Fotogrametria e fotointerpretação

Fotogrametria e fotointerpretação

(Parte 1 de 2)

GENERALIDADES Fotogrametria => é o processo de derivação de informação métrica de um objeto através de medições feitas em fotografias “desse objeto” Foto-interpretação => é a extração de informação qualitativa dos objetos fotografados por análise visual humana

ESCALA=> Depende da altura do vôo
DISTORÇÕES=> avião sair da rota, variação da altura de vôo (vento)

SOMBREAMENTO => melhor hora entre 9:0 e 15:0 defeito em filme, câmara, lentes, nivelamento (3 graus), etc. Diferenças de escala devido a variações do relevo (ortoretificação- ORTOFOTO)

MOSAICOS Recobrimento longitudinal = 60%; lateral = 30%.

Exemplo: a fotografia aérea tem uma dimensão útil de 23 cm (l).

Tabela de recobrimentos e áreas de aerofotos 23 cm X 23 cm Recobrimento Longitudinal 60% Área p/ Cobertura 100 km2

Recobrimento Lateral 30% Fotos de Segurança 15%

Distância focal 153 m

ESCALA FOTO 1 /

ALTURA VÔO (m)

LADO FOTO (m)

REC. LONGITUDINAL (m)

REC. LATERAL (m)

ÁREA FOTO (km²)

Mosaicos controlados: fotografias retificadas e devidamente posicionadas em relação ao datum tanto horizontal como vertical e suficiente número de pontos de controle para a retificação correta.

Mosaicos não controlados: usam fotos originais, eventualmente alterando-se a escala, sem a preocupação de retificá-la sobre o terreno. Estas fotos não servem para os mapeamentos temáticos.

Mosaicos semi-controlados: expressa uma coletânea de fotos não retificadas, mas de escala homogênea ou vice-versa.

VISÃO ESTEROSCÓPICA - de modo simplificado refere-se ter visão em três dimensões.

Par de fotografias com sobreposição de áreas e com diferente perspectiva Uso de lentes (estereoscópio). Paralaxe = profundidade

É possível com o uso de equipamentos medir altitudes com boa precisão

MÉTODO DO ESTEREOSCÓPIO DE LENTES Par de lentes convergentes = > efeito de profundidade

Par de espelhos e de prismas que permite maior afastamento das fotografias. Facilidade e agilidade para trabalhar.

Os métodos geram um exagero de estereoscopia. Relevo apresenta-se mais declivoso como na realidade.

Depende dos fatores: • fotointérprete;

• o propósito, objetivo ou finalidade da fotointerpretação;

• as fotografias disponíveis;

• o instrumental utilizado;

• a escala e prescrições do mapa;

• A correlação terrestre ou outros levantamentos existentes (bibliografia, mapas ou sensores remotos).

• detecção;

• reconhecimento e identificação; • delimitação;

• análise;

• classificação;

• conclusão.

DETECÇÃO: Está diretamente relacionada com a visibilidade dos objetos na fotografia, além do tipo de objeto, objetivos da interpretação, escala da foto, qualidade da fotografia (resolução, nitidez, contraste, etc) e do conhecimento do assunto por parte do fotointérprete.

Detecção de entidades diferenciadas na fotografia. RECONHECIMENTO E IDENTIFICAÇÃO Dizer o que é o objeto ou alvo. DELIMITAÇÃO e ANÁLISE

CLASSIFICAÇÃO Esta fase subdivide-se em 3 fases: • descrição da área;

• organização da área numa estrutura adequada às investigações de campo;

• codificação em convenções para a expressão das informações.

CONCLUSÃO Geração de mapas, cartas e relatórios.

Observa-se que a vista vertical ou quase vertical de um objeto pode ser bastante confusa, porém, com o auxílio dessas técnicas o reconhecimento pode ser bastante facilitado. São os seguintes os elementos de reconhecimento ou fatores guias da fotointerpretação:

• Tonalidade =>características reflectivas do objeto dentro do espectro registrado.

• Textura => É a impressão visual da rugosidade, aspereza ou suavidade, causada pela variação ou uniformidade dos tons de cinza ou da cor. É produzida por um conjunto de características muito pequenas para serem detectadas individualmente: tais como folhas de árvores; pequenas rochas, gramíneas.

• Tamanho => Em 2D o tamanho de um objeto é definido pelas dimensões de sua superfície.

• Forma => Descreve a aparência externa ou a configuração de um objeto, pois a vista apresentada, é uma vista superior. Formas características de aspectos humanos e culturais são geometricamente regulares, em contraposição às formas naturais, irregulares e dispersas.

• Sombra => É um elemento bastante importante para a fotointerpretação, por fornecer uma impressão sobre a altura do objeto, e por contribuir para a sua identificação.

Sombras de nuvens podem ser muito negativas ou de encostas muito ingremes. Dependerá do horário de imageamento.

• Padrão=> Caracterizado pela união ou extensão das formas visuais. A repetição de uma certa forma é uma característica de muitas feições humanas e algumas naturais. Plantações de laranjas, loteamentos, cidades, estruturas geológicas, sistema de drenagem podem apresentar padrões retilíneos ou organizados.

urbanização Drenagem retangularDrenagem meândrica

• Densidade => Caracterizada pela freqüência de ocorrência e dependente da escala da foto. Para que a densidade seja mais próxima do real, é conveniente expressá-la em unidades do terreno.

• Declividade=> Varia em intensidade. O ângulo de declive determina o tipo de vertente, mergulhos de camadas, superfícies e linhas inclinadas. Sua interpretação vai depender muito da visão estereoscópica do intérprete.

(Parte 1 de 2)

Comentários