(Parte 1 de 6)

Copyright © 1990, ABNT–Associação Brasileira de Normas Técnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Todos os direitos reservados

Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 - 28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Telex: (021) 34333 ABNT - BR Endereço Telegráfico: NORMATÉCNICA

ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas

Palavras-chave: Confiabilidade. Mantenabilidade37 páginas

NBR 5462NOV 1994 Confiabilidade e mantenabilidade

SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Definições ANEXO A -Relações entre os conceitos de defeito, falha e pane

ANEXO B -Lista de símbolos e abreviações ANEXO C -Listas de equivalência dos termos técnicos relacionados à confiabilidade e mantenabilidade - Entrada em Português

ANEXO D -Listas de equivalência dos termos técnicos relacionados à confiabilidade e mantenabilidade - Entrada em Inglês Índice alfabético

1 Objetivo

Esta Norma define os termos relacionados com a confiabilidade e a mantenabilidade.

Nota: Nesta Norma são dados quatro Anexos, a saber:

a)relações entre os conceitos de defeito, falha e pane (Anexo A); b)lista de símbolos e abreviações (Anexo B);

Origem: Projeto NBR 5462/1993 CB-03 - Comitê Brasileiro de Eletricidade CE-03:056.01 - Comissão de Estudo de Confiabilidade NBR 5462 - Reliability and maintainability - Terminology Descriptors: Reliability. Maintainability Esta Norma substitui a NBR 5462/1981 Esta Norma foi baseada na IEC 50 (191) Válida a partir de 30.12.1994

Terminologia

(1)As definições desta Norma são baseadas na “International Electrotechnical Vocabulary - Chapter 191 - Dependability and Quality of

Service” da IEC, não se tratando porém de termos relacionados à Qualidade de Serviços. É entendido que todos os termos são definidos de acordo com o campo delimitado no Capítulo 1.

c)listas de equivalência dos termos técnicos relacionados à confiabilidade e mantenabilidade - Entrada em Português (Anexo C); d)listas de equivalência dos termos técnicos relacionados à confiabilidade e mantenabilidade - Entrada em Inglês (Anexo D).

2 Definições (1)

Para os efeitos desta Norma são adotadas as definições de 2.1 a 2.21.

2.1 Conceitos básicos 2.1.1 Item

Qualquer parte, componente, dispositivo, subsistema, unidade funcional, equipamento ou sistema que possa ser considerado individualmente.

Nota: Um item pode eventualmente incluir pessoas.

2.1.2 Item reparado

Item reparável que será de fato reparado depois de uma falha.

2NBR 5462/1994

2.1.3 Item não-reparado

Item que não será reparado depois de uma falha. Nota: Um item não-reparado pode, ou não, ser reparável.

Conjunto de funções oferecidas a um usuário por uma organização.

2.1.5 Função requerida

Função ou combinação de funções de um item que são consideradas necessárias para prover um dado serviço.

2.1.6 Modo de funcionamento Subconjunto das possíveis funções de um item. 2.1.7 Instante

Ponto singelo em uma escala de tempo.

Nota:A escala de tempo pode ser contínua, como um calendário, ou discreta, como por exemplo, número de ciclos.

2.1.8 Intervalo de tempo

Parte de uma escala de tempo limitada por dois instantes dados.

Diferença entre os instantes extremos de um intervalo de tempo.

2.1.10 Tempo acumulado

Soma das durações caracterizadas por dadas condições, contidas em um determinado intervalo de tempo.

2.1.1 Medida (como aplicada no tratamento probabilístico da confiabilidade e áreas relacionadas)

Função ou quantidade usada para descrever uma variável aleatória ou um processo aleatório.

Nota:Exemplos de medidas para uma variável aleatória são a função distribuição e a média.

Combinação de todas as ações técnicas e administrativas destinadas a permitir que um item cumpra uma função requerida, reconhecendo-se a necessidade de adaptação na ocorrência de mundanças nas condições externas.

Nota:Entende-se como condições externas, por exemplo: a demanda do serviço e as condições ambientais.

