Tomografia Computadorizada de Tórax

Tomografia Computadorizada de Tórax

Curso Pneumo Atual de Tomografia computadorizada do tórax – aula 07 1

Metástases pulmonares

Gustavo de Souza Portes Meirelles1 1 – Doutor em Radiologia pela Escola Paulista de Medicina – UNIFESP

1 – Introdução

O pulmão é um sítio muito comum de metástases. Pacientes com neoplasias extratorácicas cursam com metástases pulmonares na necropsia em 20-54% dos casos. Os locais mais comuns de origem de metástases para os pulmões são mama, cólon, útero, rim e cabeça e pescoço. Alguns tumores, apesar de raros, comumente dão metástases para o pulmão: coriocarcinoma, osteossarcoma, testículo, melanoma, sarcoma de Ewing e tiróide.

O diagnóstico precoce de metástases pulmonares pode ser crítico para o tratamento adequado da neoplasia de base e a tomografia computadorizada (TC) é o método considerado padrão áureo para a detecção das mesmas. Recentemente, sua utilização juntamente à tomografia por emissão de pósitrons (PET/CT) tem auxiliado na detecção de algumas metástases pulmonares.

2 – Padrões tomográficos das metástases pulmonares

Os achados radiológicos típicos de metástases pulmonares dependem da via de disseminação do tumor primário. Se hematogênica, o padrão clássico de metástases nos pulmões é o de múltiplos nódulos ou massas arredondados, geralmente periféricos, com dimensões variadas, predominando nos lobos inferiores (figuras 1 e 2). Se a via de disseminação é linfática, o padrão é de linfangite carcinomatosa, e os principais achados na TC são espessamentos septais irregulares, esboçando arcadas poligonais, associados a nódulos e opacidades em vidro fosco (figuras 3 e 4).

Curso Pneumo Atual de Tomografia computadorizada do tórax – aula 07 2

Figura 1. Câncer coloretal com metástases pulmonares. Múltiplos nódulos esparsos com dimensões variadas, de predomínio periférico.

Figura 2. Metástases pulmonares de melanoma. Reparar nos múltiplos nódulos pulmonares bilaterais e algumas massas esparsas.

Curso Pneumo Atual de Tomografia computadorizada do tórax – aula 07 3

Figura 3. Padrão clássico na TC de linfangite carcinomatosa em paciente com neoplasia maligna da mama. Espessamentos septais difusos, esboçando arcadas poligonais, associados a micronódulos pulmonares.

Figura 4. Imagem do pulmão direito de paciente com neoplasia pulmonar (não demonstrada nesta imagem) e linfangite carcinomatosa. Reparar no espessamento septal irregular associado a micronódulos e opacidades em vidro fosco.

Apesar de as metástases pulmonares geralmente terem aspecto típico, há apresentações não usuais para as mesmas. Estes padrões não usuais incluem calcificações, hemorragia, cavitação, lesões endobrônquicas, nódulo solitário, entre outras.

Curso Pneumo Atual de Tomografia computadorizada do tórax – aula 07 4

Cavitação é vista em cerca de 5% a 10 % das metástases pulmonares (figura 5), geralmente ocorrendo em carcinomas escamosos da cabeça e pescoço, adenocarcinomas de mama ou do trato gastrointestinal e sarcomas.

Figura 5. Múltiplos nódulos pulmonares cavitados. Metástases hematogênicas de carcinoma escamoso da base da língua.

Apesar de nódulos pulmonares calcificados serem mais comumente benignos (granulomas), algumas metástases podem se calcificar, como as de osteossarcomas ou condrossarcomas, adenocarcinomas mucinosos do cólon e neoplasias da tiróide, mama e ovário (figura 6).

Figura 6. Paciente com osteossarcoma da coxa com nódulo pulmonar solitário, calcificado, captando o radiofármaco na cintilografia óssea (setas). Metástase pulmonar calcificada de osteossarcoma.

Curso Pneumo Atual de Tomografia computadorizada do tórax – aula 07 5

Algumas metástases pulmonares podem se acompanhar de hemorragia perilesional, com um halo de vidro fosco ao redor dos nódulos (figura 7). Este padrão ocorre mais comumente em tumores agressivos, como melanoma, coriocarcinoma e angiossarcoma.

Figura 7. Metástases pulmonares hemorrágicas de melanoma. Reparar no halo de vidro fosco ao redor dos nódulos.

Outro padrão não usual é o de tumores dando metástases na forma de consolidações pulmonares (figura 8). Sítios comuns são mama e trato gastrointestinal.

Figura 8. Câncer gástrico cursando com metástase no pulmão direito que se apresenta na forma de consolidação única.

Metástases endobrônquicas não são usuais. Os sítios mais comuns são rim, mama e coloretal. O achado na TC é de nódulo ou massa no interior de brônquios, geralmente acompanhado de atelectasia distal (figura 9).

Curso Pneumo Atual de Tomografia computadorizada do tórax – aula 07 6

Figura 9. Metástase endobrônquica de câncer de cólon. Nódulo no interior de brônquio para o lobo superior esquerdo, com atelectasia parcial distal.

Por fim, é importante lembrar que tumores benignos podem cursar com metástases pulmonares. Os dois mais comuns são o leiomioma uterino (figura 10) e o meningioma (figura 1).

Figura 10. Múltiplos nódulos pulmonares compatíveis com metástases de leiomiomas uterinos.

Curso Pneumo Atual de Tomografia computadorizada do tórax – aula 07 7

Figura 1. Massas pulmonares bilaterais. Metástases de meningioma da foice cerebral.

3 – Leitura recomendada

Seo JB, Im J, Goo JM et al. Atypical pulmonary metastases: spectrum of radiologic findings. Radiographics. 2001;21:403-417.

Woodard PK, Dehdashti F, Putman CE. Radiologic diagnosis of extrathoracic metastases to the lung. Oncology 1998;12:431-8.

Hirakata K, Nakata H, Nakagawa T. CT of pulmonary metastases with pathological correlation. Semin Ultrasound CT MR. 1995;16:379-94.

Comentários