Laminas de Histologia e Embriologia

Laminas de Histologia e Embriologia

(Parte 1 de 2)

Pele e anexos Nesta aula você poderá estudar várias lâminas sobre o sistema tegumentar.

Sangue Nesta aula você poderá rever todas as células sanguíneas.

Sistema digestório Lâminas de tubo digestório e glândulas anexas ao tubo.

Sistema respiratório Lâminas da porção condutora - traquéia Lâminas de pulmão.

Sistema urinário Lâminas de rim e de bexiga.

Tecido cartilaginoso Aquí você poderá estudar os 3 tipos de tecido cartilaginoso.

Tecido Conjuntivo Nesta aula você poderá estudar várias lâminas de tecido conjuntivo.

Tecido nervoso

Lâminas de medula e de encéfalo- permite estudar a organização geral do Sistema Nervoso Central, bem como as células: Neurônios e células da glia.

Tecido ósseo

Nesta aula você poderá estudar lâminas de vários tipos de ossos, bem como desgastado e desmineralizados.

Tecidos epiteliais Aquí você poderá estudar lâminas de vários tipos de epitélios.

Tecidos musculares Lâminas de músculo estriado esquelético, estriado cardíaco e músculo liso.

Tonsila Observar faringe, com tonsilas, glândulas salivares e esôfago.

Tegumentar Pele e Anexos

Epiderme

Um destaque em maior aumento (400x) da epiderme mostra o epitélio pavimentoso estratificado queratinizado, com várias camadas de células, onde pode-se identificar mais profundamente a camada ou estrato basal (eb) corado mais intensamente, e mais externamente a camada ou estrato córneo (ec). Entre elas dá para se identificar os estratos intermediários, com várias camadas de células: estrato espinhoso (e), e o estrato granuloso (eg). A grande maioria das células da epiderme são denominadas queratinócitos. No estrato basal pode-se identificar as células claras (c), que podem ser melanócitos, principalmente. Algumas células contém melanina (seta) , grânulos de cor marrom. Observa –se também, as papilas dérmicas (p)

Derme

Um aumento médio da derme mostra que é formada por um tecido conjuntivo denso não modelado. A que penetra na epiderme formando as papilas dérmicas (PD) conhecida como camada papilar tem um maior número de células e a localizada mais profundamente, é a mais espessa - camada reticular (DR), rica em fibras colágenas irregularmente dispostas. É nesta camada que se encontram os seguintes anexos da pele: glândula sudorípara (sud), glândula sebáceas (seb), e folículo piloso (F).

Derme

Um aumento maior (100x) da glândula sebácea mostra suas células claras e o aspecto alveolar

Derme

Um aumento maior (400x) da glândula sudorípara mostra o enovelado de tubos que compõem a porção secretora de uma glândula.

Hipoderme

A hipoderme (H) vista em maior aumento (400x) mostra que é constituída por tecido conjuntivo frouxo, onde se identificam tecido adiposo (AD), com os adipócitos grandes e claros (o conteúdo lipídico foi dissolvido e removido na preparação da lâmina) , veias (V), artérias (A), e vasos linfáticos (L)

Couro Cabeludo

Aumento médio do couro cabeludo de embrião onde observa-se o folículo piloso (FP) com queratina no interior e glândulas sebáceas em formação (seta).

Pele Delgada-melanina

Pele delgada corada com Hematoxilina – Eosina – (HE). Nota-se num maior aumento (400x) da epiderme (E), principalmente na camada ou estrato basal, que os queratinócitos estão impregnados com grânulos de melanina, responsáveis pelo escurecimento da pele .

Sangue Células do Sangue

Em imersão observam-se células sanguíneas coradas com May-Grünwald/Giemsa. As hemáceas com formato bicôncavo característico (*) e dois leucócitos agranulares: monócito (M), uma célula grande com núcleo apresentando indentação, e linfócito (L), uma célula menor de formato circular apresentando um delgado anel de citoplasma ao redor do núcleo de contorno bem regular.

