A Importancia da Gestão de Risco nas Empresas

A Importancia da Gestão de Risco nas Empresas

(Parte 1 de 3)

PONTÍFICIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Graduação em Ciências Contábeis

Lucas Otávio Pinheiro de Miranda Wellington Ferreira Ramos

Belo Horizonte 2010

Para a conclusão deste trabalho foi desenvolvida uma pesquisa sobre a importância da gestão de risco nas empresas. O objetivo foi identificar os riscos que permeiam as atividades das empresas em geral e salientar a importância do correto gerenciamento destes riscos para um desenvolvimento sustentável e continuo por parte da empresa, de maneira que os riscos não a afete, e caso isso ocorra que os impactos sejam os menores possíveis. A pesquisa foi feita em cima de vários trabalhos congêneres ao tema, bem como algumas publicações de profissionais que dominam o assunto; contudo pouquíssimos autores tratam do tema de forma analítica, o que fez com que a bibliografia não ficasse extensa. O Trabalho nos proporcionou um considerável crescimento e ampliou nossa visão no que tange ao conhecimento dos riscos empresariais e com certeza será de grande valia as pessoas que queiram conhecer mais do assunto, ainda que as mesmas não tenham um conhecimento prévio da área.

Palavras-chave: Gestão. Risco. Empresas.

1 INTRODUÇÃO

Vivemos em um mundo capitalista que impõe um cotidiano corriqueiro e estressante.

Para nós enquanto meros cidadãos, a vida não é muito fácil, pois sabemos bem que, para alcançarmos a estabilidade financeira ou uma ascensão social temos que nos esforçar em demasia, e sabemos também que se não alcançamos determinada posição, logo, não conseguimos o reconhecimento da sociedade. Ponderando sobre isto perceberemos que, se para nós enquanto cidadãos as exigências da sociedade são muitas; para as empresas esta cobrança aumenta multiplicadas vezes.

O reconhecimento de uma empresa por parte da sociedade, do governo e instituições financeiras, depende de seu desenvolvimento; e para que uma empresa possa se desenvolver com estabilidade financeira, reconhecimento internacional, responsabilidade social e fiscal; é necessário que haja uma constante manutenção do equilíbrio econômico. Um grande exemplo de desequilíbrio econômico, que ninguém esperava, e que veio a dar cabo em um dos grandes nomes empresariais da nossa geração, é o caso da Sadia S.A que foi extinta por meio de uma incorporação por parte da Perdigão S.A.

O equilíbrio econômico, por sua vez, depende do gerenciamento dos riscos que circundam a empresa, e é exatamente sobre a importância da gerencia de risco no contexto empresarial que pretendemos tratar no presente trabalho, tendo em vista que, sem um gerenciamento responsável e meticuloso dos riscos, tanto as pequenas empresas como as grandes corporações que detém um grande poder de barganha, podem em determinados momentos se deparar com um grande desequilíbrio econômico, que pode se originar das formas mais remotas.

1.1 Problema Qual a importância da gerencia de risco no contexto empresarial?

1.2 Objetivos

1.2.1 Objetivo geral:

Analisar quais os tipos de risco são ou devem ser gerenciados dentro do contexto empresarial, e qual a estratégia de gerenciamento mais utilizada atualmente.

1.2.2 Objetivos Específicos:

• Conseguir visualizar e também proporcionar aos demais interessados, uma visualização nítida dos riscos que permeiam as atividades das empresas.

• Aprender um pouco sobre como gerenciar riscos, tendo em vista nossa aspiração de um dia nos tornarmos bons controllers.

1.3 Justificativa

Conscientes de que nós, bem como a grande maioria dos alunos do curso de ciências contábeis nunca tínhamos nos relacionado com assuntos de vertentes atuariais, mas que ainda assim temos por obrigação aprender sobre os mesmos; enxergamos nesta proposta de trabalho uma oportunidade de pesquisar e crescer em conhecimento, no que tange a ciência atuária.

Cremos que este estudo nos proporcionará, uma visão mais ampla da ciência atuária, que trabalha com a gerencia de risco cotidianamente; um melhor desempenho nas avaliações da matéria, e uma bagagem intelectual da qual faremos uso por toda nossa vida profissional.

2 DESENVOLVIMENTO

2.1 Definição de risco:

Antes de mais nada devemos ter em mente um conceito do que vem a ser o risco.

