Contabilidade de Custos

Contabilidade de Custos

(Parte 1 de 2)

1. INTRODUÇÃO 2. CUSTOS E PEQUENAS EMPRESAS 3. CUSTOS E TOMADA DE DECISÃO 4. METODOLOGIA DA PESQUISA 4.1 UNIVERSO E AMOSTRA DA PESQUISA 4.2 VARIÁVEIS E PROCESSO DE COLETA DOS DADOS 4.3 ANÁLISE DOS RESULTADOS 5. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS 6. CONCLUSÕES 7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1. INTRODUÇÃO

O Estado da Paraíba possui uma indústria de confecções que o coloca em segundo lugar na região do Nordeste, perdendo apenas para o Estado do Ceará. A indústria de confecções paraibana é composta por sete pólos de produção, que são: João Pessoa; Campina Grande; Patos; Guarabira; Santa Rita; Sousa e Cajazeiras.

De acordo com os dados divulgados através do mais recente Cadastro Industrial do Estado da Paraíba, editado pela Federação da Indústria e do Comércio do Estado da Paraíba (FIEP-PB) em 1998, aproximadamente 30% um total de 359 empresas encontram-se localizadas na cidade de João Pessoa, tornando-o o polo mais importante do Estado. Esse polo é formado predominantemente por empresas de pequeno porte, que atendem em sua grande maioria ao mercado local. Na cidade de João Pessoa, a indústria de confecções encontra-se distribuída por diversos bairros, sem apresentar concentrações em setores específicos.

Uma das características predominantes desse polo de produção da indústria de confecção é a variedade de suas linhas de produção, uma vez que essas empresas possuem públicos consumidores diversificados em diferentes nichos de mercado. No Gráfico 1, pode-se observar a distribuição das empresas da indústria do setor de confecções por linha de produção.

Geral Malhas Profissonais Praia Infanto-juvenil Outros

Gráfico 01: Distribuição por linha de produção Fonte: Cadastro Industrial FIEP/PB

Ao analisar a estrutura operacional das empresas da indústria de confecções que compõem o polo de João Pessoa em função das linhas de produção, observa-se que mais de sessenta por cento dessas empresas possuem processos produtivos voltados para a produção de confecção geral e para a produção de malhas. Sobre confecção geral é destacada a produção de camisas, calças, blusas, saias, vestidos. Vê-se também que algumas dessas empresas direcionam suas linhas de produção para fabricar roupas profissionais, roupas de banho (sungas, shorts, maiôs e biquínis) e moda infanto-juvenil, além de blusas, bermudas e jeans. Também são encontradas empresas que concentram suas atividades produtivas para a confecção de roupas esportivas e moda íntimas.

As atividades comerciais dessas empresas se caracterizam, dentre outros aspectos, pela diversificação de produtos fabricados e pela busca constante em acompanhar as mudanças em seu mercado consumidor. Isto torna ainda mais relevante o processo de definição do Portfólio (mix) de produtos a serem fabricados em determinado período.

De acordo com Araújo (2000), empresas da indústria de confecções que compõem o polo de

João Pessoa possuem ainda as seguintes características: Grande variedade de produtos; Métodos de produção utilizados; Estratégias empresariais; Mercado consumidor diversificados.

As organizações industriais de confecções, de uma maneira geral, são caracterizadas pela grande variedade de produtos fabricados e enfrentam um alto grau de concorrência em função do grande número de empresas. Estas organizações, segundo Melo (2000), são caracterizadas pela diversidade das escalas de organizações industriais, onde participam microempresas, pequenas, médias e grandes empresas, tornando-o bastante competitivo.

Os objetivos deste trabalho estão relacionados à identificação da utilização da contabilidade de custos como ferramenta auxiliar ao processo decisório nas empresas do polo de confecções da cidade de João Pessoa, bem como o diagnóstico dos aspectos particulares das empresas que usam este instrumento gerencial em comparação com as demais que não adotam.

2. CUSTOS E PEQUENAS EMPRESAS

Podem ser destacados quatro componentes que podem influenciar e caracterizar as diversas organizações. Estes componentes são: a capacidade física, o pessoal disponível, os insumos e os produtos, bem como os recursos financeiros são variáveis importantes na análise e compreensão das organizações.

