aplicação de injetaveis

aplicação de injetaveis

(Parte 1 de 5)

Aplicação de Injetáveis

Prof a Maria Isabel Sampaio dos Santos

Tópicos z z

Histór ico Histór ico z z

Legislação Legislação z z

Aspectos legais para a Aspectos legais para a administração de injetáveis administração de injetáveis z z

Principais vias de Principais vias de administração de administração de medicamentos medicamentos

Aspectos de Aspectos de biossegurança biossegurança

(equipamentos de proteção (equipamentos de proteção individual e coletiva); individual e coletiva); z z

Prevenção de infecção Prevenção de infecção z z

Aviamento de receitas Aviamento de receitas z z

Complicações durante e após a Complicações durante e após a aplicação aplicação z z

Livro de registro do receituário Livro de registro do receituário de aplicação de injetáveis; de aplicação de injetáveis; z z

Apresentação de injetáveis; Apresentação de injetáveis; z z

Escolha da seringa e da agulha Escolha da seringa e da agulha para administração de injeções para administração de injeções intramusculares; intramusculares; z z

Técnica de preparo e Técnica de preparo e administração de injetáveis: administração de injetáveis:

• de medicamento líquido, de medicamento líquido,

• de medicamento liofilizado de medicamento liofilizado

(em pó); (em pó);

Histórico zFoi só na segunda metade do século

XVIII, que começaram efetivamente as primeiras pesquisas para a administração de medicamentos diretamente na corrente sangüínea.

A aplicação de injetáveis nas farmácias e drogarias exige o cumprimento da legislação e de técnicas específicas.

Introdução z Habilidade técnico-científica

•competência •educação

• honestidade

•satisfação

•simpatia z Assistência

•segura •eficente

•eficaz

Legislações –1 / 4 zLei Federal nº 5.991, de 17/12/1973

•Art. 18. É facultado à farmácia ou drogaria manter serviço de atendimento ao público para aplicação de injeções a cargo de técnico habilitado, observada a prescrição médica.

•§ 1º Para efeito deste artigo o estabelecimento deverá ter local privativo, equipamento e acessório apropriados, e cumprir os preceitos sanitários pertinentes.

Legislações –2 / 4 zRESOLUÇÃO Nº 239 de 25/09/1992 (CFF)

•Dispõe sobre a aplicação de injeções, em farmácias e drogarias.

Art. 1º -É permitida ao farmacêutico a aplicação de injeção nas farmácias e drogarias desde que possuam local devidamente aparelhado, nos termos estabelecidos pelo órgão competente da Secretaria de Saúde;

•Art. 2º -As injeções realizadas nas farmácias ou drogarias, só poderão ser ministradas pelo farmacêutico ou por profissional habilitado com autorização expressa do farmacêutico responsável técnico pela farmácia ou drogaria, preenchidas as exigências legais;

RESOLUÇÃO Nº 239 de 25/09/1992 (CFF) –cont.

•Art. 3º -A responsabilidade técnica referida no artigo anterior caracteriza-se, além da aplicação de conhecimentos técnicos, por assistência técnica, completa autonomia técnico-científica, conduta elevada que se enquadra dentro dos padrões éticos que norteiam a profissão e atendimento, como parte diretamente responsável às autoridades sanitárias profissionais;

•Art. 4º -O farmacêutico responsável técnico deverá possuir um livro de receituário destinado aos registros das injeções efetuadas;

•Art. 5º -A inobservância de qualquer destes procedimentos constitui infração constante do Art. 17 do Código de Ética da Profissão Farmacêutica.

Legislações –3 / 4 zResolução nº 328, de 2/07/1999 (ANVISA)

•Dispõe sobre requisitos exigidos para a dispensaçãode produtos de interesse à saúde em farmácias e drogarias.

•Considerando a necessidade de garantir maior controle sanitário na aquisição, armazenamento, conservação e dispensaçãode produtos industrializados em drogarias;

•Considerando a necessidade de regulamentar e implementar as Boas Práticas de Dispensaçãoem Farmácias e Drogarias;

•Considerando a necessidade de regulamentar e padronizar as ações de Vigilância Sanitária; resolve:

•Art. 1º Instituir Regulamento Técnico sobre as Boas

Práticas de Dispensaçãode medicamentosem farmácias e drogarias.

Resolução nº 328, de 2/07/1999 (ANVISA) –cont.

•Art. 2º Determinar a todos os estabelecimento de que trata esse regulamento o cumprimento das diretrizes de Boas Práticas de Dispensaçãoem farmácias e drogarias.

•Art. 3º Instituir como norma de inspeção para os órgãos de Vigilância Sanitária do SUS o Roteiro de

(Parte 1 de 5)

Comentários