O crescimento e desenvolvimento da criança

O crescimento e desenvolvimento da criança

(Parte 3 de 6)

É importante termos em mente que a maturação das diversas funções se faz em uma ordem céfalo-caudal. A criança aos três meses controla a musculatura ocular extrínseca, aos seis meses a musculatura cervical, aos nove meses os músculos de tronco e mãos e assim por diante.

De uma forma didática, a conduta pode ser dividida em 4 setores que possuem uma grande interdependência e se desenvolvem no mesmo ritmo. São eles: conduta motora, conduta adaptativa, conduta de linguagem e conduta pessoal-social.

Conduta Motora. A capacidade motora da criança é avaliada rotineiramente, tendo uma correlação íntima com sua maturidade. Como o crescimento do tecido nervoso e a mielinização encontram-se em evolução após o nascimento (ver tipos de crescimento) é natural uma organização da conduta e maturação das funções com o passar do tempo. O desenvolvimento ocorre no sentido crânio-caudal.

Desta forma, uma certa conduta motora considerada normal em uma criança de um mês, pode representar doença em outra de um ano. Podemos dividir as funções neurológicas de acordo com sua evolução em três grupos:

Achados normais que desaparecem após um certo período, sendo o seu reaparecimento sinal de doença:

• Reflexo tônico cervical de Magnus-Klejn e reflexo de retificação postural que desaparecem em torno do 1° a 2º mês de vida.

• Reflexo de Moro que desaparece até os quatro meses de vida.

• Sinal de Babinski bilateral presente até os 18 meses.

Achados normais que desaparecem e reaparecem como atividade voluntária:

• Reflexo de Preensão: involuntário nos primeiros 6 meses; voluntário ao longo do 2° semestre . • Reflexo de sucção.

• Reflexo da marcha.

Achados normais na criança que persistem no adulto:

• Reflexos profundos e, dos reflexos superficiais, o cutâneo-abdominal.

Conduta Adaptativa. Refere-se às adaptações da criança quando lhe são apresentados objetos, como cubos coloridos, uma pequena bola dentro de um vidro etc. São avaliadas adaptações de caráter manual, verbal e de orientação, que refletem a capacidade da criança de acomodar-se a experiências novas e utilizar, quando necessário, aprendizado recente. O desenvolvimento se dá do centro para a periferia, assim a criança adquire primeiro o controle da borda medial (ulnar) e depois da borda lateral (radial).

Conduta Pessoal-social. É um conjunto de reações apresentadas pela criança diante de outras pessoas, a adaptação à vida doméstica e ao convívio social. É a conduta que possui uma ampla variação, uma vez que depende tanto do temperamento da criança quanto das influências do meio ambiente.

Conduta de Linguagem. A conduta de linguagem incorpora todos os sons emitidos pela criança, desde vocalizações simples até palavras e orações. A compreensão do que outras pessoas dizem e posturas em resposta a sons audíveis também são avaliadas.

Anda de triciclo Apóia-se momentaneamente sobre um pé Constrói torre com 10 cubos Imita uma cruz Copia um círculo Conhece a idade e o sexo

Conta 3 objetos corretamente Repete 3 números ou uma frase de 6 sílabas Participa de jogos simples em "paralelo" com outras crianças Lava as mãos Ajuda a se vestir

Salta num pé Arremessa uma bola Usa tesoura para recortar figuras

Escala bem Copia cruz e quadrado Desenha um homem com 2 a 4 partes além da cabeça Aponta a maior de 2 linhas Conta 4 moedas Conta uma história Brinca com várias crianças com o início da interação social

Representa papéis Vai ao banheiro sozinho

Pula corda

Copia triângulo Reconhece o mais pesado entre 2 objetos Identifica 4 cores Repete frases de 10 sílabas Conta 10 moedas Veste-se e despe-se Pergunta o significado de palavras Representa papéis domésticos Amarra cordão dos sapatos Capaz de distinguir a fantasia da realidade

Podemos definir adolescência como uma fase lenta de transição que ocupa o período entre a infância e a idade adulta. Tem como característica transformações psicológicas, sociais e somáticas.

O critério cronológico, isto é, uma faixa etária entre 10 e 20 anos, é utilizado pela OMS para demarcar este período. Apesar desses números facilitarem as ações e os programas de assistência à saúde, sabemos que existe uma ampla variação quanto à idade de início da adolescência entre indivíduos dentro de um mesmo contingente populacional ou pertencentes a grupos populacionais distintos.

Com base em critérios biológicos, a adolescência abrange uma fase de modificações anatômicas e fisiológicas que transformam a criança em adulto. Corresponde ao período que vai do aparecimento de caracteres sexuais secundários e início da aceleração da velocidade de crescimento estatural (estirão pubertário), até o desenvolvimento físico completo (função reprodutora já estabelecida e parada de crescimento).

Todo o processo de maturação biológica que ocorre durante o período da adolescência é designado de puberdade.

Segundo o critério psicológico, o adolescente vivência um período de mudanças, onde a busca de identidade, a aceleração do desenvolvimento intelectual e uma evolução da sexualidade estão incluídos. Nesta fase observa-se também um desenvolvimento do pensamento abstrato e uma necessidade crescente de independência, além de atitudes contestadoras.

