(Parte 1 de 6)

Capítulo I O que é sociologia?

O conceito Sociologia foi criado pelo francês Auguste Comte em 1839. A própria etimologia da palavra revela a que se propõe o estudo sociológico. O termo Sociologia é formado pelo radical latino socio (refere-se à sociedade e implica o caráter empírico dessa ciência) e o radical grego logia (que lhe dá o aspecto teórico). Daí ser a Sociologia a ciência que se preocupa em criar teorias, generalizar o estudo sobre o homem em sociedade. Entendendo por sociedade um grupo de homens que vivem em interdependência.

O interesse da Sociologia remete ao estudo dos homens em formarem um determinado grupo, uma massa com o intuito de lutar, cooperar, imitar, divertir, mudar etc. um comportamento cultural ou mesmo a própria cultura.

A Sociologia é uma ciência empírica e como tal o seu fundamento encontra-se na observação. Entretanto, somente com observações não é suficiente para se fazer um estudo sociológico, é necessário ordená-las e isso se faz de duas maneiras: 1. comparando as semelhanças e diferenças; 2. classificando em grupos específicos.

Desde os primórdios os homens observam a sociedade, os grupos e a maneira como os indivíduos vivem, mas a sistematização desse saber somente é edificada, a partir dos séculos XVIII e XIX. Nesses séculos surge uma ciência voltada exclusivamente para as relações sociais, pois as preocupações dos pensadores anteriores eram, como disse L. von Wiese, “política, em que não existe distinção suficiente entre Estado e a sociedade, ou ética em vez do conhecimento empírico do social em si mesmo." 1

Sua origem se dá no século XVIII tendo, como fundadores, o abade de Saint-Pierre e GianBattista Vico. Ambos, - viam um progresso na história. Essa idéia influenciou vários pensadores em diversos países europeus.

Com o despertar do século XIX, surgem condições que influenciam decisivamente o nascer da sociologia: 1. as ciências naturais desenvolvem-se; 2. maior aplicação dos métodos positivos; 3. transformações políticas (Revolução Francesa); 4. transformações econômicas (Revolução Industrial).

No século XIX não era possível pensar o mundo sem ter em consideração essas transformações. A Revolução Francesa faz com que os olhos dos cientistas voltem para a sociedade e a sua complexidade. Os acontecimentos, nesse período, eram tantos e tão variados que abalaram todas as antigas instituições sociais. Como os fenômenos eram muitos, as observações tornavam-se mais especializadas e já não se buscava analisar o todo, mas somente a parte.

Outra sólida contribuição para o nascimento da sociologia é a utilização do método positivo nas ciências naturais. Essas ciências partem do pressuposto de os fenômenos da natureza serem regidos por leis. Ora, se há

1 Apud Azevedo, Fernando de. Sociologia, p.93.

leis naturais que regem as ciências naturais, é certo que haverá leis naturais que regem a sociedade, visto que ela também é natural. Sendo assim, nada mais justo que aplicar o método indutivo ao estudo da sociedade.

Sociologia e doutrinas políticas

Uma característica bastante comum nas doutrinas políticas é se basearem na Filosofia da História. Essa, como se sabe, deseja mostrar a história como algo contínuo que possa ser interpretado racionalmente.

A sociologia estuda os fenômenos sociais e os seus funcionamentos: “uma espécie de História Natural das sociedades. Procura as analogias, as homologias e as repetições.”2

O historiador e o político se preocupam com os motivos subjetivos (Tucídides e Michelet): “Limita-se à redução de toda situação a paridades agressivas, a fim de ampliar a atmosfera dramática da tragédia, e para enobrecer, se não elevar, o debate, os concorrentes se apresentam ou são apresentados como os defensores de uma causa ou de uma doutrina. Assim a História é concebida como uma serie de duelos ao mesmo tempo poéticos, oratórios e armados, entre os campeões das causas rivais. O clímax da arte dramática não é projetar o herói num dilema?”3

2MOSCA, G. e BOUTHOUL, G.. História das Doutrinas Políticas. Rio de Janeiro: Zahar, 1975, p. 410. 3Ib., p. 411.

