Roteiro - 01

Roteiro - 01

CURSO: Licenciatura em Ciências Exatas - IFSC - USP DISCIPLINA: Biologia 1

Aula Prática 1: MICROSCOPIA ÓPTICA

1. Partes componentes do microscópio e princípios de funcionamento

A microscopia óptica ou de luz, como o próprio nome indica, possibilita o aumento de imagens através da luz que, após incidir sobre determinada amostra, passa por um conjunto de lentes.

Além de ampliar a imagem de um objeto, o microscópio serve para aumentar o poder de resolução do olho humano1. Poder de resolução é a capacidade de distinguir dois pontos muito próximos um do outro. Os microscópios ópticos têm um limite de resolução da ordem de 0,2 µm2, ou seja, as lentes destes microscópios conseguem mostrar dois pontos distintos se estes estiverem separados por distâncias de pelo menos 0,2 µm. É importante lembrar que, para uma estrutura ser observada através de um microscópio óptico, é necessário que ela seja suficientemente fina para deixar que os raios luminosos a atravessem, além de ter índices de refração ou coloração diferentes do meio que a circundam.

Um microscópio óptico típico é constituído por partes mecânicas, ópticas e elétricas, que são:

I. Base: é o suporte do microscópio, peça que sustenta todas as outras. I. Braço ou estativa: é a peça que liga a base até a parte superior do microscópio e onde se deve segurar o microscópio para ser transportado. I. Mesa ou platina: é uma placa de metal com um orifício no centro, por onde passam os raios luminosos. O objeto que vai ser observado é colocado sobre uma lâmina de vidro e esta, sobre a platina, exatamente em cima do orifício. IV. Charriot: Localizado acessória e superficialmente à platina, é formado por uma presilha, dois botões giratórios e dois trilhos que têm a função de movimentar a lâmina no plano horizontal (da frente para trás e da esquerda para a direita, ou vice-versa) e assim permitir a observação de toda a sua área. V. Canhão: parte mais superior do microscópio, contém um conjunto de espelhos que projetam a imagem em direção às oculares nele encaixadas. VI. Revólver: peça encontrada abaixo do canhão na qual inserem-se várias lentes objetivas. É dotado de um movimento de rotação que permite posicionar a objetiva desejada para a observação do material a ser analisado. VII. Fonte de luz: normalmente uma lâmpada ou, em modelos mais antigos, um espelho, que se apóia na base do microscópio. No caso da fonte de luz ser uma lâmpada, pode-se observar, ao lado da estativa ou da base do microscópio, o interruptor da lâmpada e o regulador da intensidade luminosa. VIII. Condensador: de forma circular e situado entre a platina e a base, o condensador converge os raios luminosos provindos da lâmpada e projeta-os como um cone de luz sobre o material que está sendo examinado. IX. Receptáculo do filtro: peça de forma circular, presa ao condensador, destinada à recepção de um filtro. Este é uma placa de vidro colorida (azul, verde, etc.) que torna a luz adequada ao uso. X. Diafragma ou íris: fica acima do receptáculo do filtro e se liga a uma alavanca que permite sua abertura ou fechamento, levando ao controle da passagem total ou parcial da luz. XI. Objetivas: são lentes que projetam uma imagem aumentada e invertida do objeto nas oculares e inserem-se ao revólver, através de rosca. Toda objetiva traz gravado o número do aumento que proporciona. A objetiva de 100x é também chamada objetiva de imersão e é somente utilizada com óleo especial, o qual permite maior refração da luz para dentro da objetiva, corrigindo a pouca luminosidade nas observações feitas em grandes aumentos. Após o uso, o óleo é removido com xilol, éter ou benzina, embebido em papel especial ou algodão. XII. Ocular: aumenta a imagem do objeto após o aumento já proporcionado pela objetiva. É através desta lente que o observador vê a imagem do objeto (daí o nome ocular, uma vez que o olho do observador está colocado à frente dela) como se ela estivesse situada a 25 cm da ocular. Toda ocular traz gravado o número de aumentos que proporciona. Par saber-se em que aumento estamos vendo um objeto ao microscópio, basta multiplicar o número

