direito constitucional

direito constitucional

SIMULADO DIREITO CONSTITUCIONAL 09

Este simulado foi produzido por CONCURSONET http://concursonet.cjb.net email: concursonet@email.com.br

Aqui você encontra aulas, apostilas, simulados e material de estudo diverso para se preparar para os principais concursos públicos do Brasil.

01. ( ) O poder constituinte originário é jurídico. 02. ( ) A elaboração de Constituição Estadual é resultado da atuação do poder constituinte originário.

03. ( ) A elaboração de Constituição Estadual é resultado da atuação do poder constituinte derivado reformador.

04. ( ) Uma das principais características do poder constituinte originário é ser absolutamente ilimitado.

05. ( ) No sistema brasileiro, as limitações circunstanciais ao poder de emenda confundem-se com as limitações temporais.

06. ( ) Uma proposta de emenda à Constituição que pretenda alterar o quorum de aprovação de emendas à Constituição é inconstitucional em face das limitações processuais ao poder de emenda.

07. ( ) As limitações circunstanciais ao poder de emenda à Constituição Federal são absolutas, e impedem a votação e a promulgação de toda e qualquer emenda à Carta Magna.

08. ( ) Uma proposta de emenda à Constituição que tenha sido rejeitada sofreu a ação das limitações processuais ao poder de emenda.

09. ( ) É possível afirmar-se que o poder constituinte originário, por ser o construtor da nova Constituição nacional e, por isso, de toda a nova ordem jurídica, a qual deverá necessariamente sujeitar-se aos dispositivos da nova Carta Política, é, por isso, um poder pré-jurídico e, portanto, não tem natureza jurídica, mas, sim, política, fundamentado que está na soberania popular.

10. ( ) A atuação do poder constituinte originário está limitada pelas chamadas cláusulas pétreas, que impõem um núcleo constitucional imutável.

1. ( ) Tanto a via revolucionária quanto a via democrática, por assembléia constituinte, podem resultar em uma nova Constituição nacional, pelo que ambas estão na origem do poder constituinte originário.

12. ( ) O poder constituinte, quando age para formular uma nova Constituição, deve respeitar algumas normas de Direito Internacional e os direitos naturais da pessoa humana.

13. ( ) O poder constituinte derivado é classificado de reformador, quando exercido para fazer emendas à Constituição nacional, ou decorrente, quando exercido para elaborar as Constituições dos Estados-membros.

14. ( ) Uma Constituição estadual pode ser inconstitucional em face da Constituição Federal.

15. ( ) Uma emenda à Constituição Federal pode ser inconstitucional em face da Constituição Federal.

16. ( ) O exercício do poder constituinte derivado reformador sobre uma série de limitações, sendo dito, por isso, poder subordinado, limitado e condicionado. Essas limitações podem estar nas Constituições estaduais.

17. ( ) A rejeição de uma proposta de emenda à Constituição Federal é fruto da atuação de limitação processual ao poder de reforma.

18. ( ) As limitações circunstanciais ao poder de emenda à Constituição são absolutas, isso é, impedem tanto a votação quanto a promulgação de qualquer proposta de emenda ou emenda à Constituição Federal.

19. ( ) Uma proposta de emenda que pretenda mudar o quorum de aprovação de emendas à Constituição, passando para 1/5, é inconstitucional por incidir em limitação processual ao poder de emendar a Carta Magna.

20. ( ) Uma proposta de emenda que determine que as emendas constitucionais dependem de aprovação do Congresso Nacional, em sessão unicameral, por voto de um quinto de seus membros, padece de vício de inconstitucionalidade por incidir em limitação material implícita.

21. ( ) Uma emenda à Constituição que extinga o direito ao voto para vereador e prefeito fere limitação material expressa ao poder de reforma.

2. ( ) É admissível, por ser constitucional, uma proposta de emenda à Constituição que, sem abolir, reestruture um direito fundamental ou aspectos do princípio federativo.

