Contabilidade de Custos

Contabilidade de Custos

(Parte 2 de 2)

Para atingir os objetivos propostos, foi utilizado o método da análise descritiva dos dados.

Essa análise foi realizada através do auxílio do aplicativo estatístico SPSS versão 8.0 para Windows. Na análise descritiva unidimensional, cada variável foi estudada isoladamente. Esse tipo de análise visa descrever os aspectos relacionados às empresas investigadas.

5. APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS RESULTADOS

Os resultados foram organizados a partir de duas perspectivas distintas ligadas aos fatores relacionados às empresas que não calculam os custos de produção, bem como aos aspectos ligados às empresas que calculam custos. Foi observado que 10 empresas adotam práticas do cálculo dos custos dos produtos acabados, enquanto as demais 12 empresas da amostra não possuem práticas de cálculo de seus custos.

Dentre as empresas que não calculam os custos de produção, foram considerados algumas particularidades importantes relativas à gestão de seu processo produtivo. Os aspectos estudados investigaram os motivos pelos quais as empresas não calculam os custos de produção, bem como aspectos relacionados à política adotada para a definição do preço de venda de seus produtos, uma vez que, não dispondo das informações sobre os custos de produção. Também foi considerada a identificação do mecanismo que elas utilizam para saber se os seus resultados operacionais estavam mostrando lucro.

Foi investigado motivo pelo qual esse grupo de empresas não calcula os custos de produção dos seus produtos. O resultado pode ser observado na tabela 1. Foi permitido aos respondentes que fossem indicados mais de um motivo, caso existissem.

MotivosNº de empresas (%)
Os custos são irrelevantes para o gerenciamento 0650%
A produção é pequena e não há necessidade 0758%
Não dispõe de recursos financeiros03 25%
Por falta de orientação técnica02 17%
Existem preocupações mais importantes02 17%

Tabela 1 – Diagnóstico sobre a ausência do cálculo dos custos de produção

Fonte: pesquisa de campo, 2001. Nota: O percentual é em relação as 12 empresas que não calculam os custos de produção.

De acordo com esses números, observou-se que 58% das empresas investigadas pertencentes a esse grupo não efetuam os cálculos por admitirem que possuem uma produção relativamente pequena e por achar que não há necessidade de possuírem essa informação.

Foi observado também que 50% das empresas investigadas pertencentes a esse grupo afirmaram que não calculam os custos de produção por acreditarem que essas informações são irrelevantes para o gerenciamento das empresas. Pode-se ainda destacar ainda que uma terceira concentração de empresas (25%) informou que não dispõe de recursos financeiros disponíveis para a contratação de profissionais aptos a disponibilizarem tal informação.

Posteriormente, foi investigada a política que elas utilizam para definirem o preço de venda de seus produtos, uma vez que elas não dispõem das informações relativas aos custos de produção. Os resultados estão dispostos na tabela 2.

Definição do preço de vendaNº de empresas (%)
Observando o preço do mercado08 67%
Utilizando uma margem de lucro única 043%
Total12 100%

Tabela 2 – Política de Definição dos preços de vendas Fonte: pesquisa de campo, 2001.

Pode-se observar que, dentre as empresas que não calculam seus custos de produção, identificou-se que 67% das empresas que não adotam a contabilidade de custos como ferramenta gerencial definem os preços de vendas dos seus produtos unicamente observando o comportamento dos preços de mercado.

Foi observado que as demais utilizam uma margem de lucro única para definirem os preços de todos os seus produtos. Essa margem de lucro é definida e calculada considerando todos os gastos mensais feitos pelas empresas.

Finalmente, foi investigado também, o aspecto relativo à capacidade das empresas de identificarem seus resultados operacionais. Os dados relativos a esta variável podem ser observados na tabela 3.

Tabela 3 – Processo de identificação do lucro

Como a empresa sabe se está tendo lucro Nº de empresas (%)

produto é o mais lucrativo06 50%
Não tem muita certeza se está tendo lucro 0650%
Total12 100%

Sabe que tem lucro geral, mas não sabe qual Fonte: pesquisa de campo, 2001.

De acordo com esses números, detectou-se que cerca de 50% das empresas investigadas conseguem identificar se estão tendo lucro ou prejuízo, porém não conseguem saber quais são os produtos que possuem maior ou menor lucratividade.

