UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE – UNIVILLE

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA

FABRICAÇÃO DE SABÃO EM BARRA A PARTIR DA RECICLAGEM DE ÓLEO COMESTÍVEL

CLÁUDIO EVARISTO NUNES JR

ELIAS LUIZ DE SOUZA

FERNANDO TEIXEIRA DA SILVA

JOINVILLE

2009

CLÁUDIO EVARISTO NUNES JR

ELIAS LUIZ DE SOUZA

FERNANDO TEIXEIRA DA SILVA

FABRICAÇÃO DE SABÃO EM BARRA A PARTIR DA RECICLAGEM DE ÓLEO COMESTÍVEL

joinville

2009

SUMÁRIO

  1. Justificativa..................................................................................................01

  2. Objetivos......................................................................................................02

2.1. Objetivo geral..............................................................................................02

2.2. Objetivos específicos..................................................................................02

3. Revisão da Literatura.....................................................................................03

4. Metodologia...................................................................................................06

4.1 Procedimentos.............................................................................................06

4.1.1 Dissolução............................................................................................... 06

4.1.2 Adição das soluções dissolvidas..............................................................06 4.1.3 Controle do pH.........................................................................................06

4.1.4 Adição da essência e finalizando.............................................................07 5.0 Cronograma................................................................................................08

6.0 Orçamento..................................................................................................09

Referencias.......................................................................................................10

1. JUSTIFICATIVA

Pelo fato de muitas vezes as pessoas desconhecerem os problemas causados pelo descarte incorreto do óleo de cozinha, acabam jogando o produto em ralos, pias e vasos sanitários, desta forma prejudicando a vida no planeta. Peritos calcularam que a cada um litro de óleo que deixamos de despejar, evitamos poluir 1 milhão de litros de água. Despejando o óleo em lugares incorretos, o mesmo colabora com a emissão de gases poluentes, cuja decomposição do óleo de cozinha gera gás metano, um causador do efeito estufa, logo, do aquecimento do planeta Terra.

A reciclagem é uma maneira interessante a ser realizada com o óleo de fritura, que por sua vez pode ser transformado em sabão, detergente, glicerina, resina de tinta, ração para animais e biodiesel.

Desta forma, será proposto realizar a reciclagem do óleo comestível usado para a fabricação de sabão, a fim de evitar os problemas que podem ser causados por ele caso desejado incorretamente a natureza, também a reciclagem do óleo comestível usado, é uma forma mais economia para as famílias que ainda compram sabões em mercados.

2. OBJETIVOS

2.1 Objetivo Geral

Realizar a reciclagem do óleo comestível usado para a fabricação de sabão em barras, maximizando o aproveitamento do óleo e evitando seu depósito na natureza.

2.2 Objetivos Específicos

  • Verificar a viabilidade técnica da reciclagem do óleo comestível para a fabricação de sabão;

  • Levantar custos deste projeto e correlacionar com os de produtos novos adquiridos em estabelecimentos, como mercados ou mercearias;

Demonstrar os benefícios que serão obtidos com este projeto de pesquisa.

3. REVISÃO DA LITERATURA

Há muito tempo o homem busca por novas ferramentas que possam auxiliá-lo em seu cotidiano. Esta busca por facilidades levou ao desenvolvimento de novas descobertas que tornaram cada vez mais fácil a realização de tarefas que exigiam higiene e limpeza. Uma dessas descobertas foi o surgimento do sabão.

Pode-se afirmar que existem várias apresentações de sabão: em barra, pó, líquido e escamas. O sabão em barra é conhecido há mais de 4000 anos e é o produto de limpeza mais utilizado pelo homem. Há registros de seu uso na Ásia menor pelos babilônios, hebreus e romanos que usavam gordura de animais sacrificados com cinzas ricas em carbonato de potássio e hidrocarbonetos ácidos de sódio (BONADEO, 1963).

O sabão é produzido através de uma reação química chamada Reação de saponificação, que ocorre com ácidos graxos, contidos em óleos ou gordura, que interagem com uma base forte, como por exemplo, o hidróxido de sódio. Estas reações possuem longas cadeias carbônicas em sua estrutura molecular e são capazes de se solubilizar em meios polares e apolares. Na figura abaixo se tem a reação do ácido graxo com a soda cáustica (hidróxido de sódio). Os radicais R1, R2 e R3 representam cadeias carbônicas longas, características dos ácidos graxos:

Figura 1. Reação de Saponificação.

Óleos e gorduras são classificados como lipídios, que são todas as substâncias (apolares ou fracamente polares) extraídas de tecidos animais ou vegetais, em presença de solventes orgânicos, tais como éter, clorofórmio, benzeno, etc. Segundo esta definição, os lipídios constituem vários grupos de substâncias pertencentes a várias funções. A maioria delas são os ésteres (óleos, gorduras, fosfatídios, ceras). O sabão é feito através de lipídios complexos ou saponificáveis, que são ésteres de ácidos graxos e, como tais, por hidrólise alcalina, liberam sabões, que possuem duas partes: a parte polar, que atrai as moléculas de água e a parte apolar, que atrai as moléculas de gordura (NETO, 1989).

Barcza (2004) define hidrólise como um termo aplicado às reações orgânicas e inorgânicas em que a água efetua uma dupla troca com outro composto:

XY + H2O→ HY + XOH (1)

KCN + H2O →HCN + KOH (2)

C2H5Cl + H2O →HCl + C2H5OH (3)

Na química orgânica, hidrólise inclui, entre outras reações, saponificação de ácidos graxos e outros ésteres, inversão de açúcares, quebra de proteínas (hidrólises enzimáticas). Por conveniência, tem sido considerada como hidrólise a reação onde um álcali é utilizado no lugar da água, obtendo um sal alcalino de um ácido no final: (BARCZA, 2004).