23. ( ) As normas programáticas, na classificação de Azzariti, continham ordens de cumprimento obrigatório e carga coercitiva nítida; já as normas preceptivas continham apenas preceitos, diretrizes, formulações ideais, pelo que não detinham aptidão para produzir nenhum efeito imediato, sendo apenas orientações para a atuação do Estado.

24. ( ) Modernamente, é correto afirmar que todas as normas constitucionais, com qualquer conteúdo, são impositivas, impõem um dever e dever produzir efeitos reais.

25. ( ) A existência, na Constituição brasileira, de artigos em que um determinado direito ou prerrogativa exige, para seu exercício, que seja feita lei disciplinando-o, mostra que o sistema brasileiro admite normas constitucionais não impositivas, meramente enunciativas.

26. ( ) Na classificação de Vesio Crisafulli, que distribui as normas constitucionais em programáticas, imediatamente preceptivas e de eficácia diferida, todas as normas, em qualquer categoria, devem ser cumpridas, não se podendo falar em meros enunciados não impositivos.

27. ( ) A classificação de José Afonso da Silva, para quem as normas constitucionais podem ser de eficácia plena, de eficácia contida e de eficácia limitada, reconhece que apenas as da primeira categoria tem condições de produção imediata de efeitos.

28. ( ) Somente se pode falar em omissão constitucionalmente relevante, ou omissão inconstitucional, no caso de norma de eficácia limitada.

29. ( ) A validade constitucional de uma norma infraconstitucional, como uma lei, indica a sua conformidade com a Constituição e, portanto, a sua constitucionalidade.

30. ( ) É correto dizer que vigência constitucional é a aptidão de a norma constitucional produzir efeitos, sua perfeição juridica, ao passo em que a eficácia constitucional é a efetiva produção de seus regulares efeitos, ou seja, sua efetiva aplicação.

01. Falsa. É um poder político, porque decorrente da soberania popular e titularizado pelo povo. 02. Falsa. Elaborar as Constituições locais é obra do poder constituinte derivado decorrente. 03. Falsa. Veja o comentário à questão anterior. 04. Verdadeira. Não há limites à atuação do poder constituinte originário, que, ao fazer uma nova

Constituição nacional, vai reinaugurar o Estado a partir dos seus próprios termos. 05. Falsa. O sistema brasileiro não contempla limitações temporais ao poder de emenda à

Constituição. As limitações circunstanciais são as previstas no art. 60, § 1º, da nossa Constituição. 06. Falsa. Essa proposta de emenda esbarra nas limitações materiais implícitas, e não nas limitações processuais. Estas são a submissão ao processo constitucional de elaboração de emendas, sem alterá-lo. Aquelas, as limitações materiais implícitas, protegem o próprio processo e o órgão reformador de tentativas de alteração. 07. Verdadeira. Durante a vigência de intervenção federal, de estado de defesa e de estado de sítio, nenhuma proposta de emenda será votada e nenhuma emenda aprovada será promulgada. 08. Verdadeira. É exatamente esse o efeito das limitações processuais ao poder de emenda à Constituição, as quais são erguidas pelo próprio processo legislativo de alteração. 09. Verdadeira. Esse é o melhor entendimento da teoria da titularidade e da natureza do poder constituinte originário. 10. Falsa. As cláusulas pétreas são estabelecidas pela Constituição, e não estão acima dela. O poder constituinte originário é, por definição, ilimitado e incondicionado, não sendo restringível por qualquer imposição, de qualquer origem. As cláusulas pétreas são limitações materiais expressas ao poder de reforma da Constituição, e atuam, portanto, sobre o poder constituinte derivado reformador. 1. Verdadeira. E as Constituições que se originarem desses processos tenderão a ser, como visto, outorgadas (via revolucionária) ou promulgada (via democrática). 12. Falsa. O poder constituinte de que fala a questão é o originário, e é, como se disse acima, incondicionado e ilimitado, tanto por imposições nacionais quanto internacionais. 13. Verdadeira. Essa classificação, importante, é usada por inúmeros autores nacionais, e define bem as duas vertentes de expressão do poder constituinte derivado. 14. Verdadeira. Como a elaboração de uma Constituição estadual é produto da atuação do poder constituinte derivado decorrente, e porque esse poder é condicionado e limitado pela Constituição nacional, dispositivos da daquela que afrontem a Carta federal serão inconstitucionais. 15. Verdadeira. A elaboração de emendas à Constituição federal é fruto do poder constituinte derivado reformador, e este é condicionado e limitado pelos dispositivos da Constituição nacional e pelas limitações ao poder de reforma. 16. Falsa. O erro está na parte final. As limitações constitucionais ao poder de reforma da Constituição somente podem estar, ou decorrer, da Constituição nacional, nunca da estadual. 17. Verdadeira. Não se há que confundir as limitações processuais com as limitações materiais implícitas. A primeira usa o processo de emenda previsto pela Constituição, como está; a Segunda impede que se pretenda alterar o processo de elaboração de emenda à Constituição ou o titular do poder reformador. 18. Verdadeira. As limitações circunstanciais (intervenção federal, estado de defesa e estado de sítio