2.1.13 Modificação

Combinação de todas as ações técnicas e administrativas destinadas a modificar um item.

2.1.14 Nível de confiança

Probabilidade de que um determinado intervalo de confiança, calculado a partir de um valor amostral, contenha o verdadeiro valor da população.

2.1.15 Solicitação reduzida

Redução intencional da ação de um ou mais fatores ambientais, ou de uma ou mais condições de funcionamento de um item, com o propósito de diminuir a ocorrência de falhas relacionadas a estes fatores e condições, considerados isoladamente ou combinados.

2.1.16 Pré-envelhecimento

Tratamento prévio de um item com a finalidade de estabilizar suas características.

2.1.17 Acessibilidade Facilidade relativa de acesso às diversas áreas de um item. 2.2 Desempenho relativo ao item 2.2.1 Eficácia

Capacidade de um item atender a uma demanda de serviço de determinadas características quantitativas.

Nota:Esta capacidade depende dos aspectos combinados da capabilidade e da disponibilidade do item.

2.2.2 Durabilidade

Capacidade de um item desempenhar uma função requerida sob dadas condições de uso e manutenção, até que um estadolimite seja alcançado.

Nota:O estado-limite de um item pode ser caracterizado pelo fim da vida útil, inadequação por razões econômicas ou técnicas e outros.

2.2.3 Dependabilidade

Termo coletivo usado para descrever o desempenho da disponibilidade e seus fatores de influência: confiabilidade, mantenabilidade e suporte logístico de manutenção.

Nota:A dependabilidade é usada para descrições genéricas, sem expressão quantitativa.

2.2.4 Capabilidade

Capacidade de um item atender a uma demanda de serviço de determinadas características quantitativas, sob dadas condições internas.

Nota:As condições internas se referem, por exemplo, a qualquer combinação de subitens em pane ou não.

2.2.5 Disponibilidade

Capacidade de um item estar em condições de executar uma certa função em um dado instante ou durante um intervalo de tempo determinado, levando-se em conta os aspectos combinados de sua confiabilidade, mantenabilidade e suporte de manutenção, supondo que os recursos externos requeridos estejam assegurados.

Nota:O termo “disponibilidade” é usado como uma medida do desempenho de disponibilidade.

NBR 5462/19943

2.2.6 Confiabilidade

Capacidade de um item desempenhar uma função requerida sob condições especificadas, durante um dado intervalo de tempo.

Nota:O termo “confiabilidade” é usado como uma medida de desempenho de confiabilidade.

2.2.7 Mantenabilidade

Capacidade de um item ser mantido ou recolocado em condições de executar suas funções requeridas, sob condições de uso especificadas, quando a manutenção é executada sob condições determinadas e mediante procedimentos e meios prescritos.

Nota:O termo “mantenabilidade” é usado como uma medida do desempenho de mantenabilidade.

2.2.8 Desempenho do suporte de manutenção

Capacidade de uma organização de manutenção prover, sob demanda, os recursos necessários para manter um item sob condições especificadas e de acordo com uma dada política de manutenção.

Nota: As condições especificadas estão relacionadas com o próprio item e com as condições sob as quais é usado e mantido.

2.3 Defeitos (2)

2.3.1 Defeito

Qualquer desvio de uma característica de um item em relação aos seus requisitos.

Notas: a)Os requisitos podem, ou não, ser expressos na forma de uma especificação.

b)Um defeito pode, ou não, afetar a capacidade de um item em desempenhar uma função requerida.

2.3.2 Bug Defeito de software. 2.3.3 Defeito crítico

Defeito que provavelmente resultará em condições perigosas e inseguras para pessoas, danos materiais significativos ou outras conseqüências inaceitáveis.

2.3.4 Defeito não-crítico Defeito que não seja crítico. 2.3.5 Defeito maior

Defeito que provavelmente resultará em uma falha ou reduzirá substancialmente a utilização do item para o fim a que se destina.

Nota: Um defeito maior pode ser crítico ou não-crítico.

