gestão da qualidade

gestão da qualidade

Gestão da Qualidade I/Qualidade no Varejo

As Quatro Eras da Qualidade (David Garvin)

Prof. Aneilton

Em seu percurso pelo mundo, a Qualidade sempre mereceu a preocupação de ser praticada e desenvolvida pela maioria das civilizações . Com a passagem do tempo iam sendo adicionadas mais e mais teorias, até que hoje, em nossos dias ela se apresenta com toda a sua magnitude, mas sempre seguindo a sua trajetória evolucionista. Apresenta-se abaixo um resumo das "Quatro Eras da Qualidade " .

Era da Inspeção

- Como toda a evolução da Qualidade ,a inspeção foi ocupando o seu espaço de forma gradativa.

- Nos séculos XVIII e XIX, toda produção era feita por artesãos que fabricavam os seus produtos de acordo como desejo pessoal dos clientes , manifestados pelo contato direto que então havia.

- As duvidas sobre a Qualidade eram resolvidas na hora. O artesão conhecia o seu cliente.

- A produção em pequenas quantidades feitas desta forma artesanal, permitia a aproximação e imperava a informalidade.

- Os artífices, na maioria das vezes, habilidosos, iam ganhando a confiança dos clientes e para eles convergiam todas as atividades referentes a projeto, produção e serviços dos quis se destacavam a inspeção e assistência técnica ao produto assim fabricado.

- Alguns artesãos mais capazes, tiveram maior procura para os seus produtos e passaram a contratar empregados e aprendizes para dar conta ao aumento de demanda e com isto já apareciam as organizações, inicialmente de pequenas dimensões.

- As produções foram aumentando com os pedidos crescentes, a mão de obra foi crescendo e a qualificação mais exigida.

- Os custos foram por sua vez, também assumindo valores mais elevados , de tal forma, a situar-se acima do poder aquisitivo do consumidor médio.

- A " Produção em Massa " passou a ser considerada como alternativa para resolver a situação econômica no atendimento aos clientes.

- Produzir a maior quantidade possível para baixar os custos e atender a um mercado sedento de consumo, a um preço mais competitivo.

- A inspeção passou, então , a ser mais do que necessária.

- A fabricação de equipamentos militares que se expandia nos USA, fazia as suas exigências em termos de maior intercambiabilidade de peças a serem montadas em seus equipamentos de guerra. Aparecia o "Sistema Americano de Produção " como era denominado, pelas suas características inovadoras.

Esta fabricação exigia um Controle de Qualidade bastante rigoroso apoiada numa inspeção rotineira. Desenvolviam-se Gabaritos para posicionar as peças nas maquinas, devidamente ajustados, afim de melhor cumprir as condições severas de medidas.

Mesmo assim, utilizando-se modelos padrões para a fabricação, ainda persistiam os defeitos originados por erros de montagem, matérias primas não adequadas e ferramentas gastas.

Dentro da evolução natural da inspeção, foram sendo desenvolvidas novas técnicas mais aprimoradas, resultando na fase de " Produção em Massa "um sistema de inspeção mais adequado a estes novos níveis de produção.

- Taylor, no século XIX, cria a figura do Encarregado de Inspeção, em posição equivalente aos demais cargos da operação. Os operários e mestres deveriam atuar de forma a atender as exigências do inspetor.

- Em 1922 G.S.Radford em sua obra The Control of Quality in Manufacturing posiciona a Qualidade como responsabilidade gerencial distinta e como função independente. Assegurava que a Qualidade estava ligada a igualdade ou conformidade que se obtém quando o fabricante atendia às especificações estabelecidas.

- O Controle de Qualidade limitava-se à inspeção e algumas atividades restritas.

- A solução dos problemas era visto como ação fora da área de inspeção e assim perdurou por muitos anos. Porem ,com o surgimento das pesquisas da Bell Telephone Laboratories, começa a surgir uma mudança que vem trazendo o destaque do Controle Estatístico de da Qualidade.

Era do Controle Estatístico da Qualidade

- Em 1931 W.A. Shewhart publicava uma obra que veio revolucionar o assunto Qualidade e que direcionou em grande parte o Controle de Qualidade Moderna .

- Shewhart trabalhava na Bell e estava investigando o assunto de Qualidade.

