicativos do funcionamento normal do organismo e diz respeito a:

3.1 - Pulso 3.2 - Respiração 3.3 - Pressão arterial 3.4 - Temperatura corporal 3.5 - Nível de consciência 3.6 - Dilatação das pupilas 3.7 - Cor da pele.

O que se chama comumente de "pulso" está associado às pulsações ou às batidas do coração, impulsionando o sangue pelas artérias, e que podem ser sentidas ao posicionarmos as pontas dos dedos em locais estratégicos do corpo. As pulsações devem ser contadas durante 60 segundos, para se determinar o número de batidas por minuto. Ou, como mostra o texto da figura acima, contam-se os batimentos durante 15 segundos e multiplica-se por 4. A interpretação deste resultado, nos adultos, é mostrada na tabela a seguir:

BATIMENTOS CARDÍACOS EM ADULTOS (Bat. /min) NÚMERO INTERPRETAÇÃO

60 a 80 Normal < 60 Lento (bradicardia) >= 100 Rápido (taquicardia) 100 - 150 Emergência (acidentado) > 150 Procurar Médico rápido

Como regra geral, sempre que os batimentos cardíacos forem menores que 50 ou maiores que 120 por minuto, algo seriamente errado está acontecendo com o paciente. É possível que haja a necessidade de se proceder à massagem cárdio- respiratória e à respiração boca-a-boca.

3.2 – Respiração:

A respiração, na prática, é o conjunto de 2 movimentos normais dos pulmões e músculos do peito: 1 - inspiração (entrada de ar pela boca/nariz); e 2 - expiração (saída de ar, pelas mesmas vias respiratórias). Nota-se a respiração pelo arfar (movimento de sobe e desce do peito) ritmado do indivíduo. A respiração normal e alterada, é mostrada na tabela abaixo:

RESPIRAÇÃO EM ADULTOS (No./min) NÚMERO INTERPRETAÇÃO

(Parte 1 de 11)

Comentários