2.3.6 Defeito menor

Defeito que não seja maior. Nota: Um defeito menor pode ser crítico ou não-crítico.

2.3.7 Defeituoso Item que contém um ou mais defeitos. 2.3.8 Defeituoso crítico Item que contém um ou mais defeitos críticos. 2.3.9 Defeituoso maior Item que contém um ou mais defeitos maiores. 2.3.10 Defeituoso menor

Item que contém um ou mais defeitos menores, mas nenhum defeito maior.

2.3.1 Defeito de projeto Defeito de um item devido a projeto inadequado. 2.3.12 Defeito de fabricação

Defeito de um item devido à não-conformidade da fabricação com o projeto ou com os processos de fabricação especificados.

2.4 Falhas (3) 2.4.1 Falha

Término da capacidade de um item desempenhar a função requerida.

Notas: a) Depois da falha, o item tem uma pane.

b)A “falha” é um evento; diferente de “pane” que é um estado.

c)Este conceito, como definido, não se aplica a itens compostos somente por software.

2.4.2 Critério de falha

Conjunto de regras aplicáveis ao julgamento de tipos e gravidade de falhas, para determinação dos limites de aceitação de um item.

2.4.3 Falha crítica

Falha que provavelmente resultará em condições perigosas e inseguras para pessoas, danos materiais significativos ou outras conseqüências inaceitáveis.

2.4.4 Falha não-crítica Falha que não seja crítica.

(2) O Anexo A fornece as relações entre os conceitos de defeito, falha e pane.

(3) Ver nota (2).

4NBR 5462/1994

2.4.16 Falha não-relevante

Falha a ser desconsiderada na interpretação dos resultados operacionais ou de ensaios, ou no cálculo do valor de uma medida de confiabilidade.

Nota: O critério para desconsideração deve ser especificado.

2.4.17 Falha primária

Falha de um item que não é causada direta ou indiretamente pela falha ou pane de outro item.

2.4.18 Falha secundária

Falha de um item causada direta ou indiretamente pela falha ou pane de outro item.

2.4.19 Causa de falha

Circunstâncias relativas ao projeto, fabricação ou uso que conduzem a uma falha.

2.4.20 Mecanismo de falha

Conjunto de processos físicos, químicos ou outros que conduzem a uma falha.

Falha relacionada de um modo determinístico a uma certa causa, que somente pode ser eliminada por uma modificação do projeto, do processo de fabricação, dos procedimentos operacionais, da documentação ou de outros fatores relevantes.

Nota:A falha sistemática pode ser reproduzida, sempre que se queira, simulando-se a causa da falha.

2.4.2 Falha parcial

Falha que resulta na incapacidade do item desempenhar algumas, mas não todas, funções requeridas.

2.4.23 Falha por degradação Falha que é simultaneamente gradual e parcial. 2.4.24 Falha completa

Falha caracterizada pelo fato de o item não conseguir desempenhar nenhuma das funções requeridas.

Estado de um item caracterizado pela incapacidade de desempenhar uma função requerida, excluindo a incapacidade durante a manutenção preventiva ou outras ações planejadas, ou pela falta de recursos externos.

Nota:Uma pane é geralmente o resultado de uma falha de um item, mas pode existir sem uma falha anterior.

(4) Ver nota (2).

2.4.5 Falha por uso incorreto

Falha devida à aplicação de solicitações além dos limites especificados ou a erros de instalação ou operação.

2.4.6 Falha por manuseio

Falha causada por manuseio incorreto ou falta de cuidado com o item.

2.4.7 Falha por fragilidade

Falha devida a uma fragilidade no próprio item, quando submetido a solicitações previstas nas especificações.

Nota: Uma fragilidade pode ser inerente ou induzida.

2.4.8 Falha de projeto Falha de um item devida a projeto inadequado. 2.4.9 Falha de fabricação

Falha de um item devida à não-conformidade da fabricação com o projeto ou com os processos de fabricação especificados.