Como vimos antes, os termos puberdade e adolescência não podem ser empregados como sinônimos. Puberdade se refere exclusivamente aos eventos biológicos que ocorrem nessa fase. Adolescência tem um significado mais amplo, pois, além de englobar as modificações corporais características da puberdade, inclui também modificações psicossociais.

A puberdade apresenta duas modificações biológicas típicas deste período: a maturação sexual e o grande crescimento físico - o estirão da puberdade ou pubertário. Excluindo o primeiro ano de vida, é a fase que um indivíduo mais cresce.

O estirão ocorre cerca de dois anos mais cedo nas meninas. Situa-se entre 9,5 e 14,5 anos no sexo feminino e entre 10,5 e 16 anos no sexo masculino.

O início do desenvolvimento puberal apresenta grande variabilidade, podendo ser encontrado aos oito anos no sexo feminino e aos nove anos em meninos. A idade mais frequente de início é entre os 10 e 12 anos.

Consideramos a puberdade precoce quando ela se inicia antes dos oito anos em meninas e antes dos nove anos em meninos. Ela é tardia quando desenvolve-se após os 13 anos no sexo feminino e após os 14 anos no sexo masculino.

A sequência dos eventos pubertários que constituem a maturação sexual é geralmente constante para ambos os sexos. No entanto, apresenta amplas variações individuais, em relação a idade de início, bem como a duração dos eventos puberais, podendo a maturação sexual se completar em um período de dois até cinco anos.

A maturação sexual na adolescência é representada pelo desenvolvimento das gônadas e pelo aparecimento dos caracteres sexuais secundários. No sexo feminino a maturação sexual geralmente ocorre cerca de um anos antes.

Tanner classificou esta sequência de eventos pubertários em cinco estágios (Figuras 1 e 2). Estes tem como base o desenvolvimento da mama no sexo feminino, o desenvolvimento dos testículos e genitália externa no sexo masculino e distribuição dos pêlos pubianos em ambos os sexos.

Sexo Feminino

A primeira manifestação da puberdade em meninas é o aparecimento do broto mamário (telarca), que ocorre entre os oito e 13 anos. O surgimento de pêlos pubianos (pubarca) ocorre em seguida.

O intervalo entre os diferentes estágios varia de uma menina para outra. Os pêlos axilares usualmente surgem após o aparecimento da pilosidade pubiana. O crescimento do ovário se processa lentamente desde a infância, porém apresenta um aumento importante de tamanho cerca de dois anos antes da menarca (primeira menstruação).

A menarca ocorre em uma fase avançada de maturação sexual, entre os estádios M3 e M4, época em que se observa uma desaceleração do crescimento físico, que se completa aos 18 anos. Após a menarca, o ganho estatural é cerca de sete centímetros ao ano.

Inicialmente os ciclos menstruais são anovulatórios e irregulares, e persistem assim por cerca de um ou mais anos.

O crescimento estatural encontra-se acelerado na época do aparecimento do broto mamário (M2). A velocidade máxima de crescimento estatural é encontrada quando as mamas acham-se no estádio M3.

Sexo Masculino

O primeiro sinal de puberdade no sexo masculino é o crescimento dos testículos, podendo ocorrer entre os nove e 14 anos, em média aos 10 anos e nove meses. Este fenômeno é resultado do aumento de tamanho dos túbulos seminíferos. Segue-se, posteriormente, o aparecimento dos pêlos pubianos e o aumento do pênis.

Após o desenvolvimento dos túbulos seminíferos, ocorre a maturação das células de Leydig e a produção de andrógenos testiculares. Esta é a razão dos pêlos pubianos (ação dos androgênios) aparecerem depois do crescimento dos testículos.

Os pêlos axilares usualmente surgem após dois anos da pubarca. Acompanham o seu aparecimento o desenvolvimento das glândulas sudoríparas. Apilosidade facial desenvolve-se depois da axilar.

O crescimento testicular é importante na puberdade. Antes de seu início o volume encontra-se em tomo de 1 a 3mL. Um volume de 4mL ou mais é indicativo de puberdade. Os volumes encontrados no adulto variam de 12,5 a 25mL.

No início do desenvolvimento genital a velocidade de crescimento estatural é constante, encontrandose entre 5 a 6cm por ano. A aceleração do crescimento começa cerca de um ano depois, com o menino no estágio G3. A velocidade máxima de crescimento linear coincide com o estágio G4 e a desaceleração gradual com G5.

Ginecomastia. É o aumento das mamas no sexo masculino. Constitui-se em fenômeno normal durante a puberdade. O aumento da mama pode ser uni ou bilateral. Ocorre involução espontânea na maioria dos casos cerca de um a dois anos após seu aparecimen- to. A ginecomastia fisiológica não precisa do terapia, somente acompanhamento. Caso não haja involução da mama e isto traga problemas de ordem estética e psicossocial para o adolescente, a ginecomastia deve ser tratada cirurgicamente.

Figura 1 - Estágios de Tanner - Desenvolvimento Puberal FemininoFigura 2 - Estágios de Tanner - Desenvolvimento Puberal Masculino

(Parte 3 de 6)

Comentários