Características iniciais da Sociologia

1. Enciclopédica: preocupou-se com o todo do homem e da história; 2. Evolucionária: influenciada pela filosofia da história e pelas teorias biológicas da evolução; 3. Positivista: os métodos científicos das Ciências

Naturais eram usados para se estudar os homens. As Ciências Sociais tinham como características, no século XVIII, o modelo físico e, no século XIX, o modelo biológico; 4. Ciência da sociedade industrial: a preocupação da sociologia voltava para as mudanças causadas pela industrialização; 5. Ideológica: na formação da sociologia, os elementos conservadores e radicais se misturaram dando um caráter conflitante ao pensamento sociológico. Ela se apresentou como uma contraposição ao Socialismo.

A sociologia, quando do seu surgimento, procurou abarcar um grande espectro de fenômenos, mas seus resultados ficaram muito aquém de seu projeto inicial: “ninguém acredita mais que Comte tenha descoberto as leis da evolução social (embora muitos acreditem que Marx as descobriu)."4 Essa oposição se deu, porque viam a sociologia como centralizadora das ciências sociais.

4 Bottomore, op. cit. 21.

Capítulo I Métodos sociológicos

A sociologia fez generalizações de alto nível desde sua origem, porém ela conseguiu estabelecer: 1. um corpo conceitual; 2. classificação de tipos sociais; 3. correlação de fenômenos sociais.

Talvez tenha sido a sociologia descritiva a que mais alcançou sucesso nas suas pesquisas.

Mundo natural versus mundo social

Mundo natural Mundo social

Explicado de fora Explicado e compreendido de dentro

Relações mecânicas de causalidade Relações de valor de propósito

Métodos da Sociologia

A sociologia tem cinco métodos importantes: 1. histórico; 2. comparativo; 3. funcional; 4. formal ou sistemático; 5. estruturalista.

Sociologia histórica

O método histórico pode ser subdividido, de acordo com seus membros em: 1. sociólogos antigos; 2. sociólogos posteriores.

Sociólogos antigos

A abordagem histórica dos sociólogos antigos foi influenciada pela filosofia da história e depois pelo modelo biológico da evolução. Sua preocupação volta-se para: 1. a origem;; 2. o desenvolvimento; 3. a transformação das instituições, da sociedade e da civilização

Os principais representantes da sociologia histórica que se ocuparam com a história humana e com instituições sociais são: 1. Auguste Comte (1798-1857); 2. Herbert Spencer (1820-1903).

Os que estudaram o desenvolvimento de uma instituição social em particular são: 1. Edvard Alexander Westermarck (1862. 1939); 2. F. Oppenheimer.

O trabalho desses pensadores está ligado diretamente aos movimentos sociais dos séculos XVIII e XIX.

Atualmente a preocupação da sociologia histórica não se dirige mais ao progresso do homem, mas à evolução da indústria e da economia. A contribuição dos primeiros evolucionistas é marcante.

Sociólogos posteriores

A sociologia histórica dessa corrente foi capitaneada por Karl Marx (1818-1883) e Max Weber (1864. 1920) e demais pensadores influenciados por eles.

Weber critica o materialismo histórico "como uma fórmula para a explicação causal da realidade histórica.”5 Mas admitia ser importante a interpretação econômica da história.

Para Weber, o importante era a interpretação da evolução e não, como queriam os marxistas, dar tentar elaborar uma explicação causal. Para ele não era lícito a tentativa marxista de dar uma explicação única da história.

A abordagem histórica que Max Weber faz tem como ponto de partida: 1. as origens do capitalismo; 2. a burocracia moderna; 3. a relação entre religião e economia.

No método de Weber, encontram-se tanto a explicação causal quanto a explicação histórica. Para ele, as teorias sociológicas falam sobre probabilidades, tendências. Sua aplicação prática para uma sociedade concreta deve ser acompanhada de uma análise histórica dessa sociedade, "e mesmo aí esbarra num limite imposto pela criatividade humana cujos resultados nem o sociólogo, nem o historiador podem prever.”6

5 Bottomore, Th. B. Introdução à sociologia, p. 60. 6 Ib., p. 60.

Método comparativo

O método comparativo já foi considerado como o principal método da sociologia. Os primeiros sociólogos a usarem-no foram os evolucionistas.

Quem vai expor muito bem esse método é Émile

Durkheim (As Regras do Método Sociológico). Ele começa observando que uma explicação sociológica: 1. deve partir das ligações causais; 2. há ligações causais quando, entre dois fenômenos simultâneos, houver dependência.

Mas, afirma Durkheim, na sociologia, a maneira de se relacionarem dois fenômenos é por via indireta, ou seja, por meio da comparação.

(Parte 1 de 6)

Comentários