Figura 2. Obtenção de sal alcalino.

Também são consideradas reações de hidrólise aquelas onde são colocados ácidos minerais em água, em pequena ou grande quantidade. Esta adição, semelhante ao álcali, invariavelmente ajuda a iniciar ou acelerar o processo de hidrólise. Outros agentes que aceleram a hidrólise, além de ácidos e álcalis, são utilizados, mas, à exceção de enzimas, não são importantes. (BARCZA, 2004).

Uma maneira ecologicamente correta para fazer sabão é reciclando óleos de cozinha usados para a extração dos ácidos graxos necessários na fabricação do sabão. Segundo THE EARTH WORKS GROUP (2003), reciclagem é a coleta, processamento, comercialização e uso de materiais usados. A reciclagem é uma maneira atrativa de gerenciamento de resíduos, pois transforma o lixo em insumos, com diversas vantagens ambientais, além de contribuir para a economia dos recursos naturais, assim como o bem estar da comunidade.

Muitos estabelecimentos comerciais (restaurante, bares, lanchonetes) e residências jogam o óleo comestível (de cozinha) usado, na rede de esgoto. Como a densidade da água contida no esgoto é maior do que a do óleo, o mesmo fica na superfície e cria uma barreira que impede a passagem da luz gerando um comprometimento da base da cadeia alimentar aquática, os fitoplânctons, que realizam fotossíntese, além de gerar graves problemas de higiene causando maus odores. Estes dejetos de óleos na natureza também causam entupimentos das estações de tratamento, contamina rios e mananciais hídricos, onera os custos nas estações de tratamento de água, polui o ar e aumenta a emissão de gases tóxicos. Para haver o desentupimento são utilizados produtos químicos altamente tóxicos, o que acaba criando uma cadeia perniciosa e gerando dos irreparáveis ao meio ambiente. (Acessado em: 15/07/2009 http://pet.icmc.usp.br/enapet/docs/Poster_R.pdf)

Um litro de óleo jogado na rede de esgotos irá poluir um milhão de litros de água, ou seja, o que uma pessoa consome durante 14 anos, além de aumentar 45% dos gastos com tratamento das redes de esgoto. A decomposição do óleo de cozinha emite metano na atmosfera, que é um dos principais gases contribuintes para o efeito estufa, logo também contribui para o aquecimento global. (D’AVIGNON, 2001).

A importância de a população ter consciência para preservar o meio ambiente começa em pequenas atitudes. O reaproveitamento do óleo de cozinha para a fabricação de sabão além de ser ecologicamente correto é também de baixo custo e simples de fazer, mas para haver resultados a comunidade deve estar atenta e evitar ao máximo de lançar tais dejetos à natureza.

4.0 METODOLOGIA

4.1 PROCEDIMENTOS

  • 4L de óleo comestível usado.

  • 2L de água.

  • 150g de sabão em pó.

  • 1Kg de soda cáustica (NaOH).

  • 5ml de óleo essência.

      1. DISSOLUÇÃO

Primeiro o sabão em pó será dissolvido em ½ L de água quente. Em seguida, a soda cáustica será dissolvida em 1 e ½ L de água quente. Em um recipiente de 10L (pode ser um balde).

      1. ADIÇÃO DAS SOLUÇÕES DISSOLVIDAS

Será adicionado lentamente as duas soluções dissolvidas em água anteriormente ao óleo (não vai ao fogo).

      1. CONTROLE DO PH

Adicionado lentamente vinagre (ácido acético) e controlado o pH entre 6 e 7 com a ajuda de um papel indicador (ou papel de tornassol). A solução será agitada por 20 minutos.

      1. ADIÇÃO DA ESSÊNCIA E FINALIZANDO

Adicionar a essência à massa fria. Despejar em formas. Desenformar após 24h. Cortar em barras. Deixar secar por vinte dias.

5.0 CRONOGRAMA

DESCRIÇÃO DAS ETAPAS

2009

AGOSTO

semana

semana

semana

semana

- Revisão bibliográfica

X

- Coleta de dados

X

- Produção da massa

X

X

DESCRIÇÃO DAS

ETAPAS

2009

SETEMBRO

Semana

Semana

Semana

Semana

- Processo de secagem

X

X

X

  1. ORÇAMENTO

Segue abaixo o orçamento aproximado dos ingredientes a serem utilizados na fabricação do sabão:

  • 4 L de óleo comestível usado – R$ 15,00

  • 2 L de água – R$ 2,00

  • ½ copo de sabão em pó – R$ 0,30

  • 1 kg de soda cáustica (NaOH) – R$ 6,50

  • 5 mL de óleo essencial – R$ 7,75

O orçamento total do projeto gira em torno de R$ 31,55.

REFERÊNCIAS

BARCZA,Marcos Villela. Processos Unitários Orgânicos. São Paulo: Escola de Engenharia de Lorena,USP, 2004.

BONADEO, Igino. Cosmética moderna. Milão: Editora Hoepli, 1963

D’AVIGNON,Alexandre. Manual de Auditorial Ambiental. Rio de Janeiro: Editora Qualitymark, 2001.

GRUPO PET. RECICLAGEM DE ÓLEO COMESTÍVEL USADO ATRAVÉS DA

FABRICAÇÃO DE SABÃO. Disponível em: http://pet.icmc.usp.br/enapet/docs/Poster_R.pdf

NETTO, Carmo Gallo. Química Orgânica 3. São Paulo: Editora Scipione, 1989

THE EARTH WORKS GROUP.Manual de Reciclagem: Coisas simples que você pode fazer. São Paulo: Editora José Olympio,2003.

Comentários