- CF, art. 60, § 1º) são absolutas, agem sobre toda e qualquer emenda ou proposta de emenda, impedindo sua votação ou promulgação. 19. Falsa. Trata-se de inconstitucionalidade em face de limitação material implícita ao poder de reforma, e não de incidência em limitação processual. 20. Verdadeira. Conforme visto, as limitações materiais implícitas impedem a alteração do órgão e do processo de alteração da Constituição federal. 21. Verdadeira. Houve, aí, afronta a cláusula pétrea (art. 60, § 4º). 2. Verdadeira. As limitações materiais expressas (cláusulas pétreas) impedem a abolição, ou extinção, dos garantias que guardam, mas não a modificação não extintiva. 23. Verdadeira. A classificação de Gaetano Azzaritti, para quem as normas constitucionais poderiam ser programáticas ou preceptivas, reconhecia somente àquelas a condição de produção efetiva de efeitos. 24. Verdadeira. Não se reconhece mais a existência de norma constitucionais com conteúdo meramente indicativo, sem obrigatoriedade. 25. Falsa. Todas as disposições na Constituição brasileira devem produzir efeitos, embora algumas, que contenham preceitos mais gerais, produzam efeitos principalmente na aferição de constitucionalidade. Quando a nossa Constituição dá um direito e o condiciona a uma lei futura, na verdade está dando duas ordens: uma, reconhece aos beneficiário tal direito ou prerrogativa; outra, geralmente dirigida ao legislador, impõe que seja produzida a lei regulamentadora. Tanto é assim que a própria Constituição criou dois instrumentos para buscar, no Judiciário, medidas contra a omissão normativa do obrigado pela Constituição: o mandado de injunção e a ação de inconstitucionalidade por omissão. 26. Verdadeira. A questão é correta quando à classificação de Crisafulli. 27. Falsa. Na classificação citada, tanto as normas de eficácia plena quanto as de eficácia contida produzem efeitos. A diferença entre ambas está em que a primeira categoria não precisa e não admite legislação que a regulamente, ao passo em que a Segunda exige tais normas, cuja falta, contudo, não impede que alguns - não todos e não completos - efeitos sejam obtidos da disposição constitucional, mesmo à falta da legislação reclamada. 28. Verdadeira. Somente no caso de norma de eficácia limitada é que a inexistência de legislação infraconstitucional impede absolutamente a produção de efeitos da norma constitucional. Somente nesses casos cabem o mandado de injunção e a ação de inconstitucionalidade por omissão. 29. Verdadeira. É a melhor compreensão para a validade constitucional. 30. Verdadeira. A questão define bem vigência e eficácia constitucionais.

Comentários