Entretanto, não pode passar despercebido que as demais não tem muita certeza sobre a capacidade de identificar se estão tendo lucro ou prejuízo. Este percentual além de ser elevado pode ser um indicativo de que essas empresas não possuem nenhuma assessoria contábil para essa finalidade.

Sobre as empresas que possuem sistema de custos, os aspectos pesquisados apontam para o tipo de procedimento que elas adotam para efetuar o cálculo dos custos; bem como a política empresarial para a formação de seus preços de vendas e identificação do lucro.

Inicialmente, foi investigado o procedimento que esse grupo de empresas utiliza para efetuarem os cálculo dos custos de produção. Os resultados estão dispostos na tabela 4.

Tabela 4 – Procedimento de cálculo dos custos de produção

Forma de cálculo dos custos de produção Nº de empresas (%)

custos periodicamente04 40%
Custos médios e aproximados02 20%
Manualmente04 40%
Total10 100%

Utilizando planilhas eletrônicas e apurando os Utilizando planilhas eletrônicas e apurando os

Fonte: pesquisa de campo, 2001.

surgiu espontaneamente através do espaço destinado para a opção “outros”

Observou-se que cerca de 40% desse grupo de empresas fazem o cálculo dos seus custos de produção manualmente. Esta opção não havia sido considerada originalmente no questionário, mas

Também foi observado que outros 40% desse grupo de empresas utilizam planilhas eletrônicas, mas apuram seus custos de maneira esporádica. Apenas 20% das empresas pesquisadas neste grupo calculam custos médios e aproximados.

Posteriormente foi investigada a política adotada por esse grupo de empresas para a definição de seus preços de venda para seus produtos. Na tabela 5 são apresentados os resultados dessa investigação.

Definição do preço de venda dos produtosNº de empresas (%)
Com base no preço vigente no mercado02 20%
com as informações de custos06 60%
Utilizando uma fórmula própria01 10%
Total10 100%

Tabela 5 – Política de definição do preço de venda Aplicando um índice sobre os custos totais de fabricação 01 10% Combinando as informações do mercado Fonte: pesquisa de campo, 2001.

Observou-se que existe uma grande concentração de empresas (60%) que adotam uma combinação de informações de custos de produção com as informações dos preços vigentes no mercado.

Um grupo menor, composto por 20%, define seus preços de vendas apenas através da observação dos preços vigentes no mercado. Finalmente, foram apresentadas duas outras políticas utilizadas pelas empresas investigadas relacionadas à aplicação de índices sobre os custos totais de fabricação e à utilização de fórmula criada pelo próprio gestor financeiro para definir preços.

Sobre os procedimentos adotados para a identificação de seus resultados operacionais, os dados estão dispostos na tabela 6. Para essa variável também foi permitido que os respondentes indicassem mais de uma opção.

Como a empresa sabe se está tendo lucro?Nº de empresas (%)

Tabela 6 – Identificação do lucro

Pelo saldo de caixa no final do mês01 10%

Comparando a receita com os custos e despesas 07 70% Sabe que tem lucro total e que produto é o mais lucrativo 07 70% Não tem muita certeza de que a empresa dá lucro 05 50%

Total100%

Fonte: pesquisa de campo, 2001. Nota: O percentual é em relação as 10 empresas que calculam os custos de produção.

De acordo com os dados apresentados, observou-se que existem duas grandes modalidades apontadas relacionadas à política adotada para identificar o lucro do período. Foi constatado que 70% desse grupo identifica o lucro operacional comparando os valores das receitas totais do período como os valores dos custos e despesas totais. Por outro lado, foi constatado que 70% delas afirmou que identifica a lucratividade por produto ou por linha de produção.

6. CONCLUSÕES

A gestão de custos foi apresentada como um instrumento fundamental ao pequeno empresário do setor de confecções, onde foram investigadas 2 organizações. Uma vez dispondo de informações gerenciais geradas a partir dos sistemas de custos dessas organizações, seus gestores estarão providos de uma ferramenta auxiliar importante para subsidiar o processo decisório.