Em imersão observam-se células sanguíneas coradas com May-Grünwald/Giemsa. Observamse dois leucócitos granulares polimorfonucleares: eosinófilo, uma célula com grande quantidade de grânulos citoplasmáticos acidófilos (vermelhos) e núcleo bilobulado e o neutrófilo, uma célula com fina granulação citoplasmática e núcleo apresentando 3 lóbulos

Em imersão observam-se células sanguíneas coradas com May-Grünwald/Giemsa. Observamse um leucócito granular do tipo basófilo, pois apresenta grandes grânulos basófilos (seta) no citoplasma, o que dificulta a visualização de seu núcelo. Ao lado das hemáceas observam-se plaquetas (P).

Digestório Língua

Em aumento menor (40x), observa-se que enquanto a superfície inferior é simples, a superfície dorsal apresenta papilas: filiformes (fil), com seu formato cônico e uma fungiforme (fung) com a forma de cogumelo. O interior da língua apresenta tecido conjuntivo (corado em verde) e feixes de músculo estriado esquelético (M) dispostos em várias posições

Um aumento médio (100x) das papilas mostra o epitélio estratificado que se apoia sobre tecido conjuntivo (TC). No interior da papila fungiforme é possível observar os botões gustativos (a seta aponta um deles )

Esôfago

Corado com Hematoxilina – Eosina – (HE). Um corte transversal e em vista panorâmica (12x) o esôfago mostra que a luz (L) se apresenta comprimida. A primeira camada, camada mucosa (M) é a mais interna e espessa. Logo abaixo, a segunda camada - submucosa (SM) é delgada e muito clara, pois é constituída por tecido conjuntivo frouxo. A terceira camada (Musc) apresenta feixes de músculo estriado esquelético cortados transversalmente e longitudinalmente. Como o músculo aqui presente é estriado esquelético trata-se de um segmento inicial do esôfago. (A partir da metade do esôfago em diante, o tubo digestivo apresenta músculo liso). A quarta camada, serosa ou adventícia (S), pouco conservada nesta preparação, é rica em vasos, nervos e tecido adiposo.

Em aumento de 40x observam-se mais detalhadamente as camadas que foram explicadas na figura anterior: camada mucosa (M), submucosa (SM), muscular (Musc).

Num aumento médio (100x) da camada mucosa observa-se o epitélio pavimentoso estratificado (ep), que se apóia sobre tecido conjuntivo – lâmina própria (lp). No interior da lâmina própria observam-se fibras musculares – é a muscular da mucosa (seta)

Estômago Região Cárdica

Estômago corado com Hematoxilina – Eosina – (HE). Nesta porção inicial do estômago, distinguem-se em menor aumento (40x), a partir da luz (L), as quatro camadas do tubo digestivo: camada mucosa (M), submucosa (SM), muscular (MUSC) e serosa ou adventícia (S).

Região Cárdica

Um destaque da camada mucosa em aumento médio mostra numerosas aberturas, chamadas fossetas ou criptas (f), que se aprofundam na mucosa. As glândulas gástricas (g) desembocam no fundo das fossetas. O epitélio cilíndrico simples (ep) da superfície é contínuo com os da cripta ou fosseta gástrica e com as glândulas gástricas. As glândulas nesta região do estômago são tubulosas, sinuosas e ramificadas e possuem principalmente células produtoras de muco. A muscular da mucosa não muito evidente (m) nesta região. Observase também a camada submucosa (SM).

Estômago Região do Corpo

Estômago corado com Hematoxilina – Eosina – (HE). Também aqui distinguem-se em menor aumento (40x) , as quatro camadas do tubo digestivo: A partir da luz (L), camada mucosa (M) mais espessa nesta região do estômago com numerosas fossetas gástricas (seta), submucosa (SM), muscular (MUSC).

Região do Corpo

A camada mucosa (M) em aumento maior (400x) da região das glândulas gástricas altas, tubulares e numerosas. Apresentam vários tipos celulares: células mucosas (cm), mais superficiais e claras, células parietais (cp) ou oxínticas, que se coram fortemente pela eosina (cor vermelha).

Região do Corpo

No fundo das glândulas gástricas, em aumento maior (400x) observam-se as células grandes e pouco coradas chamadas de principais (p) ou zimogênicas. Observa-se também a muscular da mucosa (m).

