(Parte 1 de 3)

Universidade Estadual de Campinas

Reitor Prof. Dr. Carlos Henrique de Brito Cruz

Hospital das Clínicas da Unicamp

Superintendente Prof. Dr. Ivan F. Contrera Toro

Realização Grupo de Apoio Nutricional - GAN/HC-Unicamp

Serv. Enf. Ambulatórios e Procedimentos Especializados -SEAMPE/HC-Unicamp

Divisão de Nutrição e Dietética - DND/HC-Unicamp

Serviço de Enfermagem Médico-Cirúrgica I - SEMC I/HC-Unicamp Serviço de Enfermagem Médico-Cirúrgica I - SEMC I/HC-Unicamp

Autores

Elisabeth Dreyer

Enfermeira do GAN – HC/Unicamp

Salete Brito

Nutricionista do GAN – HC/Unicamp Miriam Rizziolli Santos Enfermeira do SEAMPE – HC/Unicamp

Luciane Cristina Rosim Sundfeld Nutricionista da DND – HC/Unicamp

Colaboradores Heloísa Morelli

Enfermeira do SEAMPE - HC/Unicamp

Rosana de Fátima Gomes Huarachi

Enfermeira do SEMC I - HC/Unicamp

Eloysa Marques Fernandes Pivetti Enfermeira do SEMC I – HC/Unicamp

Agradecimentos

Às enfermeiras Flora Marta Giglio Bueno, Luciana Maria C. Monteiro,

Nilce Rodrigues Viana Pato, Nilvania Regina Noreto e

Rosemeire P. S. Bianconi, pelas idéias e sugestões. Ao relações públicas Antonio Alberto Ravagnani e à jornalista Isabel Gardenal, pelas orientações editoriais.

Diagramação, ilustrações e editoração eletrônica Sérgio Luís Simionato

Outubro de 2004

Este manual pertence a: Nome: HC: Disciplina: Recebeu orientação de nutrição e de enfermagem, Data: Data: Nutricionista: Enfermeiro:

CRN: COREN: Tel.: Tel.:

Apresentação04
O que é nutrição enteral?04
Como é colocada a sonda nasoenteral?07
Como evitar a saída da sonda nasoenteral?07
Como evitar obstrução da sonda nasoenteral?08
Quais os cuidados com a gastrostomia ou a jejunostomia?09
Que tipo de dieta devo passar na sonda?09
Posso passar outros líquidos na sonda?10
Como preparar a dieta enteral?10
Como administrar a dieta?1

ÍNDICEÍNDICEÍNDICEÍNDICEÍNDICE O que fazer em caso de problemas com a sonda nasoenteral?..07

no horário recomendado?14
Como administrar medicamentos pela sonda?15
O que fazer em caso de diarréia?15
Cuidados gerais15
Quando devo procurar a equipe responsável?16
- Anexo / Ficha de Acompanhamento17

O que devo fazer se uma dieta não foi passada - Anexo / Observações ............................................................. 19

NU T R I Ç Ã

Este manual tem por objetivo informar a você que faz uso de nutrição enteral, bem como a seus familiares, os cuidados necessários para o sucesso desta terapia. Com este manual, você receberá a prescrição dietética para o preparo da dieta enteral e uma carta de apresentação para a unidade básica de saúde ou outro serviço que poderá atendê-lo em caso de problemas com a sonda. Solicitamos que você traga sempre este manual para suas consultas com a equipe de saúde.

1 - O que é nutrição enteral?

Quando a alimentação pela boca é impossível ou insuficiente, as necessidades nutricionais podem ser satisfeitas através da nutrição enteral. Neste caso, um tubo fino, macio e flexível, chamado sonda nasoenteral, pode ser passado, pelo nariz, até o estômago (figura 1) ou até o intestino delgado (figura 2).

Em alguns casos, é preferível utilizar uma gastrostomia, que consiste numa sonda colocada no estômago pelo cirurgião, através da parede abdominal (figura 3), ou uma jejunostomia, colocada da mesma forma no intestino (figura 4). Os alimentos são administrados diretamente no estômago ou no intestino por uma destas sondas. A dieta fornecida por sonda é chamada dieta enteral e é planejada para fornecer todos os nutrientes normalmente ingeridos pela boca e que são essenciais à recuperação e à manutenção da sua saúde.

Portanto, esta terapia irá lhe oferecer uma melhor qualidade de vida!

Figura 2: Sonda no intestino Figura 1: Sonda no estômago

NU T R I Ç Ã

Figura 4: Jejunostomia Figura 3: Gastrostomia

2 - Como é colocada a sonda nasoenteral?

A sonda é passada por um enfermeiro ou um médico, com um guia metálico flexível. Este guia deverá ser guardado para ser utilizado novamente, caso seja necessário repassar a sonda.

O procedimento é simples, indolor, podendo causar uma discreta náusea ou um desconforto na garganta ou nariz. O tempo de utilização da mesma sonda é indeterminado, ficando a troca a critério do enfermeiro.

3 - O que fazer em caso de problemas com a sonda nasoenteral?

Em caso de obstrução (entupimento), rachadura, furo, perda ou saída parcial da sonda, você deverá procurar a Unidade Básica de Saúde (Posto de Saúde) ou outro serviço que lhe for indicado, levando a sonda, lavada com água e sabão, e seu guia metálico, para que o enfermeiro verifique se podem ser reaproveitados.

4 - Como evitar a saída da sonda nasoenteral?

A sonda deve ser fixada à pele com uma fita adesiva hipoalergênica ou esparadrapo, para evitar que seja retirada acidentalmente ou que se desloque para fora do estômago ou intestino.

NU T R I Ç Ã

Esta fixação deve ser trocada quando estiver suja ou solta: -retire a fixação antiga,

-limpe o nariz com água e sabão,

-fixe a sonda, conforme a ilustração (figura 5), sem passar na frente dos olhos ou da boca.

A sonda não deve ficar dobrada, nem puxar a narina. Em caso de vermelhidão ou machucado na pele, fixar a sonda em outro local.

ATENÇÃO: Cuidado ao se barbear, para não cortar a sonda quando fixada na bochecha!

Figura 5: Fixação da sonda

5 - Como evitar obstrução da sonda nasoenteral?

(Parte 1 de 3)

Comentários