Manual Clínico de Alimentação e Nutrição Na Assistência a Adultos Infectados pelo HIV

Manual Clínico de Alimentação e Nutrição Na Assistência a Adultos Infectados pelo HIV

(Parte 1 de 12)

Manual Clínico de Alimentação e Nutrição

Coleção DST . aids - Série

Manuais 71

Coleção DST . aids - Série

Manuais 71 da Saúde Ministério

Manual Clínico de Alimentação e Nutrição Na Assistência a Adultos Infectados pelo HIV

Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Secretaria de Atenção à Saúde

Programa Nacional de DST e Aids

Manual Clínico de Alimentação e Nutrição Na Assistência a Adultos Infectados pelo HIV

Série Manuais nº 71

Brasília, DF 2006

© 2006. Ministério da Saúde É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte.

Tiragem: 40.0 exemplares

Presidente da rePública Luiz Inácio Lula da Silva

Ministro de estado da saúde Agenor Álvares secretário de assistência à saúde Carlos Temporão secretário de Vigilância eM saúde Jarbas Barbosa diretora do PrograMa nacional de dst e aids Mariângela Simão diretor-adjunto do PrograMa nacional de dst e aids Carlos Passarelli diretor do dePartaMento de atenção básica Luis Fernando Rolim Sampaio coordenadora geral da Política de aliMentação e nutrição Ana Beatriz Vasconcelos

Produção, distribuição e inforMações

MinistÉrio da saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Programa Nacional de DST e Aids

Av. W3 Norte, SEPN 511, Bloco C CEP 70750-543 – Brasília, DF Disque Saúde / Pergunte aids: 0800 61 1997 Home page: w.aids.gov.br Série Manuais nº 71 – PN-DST/AIDS

Publicação financiada coM recursos do Projeto unesco bra 914/1/01 resPonsáVel Pela unidade de PreVenção Ivo Brito resPonsáVel Pela unidade de assistência, diagnóstico e trataMento Orival Silveira assessor de coMunicação/Pn-dst/aids Alexandre Magno de A. Amorim editor Dario Noleto

Projeto gráfico, e diagraMação Alexsandro de Brito Almeida caPa Lúcia Helena Saldanha Gomes

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de DST/AIDS. Manual clínico de alimentação e nutrição na assistência a adultos infectados pelo HIV / Ministério da

Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de DST/Aids. – Brasília : Ministério da Saúde, 2006. 8 p. il. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos)

ISBN 85-334-1153-7

1. Síndrome de Imunodeficiência Adquirida. 2. Programas e políticas de nutrição e alimentação. I.

Título.

I. Série. NLM QW 168.5.H6

Catalogação na fonte – Editora MS – OS 2006/0546

Apresentação

O presente documento, elaborado pelo Programa Nacional de DST e Aids e Coordenação Geral de Alimentação e Nutrição do Ministério da Saúde, contou com a colaboração de profissionais da área de Nutrição e HIV/Aids de serviços e redes de apoio do país. O objetivo é trazer informação aos profissionais de saúde do Sistema Único de Saúde, envolvidos no aconselhamento e tratamento das pessoas vivendo com HIV e aids (PVHA). O objetivo deste material é servir de base na avaliação e aconselhamento nutricional.

A importância da alimentação / nutrição para pessoas vivendo com HIV e aids (PVHA) é tão relevante, que muitos autores defendem que deveria ser tratada com a mesma atenção que as análises laboratoriais e carga viral, seja pela característica hipermetabólica da infecção pelo HIV, seja pelos efeitos adversos das medicações.

Profissionais da área têm defendido que o controle e acompanhamento nutricional deveriam ser utilizados sistematicamente como estratégia de tratamento, acompanhamento e prevenção. Se para as pessoas assintomáticas, fora de terapêutica específica, a alimentação deve ser cuidada e balanceada, para as pessoas em tratamento com medicação anti-retroviral, esses cuidados devem ser redobrados.

A expectativa é que este Manual possa ser utilizado e auxilie os profissionais de saúde no seu dia a dia, no atendimento às PVHA. O Anexo 1 traz informações técnicas sobre os Métodos de Avaliação Nutricional.