Estômago Região Pilórica

Estômago corado com Hematoxilina – Eosina – (HE). A descrição desta lâmina segue o padrão geral da lâmina anterior. Distinguem-se em aumento médio (100x), as camadas mucosa e submucosa. A camada mucosa (M) apresenta algumas diferenças: As fossetas gástricas (f) são muito largas e longas, indo até a metade da mucosa. As glândulas gástricas (g) pilóricas são curtas e sinuosas.

Intestino Delgado

Corado com policromia. Foi feita uma abertura longitudinal e com a parede aberta foram feitos cortes transversais ao tubo. Em menor aumento (40x), a partir da luz (L) observam-se facilmente com esta coloração as camadas do intestino delgado: camada mucosa (M) com suas vilosidasdes (v) e glândulas intestinais (gi); camada submucosa (SM) de tecido conjuntivo, corada em verde, camada muscular (MUSC) de músculo liso em feixes circulares e longitudinais.

Um aumento médio (100x) da camada mucosa, mostra vilosidades (v), glândulas intestinais (g) desembocando nas vilosidades e a muscular da mucosa (seta) delimitando a camada mucosa.

Na camada mucosa, em aumento maior (400x), pode-se observar duas vilosidades são revestidas por epitélio cilíndrico simples (ep). Neste epitélio predominam as células absortivas com a cutícula ou borda em escova (seta) ou borda estriada e as células caliciformes ( c) com o muco apresentando aspecto de cálice e claro.

Um detalhe da camada muscular em aumento de 100x, mostra a orientação dos feixes de músculo liso, isto é, internamente corre circularmente e externamente corre longitudinalmente. Entre os feixes musculares notam-se tecido conjuntivo (tc) com numerosos vasos sanguíneos e muitos plexos nervosos (pn) denominados mioentéricos ou de Auerbach.

Intestino Delgado Duodeno

Duodeno corado com Hematoxilina – Eosina – (HE). O corte desta lâmina foi transversal ao tubo fechado. Em aumento menor (40x), na camada mucosa observam-se, as vilosidades (v), as glândulas intestinais (gi). A camada submucosa apresenta as glândulas duodenais (gd) ou de Brunner. Observa-se também as camadas Muscular (MUSC) e Serosa (S).

Duodeno

Uma imagem em aumento médio (100x), mostra maiores detalhes das glândulas intestinais (gi) e da submucosa com suas glândulas duodenais (gd). São tubulares, ramificadas e como secretam muco, apresentam-se muito claras, coradas pelo H.E.

Intestino Grosso

Corado com Hematoxilina – Eosina – (HE). Num corte transversal ao tubo fechado, em aumento menor (40x) a camada Mucosa (M) se apresenta com muitas dobras, projetadas para o interior da luz. Não possui vilosidades, somente glândulas intestinais (gi). A submucosa (SM) e a muscular (MUSC), seguem o padrão já descrito.

Intestino Grosso Reto

Corado com Hematoxilina – Eosina – (HE). Esta descrição segue o padrão já apontado anteriormente. Na camada mucosa observam-se pregas longitudinais características, onde se evidenciam as glândulas intestinais (gi).

Glândula Salivar Parótida

Corado com Hematoxilina – Eosina (400x). A glândula acha-se dividida em lobos e lóbulos por septos de tecido conjuntivo (seta) onde se encontram vasos sanguíneos. É constituída por ácinos serosos (S) e seus ductos, e o que se apresenta é um ducto excretor (D). Os ácinos serosos apresentam-se como grupo de células escuras, com núcleos redondos e centrais sendo que estas células delimitam uma luz muito pequena ou virtual.

Glândula Salivar Sub-mandibular

Corado com Hematoxilina – Eosina – (HE).A estrutura geral da glândula observada em aumento médio (100x), lembra a glândula parótida. Os ácinos serosos (S) predominam e os outros ácinos são mucosos (M).

Sub-mandibular

Corado com Hematoxilina – Eosina – (HE).A estrutura geral da glândula observada em aumento médio (100x), lembra a glândula parótida. Os ácinos serosos (S) predominam e os outros ácinos são mucosos (M).

