Introdução ao Desenho - area 2 UFPE

Introdução ao Desenho - area 2 UFPE

(Parte 1 de 5)

UFPE - Área 2 - Departamento de Expressão Gráfica

Introdução ao Desenho Sistemas de Representação Gráfica

João Duarte Costa

1o semestre de 2008

UFPE – Área 2 – Departamento de Expressão Gráfica – Introdução ao Desenho – João Duarte Costa – 1º sem. de 2008

Introduçãopág. 1
Instrumentos de desenhopág. 1
Sistemas de representação gráficapág. 2
Desenho a mão livrepág. 3
Desenho com esquadrospág. 4
Cavaleirapág. 5
Isometriapág. 12
Exercícios resolvidospág. 17
Respostas dos exercíciospág. 2
Exercícios propostospág. 27
Sistema Mongeanopág. 29
Exercícios resolvidospág. 35
Respostas dos exercíciospág. 49
Exercícios propostospág. 68
Vista auxiliarpág. 70
Vista parcialpág. 71
Exercícios resolvidospág. 72
Respostas dos exercíciospág. 75
Peças com interseções de cilindros e conespág. 78
Introdução às normas técnicaspág. 82
Revisão de geometriapág. 87

UFPE – Área 2 – Departamento de Expressão Gráfica – Introdução ao Desenho – João Duarte Costa – 1º sem. de 2008 - pág. 1

Introdução

A disciplina “Introdução ao Desenho” tem como objetivo desenvolver a capacidade de visualização espacial e a habilidade de expressão e de interpretação gráfica.

desenhos contidos nas suas páginas

É recomendável trazer essa apostila para as aulas de desenho para acompanhar melhor as explicações quando o professor indicar

No site virtus.homeftp.org acesse a sala virtual “Introdução ao Desenho – Área 2” para obter mais informações sobre a disciplina. Esta sala virtual contém a central de documentos e a biblioteca de links.

A central de documentos contém textos e softwares didáticos, o plano de ensino, etc. A biblioteca de links indica outros sites com textos e softwares didáticos.

As páginas 87 e 8 contém uma revisão de geometria.

As peças contidas nas páginas 89 e 90 poderão ajudar na visualização espacial. É aconselhável montar e desenhar essas peças. Para facilitar a montagem, essas peças estão desenhadas com a escala duplicada em um arquivo na central de documentos.

As questões das provas dos semestres anteriores, a partir do ano 2000, estão incluídas nos exercícios desta apostila.

Instrumentos de desenho

Enquanto a Área 2 não tiver cópias de softwares gráficos (MicroStation, AutoCAD, etc.) na quantidade suficiente para atender aos alunos de todas as turmas dessa disciplina, serão utilizados, no ensino e na avaliação, os instrumentos relacionados abaixo.

Como é um material de uso restrito às disciplinas de desenho (o futuro engenheiro só usará computador), não é necessário adquirir modelos sofisticados.

1 – Lápis - Embora possa ser usado lápis de madeira, recomenda-se o uso de lapiseira com grafite de espessura 0,5 m ou menor, para evitar o trabalho de afinar a ponta.

3H,,9H (duros). Se usar apenas uma dureza, recomenda-se o grafite HB (ou número 2 para lápis de madeira).

Os grafites são denominados, de acordo com sua dureza, de 6B, 5B,4B,3B,2B,B (moles), HB, F (médios), H,2H, 2 – Borracha - Qualquer borracha para apagar grafite.

3 - Régua - Pode ser de qualquer material, com 20 cm ou 30 cm.

4 – Esquadros - Servem para desenhar retas paralelas, perpendiculares e formando ângulos de 30º , 45º e 60º.

Têm a forma de um triângulo retângulo com ângulos de 45o e de um triângulo retângulo com ângulos de 30o e 60o .

O tamanho do par de esquadros é determinado pela hipotenusa do esquadro de 45o ou pelo cateto maior do outro esquadro.

Recomenda-se um tamanho médio (por exemplo 20 cm).

5 – Compasso – Usado para desenhar circunferência e arco de circunferência. Existem diversos modelos. Adquira um modelo simples e pequeno.

6 – Papel - Liso, de preferência folhas soltas (papel ofício ou A4), para facilitar o uso dos esquadros.

UFPE – Área 2 – Departamento de Expressão Gráfica – Introdução ao Desenho – João Duarte Costa – 1º sem. de 2008 - pág. 2

Sistemas de representação gráfica

Um sistema de representação gráfica é uma forma de linguagem, que serve para comunicar idéias através da representação no desenho plano de objetos tridimensionais. Os sistemas de representação gráfica são classificados de acordo com o tipo de projeção e com a posição de um ortoedro (poliedro com faces ortogonais) auxiliar que envolva o objeto em relação ao plano de projeção.