Luis Fernando Rolim Sampaio

Diretor do Departamento de Atenção Básica Secretaria de Atenção à Saúde

Mariângela Simão

Diretora do Programa Nacional de DST e Aids Secretaria de Vigilância em Saúde

APRESENTAÇÃO5
Introdução9
Segurança Alimentar e Nutricional9
Política Nacional de Alimentação e Nutrição10
Promoção da Alimentação Saudável1
Características de uma Alimentação Saudável14

Sumário

17
Tipos de Nutrientes20
Padrões Alimentares21
Modismos23
Principais aspectos da Avaliação e Diagnóstico Nutricional25
Métodos de Avaliação Nutricional29
Parâmetros para orientar o Cuidado Nutricional das PVHA31
Alimento Seguro3
Doenças Veiculadas por água e alimentos34
Carências nutricionais36
Interação entre drogas e nutrientes37
Interação entre ARV e medicamentos fitoterápicos43
Efeitos Adversos da medicação anti-retroviral e manejo nutricional43

Importância da Alimentação Saudável para as Pessoas Vivendo com HIV e Aids (PVHA) Suplementos Vitamínicos e/ou minerais ...................................................................... 46

Aspectos comportamentais da promoção da alimentação saudável50
Dez Passos para melhorar a Qualidade de Vida da PVHA52

Aconselhamento Alimentar e Nutricional ......................................................................... 47

medicação anti-retroviral53

Recomendações nutricionais para atenuar sintomas clínicos dos efeitos colaterais da ANEXO 1

Métodos de Avaliação Nutricional59
Avaliação e Exame Físico59
Avaliação Antropométrica e da Composição Corpórea61
Avaliação Bioquímica6
Micronutrientes69
Tabelas de Alimentos de Época72

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .......................................................................................... 7

Introdução

A Nutrição tem alcançado nos últimos anos o reconhecimento mundial por enfatizar a importância da alimentação saudável na promoção da saúde das populações. Ela vem fornecer subsídios para o planejamento estratégico da alimentação e a utilização adequada do alimento como promotor da saúde, reduzindo o risco de agravos e buscando a melhoria do estado nutricional. Alimentar-se bem e de forma constante é um direito humano.

Quando a pessoa vivendo com HIV e aids (PVHA) procura um serviço especializado, é importante considerar a possibilidade dela não compreender a relação da alimentação/ nutrição/imunidade/saúde. Esta procura, pode representar um momento oportuno para se enfatizar os cuidados com a sua saúde e com isso alcançar a eficácia desejada, favorecendo a adesão ao seu tratamento.

O sofrimento gerado pelo impacto de se perceber portador de uma doença crônica que ainda não tem cura pode, paradoxalmente, contribuir para que a pessoa encare os diversos aspectos da vida positivamente, e dentro do que lhe compete promover mudanças em seu estilo de vida, inclusive nos hábitos alimentares, caso seja necessário.

Segurança Alimentar e Nutricional: a construção do direito à alimentação adequada

O direito à vida passa pela garantia de um direito humano que consiste em uma alimentação adequada que respeite a cultura e preserve a dignidade. Isto significa alcançar e satisfazer, além da dimensão orgânica, a intelectual, a psicológica e a espiritual do ser humano.

No Brasil, a evolução do conceito de segurança alimentar acompanhou todo o esforço de democratização da sociedade e a luta por um país com mais justiça econômica e social. Atualmente, este conceito amplia-se, e a segurança alimentar e nutricional, “consiste em garantir, a todos, condições de acesso a alimentos básicos seguros e de qualidade, em quantidade suficiente, de modo permanente e sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais, com base em práticas alimentares saudáveis, contribuindo assim para uma existência digna em um contexto de desenvolvimento integral da pessoa humana” (Valente, 2002).

Manual Clínico de Alimentação e Nutrição – Assistência a Adultos Infectados pelo HIV Ministério da Saúde - Secretaria de Vigilância em Saúde - Programa Nacional de DST/ Aids10

Os dados epidemiológicos atuais demonstram que nossa sociedade convive com os dois lados desta questão: a carência - desnutrição, deficiência de iodo, hipovitaminose A, anemia ferropriva, osteoporose - e o excesso - sobrepeso e obesidade, hipertensão arterial, intolerância à glicose e Diabetes Mellitus, dislipidemias, diferentes tipos de câncer e doenças cardiovasculares. Portanto, para o enfrentamento destes problemas, não há como desvincular a segurança alimentar e nutricional da busca pelo direito à alimentação adequada.

(Parte 1 de 12)

Comentários