O processo decisório é uma das atividades mais críticas dos líderes e que este processo, de acordo com Hall (1984), envolve as pressões imediatas sobre o tomador de decisões, a análise do tipo de problema e de suas dimensões básicas, a busca de soluções alternativas e o exame de suas conseqüências.

Dentro de um processo decisório que envolve aspectos financeiros, a utilização de dados precisos sobre os elementos relevantes assumem uma importância significativa na escolha da alternativa mais interessante para a organização. Van Horne (1979) reconhece a importância da precisão desses dados afirmando que uma das tarefas cruciais do processo de orçamento de capital consiste em estimar os fluxos de caixa a serem gerados pelo projeto.

O porte de uma organização está relacionado com sua estrutura administrativa e com sua estrutura de recursos humanos, tecnológicos e financeiros. Para Hall (1984) as estruturas organizacionais, com seus tamanhos variáveis, sofisticação e tecnológica e graus de complexidade e formalização, destinam-se a ser ou a evoluir para sistemas de utilização de informações.

As organizações maiores possuem estruturas complexas e especializadas, enquanto as organizações menores possuem limitações que dificultam o processo de comunicação e interferem na qualidade das decisões, pois não dispõem de equipamentos avançados e nem conhecem as técnicas de análise mais sofisticadas.

Van Horne (1979) comenta sobre as limitações da abordagem tradicional da análise de investimentos considerando da mesma forma que os procedimentos administrativos de avaliação das propostas de investimentos variam substancialmente de empresa para empresa, é praticamente impossível fazer generalizações a este respeito.

Para Braga (1994), a estrutura da função financeira dentro das diversas organizações pode apresentar diversas características. Nas estruturas de pequeno e médio porte, as atividades relacionadas com a função financeira geralmente ficam sob a responsabilidade de um dos sócios. Nas grandes organizações, a unção financeira situa-se entre as mais relevantes costuma ser desempenhada por vários executivos de alto nível.

A importância da contabilidade de custos nas organizações de pequeno porte não difere bastante em relação ao desempenhado nas grandes empresas. Segundo Perez, Oliveira e Costa (1999), a contabilidade de custos tem como funções básicas: a sistematização e a análise dos gastos, a classificação e a contabilização dos custos e a geração de relatórios e informações sobre os custos de produção.

Deve-se manter em mente que a contabilidade na pequena empresa não tem a necessidade de ser tão complexa, uma vez que seus processos são mais simplificados em relação às grandes empresas. Entretanto é necessário compreender a forma pela qual os fatos contábeis ocorrem, bem como a estrutura funcional e operacional da empresa em função da identificação, mensuração, registro e apropriação dos custos ocorridos.

A relação da Contabilidade de Custos como parte integrante do processo administrativo é ressaltado por Matz, Curry e Frank (1974), que enfatiza a sua responsabilidade pelo provimento dos registros dos custos dos produtos e dos dados para estudos de custos especiais que envolvem escolhas alternativas com relação aos produtos, operações e funções, assistindo dessa forma a administração em suas decisões com respeito às políticas de vendas, métodos de produção, procedimentos de compras, planos financeiros e estrutura de capital.

Quanto à sua utilização gerencial, Perez, Oliveira e Costa (1999) apontam muitas possibilidades para o uso da contabilidade de custos como ferramenta auxiliar na tomada de decisões gerenciais, onde as mais comuns são relacionadas à fixação do preço de venda, ao cálculo da lucratividade de produtos, bem como à seleção do mix de produção. Nas organizações industrias, a elaboração das demonstrações contábeis de forma correta depende diretamente da avaliação do custo dos produtos acabados.

Para que um sistema de custos seja organizado e apropriado aos objetivos da empresa, é necessário que seja preciso e atualizado. Este sistema de custos é o responsável pela sistematização de dados para a geração de relatórios que possam expressar informações úteis sobre a realidade financeira e operacional, servindo como provedor de subsídios importantes para que os gestores possam tomar decisões relacionadas ao modo de alocação dos recursos disponíveis com o objetivo de otimizar os resultados.

