Manual de Normas de Vacinação

Manual de Normas de Vacinação

(Parte 7 de 13)

2)Se houver necessidade de utilizar a vacina em ambiente externo ao da Unidade de Saúde, manter a vacina refrigerada em banho de gelo (gelo + água), ao abrigo da luz solar direta.

Sobras de vacinas devem ser descartadas após cinco dias úteis da abertura dos frascos. Na vacinação extramuros, os frascos de vacina deverão ser utilizados num único dia, desprezando-se as sobras.

FUNASA- junho/2001 - pÆg. 29

6. Vacina contra difteria, tØtano e coqueluche (vacina tríplice DTP - tríplice bacteriana)

6.1. Composiçªo e apresentaçªo

A vacina tríplice DTP contém toxóide diftérico, toxóide tetânico e Bordetella pertussis inativada em suspensão, tendo como adjuvante hidróxido ou fosfato de alumínio, sendo apresentada sob a forma liquida em ampola ou frascoampola com dose única, ou frasco-ampola com múltiplas doses.

6.2. Idade de aplicaçªo A partir de dois meses.

6.3. Via de administraçªo

Intramuscular profunda, no vasto lateral da coxa; em crianças com mais de dois anos de idade pode ser aplicada na região deltóide.

6.4. Esquema

Esquema básico: três doses com intervalos de 60 dias.

Notas: 1)O intervalo mínimo entre as doses é de 30 dias; 2)O aumento do intervalo entre as doses não invalida as feitas anteriormente, e, portanto, não exige que se reinicie o esquema; 3)Recomenda-se completar as três doses no primeiro ano de vida; 4)Não se usa a vacina tríplice DTP a partir de sete anos de idade.

Reforço: entre seis a 12 meses depois da terceira dose do esquema básico, de preferência no 15º. mês de idade, simultaneamente com a dose de reforço das outras vacinas do Calendário de Vacinação.

Nota:Em caso de ferimento com alto risco de tétano antes dos sete anos de idade, e já decorridos mais de cinco anos da quarta dose, aplicar mais uma dose da DTP.

6.5. Eventos adversos

Dor, vermelhidão e enduração locais; febre, mal-estar geral e irritabilidade nas primeiras 24 a 48 horas. Com menor freqüência podem ocorrer sonolência, choro prolongado e incontrolável, convulsões e síndrome hipotônicohiporresponsiva (hipotonia, sudorese fria e diminuição de resposta a estímulos).

6.6. Contra-indicaçıes

A aplicação da vacina tríplice DTP é contra-indicada em crianças que tenham apresentado após a aplicação de dose anterior: a)reação anafilática sistêmica grave (hipotensão, choque, dificuldade respiratória); b)encefalopatia nos primeiros sete dias após a vacinação.

Notas: 1)Na situação do item a, já que não se pode estabelecer qual o componente da vacina responsável pela reação Anafilática e por causa da importância da proteção contra o tétano, é conveniente que o indivíduo que apresentou esse raro evento receba, quando indicada, a imunização passiva contra o tétano;

FUNASA- junho/2001 - pÆg.30

2)Não devem ser administradas doses subseqüentes da vacina contra a coqueluche às crianças em que se manifestou encefalopatia nos primeiros sete dias após a vacinação, mesmo que a responsabilidade da mesma pelo evento não possa ser estabelecida. O esquema vacinal básico será completado com DT.

6.7. Precauçıes

Alguns eventos pós-vacinais, por não determinarem seqüelas, não são considerados contra-indicações, mas merecem atenção especial. São divididos em duas categorias:

a)eventos que indicam na vacinação subseqüente com a vacina DTP clássica (celular) o uso de antitérmicos ou analgésicos profiláticos:

-choro persistente e incontrolável, durando três ou mais horas e ocorrendo nas primeiras 48 horas após a vacinação DTP; -temperatura igual ou maior a 39,5ºC, sem outra causa identificável, nas primeiras 48 horas após a vacinação DTP; b)eventos que indicam na vacinação subseqüente contra coqueluche, difteria e tétano a utilização da vacina tríplice DTP acelular (DTPa):

Notas: a)A vacina DTPa pode ser obtida através dos Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais.