- Conseguiu elaborar uma definição precisa aos controles praticados na operação, através da criação de técnicas de acompanhamento e avaliação da produção. Aparecia o Controle Estatístico de Processo , onde o fator de variabilidade na operação, foi longamente apreciado por Shewhart e que apregoava a não existência de duas peças absolutamente iguais dentro do processo produtivo, embora fabricadas dentro das mesmas condições.

- Passou-se a aceitar as variações e extinguir nas mesmas aqueles limites que passariam a ser considerados como problemas.

- O processo estaria sob controle sempre que se mantivesse dentro dos limites inferior e superior de aceitação.

Pelo gráfico do Controle Estatístico de Processo estariam sendo visualizadas as causas anormais de variação , daquelas inerentes a um processo de produção.

- Outros pesquisadores faziam progresso na práticas de amostragens, fundamentais ao processo de desenvolvimento estatísticos que passaram a ser utilizados largamente.

- A inspeção em 100% era deficiente para separar os produtos considerados bons para aqueles considerados como maus. De acordo com tabelas de amostragens , iriam ser inspecionados apenas um pequeno lote do total produzido, e sua aceitação ou não seria função do número de materiais defeituosos encontrados no lote.

- A aplicação destes conceitos melhorou em muito a qualidade e os custos tiveram redução considerável O impacto da Segunda guerra mundial trouxe maior aceitação ao Controle Estatístico da Qualidade.

- Havia necessidade de aumentar a produção de armamento através da pulverização de vários fornecedores , e com isto, a necessidade de padrões foi mais exigida para que os níveis de qualidade fossem mais aceitáveis.

- O gargalo que passou a ser a inspeção foi logo eliminado. O número de inspetores foi reduzido e a qualidade melhorada.

- Incentivou-se o treinamento do pessoal na área de Controle de Qualidade e vários outros segmentos da indústria passa a disseminar as novas técnicas, embora os conceitos de estatísticas eram ainda considerados como novidade.

- Em 1940 o Controle de Qualidade estava estabelecido como disciplina reconhecida com métodos estatísticos dirigidos à fabricação. Assim permaneceu , até que na década de 60 surgia a Era da Garantia da Qualidade.

Era da Garantia de Qualidade

- A expansão da Qualidade passava dos aspectos fabris, simplesmente, para implicações mais amplas com outras formas de gerenciamento.

- A atividade de Serviços também já demonstrava preocupações com os aspectos de melhor satisfazer a seus clientes.

- A estatística não constituía mais a única ferramenta para gerênciar a Qualidade. Os custos assumiam uma posição de destaque e comandavam toda uma ação sobre os aspectos de administração.

- Surgia,igualmente com destaque , a Qualidade Total e a filosofia de Zero Defeito, ambas desenvolvidas fortemente no Japão.

- Em 1951 J. Juran, publica uma obra discutindo os aspectos económicos da Qualidade, aparecendo muito claramente os conceitos de custos evitáveis e de custos inevitáveis durante o processo operacional.

- Em custos inevitáveis apareciam aqueles referentes a custos de Prevenção e custos de Avaliação.

- Em custos evitáveis apareciam os custos de Perdas Internas e custos de Perdas Externas . Todos eles com suas características peculiares e que permitiam um completo conhecimento daquilo que se passava com os gastos e perdas na Qualidade, permitindo aos administradores tomarem uma posição para melhor tornar os seus produtos competitivos no mercado.

- Dentro desta contribuição de Juran ficou bastante claro a maneira de melhor decidir sobre custos e quanto deveria ser investido na melhoria da Qualidade.

- Foi dada ,igualmente, especial importância aos cuidados que deveriam ser tomados durante a fase de projeto de um novo produto, uma vez que um produto mal projetado iria trazer sério comprometimento aos custos e, conseqüentemente, ao próprio cliente.

- Feingenbaum, na mesma época, propõe o princípio da Qualidade Total e defendia a idéia de que "para se conseguir uma verdadeira eficácia, o controle precisa começar na fase de projeto e ir até o momento em que o produto esteja nas mãos do cliente" .

- Foi criada a função de Engenharia de Controle de Qualidade.

- Aparecia a Engenharia de Confiabilidade, garantindo o desempenho aceitável do produto ao longo do tempo, especialmente na época, referenciado com os componentes e sistemas militares.

