Administração de medicamentos na enfermagem - Módulo II

Administração de medicamentos na enfermagem - Módulo II

(Parte 1 de 5)

Curso de

Administração de Medicamentos na Enfermagem

Atenção: O material deste módulo está disponível apenas como parâmetro de estudos para este Programa de Educação Continuada. É proibida qualquer forma de comercialização do mesmo. Os créditos do conteúdo aqui contido são dados aos seus respectivos autores descritos na Bibliografia Consultada.

2 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores

► Grupos Farmacológicos

- Agente colinérgico Mecanismo de ação: Inibe a colinesterase, estabilizando a acetilcolina, cuja ação é assim reforçada e prolongada.

- Amebicida e tricomonicida Informação geral: A amebíase é causada pelo protozoário Entamoeba histolytica, que tem duas formas: a de trofozoíto e a cística, pela qual é transmitida a doença. A manifestação da amebíase é caracterizada por diarréia súbita, cólica e sangue nas fezes, mas às vezes pode ser assintomática.

A infestação pelo Trichomonas vaginalis causa vaginite. Pode ser tratada com tricomonicida local ou por via oral. O parceiro sexual também deve ser tratado.

- Aminoglicosídios Mecanismo de ação: Antibiótico de amplo espectro que inibe a síntese de proteína em organismos suscetíveis, desintegrando a membrana da célula da bactéria e levando-a a morte.

- Analgésico de ação central Mecanismo de ação: Inibe a norepinefrina e a serotonina. Causa muitos efeitos, como opióide, tais como tontura, sonolência, náusea, constipação e leve depressão respiratória.

23 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores

- Analgésico narcótico Mecanismo de ação: Atua como um específico opióide agonista no SNC, produzindo analgesia, sedação, mas também causa alucinação.

- Antiarrítmico Mecanismo de ação: Interfere na freqüência cardíaca alterada. Têm os seguintes mecanismos de ação: inibição dos canais rápidos de sódio, antagonizando os receptores betaadrenérgicos; inibição dos canais de potássio; e bloqueio dos canais de cálcio.

A finalidade dos antiarrítmicos é reduzir o tempo de condução no nódulo AV, encurtar o potencial de ação e prolongar a refratariedade do músculo cardíaco.

- Anticoagulante Mecanismo de ação: Interfere na coagulação do sangue, retardando o tempo de coagulação ou aumentando o tempo de dissolução de um coágulo.

- Anticonvulsivante Informação geral: Não cura a doença, mas pode controlar a convulsão sem interferir na função do SNC. É profilático e deve ser usado continuamente, existem vários tipos de drogas, uma para cada tipo de epilepsia. Algumas diminuem a freqüência da crise convulsiva, mas não a previnem completamente. Pode ser utilizado para prevenir convulsões, devido acidentes vasculares cerebrais, neurocirurgia e outras entidades mórbidas.

- Antidepressivo tricíclico Mecanismo de ação: Causa uma mudança no sistema receptor de serotonina e norepinefrina, resultando na mudança sensitiva do receptor sináptico e pré-sináptico. O antidepressivo tricíclico tem vários efeitos, anticolinérgico, antiserotonina, sedativo, anti-histamínico e hipotensivo.

24 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores

- Antifúngico

Mecanismo de ação: Adere ou interfere na membrana do fungo, permitindo aumento na permeabilidade e extravasamento de componentes celulares, causando a morte da célula fúngica.

- Anti-helmíntico Informação geral: Helmintos, ou vermes, infestam o intestino ou migram para determinados tecidos. O tratamento da infecção por helmintos é complicado pelo fato de o verme ter vários estágios morfológicos (ovo, larva e verme), e o paciente pode estar infectado por vários tipos de vermes.

Antes de iniciar o tratamento, faça o diagnóstico com precisão, pois o sucesso depende da droga escolhida. Os helmintos são divididos em três grupos: Cestoidea, Nematoda, Trematoda,

- Anti-hipertensivo Mecanismo de ação: Acredita-se que ocorra uma supressão no sistema renina angiotensina aldesterona, A renina sintetizada pelo rim produz a angiotensina I. A angiotensina I é convertida em angiotensina I pela ACE, A angiotensina I é um potente vasoconstrictor que estimula a secreção da aldosterona, resultando em retenção de sódio e líquido. Os inibidores da ACE reduzem a conversão da angiotensina I eni angiotensina I. Esse resultado causa diminuição de angiotensina I no plasma, e conseqüentemente reduz a resistência periférica e a secreção de aldosterona, diminuindo a pressão sangüínea.

- Anti-histamínico

Mecanismo de ação: Bloqueador do receptor H1 diminui o efeito da histamina nas células do trato respiratório superior e dos olhos, diminui o espirro e a produção de muco. Efeito antiemético.