Solomon e Pringle citado por Souza (2002, p.149) afirma que "risco é o grau de incerteza a respeito de um evento.”

"O risco está portanto, diretamente ligado à possibilidade de ocorrência de um evento futuro, esperado, ou não.” (SOUZA, 2002, p.149).

Não é necessário ser nenhum gênio para entender que uma empresa atuante, está frequentemente se confrontando com situações que a colocam em exposição aos riscos.

Toda empresa quer ter um desenvolvimento sustentável; todavia, o risco é inerente a qualquer aspiração de ascensão. Apesar do gerenciamento destes riscos serem de fundamental importância para o crescimento seguro e sustentável das empresas, nem todas os gerenciam como deveriam.

2.2 O Risco na última década:

A maioria das corporações enfatizam muito o risco financeiro de suas operações cotidianas, e se esquecem ou desdenham dos riscos que podem afetar sua imagem diante do mercado, dos investidores ou até mesmo suas operações internas.

Isto se deve a uma questão cultural, pois apesar de atualmente as corporações enfatizarem muito a gerencia de risco, e da profissão de atuário existir a mais tempo; não faz muito tempo que a gestão de risco começou a ser embutida com ênfase no meio empresarial. Santos afirma que:

[...] a adoção de gestão de riscos nas empresas é muito recente, pois somente a partir de 1995 é que tais profissionais começaram a aparecer nos organogramas das companhias americanas. (SANTOS, 2002, p.76).

O gerenciamento dos riscos dentro do contexto empresarial, apesar de ser de grande importância; em algumas áreas ou ambientes só passou a ser valorizado após incidentes de grande repercussão.

O cenário da gestão de risco nas empresas vem sendo modificado com o decorrer do tempo, devido a grandes catástrofes que tem molestado corporações de renome, e isto tem servido como objeto de reflexão para os profissionais da área e também para os CEO’s no que tange a adoção de uma visão mais abrangente dos riscos. Exemplos de fatos que serviram para despertar a reflexão de muitos em 2001 foi o escândalo da Enron e o atentado terrorista de 1 de setembro.

Estes dois fatos demonstraram a total fragilidades das corporações e a falta de procedimentos estratégicos e operacionais no que tange aos controles internos, transparência nas suas operações e continuidade de negócios. Esses dois fatos também resgataram um conceito surgido na década de 80, o ERM – Enterprise Risk Management, que naquela época já defendia a visão integrada e holística dos riscos corporativos. (BRASILIANO, 2007, p.4).

Tendo em vista este cenário, vamos procurar mostrar os riscos que permeiam as atividades empresariais em geral, e daremos ênfase na sua importância segundo abordagem pelos profissionais da gestão de risco.

2.3 Os Tipos de Risco

De acordo com Santos (2002) os riscos podem ser oriundos do ambiente externo e ou ambiente interno.

Os riscos do ambiente externo provavelmente sejam os riscos mais perigosos devido a limitação no relacionamento do administrador com a empresa e sua percepção muita das vezes focada nos acontecimentos internos. Todavia os riscos internos não são menos importantes, e se não forem bem gerenciados a empresa pode ser afetada por problemas oriundos do interior de suas instalações ou operações.

2.3.1 Riscos Externos

Esses riscos sob a ótica de Santos (2002) são divididos em dois níveis: o Macroambiente e o Ambiente Setorial.

2.3.1.1 Riscos do Macroambiente :

O Macroambiente encontra-se mais distante do dia-a-dia da empresa, o que torna bastante difícil identificar se e em que magnitude algum evento terá impacto na organização. A sobrevivência e o crescimento a longo prazo, porém, dependerão diretamente da forma como tais riscos serão gerenciados. (SANTOS, 2002, p.27).

Segundo Santos (2002) os riscos do macroambiente se classificam em:

• Riscos Político-Legais • Riscos Econômicos

• Riscos Demográficos

• Riscos Naturais

• Riscos Tecnológicos

• Riscos Sociais

2.3.1.2 Riscos do Ambiente Setorial

Os riscos setoriais são os mais próximos das operações da empresa, e por isso não são necessáriamente mais importantes que os outros, mas, merecem um cuidado especial, tendo em vista que os resultados a curto prazo dependem de um gerenciamento minucioso dos mesmos. Quanto a isso, Santos (2002) diz que:

(Parte 1 de 3)

Comentários