Modelo Relatorio Técnico Consultor Ambiental

Modelo Relatorio Técnico Consultor Ambiental

(Parte 1 de 6)

Metodologia Sebrae 5 Menos Que São Mais Redução de Desperdício nas Micro e Pequenas Empresas

Relatório Técnico

Empresa Avaliada: Contato:

Empresa Consultora: Consultor:

Este documento é CONFIDENCIAL, sendo expressamente proibida qualquer forma de exposição ou utilização das informações aqui apresentadas e/ou sua reprodução ou cópia, por qualquer meio ou instrumento, no todo ou em parte, sem a prévia e formal autorização da empresa avaliada e do Sebrae

_, de __ de 200 _

3Metodologia Sebrae 5 Menos que são Mais – Redução de Desperdício

I – Apresentação da Empresa

O objetivo desta seção é possibilitar que o empresário possa ter uma visão global da empresa e compreender as análises e conclusões do Consultor, expressas nos itens seguintes.

Nela, o Consultor deverá realizar uma descrição geral, mas sucinta, da empresa, informando qual é o negócio; o produto ou linha de produtos principal (carro-chefe); como se desenvolve o processo produtivo; fontes energéticas principais; aspectos relevantes da comercialização (se houver); como se dá a administração da empresa; e para que segmento de público está direcionada (clientes).

Recomenda-se que esta seção tenha no máximo uma página.

I – Diagnóstico situacional

Neste segmento do relatório, o Consultor deverá abordar os principais procedimentos de aproveitamento de resíduos (se for o caso) e os desperdícios de recursos detectados na fase de investigação, suas fontes geradoras e características ambientais relevantes (riscos e ameaças).

Os resíduos deverão ser classifi cados em Subprodutos ou Perdas (Normais/Anormais) – ver item Metodologia –, e descritos os agentes que lhe dão causa, como defeitos de máquinas e de processos, falhas humanas de operação, incapacidades técnicas e de gestão etc., ou seja, tudo o que faz com que determinado recurso material (insumos e matérias-primas) não seja integralmente transformado em produto (aproveitado para

1 ORIENTAÇÕES GERAIS

O Relatório Técnico deverá ser elaborado pelo Consultor tão logo este fi nalize a análise dos dados, registros e observações coletadas durante a visita técnica à empresa. O modelo do Anexo 1 deverá ser utilizado para o corpo do Relatório.

O Relatório deverá ser escrito em processador de texto (Winword, versão 1997-2000 ou superior). O formato de página deve ser tamanho A-4 (21cm x 29,7cm); fonte-padrão Arial tamanho 12; alinhamento de parágrafos do tipo justifi cado; recuo de primeira linha de parágrafo de 2,0 cm; e distâncias de margem esquerda = 3,0cm; direita = 2,5cm; superior = 3,5 cm; inferior = 3,0cm (conforme modelo do Anexo 1). Uma cópia em meio magnético deverá ser entregue ao Sebrae juntamente com um exemplar impresso. Outro original impresso deverá ser entregue ao empresário. Nenhuma outra cópia poderá ser utilizada sem a autorização do Sebrae.

Todas as folhas deverão conter o nome da empresa analisada, da instituição Consultora, do Consultor, a data da elaboração e a rubrica do Consultor (Anexo 1).

Para a capa do relatório deverá ser empregado o modelo do Anexo 2, e nela constar o nome da empresa avaliada, o nome da pessoa que acompanhou os trabalhos do consultor (Contato), o nome da instituição consultora contratada pelo Sebrae e o nome do consultor que desenvolveu o trabalho.

A análise do Consultor (diagnóstico e prognóstico) deverá ser distribuída em quatro seções bem defi nidas, conforme apresentadas a seguir:

4Metodologia Sebrae 5 Menos que são Mais – Redução de Desperdício gerar riquezas), e se constituindo em desperdícios, despesas e problemas ambientais.