- O objetivo passa a ser melhorar a confiabilidade e reduzir a taxa de falhas.

- Em 1961 apareceram as idéias do Zero Defeito, na intenção de fabricar um míssil que sem defeitos e que realmente apresentou resultados.

- Pregava a filosofia de " Promover" uma vontade constante de fazer o trabalho certo da primeira vez".

- A prevenção de defeitos ainda era o principal objetivo da Qualidade. Em 70 e 80 os aspectos estratégicos da Qualidade eram reconhecidos e incorporados.

Era da Gestão Estratégica da Qualidade

- Com os acontecimentos da terceira Era, A Qualidade se manteve durante duas décadas , apoiada nos conceitos que então haviam sido estabelecidos.

- Mas, nos mais elevados níveis das organizações aparecia agora um novo tipo de preocupação com a Qualidade, dentro de uma visão mais ampla, dirigida ao processo de Planejamento Estratégico da Empresa e a necessidade de maior agressividade na concorrência.

- Perguntava-se qual deveria ser o potencial de Qualidade na concorrência para fazer fluente as constantes incursões dos fabricantes japoneses que se faziam sentir, especialmente, nos USA com suas Qualidade e Confiabilidade sensivelmente superiores.

- As inspeções comparativas entre produtos japoneses e americanos traziam resultados preocupantes , com o melhor desempenho dos primeiros.

- Veja-se , por exemplo, o que houve com a comparação dos Chips, máquinas operatrizes, pneus radiais, e TV a cores japoneses.

- Nos USA aparece na Federação do Comércio, um programa sobre defeitos de produtos que responsabilizava os fabricantes pelas falhas ocorridas, logo após o término dos prazos de garantia, abrangendo desde os reparos e devolução do dinheiro, até a divulgação de mais informações sobre o produto.

- Essas forças externas conseguiram sensibilizar a alta gerência para a Qualidade dos produtos.

- A Qualidade , dentro desta nova situação, deveria ser redefinida, dentro de uma visão mais ampla ao mundo exterior das organizações, focando especialmente ao cliente que seria a razão de ser das mesmas e procedendo a uma cuidadosa definição das necessidades doas usuários.

- Pesquisas de mercado, análise dos produtos dos concorrentes, voz do cliente, ciclo de vida dos produtos, custos e reclamações dos clientes passaram a ser mais evidenciados.

- Os ganhos de Qualidade também estavam associados aos ganhos de participação no mercado.

- A Qualidade passou a ser uma poderosa arma na concorrência. A melhora contínua passaria a ser um objetivo fundamental, com programas de compromisso de toda organização para assuntos referentes a Qualidade.

- Exigia-se uma mudança de comportamento em todos os níveis e as pessoas deveriam ser preparadas para esta nova situação.

- Surgia, então, a necessidade de educação e treinamento de todos os envolvidos de uma forma aprimorada e dirigida aos novos rumos que a organização se propunha a seguir, dentro desta nova Era que aparecia .

- A Qualidade passou a ser incluída no Planejamento Estratégico das Empresas, apresentando metas específicas para a melhoria da Qualidade, sem perder no entanto, o conteúdo oriundo dos movimentos que precederam a esta Era.

- Assim, o Controle estatístico de Processo continuou a ser um instrumento importante. O emprego de Equipes Interfuncionais para assegurar a coordenação das necessidades de Engenharia de Produção mantinha-se atuante.

- A necessidade de triar os projetos antes de entrarem na produção era reforçada , e outras utilizadas nos movimentos anteriores.

- A Gestão Estratégica da Qualidade é mais uma extensão das suas antecessoras do que uma negação delas, porem num aspecto muito mais amplo.

- Não existe um único modelo de Gestão Estratégica da Qualidade, pois as Empresas tem necessidades diferentes que exigem atenções também diversas.

  • O que é aplicável a uma Empresa poderá não ser indicado a outra. A literatura é farta em exemplos desta natureza , citando apenas para enriquecer , os casos ocorridos com a Hewlett - Packard , Xerox e a Coming Glass que são representativos dos esforços de outras grandes Empresas norte-americanas, com seus programas enquadrados como Gestão Estratégica da Qualidade .

3

Comentários