Bibliologia do Livro de Amos

Bibliologia do Livro de Amos

O Livro de Amós

Análise nº 30

Palavra Chave: “Castigo”

Mensagem: “O pecado da nação implica no julgamento da nação". 

AUTOR: Seu nome significa "carga", ou "carregador". Era um cidadão de Tecoa, na tribo de Judá. Foi boiadeiro e recolhedor de figos silvestres, 7:14. Sua chamada, 7:15. A intenção de fazê-lo calar, 7:10-13.

 

DATA: Profetizou durante os reinados de Jeroboão II em Israel, e Uzias em Judá.

 

ESTILO: Simples, porém pitoresco.

 

O livro possui muitas metáforas chocantes.

 

ILUSTRAÇÕES

 

(a) A fadiga da misericórdia de Deus para com os pecadores comparada a um carro sobrecarregado, 2:13.

(b) A pressão do dever do profeta comparada ao rugir do leão, 3:8.

(c) O escape difícil do remanescente de Israel comparado ao pastor que livra da boca do leão duas pernas ou a ponta de uma orelha, 3:12.

(d) A escassez da Palavra de Deus comparada a um homem no mundo natural, 8:11-12.

 

Amós, como profeta, em muitos sentidos foi como Cristo.

 

(1) Em sua ocupação, um trabalhador, 7:14.

(2) Em sua humildade, reconheceu sua origem humilde, 7:15.

(3) Em seu método de ensino por meio de ilustrações.

(4) Ao afirmar sua inspiração divina. "Assim diz o Senhor" ocorre quarenta vezes em sua profecia.

(5) Ao ser acusado de traição, 7:10; João 19:12.

(6) Na pressão do dever que estava sobre ele, 3:8; João 9:4.

(7) Ao denunciar o egoísmo dos ricos, 6:4-6; Lucas 12:15-21.

 

SINOPSE

 

(1) Os juízos vindouros sobre as nações vizinhas, 1:3-15; 2:1-3.

(2) Discursos ameaçadores.

(a) Contra Judá, 2:4-5.

(b) Contra Israel, 2:6-16.

(3) O chamado de Israel para que busque a Deus com sinceridade, cap. 5.

(4) A condenação da vida na opulência, 6:4-14.

(5) Uma série de cinco visões.

(a) A visão dos gafanhotos, 7:1-3.

(b) A visão do fogo, 7:4-5.

(c) A visão do prumo, 7:7-9.

(d) A visão de um cesto de frutos de verão, 8:1-3.

(e) A visão de um santuário derrubado, 9:1-10.

(6) As visões são interrompidas pela intenção de intimidar o profeta, 7:10-13.

 

O PROFETA

 

Amós era natural de Tecoa, situada a 19 quilômetros de Jerusalém e a 9 quilômetros de Belém. Pertencia, portanto, à Judéia.

 

Não era da corte como Isaías, nem sacerdote como Jeremias. Era simples homem de trabalho. Era pastor – boieiro – e cultivador de sicômoros. “Cultivador” significa “podador” ou “picador” do fruto do sicômoro, - um figo bravo comido somente pelos mais pobres – fruta essa que só amadurecia quando picada.

 

Amós foi contemporâneo de Oséias e Jonas. Embora natural da Judéia, profetizou contra Israel.

 

O TEMPO

 

“Dois anos antes do terremoto”, 1:1; iniciou seu ministério profético em Bete. Amós profetizou este terremoto, 5:8 – 6:11 – 8:8 e 9:5.

 

Este terremoto foi de conseqüências espantosas, pois, quase 300 anos depois, Zacarias fala dele como um acontecimento que se não esquece. Zac. 14:5.

 

UM OBREIRO MODELO

 

O livro nos apresenta, incidentalmente, um tratado sobre pregação e descreve Amós como sendo um obreiro modelo do Senhor.

 

1) Sua humildade: ele não esconde, sob pretexto algum, fatos relacionados com sua vida passada; não se envergonhava do seu nascimento humilde e de sua ocupação. Nele não havia, de maneira nenhuma, afetação. Sua elevação à carreira profética não o arruinou.

 

2) Sua indústria: devido a sua ocupação, passava muito tempo em solidão, mas, sempre em comunhão com Deus; observando a natureza. As ilustrações esparsas através do livro, são todas oriundas de sua vida diária, provando, assim, sua visão perspicaz e a originalidade de sua mente.

 

3) Sua sabedoria: não pregava acima do entendimento vulgar, empregava termos familiares a todos.

 

4) Sua habilidade: chamava, logo, a atenção do povo, falando contra seus inimigos.

 

5) Sua fidelidade: não procurava ser agradável aos ouvidos do povo, mas, tratava lealmente com ele indo diretamente à sua consciência.

 

6) Sua constância: recusou deixar a missão que Deus lhe confiara, 7:10-17. Tinha o seu olhar fixo no Mestre Divino.

 

7) Sua mensagem: sempre usou “Assim diz o Senhor”. Mensagem direta de Deus, apropriada àquele povo que abandonara seu Deus.

 

8) Seu sucesso: recebeu a bênção de um sucesso maravilhoso, 7:10; e exerceu influência em toda a terra.

 

MENSAGEM

 

O peso de Amós era concernente ao castigo. Possuía uma mensagem rigorosa para aquela época de luxo e indulgência. Era o profeta da ira e dos “ais”. O livro mostra que o pecado da nação resulta no julgamento da nação. O pecado individual será julgado no Trono Branco, ao passo que, as nações serão julgadas, a seu tempo, neste mundo. A História dos Povos, confirma isto.

 

a) Pregação

 

Castigo (das nações circunvizinhas) – 1:22:3

Aqui a profecia é contra as nações circunvizinhas que ocupavam território dado, por Deus, a Israel.

Embora enviado expressamente a Israel, ele inicia seu ministério anunciando o juízo contra as 6 nações pagãs

- para chamar a atenção de Israel

- para mostrar que Deus não faz acepção de pessoas quando trata do pecado.

Versos notáveis: expressão original em 1:3 e outros versos: “Por três transgressões”.

 

b) Proclamação

 

Castigo (de Judá e Israel) – 2:4-16

O troar da ira de Deus, paira sobre os reinos ao redor, atingindo Judá, 4 e 5; e finalmente cai em seu furor esmagando Israel.

Notemos as acusações que Deus teve que levantar contra eles: 2:4, 6, 7, 8, etc.

Verso notável: 2:13 – “Eu vos apertarei no vosso lugar como se aperta um carro cheio de manolhos”.

 

Discursos (três – contra Israel): 3:16:9

Cada um desses discursos principia com um “OUVI”.

Discurso contra Israel e “toda a geração”, atingindo, assim a Judá.

Em 4:2, rudemente, o profeta dissipa, de Israel, a idéia que alimentava seu orgulho nacional, de que ã nação favorecida de Jeová, nenhum dano lhe sucederia.

No cap. 5, temos um discurso a respeito de buscar o Senhor, 5:4.

Versos notáveis: 4:12, 3:3, 6:1

 

c) Revelação

 

Visões (concernentes a Israel): 7:19:10

- Dos gafanhotos – 7:1

- Do fogo – 4

- Do prumo – 7

- Frutos do verão – 8:1

- Do Senhor – 9:1

Notai “Sobre o altar”

Versos notáveis: 7:1, 8:11

 

d) Restauração

 

Restauração (de todo o Israel): 9:11–15

Aqui se prediz a vinda do Senhor e o estabelecimento do Reino Davídico.

- Restauração – 11

- Possessão – 12

- Prosperidade – 13,14

- Perpetuidade – 15

Verso notável: 9:15

 

Comentários