25 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores

- Anti-histamínico (bloqueador H1)

Mecanismo de ação: Inibem os receptores histamínicos H1, prevenindo ou revertendo os efeitos da histamina.

- Anti-histamínico (bloqueador H2)

Mecanismo de ação: Antagonista da histamina bloqueia os receptores H2, inibe a secreção do ácido gástrico.

- Antiinflamatório não-esteróide Mecanismo de ação: Modernamente designado antiinflamatório não hormonal (AINH), atua diminuindo os sinais cardinais da inflamação e tem diversas ações, como a inibição da prostaglandina, a excreção de ácido úrico ou a diminuição da imunidade (antiinflamatório modificador da doença ou ARMD).

É eficaz para reduzir o edema atricular e a dor, aumentando a mobilidade de pacientes com doenças com características inflamatórias.

- Antimalárico Mecanismo de ação: Antagonista do ácido fólico; inibe uma enzima que é importante na biossíntese celular da purina, da pirimidina e de certos aminoácidos.

- Antineoplásico Mecanismo de ação: Inibe a síntese do DNA, levando a célula à morte. Inibe a dinâmica de reorganização da cadeia microtubular, que é essencial para a divisão celular. Atenua a tensão de torção no DNA pela indução reversível das rupturas dos filamentos simples. Liga-se ao complexo DNA topoisomerase I e previne a ligação dessas rupturas simples dos filamentos.

26 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores

- Antiparkinsoniano

Mecanismo de ação: Potente agonista do receptor da dopamina; inibe a secreção da prolactina, causando aumento transitório do crescimento hormonal e diminuição do hormônio luteinizante.

Informação geral: A doença de Parkinson, doença progressiva do sistema nervoso central, afeta geralmente pessoas acima de 50 anos e é causada por algumas drogas antipsicóticas. Na maioria das vezes os sintomas desaparecem quando a droga é suspensa.

- Antiviral Mecanismo de ação: Inibe a replicação do DNA e RNA no vírus, prevenindo a replicação e levando o vírus à morte. A proteinase de HIV cliva os precursores poliprotéicos virais para gerar proteínas funcionais nas células infectadas pelo HIV. A ciclagem dos precursores poliprotéicos virais é essencial para a maturação dos vírus infectantes.

- Barbitúrico Mecanismo de ação: Atua como sedativo hipnótico e anticonvulsivante é depressor do SNC. Os barbitúricos deprimem o córtex cerebral, alteram a função cerebelar; podem produzir excitação, sedação, hipnose, anestesia e coma profundo.

- Benzodiazepina Mecanismo de ação: Ansiolítico, anticonvulsivante, relaxante da musculatura e sedativo hipnótico.

- Bloqueador alfa-adrenérgico Mecanismo de ação: Bloqueia seletivamente os receptores alfa-1- adrenérgicos, reduzindo o impulso simpático na musculatura vascular, dilatando arteríolas e veias, diminuindo a pressão sangüínea. Causa redução na resistência

27 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores vascular periférica total. Estudos sugerem que o efeito vasodilatador está relacionado ao bloqueio dos receptores alfa-adrenérgico pós-sinápticos.

- Bloqueador beta-adrenérgico Mecanismo de ação: Atua como vasodilatador coronariano, anti-hipertensivo e antiarrítmico. Competitivamente bloqueia os receptores betaadrenérgicos no coração. Diminuem a excitabilidade cardíaca, o débito cardíaco e o consumo de oxigênio, a liberação da renina e a pressão sangüínea.

- Bloqueador dos canais de cálcio Mecanismo de ação: Vasodilatador coronariano e anti-hipertensivo. Essa droga inibe o movimento do íon cálcio na membrana cardíaca e na musculatura vascular. Antagonista do cálcio que inibe o influxo de íons de cálcio nas células miocárdicas e nas células da musculatura lisa das artérias coronárias e da vascularização periférica, resultando na diminuição da velocidade de condução do impulso cardíaco, deprimindo a contratilidade do miocárdio, a dilatação das artérias coronarianas e periféricas.

- Broncodilatador Mecanismo de ação: Agonista adrenérgico que estimula predominantemente os receptores beta-2, produzindo relaxamento do músculo liso bronquial e inibição do edema, causado por mediadores endógenos.

- Cardiotônico Mecanismo de ação: Aumenta a força contrátil do miocárdio e assim eleva a freqüência cardíaca. Esse efeito é devido à inibição de sódio e potássio ATPase. Inibindo-se o sódio e o potássio ATPase, ocorre aumento do influxo do cálcio e aumento da liberação do íon cálcio na célula do miocárdio, acelerando a contração das fibras do músculo cardíaco.

28 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados aos seus respectivos autores

- Cefalosporina

Mecanismo de ação: Antibiótico de amplo espectro, derivado penicilínico. Inibe a síntese da parede da célula da bactéria, levando-a a morte.

(Parte 1 de 5)

Comentários