Nos desenhos abaixo, a mesma peça está desenhada em vários sistemas de representação gráfica:

Nesta disciplina serão estudados 3 sistemas de representação gráfica: Cavaleira, Isometria e Mongeano.

Na cavaleira, o objeto é projetado no plano do desenho (plano de projeção) através de um feixe de retas (projetantes) paralelas, inclinadas em relação ao plano do desenho. Um ortoedro auxiliar que envolva o objeto é posicionado com uma de suas faces paralela ao plano do desenho (fig. 1).

Na Isometria, o feixe de retas paralelas é ortogonal ao plano do desenho e o ortoedro envolvente é posicionado com suas faces formando ângulos iguais com o plano do desenho (fig. 2). Obs.: A Isometria é um caso particular do sistema Axonometria Ortogonal que, dependendo dos ângulos que as faces do ortoedro formam com o plano de projeção, se classifica em: Isometria, Dimetria e Trimetria.

No sistema Mongeano (vistas ortogonais), o ortoedro envolvente é posicionado com uma de suas faces paralela ao plano do desenho e a projeção é ortogonal ao plano de desenho. Nesse sistema são usadas várias projeções associadas entre si (fig.3).

UFPE – Área 2 – Departamento de Expressão Gráfica – Introdução ao Desenho – João Duarte Costa – 1º sem. de 2008 - pág. 3

Desenho a mão livre

Quando o engenheiro não dispuser de material de desenho, seja computador ou esquadros, ele deve ser capaz de expressar suas idéias a mão livre. Assim como a caligrafia, o desenho tem que ser legível.

1 – Em Cavaleira

Execute os procedimentos seguintes para desenhar a mão livre a peça mostrada na fig. 1 no sistema Cavaleira:

Começando pelo bloco inferior, desenhe a face que contém os vértices A, B e C (fig. 2) do seguinte modo: Desenhe 2 segmentos perpendiculares AB e BC (fig. 3) procurando manter (sem medir) as mesmas proporções das arestas da peça (AB = 2/5 BC). Desenhe por A e C retas paralelas a AB e BC (fig. 4). Desenhe uma reta com qualquer direção a partir de A, C ou D (fig. 5). Desenhe mais 2 retas paralelas pelos outros 2 pontos (fig. 6). Marque em uma das 3 retas um ponto qualquer E e trace por esse ponto 2 retas paralelas aos lados do retângulo (fig. 7).

Para desenhar o bloco superior, marque o ponto médio (G) da reta AF e um ponto H na reta FE a 2/5 de FE a partir de F e trace por G e H paralelas a AF e FE (fig. 8). Desenhe pelos pontos G, H e I retas verticais com tamanho AB (fig. 9). Complete a peça com mais retas paralelas a AF e FE. Apague as arestas que não são visíveis (fig. 10).

2 – Em Isometria

Execute os procedimentos seguintes para desenhar a mão livre a mesma peça no sistema Isometria:

Começando pelo bloco inferior, desenhe uma reta horizontal, uma reta vertical e duas retas inclinadas de modo que o ângulo α seja a metade do ângulo β ou 1/3 de 90o (fig. 1), procurando manter (fig. 12) as mesmas proporções das arestas da peça (BD = 5/2 AB e BC =2 AB). Desenhe por A,C e D retas paralelas às outras retas (fig.13) e complete o ortoedro com mais duas retas paralelas (fig. 14).

Para desenhar o bloco superior, proceda do mesmo modo que foi feito nas fig. 8, 9 e 10, observando que GI e HI são paralelas a BD e BC (fig. 15).

UFPE – Área 2 – Departamento de Expressão Gráfica – Introdução ao Desenho – João Duarte Costa – 1º sem. de 2008 - pág. 4

3 – No Mongeano

Execute os procedimentos seguintes para desenhar a mão livre a mesma peça no sistema Mongeano:

Começando pelo bloco inferior, desenhe 2 retas perpendiculares (BC = 5/2 AB). Por B e C trace linhas de chamada verticais (linhas finas) para associar as vistas frontal e superior e desenhe a 3ª dimensão (BD = 2 AB) na vertical, deixando um espaço qualquer entre as 2 vistas (fig.1).

Na fig. 2, complete as 2 vistas com retas paralelas, trace linhas de chamada horizontais e desenhe a dimensão BD na horizontal. Complete a vista lateral com 2 retas paralelas.

(Parte 1 de 5)

Comentários