Pacto pela saúde

Pacto pela saúde

PACTO PELA SAÚDE - VOCÊ SABE O QUE É?

Saúde modifica a transferência de recursos a Estados, municípios e Distrito FederalDa Redação: Fonte - Agência Saúde

 O ministro da Saúde, Agenor Álvares, assinou, nessa semana, portaria ministerial que muda a forma de repasse de recursos federais para assistência à saúde a Estados, Distrito Federal e municípios. A partir de março, as transferências de recursos entre o Fundo Nacional de Saúde e os fundos estaduais e municipais de saúde serão feitas em cinco blocos de financiamento, conforme o Pacto pela Saúde, instituído em janeiro de 2006 pelos três entres federados.

O Pacto pela Saúde estabeleceu, em seu conteúdo, três componentes que promovem transformações e fortalecem o Sistema Único de Saúde - SUS. São eles: o Pacto pela Vida, o Pacto em Defesa do SUS e o Pacto de Gestão do SUS. E é o Pacto de Gestão do SUS que estabelece a nova forma de transferência de recursos, além de definir as responsabilidades sanitárias de cada ente federado (União, estados e municípios), contribuindo para fortalecer a gestão compartilhada e solidária do Sistema Único de Saúde.

Os blocos são os seguintes:

1) Atenção Básica, composto por:

- Piso da Atenção Básica Fixo - PAB Fixo;

- Piso da Atenção Básica Variável - PAB Variável.;

2) Atenção de Média e Alta Complexidade Ambulatorial e Hospitalar, composto por:

- Limite Financeiro da Média e Alta Complexidade Ambulatorial e Hospitalar - MAC

- Fundo de Ações Estratégicas e Compensação - FAEC;

3) Vigilância em Saúde, composto por:

- Vigilância Epidemiológica e Ambiental em Saúde

- Vigilância Sanitária

4) Assistência Farmacêutica, composto por:

- Básico da Assistência Farmacêutica;

- Estratégico da Assistência Farmacêutica;

- Medicamentos de Dispensação Excepcional

5) Gestão do SUS, composto por:

- Qualificação da Gestão do SUS

- Implantação de Ações e Serviços de Saúde

Com a nova modalidade de transferência de recursos, os gestores de saúde terão maior autonomia na aplicação de recursos, a partir do plano de saúde estabelecido e aprovado pelo conselho municipal ou estadual. Isso significa, por exemplo, que dentro do bloco de recursos de Atenção Básica, o gestor terá autonomia para destinar recursos para as ações estabelecidas de acordo com a necessidade local.

A novidade também fica a cargo do bloco Gestão do SUS, que contribui com o processo de qualificação de gestão ampliando a capacidade de resposta do sistema de saúde às necessidades da população. Ele foi criado para proporcionar condições ao gestor de elaborar políticas e ações estratégicas. Para receber recursos por meio do bloco de Gestão do SUS, o município e o estado devem aderir ao Pacto pela Saúde e assinar o Termo de Compromisso de Gestão (TCG).

O Termo de Compromisso de gestão estabelece as metas e compromissos sanitários prioritários pactuados pelos gestores do SUS, que englobam a redução da mortalidade infantil e materna, o controle das doenças emergentes e endemias, como dengue e hanseníase, e a redução da mortalidade por câncer de colo de útero e da mama. Outras metas estabelecidas visam à implantação da política nacional de saúde do idoso, à elaboração e implantação de uma política nacional de promoção da saúde e ao fortalecimento da atenção básica à saúde, tendo como principal mecanismo a estratégia de saúde da família (PSF).

FONTE:  AGÊNCIA SAÚDE

Comentários