Segundo Bodnar e Hopwood (1990), um eficiente sistema de custos produz relatórios muito importantes para os gestores que devem indicar os custos de produção, bem como as respectivas margens de contribuição e de lucratividade que os diversos produtos vêm proporcionando.

Portanto, uma contabilidade de custos eficiente pode ser um instrumento fundamental para o sucesso de um empreendimento, já que ela se constitui num auxílio preciso e sistemático para o processo de tomada de decisões objetivando a determinação do custo dos produtos como um dos critérios de avaliação dos níveis de preço, a análise da rentabilidade das diversas atividades e produtos da empresa, a avaliação dos estoques, a determinação da estrutura de custos dos produtos e comparação com a concorrência, bem como a indicação do melhor emprego dos recursos onde possam produzir melhores resultados. Todos estes benefícios podem ser alcançados de maneira eficaz através de uma melhoria na qualidade das decisões tomadas pela empresa, o que pode contribuir para o aumento de sua competitividade.

Por sua vez, a ausência da contabilidade de custos não é apenas um problema contábil, mas se constitui em um problema administrativo, pois sem este controle adequado, não se consegue compreender os fatos ocorridos dentro da empresa. As conseqüências podem ser desastrosas para a empresa, uma vez que ela pode vir a elaborar e implantar estratégias comerciais, programas de produção, sistemas de estoque de materiais e produtos acabados sem dispor de informações relevantes necessárias para subsidiá-las.

3. CUSTOS E TOMADA DE DECISÃO

Como parte de um sistema de informações, a contabilidade de custos é desenvolvida através de coleta e processamento de dados que culmina com a produção e distribuição de informações na forma de relatórios contábeis. Esses relatórios devem garantir o fluxo contínuo de informações, permitindo a avaliação da situação atual e a comparação com o planejamento, para identificar e controlar os desvios, assim como suas causas.

Backer e Jacobsen (1979), comentam que o sistema de contabilidade de custos acumula os dados relativos aos custos em registros e contas especiais, onde suas características diferem segundo a natureza das atividades e os objetivos da direção da empresa.

Leone (1987), aponta as dificuldades que um único tipo de custo encontra para se adaptar a todas as necessidades devido à diversidade de seus objetivos afirmando que a contabilidade de custos, quando acumula os custos os custos e os organiza em informações relevantes, pretende atingir três objetivos principais, que são:A determinação do lucro; Controle das operações; A tomada de decisões.

Na determinação do lucro a contabilidade de custos utiliza os dados dos registros convencionais de contabilidade ou compilando-os de um modo diferente para que eles se tornem úteis à administração. No controle das operações ela estabelece padrões e orçamentos, comparações entre o custo real e o custo orçado. Na tomada de decisões ela auxilia na formação de preços, quantidade que deve ser produzida, que produto produzir ou ser cortado e a escolha entre fabricar ou comprar.

Sobre os três objetivos da contabilidade de custos, Backer e Jacobsen (1979) explicam que o sistema formal de contabilidade de custos fornece, geralmente, os dados de custos e dos relatórios para a realização das duas primeiras dessas finalidades. Entretanto, para o planejamento direcional e o processo decisório, estes dados, via de regra, precisam ser reclassificados reorganizados e suplementados por outros dados econômicos e comerciais relevante, que estão fora do sistema formal de contabilidade de custos.

Para determinar os custos de uma organização industrial, a contabilidade utiliza dois sistemas básicos de custeamento de seus produtos, que são: o sistema de custeamento por ordem de produção e o custeamento por processo. Para Leone (1987), a adoção de um dos sistemas depende do tipo de produto, do processo de fabricação e da convivência da empresa.

Para Horngren (2000), a diferença entre os dois sistemas gira em grande parte em torno da maneira pela qual se realiza o custeio do produto. Ao contrário do custeio por processo, que lida com amplas médias e grandes massas de unidades similares, o método da ordem de serviço essencialmente tenta aplicar os custos a serviços específicos, que podem ser uma única unidade física (como um sofá por encomenda), ou algumas unidades (como uma dúzia de mesas) de um lote.