Consulte o Manual dos Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais, Vacina Tríplice Acelular. b)Caso a vacina DTPa não esteja disponível, as crianças referidas no item 6.7 b deverão ser vacinadas com a vacina DTP clássica, com precauções especiais, em ambiente hospitalar. c)A utilização da vacina DTPa diminui mas não exclui a possibilidade de repetição da convulsão ou do episódio hipotônico-hiporresponsivo.

6.8. Conservaçªo e validade

Deve ser conservada entre +2°C e +8°C. O congelamento inativa a vacina. Depois de aberto o frasco-ampola de múltiplas doses, a vacina poderá ser utilizada até o final do prazo de validade, desde que tenha sido manipulada com técnicas corretas de assepsia. O prazo de validade é indicado pelo fabricante e deve ser respeitado rigorosamente.

FUNASA- junho/2001 - pÆg. 31

7. Vacina contra difteria e tØtano (vacina dupla bacteriana)

7.1. Composiçªo e apresentaçªo

A vacina dupla contém toxóide diftérico e toxóide tetânico, tendo como adjuvante hidróxido ou fosfato de alumínio. É apresentada sob a forma líquida em ampola com dose única ou em frasco-ampola com múltiplas doses. Há dois tipos de vacina dupla: vacina dupla do tipo infantil (DT) e vacina dupla do tipo adulto (dT).

A vacina dupla do tipo infantil (DT) contém a mesma concentração de toxóide diftérico e de toxóide tetânico presente na vacina tríplice (DTP), enquanto a dupla do tipo adulto (dT) contém menor quantidade de toxóide diftérico.

7.2. Idade de aplicaçªo

A vacina dupla do tipo infantil DT poderá ser aplicada em menores de sete anos e a dupla do tipo adulto dT a partir desta idade.

7.3. Via de administraçªo

Intramuscular profunda, preferencialmente no vasto lateral da coxa; em crianças com mais de dois anos de idade pode ser aplicada na região deltóide.

7.4. Esquema

Vacina dupla do tipo infantil (DT): indicada para crianças com menos de sete anos de idade para as quais haja contra-indicação de receberem a vacina contra a coqueluche (componente pertussis = P) da vacina tríplice DTP. O esquema de administração é o mesmo utilizado para a vacina tríplice DTP.

Vacina dupla do tipo adulto (dT): indicada a partir de sete anos de idade a pessoas que não receberam nenhuma dose da vacina tríplice DTP ou da vacina dupla do tipo infantil - DT, ou não completaram o esquema básico com uma dessas vacinas, ou cujo estado vacinal não seja conhecido. É ainda empregada como reforço da vacinação efetuada com a tríplice DTP ou com a dupla do tipo infantil - DT.

Esquema básico: pode ser adotado um dos seguintes esquemas:

a)três doses aplicadas com intervalo de dois meses, mínimo de um mês, entre a primeira e a segunda, e de seis meses entre a segunda e a terceira (esquema 0, 2, 8); b)três doses aplicadas com intervalos de dois meses, mínimo de um mês (esquema 0, 2, 4). Por motivos de ordem operacional tem-se optado por um ou outro esquema nas diferentes regiões do país.

Notas: 1)O aumento do intervalo entre as doses não invalida as anteriores e, portanto, não exige que se reinicie o esquema. 2)Devem-se considerar válidas as doses da vacina tríplice DTP ou da vacina dupla do tipo infantil DT aplicadas anteriormente.

Reforços: de dez em dez anos, por toda a vida.

FUNASA- junho/2001 - pÆg.32

7.5. Vacinaçªo da Gestante

É realizada para a prevenção do tétano no recém-nascido e para a proteção da gestante, com a vacina dupla do tipo adulto - dT ou, na falta desta, com o toxóide tetânico - T.

Gestante nªo-vacinada

Esquema básico: consta de três doses, podendo ser adotado um dos seguintes esquemas:

(Parte 7 de 13)

Comentários