do aumento dado pela objetiva pelo número do aumento dado pela ocular. Por exemplo, se a objetiva usada aumenta 5 vezes e a ocular aumenta 10 vezes, o objeto está sendo observado com um aumento total de 50 vezes. XIII. Parafusos macrométrico e micrométrico: na parte lateral da estativa existem 2 parafusos encaixados um no outro. O maior deles é o macrométrico, que permite grandes avanços ou recuos da platina em direção à objetiva, enquanto o parafuso micrométrico permite pequenos avanços ou recuos. Esse movimento da platina leva à focalização do material observado em diferentes aumentos. A figura abaixo mostra o trajeto dos raios luminosos num microscópio óptico.

2. Normas corretas de manuseio e focalização de imagens ao microscópio óptico:

I. Descubra o microscópio, desenrole o cabo de força e conecte-o na voltagem correta. I. Gire o revólver, encaixando a objetiva de menor aumento (4x ou 10x). I. Coloque a lâmina sobre a platina, segurando-a com uma das mãos e abrindo a presilha com a outra. IV. Acenda a luz do microscópio (acione primeiramente o interruptor e em seguida o pontenciômetro de intensidade) e centralize o material no orifício da platina utilizando os parafusos do charriot. Faça isso olhando lateralmente, o que facilita a operação.

V. Movimentando o parafuso macrométrico, levante a platina até o ponto máximo, sem que a lâmina encoste na objetiva.

VI. Ajuste a distância interpupilar, olhe através das oculares e, ainda utilizando o parafuso macrométrico, desça lentamente a platina até que se possa visualizar o material a ser analisado.

VII. Acerte o ponto exato do foco com o parafuso micrométrico e, caso seja necessário, proceda ao ajuste de dioptria: tape um dos olhos, focalize com o parafuso micrométrico, troque o olho tapado e ajuste o foco no anel existente na base da ocular correspondente ao olho aberto.

VIII. Corrija a intensidade de luz e abertura do diafragma para evitar ofuscamento e permitir a percepção de profundidade de campo e o contraste desejados. Atenção: o condensador deve ser mantido na sua posição mais alta.

IX. Observe o material atentamente trabalhando o foco fino com o parafuso micrométrico. Para percorrer outro campo da lâmina, utilize o charriot.

X. Gire o revólver para passar para a próxima objetiva de maior aumento, lembrando sempre de regular a intensidade de luz e a abertura do diafragma, bem como corrigir a focalização com o parafuso micrométrico.

XI. Para utilizar a objetiva de 100X é imprescindível o emprego do óleo de imersão sobre a lâmina, o qual deverá será removido da objetiva com os devidos cuidados logo após o uso.

XII. Terminada a observação, encaixe a objetiva de menor aumento, abaixe um pouco a platina, deixe a intensidade de luz no mínimo e desligue-a, retire a lâmina, limpe o microscópio, cubra-o com a capa e guarde-o.

3. Procedimento da aula:

A. Identifique as partes componentes do microscópio disposto sobre a bancada e complete o esquema da figura abaixo.

B. Seguindo as normas para montagem de lâminas e para focalização ao microscópio, faça um desenho do que foi observado em cada aumento para ambos os materiais. (utilize o verso da folha se desejar)

OBS: o papel com a letra “f” não deve ficar invertido ou girado sobre a lâmina; posicione-o de forma que a letra se disponha da maneira normal de leitura.

C. Responda às questões: I) Como fica a imagem de um material ao microscópio quando comparada com a disposição do mesmo na lâmina?

I) O que acontece com o campo de visão quando se aumenta o tamanho da imagem? I) O que a manipulação do parafuso micrométrico, auxiliada pelo fechamento propício do diafragma, sobretudo em grandes aumentos, nos permite observar? Explique.

D. Cada aluno ou grupo é responsável pelo material que utiliza. Ao término da aula, limpe e guarde o microscópio devidamente, lave a vidraria conforme a orientação do técnico e limpe a bancada.

Comentários