No sistema de ordem de produção os custos são identificados diretamente com cada ordem de produção e cada uma possui características diferentes. Esse sistema também pode ser utilizado por empresa que primeiro. Reúnem partes dos produtos, que depois, passarão por um ou mais processos ou departamento de acabamento.

Segundo Backer e Jacobsen (1979), o sistema por ordens de produção é usado também quando o tempo exigido para a fabricação da unidade do produto é bastante longo e quando o preço de venda depende muito do custo da produção, como por exemplo na produção de vinhos, queijos e seda crua. E acrescenta, afirmando que os custos que não estão diretamente relacionados com uma determinada ordem são distribuídos a todas as ordens, segundo alguma base de rateio.

De acordo com Dearden (1976), um sistema de custos por ordem de produção é aplicado comumente quando há um grande número de ordens de produção e quando a administração precisar conhecer o custo de cada uma delas.

4. METODOLOGIA DA PESQUISA 4.1 UNIVERSO E AMOSTRA DA PESQUISA

O universo desta pesquisa foi composto pelo conjunto de 108 micro e pequenas empresas do setor industrial de Confecções localizadas na cidade de João Pessoa. Este universo foi definido a partir de consulta realizada junto à Federação das Indústrias do Estado da Paraíba (FIEP-PB) através de seu cadastro mais recente, publicado em 1998. Foi utilizada a técnica de amostragem probabilística estratificada. Para Stevenson (1986), a amostragem probabilística consiste em dividir a população em subgrupos (estratos) de itens similares. O processo de definição dos estratos foi realizado em função do número de funcionários das empresas relacionadas sendo também observada a proporcionalidade, que segundo Gil (1996), assegura a representatividade em relação às propriedades adotadas como critério para estratificação.

Foi importante estabelecer que a amostra utilizada fosse representativa. Segundo Richardson (1999), quanto maior a exatidão desejada, menor o erro e maior o tamanho da amostra, usualmente, trabalha-se com um erro de 4 ou 5%, uma vez que nas pesquisas sociais, não se aceita um erro maior que 6%. Foi utilizada uma margem de erro de 4,6%. O tamanho da amostra obtido foi de 2 empresas.

4.2 VARIÁVEIS E PROCESSO DE COLETA DOS DADOS

Diante dos objetivos desta pesquisa relacionados ao papel da contabilidade de custos dentro do processo decisório, foram estudadas as seguintes variáveis com seus respectivos indicadores:

• Utilização da contabilidade de custos ⇒ Informações sobre os procedimentos utilizados para apurar os custos, os instrumentos disponíveis e a classificação de custos adotada pelas empresas. Esta variável foi inserida para identificar a aplicação da contabilidade de custos como ferramenta auxiliar dentro do processo decisório.

• Aplicação da contabilidade de custos na tomada de decisões ⇒ Aspectos relacionados ao modo pelo qual a contabilidade de custos fornece subsídios para a tomada de decisões. Esta variável foi inserida para identificar os principais aspectos relacionados ao processo de cálculo dos custos, bem como verificar se ela oferece informações sobre os valores que são relevantes para decisões acerca da determinação do preço de venda ou dos procedimentos de verificação de lucros.

Para a Coleta de dados desta pesquisa foi utilizada a técnica da entrevista estruturada. De acordo com Chizzotti (1991), a entrevista estruturada é um tipo de comunicação entre um pesquisador que pretende colher informações sobre fenômenos e indivíduos que detenham essas informações e possam emiti-las. O instrumento utilizado para a coleta de dados por se tratar de uma pesquisa exploratória foi o questionário.

De acordo com Gil (1996), a entrevista estruturada é quando se desenvolve a partir de uma relação fixa de perguntas. Esta técnica consiste em fazer uma série de perguntas a um informante, conforme roteiro preestabelecido, onde esse roteiro pode constituir-se de um formulário/questionário que será aplicado da mesma forma a todo os informantes/sujeitos da pesquisa, para que se obtenham respostas para as mesmas perguntas.

4.3 ANÁLISE DOS RESULTADOS

(Parte 1 de 2)

Comentários