Os resultados foram organizados a partir de duas perspectivas distintas ligadas aos fatores relacionados às empresas que não calculam os custos de produção, bem como aos aspectos ligados às empresas que calculam custos.

Em relação às empresas que dispõem de procedimentos internos relacionados ao cálculo dos custos de produção para a geração de informações gerenciais, identificou-se que um grupo delas utiliza essas informações de maneira satisfatória. Esse grupo de empresas aplica as informações geradas tanto para a elaboração dos preços de venda, quanto para a definição do lucro.

Sobre o grupo de empresas que não efetuam o cálculo dos custos de produção foi observado que 5% delas não calculam os custos de produção por acreditarem que essas informações são irrelevantes para o processo de gestão, onde 45% por cento dessas empresas não efetuam os cálculos por admitirem que possuem uma produção relativamente pequena e por não ter necessidade de terem essa informação. Foi ainda observado que sua política de definição de preço de venda se baseia na observação dos preços vigentes do mercado. Outra conseqüência associada ao fato de não haver a geração de informações sobre custos, essas empresas apresentam dificuldades para a identificação de seus resultados operacionais (lucro ou prejuízo).

Pode-se afirmar que dentro do grupo das micro e pequenas empresas do polo de confecções de João Pessoa investigadas foi observada uma aplicação parcial da contabilidade de custos no processo decisório, onde um grupo razoável delas utiliza a contabilidade apenas para atender suas atribuições fiscais.

Estas conclusões não devem ser consideradas como aplicáveis para organizações que não fazem parte do universo desta pesquisa, visto que suas características são particulares para o setor estudado.

7. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

LAWRENCE, W. B. Contabilidade de Custos. São Paulo: IBRASA, 1975, 4ª.ed
2000, Fortaleza. Anais do IV Seminário de Rede PMEs Mercosul. Fortaleza, 2000
VAN HORNE, J. Política e Administração Financeira. São Paulo: Livro Técnico e Científico. 1979

ARAUJO, I. T. Avaliação do programa de apoio de inovação tecnológica para MPE’s da indústria de confecções da cidade de João Pessoa/PB. In: ENCONTRO DE ESTUDOS SOBRE EMPREENDEDORISMO E GESTÃO DE PEQUENAS EMPRESAS, I, 2000. Anais do I Encontro de estudos sobre empreendedorismo e gestão de Pequenas Empresas. Maringá, 2000. BACKER, M; JACOBSEN, L. E. Contabilidade de Custos. Rio de Janeiro: McGraw-Hill, 1979. BODNAR, G. H; HOPWOOD, W. S. Accounting Information Systems. Massachusetts: Allyn and Bacon, 1990, 4ª. ed. BRAGA, R. Fundamentos e técnicas de Administração Financeira. São Paulo: Atlas, 1994. CHIZZOTTI, A. A Pesquisa em Ciências Humanas e Sociais. São Paulo: Cortez, 1991. DEARDEN, J. Cost Accounting and Financial Countrol Systems. Boston: Addison-Weslley Publishing. Company, 1976. FIEP. Cadastro Industrial da Paraíba, João Pessoa, 1998. GIL, A. C. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. São Paulo: Atlas, 1996, 3ª. ed. HALL, R. H. Organizações: Estruturas e Processos. São Paulo: Prentice-Hall. 1984, 3ª. ed. HORNGREN, C. T. Introdução à Contabilidade de Custos. 5.ed. Rio de Janeiro: LTC Editora, 2000, 5ª. ed. LEONE, G. S. G. Custos: um Enfoque Administrativo. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1987, 9ª. ed. MATZ, A; CURRY, O; FRANK, G. W. Contabilidade de Custos. São Paulo: Atlas, 1974. MELO, M. C. P. Micro e Pequenas empresas de confecções do Nordeste: uma avaliação dos condicionantes à inserção no mercado externo. In: SEMINÁRIO DE REDE PMEs MERCOSUL, I, PEREZ, J. H; OLIVEIRA, L. M; COSTA, R. G. Gestão Estratégica de Custos. São Paulo: Atlas, 1999. STEVENSON, W. J. Estatística aplicada à Administração. São Paulo: Harbra, 1986. Palavras-Chave: Contabilidade Gerencial; Contabilidade de Custos; Gestão de Custos.

(Parte 2 de 2)

Comentários