(Parte 1 de 6)

Disciplina: CLP Apostila n. 5

Controle em Malha-Fechada1
Definições1
Introdução4
Partida de motores Trifásicos: Acionamento por Botão5
Partida Υ/∆ (Estrela/triângulo) de motores Trifásicos6
Características básicas do Controlador Programável PS4-201 MM1®7
Fluxograma1
Passo: Project Manager — Criar um novo projeto12
Editar o Programa do usuário. POU-Editor — Program Organisation Unit-Editor12
Começando a Programar em Ladder13
Declarando as Variáveis17
Syntax Check18
Descobrindo o Erro19
Explicação Detalhada do Bloco de Função MS_TimeRising24
Lógica27
Algoritmo27
Sumário das Funções IEC 1131-3 e Moeller28
Referências Bibliográficas32

1 Centro Federal de Educação Tecnológica de São Paulo

Prof. Eng.M.Sc. d'Avila

1. Automação industrial

movam, regulem e operem por si mesmas

O objetivo da Automação industrial é o de tornar os processos automáticos, isto é, desenvolver tecnologias para que os trabalhos realizados por homens sejam realizados por máquinas que se

Controle em Malha-Fechada Um sistema de controle pode ser representado pelos blocos da figura 1.1.

Medição Processo

Controle Atuação

Figura 1.1 - Sistema de Controle

Podemos dizer que a Automação Industrial é um conjunto de técnicas destinadas a tornar automáticos vários processos numa indústria.

Definições

Medição ⇒ Responsável pela transformação da grandeza que se deseja controlar num sinal que possa ser manipulado pelo sistema de controle.

2 Centro Federal de Educação Tecnológica de São Paulo

Prof. Eng.M.Sc. d'Avila

Atuação ⇒ Responsável pela transformação do sinal de saída do controlador no sinal que possa comandar a variável de entrada do sistema que está sob controle.

Processo ⇒ Operação que evolui progressivamente e que se constitui por uma série de ações controladas objetivando um particular resultado.

Controle Realimentado ⇒ É uma operação que na presença de distúrbios , tende a reduzir a diferença entre a saída de um sistema e a entrada de referência. Controle Automático

Para realizar o controle dos processos existe o Controlador Lógico Programável que pode ocupará o bloco de controle da figura x.x.

Medição

Processo Atuação

Figura x.x - Controle Automático com CLP na malha de Realimentação

3 Centro Federal de Educação Tecnológica de São Paulo

Prof. Eng.M.Sc. d'Avila

O Sr. Armando confusão, no exemplo da figura x.x, está controlando a temperatura da água para uso em um hotel. Pode-se ver no exemplo os blocos: Processo, Medição, Controlador, Atuação.

Misturador

Trocador de Calor

Serpentina

Processo

Aquecer água utilizando a energia térmica do vapor

Atuador Vávula

Medição Sensor

Controlador

4 Centro Federal de Educação Tecnológica de São Paulo

Prof. Eng.M.Sc. d'Avila

Introdução

A Norma Técnica Unificada — NTU.01, para fornecimento de energia elétrica em tensão secundária a edificações individuais tem por objetivo orientar os consumidores individuais das áreas de concessão da CESP, CPFL e Eletropaulo.

A NTU.01 orienta que: motores trifásicos de gaiola ou de indução com potência acima 5

(C.V.), devem partir de forma indireta. Um possível sistema de partida indireta é a manobra Υ/∆ (estrela/triângulo).

O sistema de manobra Υ/∆ (estrela/triângulo) tem por objetivo reduzir a corrente de partida de motores.. As companhias fornecedoras de energia elétrica fixam valores máximos para a corrente de partida. Se o motor a ser instalado possuí uma corrente de partida maior que a fixada é necessário implementar um circuito que minimize a corrente de partida.

A partida Υ/∆ é normalmente implementada por contatores e um temporizador. Pode-se, no entanto, utilizar um Controlador Lógico Programável — CLP para esta finalidade. A partida Υ/∆ com contatores e temporizador é mais econômica que a partida Υ/∆ utilizando um CLP. Evidentemente a utilização do CLP numa única partida de motor está limitada aos casos onde o CLP realiza também outras funções e existam entradas e saídas disponíveis.

5 Centro Federal de Educação Tecnológica de São Paulo

Prof. Eng.M.Sc. d'Avila

Partida de Motores Acionamento por Botão

Partida de motores Trifásicos: Acionamento por Botão Fusível Geral

Circuito de comando didático simplificado. Acionamento por botão.

b0 = Botão de Comando Desliga (normalmente fechado) eRelé Térmico b1 = Botão de Comando Liga (normalmente aberto) c1 = Contator de Rede 1 Contato Abridor

(normalmente fechado) c2 = Contator Estrela c2c3 = Contator Triângulo 3

Contato Fechador (normalmente aberto) d1 = Relé Temporizador d1 c1 c2 c3 N c c c1 d1b0

6 Centro Federal de Educação Tecnológica de São Paulo

Prof. Eng.M.Sc. d'Avila

Partida Υ/∆ (Estrela/triângulo) de motores Trifásicos Forma de Operação: Acionamento por botão.

Ligação: 1. Botão de comando b1 aciona o contator estrela c2e o dispositivo de retardamento d1. 2. O contato fechador c2 atua sobre o contator de rede c1, cujo contato fechador opera. 3. O motor entra em funcionamento em estrela.

Comutação: 1. Decorrido o retardamento, o contato abridor d1 opera e o contator estrela c2 é desligado. 2. Quando o contato abridor de c2 fecha, entra o contator triângulo c3, pois o contato fechador de c1 já estava fechado quando c1 ligou. 3. O motor funciona, agora, em triângulo.

Interrupção: 1. Acionado o botão b0, interrompe o contator c1. Contato fechador de c1 abre-se em seguida; o contator triângulo e o motor são desligados.

7 Centro Federal de Educação Tecnológica de São Paulo

Prof. Eng.M.Sc. d'Avila

PLC — Programmable Logic Controller

(Parte 1 de 6)

Comentários