Glândula Salivar Sub-lingual

Corado com Hematoxilina – Eosina – (HE). Em aumento menor (100x), observa-se que predominam nesta glândula ácinos de células claras. A maioria são ácinos mucosos (M).

Sub-lingual

Em aumento maior (400x) observam-se que, além dos ácinos mucosos (M) alguns podem ser mistos, nos quais além das células mucosas, notam-se células serosas dispostas por fora do ácino, em forma de meia lua ou crescente de Gianuzzi (c). Destaca-se também nesta figura, um ducto estriado (D).

Pâncreas

Corado com Hematoxilina – Eosina – (HE). Num aumento médio (100x) notam-se septos de tecido conjuntivo (seta) que invadem o tecido pancreático levando vasos e nervos para o seu interior. Trata –se de uma glândula mista, composta por uma porção exócrina - formada pelos ácinos (A) que ocupam grande parte do volume da glândula e por uma porção endócrina - formada pelas Ilhotas de Langerhans (IL).

Em maior aumento (400x) observam-se que os ácinos pancreáticos são serosos (A) e as ilhotas (IL) correspondem a grupos de células bem mais claras que os ácinos e em forma de cordões irregulares. Nota-se um ducto do tipo excretor (D).

Fígado

Corado com Hematoxilina – Eosina – (HE). O fígado, em aumento de 40x, é constituído por unidades funcionais – os lóbulos hepáticos (L), que têm a forma poligonal, e apresentam uma veia – a veia centrolobular (vc) na porção central. Os hepatócitos formam cordões (h) irregulares, que se irradiam para o exterior a partir da veia.

O tecido conjuntivo (em aumento médio – 100x) está visível entre os lóbulos e nos cantos é mais abundante. Aqui, pode-se identificar vários vasos, tubos e o conjunto é chamado de espaço porta porque contém um representante da veia porta (vp).

O espaço porta em aumento maior (400x) apresenta: veia porta (vp), artéria hepática (ah) e ducto biliar ou bilífero (db).

Esta figura mostra em maior aumento (400x) a veia centro lobular (vc) e a partir dela, os cordões de hepatócitos (h). Entre eles tem pequenos espaços onde correm capilares.

Vesícula Biliar

Corado com Hematoxilina – Eosina – (HE). A mucosa (M) em aumento de 100x, apresenta muitas pregas e é formada por um epitélio cilíndrico simples (seta) que repousa em um tecido conjuntivo frouxo (tc). A camada média muscular (Musc) apresenta fibras elásticas. A última camada musculares lisas em várias posições e tecido conjuntivo rico em fibras é a serosa, de tecido conjuntivo com vasos e nervos, que não está bem conservada.

Respiratório Laringe

Em aumento maior (400X) observam-se detalhes do seu epitélio – pseudo-estratificado ciliado. Observe núcleos em várias alturas, denunciando células em alturas diferentes. A maioria das células apresenta cílios que na região superficial deste epitélio, confere um aspecto de escova (seta) conhecida como cutícula em escova, (ou brush cells – células em escova).

Neste trecho da laringe, observa-se em maior aumento (400x), a transição do epitélio pseudoestratificado ciliado (seta) para epitélio pavimentoso estratificado (E), onde começa a prega vocal. No epitélio pseudoestratificado ciliado observam-se células claras, pois secretam muco (*) ao lado das ciliadas.

Na região da prega vocal, também em aumento maior (400x), observam-se detalhes deste epitélio, com várias camadas de células achatadas.

Traquéia Epitélio Pseudo-Estratificado Ciliado

No aumento de 400x, pode-se observar, voltada para a superfície livre deste epitélio (luz), as células em escova, isto é, a região dos cílios (seta) e as mucosas (C).

Cartilagem Hialina

Traquéia corada pela Hematoxilina – Eosina – (HE). Neste corte transversal da traquéia podese observar, em aumento menor (40x), várias estruturas: Luz (L), circundada por uma mucosa (M) cujo epitélio é pseudo-estratificado ciliado (seta). Tecido conjuntivo frouxo (*) com veias (V) com sangue no seu interior. O anel de cartilagem hialina (CH), que se apresenta corada em roxo dá suporte ao tubo.

(Parte 1 de 2)

Comentários