Dados quantitativos, apurados quando da visita à empresa, devem ser empregados para demonstrar objetivamente os desperdícios verifi cados, além de exemplifi car casos de anormalidades técnicas e incapacidades de recursos humanos. Da mesma forma, tabelas, gráfi cos, fotografi as ou desenhos esquemáticos também devem ser utilizados, quando possível, para descrever os problemas de forma clara e objetiva para o empre- sário. É preciso ter sempre em mente que é ele, o empresário, quem precisa compreender que sua empresa desperdiça, perde dinheiro e pode estar gerando problemas ambientais.

Todos os formulários têm de ser obrigatoriamente preenchidos e anexados ao Relatório Técnico.

Nesta seção deverá vir o Diagrama de Fluxo do Processo Produtivo, cuja elaboração foi descrita no item Metodologia.

Diagrama de Fluxo do Processo Produtivo Processo de Produção

Etapa 2 -

Água

EnergiakWh
1
2
3
Água servidam

Matéria prima

1
2
3
Emissões
Calor

Resíduos tóxicos Etapa 1 -

1
2
3

Etapa 3 -Resíduos

Produtos Finais CLIENTES

Custos de entradas

Água R$ Energia R$ Matéria-prima R$

Custos das perdas

Mês:
Ano:
Mês:
Ano:

Perdas %

I – Recomendações

Apresentar as correções e/ou modifi cações possíveis para eliminação ou minimização dos problemas detectados. Quais equipamentos necessitam ser recuperados, manutenidos ou substituídos; que profi ssionais ou setores devem ser capacitados ou passar por reciclagem em cursos técnicos específi - cos; quais processos ou técnicas necessitam ser aprimorados.

Aqui também deverão ser empregados tabelas, gráfi cos, fotografi as ou desenhos esquemáticos para descrever as soluções de forma clara e objetiva. O empresário precisa entender e ser convencido de que sua empresa pode produzir melhor, com menos recursos (insumos e matéria-prima), economizando dinheiro (rentabilidade) e diminuindo ou eliminando eventuais problemas ambientais.

5Metodologia Sebrae 5 Menos que são Mais – Redução de Desperdício

IV – Prognóstico

Nesta seção do Relatório deverão ser apresentados os resultados previstos (benefícios) econômicos e ambientais, caso a empresa adote as recomendações expressas no item anterior.

Para tanto, cada recomendação deverá vir acompanhada de uma avaliação de esforço X efi cácia, que dirá se os esforços de implementação das modifi cações sugeridas são compensadores do ponto de vista da signifi - cância da diminuição/redução ou eliminação dos desperdícios; e custo X benefício, que avaliará se os benefícios econômicos (grau de impacto na lucratividade do negócio) e ambientais previstos compensam os custos de implementação.

Deverá conter, ainda, orientações detalhadas (roteiro) de como o empresário poderá fazer para implementar os procedimentos recomendados, e qual a melhor forma e momento para isso.

Ao fi nal, informar que as despesas para a implementação do que foi recomendado, como substituição de materiais, máquinas ou equipamentos, serviços técnicos especializados, reformas de instalações etc., deverão ser custeadas pelo empresário.

Recomenda-se que esta seção tenha no máximo duas páginas e nela seja apresentada a tabela de Fluxo Simplifi cado (conforme consta na Metodologia).

2 ENTREGA DO RELATÓRIO

O Consultor deverá entregar ao empresário o Relatório Técnico com todos os formulários preenchidos anexados e, no momento da entrega, realizar a justifi cação dos resultados a que chegou, explicando todas as recomendações propostas, os produtos e serviços Sebrae, empregando linguagem simples, direta e objetiva, buscando convencer o empresário das vantagens de serem rapidamente implementadas as sugestões apresentadas.

No ato da entrega e apresentação do Relatório Técnico, o Consultor deverá solicitar um recibo em papel timbrado (ou carimbo de CNPJ) contendo o nome da empresa e da pessoa que recebeu o documento, sua assinatura e data da entrega. Este procedimento é obrigatório.

6Metodologia Sebrae 5 Menos que são Mais – Redução de Desperdício Diagrama Simplificado de Fluxo

PERDA (%) PERDA (R$1,0)

(Parte 1 de 6)

Comentários