Mecânica e Mecanização Agrícola

Mecânica e Mecanização Agrícola

(Parte 1 de 10)

ENG 338 MECÂNICA E MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA

Apostila de Aulas Práticas

Prof. Haroldo Carlos Fernandes - UFV Prof. Carlos Alberto Viliotti - UFC Engª Agrícola, Ms. Paula C. Natalino Rinaldi - UFV Engª Agrônoma, Ms. Amanda M. Bernardes - UFV

Introdução ao estudo da mecanização agrícola1
Abrigo de máquinas3
Ferramentas7
Aparelhos de medidas10
Transmissão de potência16
Lubrificantes20
Meios de aproveitamento de potência dos tratores25
Lastros, bitola e pneus28
Partes dos motores de combustão interna32
interna37
Manejo de tratores agrícolas40
Manutenção de tratores agrícolas42
Aração51
Gradagem56
Subsolador, escarificador e enxada rotativa58
Capacidade operacional61
Patinagem63
Máquinas para plantio65
Aplicação de defensivos agrícolas71
Máquinas colhedoras de cereais78

Histórico da mecanização agrícola

O homem não é muito eficaz como fonte geradora de energia, pois está limitado a cerca de 0,1 kW de trabalho contínuo. Com isso, evidencia-se a importância do surgimento e evolução da mecanização agrícola.

300 A.C. (Mesopotâmia) uso de ferramentas manuais para tração animal;

Final do século XVI (Europa): Aparecimento das semeadoras;

1810 (Inglaterra): Primeiro arado arrasto por cabo e acionados por máquinas a vapor;

1834 (USA): Patente de uma máquina segadora de tração animal;

1844 (USA): Fábrica de trilhadoras Case;

1876: Invenção do motor de ciclo Otto;

1880: Aparecimento das colhedoras tracionadas por animais e acionamento pelas rodas motrizes;

1892: Invenção do motor de ciclo Diesel;

1816 (USA) fabricação em série do trator Fordsom;

Depois da Segunda guerra mundial, amplo desenvolvimento da mecanização agrícola;

Década de 60 , fábricas que iniciaram a produção de tratores de pneus no Brasil: CBT, DEMLSA (Dentz), FORD, MASSEY – FERGUSON, VALMET e FENDT;

Após a década de 80, grande impulso na mecanização devido a liberação da importação de máquinas agrícolas;

Após a década de 90, grande impulso na mecanização florestal devido a importação de máquinas para colheita florestal.

Objetivos da mecanização

Aumentar a produtividade por trabalhador no campo;

Modificar a característica do trabalho no campo, tornando menos árduo e mais atrativo;

Melhorar a qualidade das operações de campo, fornecendo melhores condições para a germinação e crescimento das plantas.

Classificação das máquinas agrícolas

Preparo inicial do solo: lâminas cortadoras de árvores, lâminas fixas ou reguláveis, destocadores, corrente, rolo faca, ancinho enleirador. Preparo periódico do solo: arados, grades, subsoladores, sulcadores, escarificadores, enxadas rotativa. Semeadura, plantio e transplantio: semeadoras, plantadoras, transplantadoras, semeadoras-adubadoras, plantadoras-adubadoras, coveadoras.

Aplicação de fertilizantes: calcareadoras, aplicação de fertilizantes, distribuidoras de estercos Cultivo: cultivadores mecânicos.

Aplicação de defensivos: aplicadores de formação, pulverizadores, atomizadores, nebulizadores, polvilhadoras, etc. Colheita: colhedoras, trilhadoras, segadoras, arrancadoras, recolhedoras, ancinhos, enfardadoras, máquinas para colheita florestal.

As máquinas e os implementos agrícolas possuem um custo inicial elevado e requerem cuidados especiais, sobretudo quando estão inativas e nessa situação, elas devem ser guardadas em um abrigo ou galpão. Entretanto, se isso não for possível, precisam no mínimo estarem cobertas com uma lona que impeça a ação do sol, da chuva e de outros agentes nocivos.

Os motivos que levam o produtor rural à construção de um abrigo são os custos e a organização.

Custo

Nos custos da produção agrícola está embutido o custo da depreciação das máquinas e implementos, que é inversamente proporcional à conservação das mesmas.

Organização

Um abrigo de máquinas pode auxiliar na organização e controle das máquinas e implementos quando se tem grande número de tratores. Caso haja poucas máquinas, a organização e controle podem ser realizados na própria sede da propriedade. Neste controle pode-se avaliar o trabalho do conjunto homem/trator/implemento, com o intuito de se conseguir a maior eficiência do conjunto, assim como orientar quanto ao melhor momento de se realizar a manutenção do trator/implemento.

A partir do momento em que se faça opção por construir um abrigo ou galpão de máquinas na propriedade, deve-se estar atento e escolher o local mais adequado para a instalação. Os critérios como acesso, centralização, disponibilidade de água e energia, topografia e segurança devem ser considerados.

Acesso

Deve ser fácil para todos os pontos de trabalho, tendo estradas largas e de boa qualidade para evitar acidentes e danos aos equipamentos, considerando que para alguns implementos a largura é muito superior ao do trator.

Centralização e topografia

O abrigo deverá ser central em relação às áreas mais utilizadas para que se possa movimentar o mínimo possível o trator.

O terreno escolhido para a construção do abrigo deve ter uma declividade suave para facilitar o escoamento de água da chuva, facilitando também a construção com uma menor movimentação de terra.

Disponibilidade de água e energia

A disponibilidade de água é necessária para efetuar a limpeza das máquinas e os implementos, mantendo assim, um bom estado de manutenção dos mesmos.

Algumas ferramentas ou equipamentos necessitam de energia elétrica para realizar a manutenção das máquinas, como o esmeril, aparelhos de solda, furadoras, etc., possibilitando que certos reparos sejam realizados no próprio abrigo.

Segurança

O abrigo deve ser localizado em local seguro contra roubos e vandalismo, sendo geralmente construído ao redor da sede da propriedade ou perto das casas dos funcionários.

Partes constituintes de um abrigo Galpão

O galpão é o espaço destinado à proteger as máquinas e implementos dos intempéries. Algumas condições técnicas, tais como: pé direito respeitando a altura das máquinas pertencentes à propriedade, principalmente se houver colhedoras; um número mínimo de pilares para facilitar a manobra; boa ventilação para a dispersão dos gases lançados pelos motores e formato retangular para facilitar uma provável ampliação do local, devem ser considerados no planejamento da construção do galpão.

Ferramentaria

Este local é utilizado para guardar ferramentas, facilitando a organização e o controle das mesmas. Quando há uma grande variedade e quantidade de ferramentas é ideal que se tenha no local um quadro de ferramentas, minimamente organizado por tipo e função. Este quadro pode ser adquirido no comércio ou construído na propriedade.

Oficina e almoxarifado

A oficina geralmente é encontrada em propriedades com um maior número de máquinas, a fim de facilitar as manutenções preventiva e corretiva, evitando assim, o transporte do trator para fora da propriedade, fazendo com que os reparos possam ser realizados no próprio abrigo. O almoxarifado é o local onde se armazenam as peças de reposição.

Depósito de combustíveis e lubrificantes

(Parte 1 de 10)

Comentários