2.4.10 Falha aleatória

Qualquer falha cuja causa ou mecanismo faça com que seu instante de ocorrência se torne imprevisivel, a não ser no sentido probabilístico ou estatístico.

2.4.1 Falha por deterioração

Falha que resulta de mecanismos de deterioração inerentes ao item, os quais determinam uma taxa de falha instantânea crescente ao longo do tempo.

2.4.12 Falha repentina

Falha que não poderia ser prevista por um exame anterior ou monitoração.

2.4.13 Falha gradual

Falha devida a uma mudança gradual com o tempo de dadas características de um item.

Nota:Uma falha gradual pode ser prevista por um exame anterior ou monitoração e pode, às vezes, ser evitada por ações de manutenção.

2.4.14 Falha catastrófica

Falha repentina que resulta na incapacidade completa de um item desempenhar todas as funções requeridas.

2.4.15 Falha relevante

Falha que deve ser considerada na interpretação dos resultados operacionais ou de ensaios, ou no cálculo do valor de uma medida de confiabilidade.

Nota: O critério para consideração deve ser especificado.

NBR 5462/19945

2.5.2 Pane crítica

Pane que provavelmente resultará em condições perigosas e inseguras para pessoas, danos materiais significativos ou outras conseqüências inaceitáveis.

2.5.3 Pane não-crítica Pane que não seja crítica. 2.5.4 Pane maior

Pane que afeta uma função considerada de maior importância.

2.5.5 Pane menor

Pane que não afeta uma função considerada de maior importância.

2.5.6 Pane por uso incorreto

Pane devida à aplicação de solicitações além dos limites especificados ou por erros de instalação ou operação.

2.5.7 Pane por manuseio Pane causada por manuseio incorreto ou falta de cuidado. 2.5.8 Pane por fragilidade

Pane devida a uma fragilidade do próprio item, quando submetido a solicitações previstas nas especificações.

Nota: Uma fragilidade pode ser inerente ou induzida.

2.5.9 Pane de projeto

Pane de um item devida a projeto inadequado. 2.5.10 Pane de fabricação

Pane de um item devida à não-conformidade da fabricação com o projeto ou com os processos de fabricação especificados.

2.5.1 Pane por deterioração Pane de um item devida a uma falha por deterioração. 2.5.12 Pane evidenciada por programa

Pane revelada pela execução de uma certa seqüência de instruções de um programa de computador.

2.5.13 Pane evidenciada por dados

Pane revelada pelo processamento de uma configuração particular de dados.

2.5.14 Pane completa

Pane caracterizada pelo fato de o item não conseguir desempenhar nenhuma das funções requeridas.

2.5.15 Pane parcial Pane que não seja completa.

2.5.16 Pane permanente

Pane que persiste até que uma ação de manutenção corretiva seja realizada.

2.5.17 Pane temporária

Pane que persiste por uma duração limitada, após a qual o item recupera sua capacidade de executar a função requerida sem ser submetido a qualquer ação de manutenção corretiva.

Nota: Esta pane normalmente se repete.

2.5.18 Pane intermitente Pane temporária, que se repete. 2.5.19 Pane determinada

Pane cuja resposta é sempre a mesma para todas as ações (para itens que produzem uma resposta como resultado de uma ação).

2.5.20 Pane indeterminada

Pane em que o erro que afeta a resposta depende da ação aplicada (para itens que produzem uma resposta como resultado de uma ação).

Nota: Um exemplo é a pane evidenciada por dados.

2.5.21 Pane latente

Pane existente, mas que ainda não foi percebida. 2.5.2 Pane sistemática Pane resultante de uma falha sistemática. 2.5.23 Modo de pane Um dos possíveis estados de um item em pane. 2.5.24 Item em pane Item em estado de pane. 2.6 Erros 2.6.1 Erro

Diferença entre um valor ou uma condição observada ou medida e a correspondente condição ou valor verdadeiro especificado ou teórico.

Notas: a)Um erro pode ser causado por um item em pane; por exemplo, um erro de cálculo feito por um computador em pane.

(Parte 1 de 6)

Comentários