(Parte 1 de 3)

Aula 01: Introdução aos Sistemas de Informação

Introdução aos Sistemas de Informação Modelagem de sistemas: evolução histórica

O processo de desenvolvimento de software

Atividades típicas de um processo de desenvolvimento

Participantes do processo de desenvolvimento

Classificação dos Sistemas

Exercícios

As grandes transformações ocorridas nos últimos anos, impulsionadas pelo avanço da tecnologia provocaram a passagem da antiga sociedade industrial para uma nova sociedade baseada na informação e no conhecimento.

Nos dias de hoje, a empresa que dispõe de mais informações sobre seu processo está em vantagem em relação a suas competidoras

Em conseqüência do crescimento da importância da informação, surgiu a necessidade de gerenciar informações de uma forma adequada e eficiente e, dessa necessidade, surgiram os denominados sistemas de informação.

Mas o que são Sistemas?

Um sistema de informações é uma combinação de pessoas, dados, processos, interface, redes de comunicação e tecnologia que interagem com o objetivo de dar suporte e melhorar o processo de negócio de uma organização empresarial com relação as informações que nela fluem.

O desenvolvimento de um sistema de informações é uma tarefa complexa e um dos seus componentes é denominado sistema de software.

O objetivo principal de um sistema de software é adicionar valor a organização na qual esse sistema será utilizado, ou seja, ele implicará na produtividade dos processos da empresa na qual o sistema será utilizado.

Um sistema de software é composto de módulos funcionais computadorizados que interagem entre si para proporcionar aos usuários do sistema a automatização de diversas tarefas.

Uma característica de sistemas de software é a complexidade de seu desenvolvimento, que aumenta à medida que cresce o tamanho do sistema.

◦Comparação: Construir uma casa de cachorro, uma casa para família e um edifício.

Assim como na construção civil, existe uma gradação de complexidade na construção de software. Quanto mais complexo um sistema de software, mais ele deverá ser planejado.

◦Comparação: Sistema de estoque, sistema de controle de tráfego aéreo.

A necessidade de planejamento no desenvolvimento de sistemas de informação leva ao conceito de modelagem de software, ou seja, antes do software ser concebido deve-se criar um modelo para o mesmo.

Um modelo pode ser visto como uma representação idealizada de um sistema a ser construído.

Exemplos de modelos: maquetes de edifício, plantas de casa, fluxogramas, etc.

A modelagem de sistemas de software consiste na utilização de notações gráficas e textuais com o objetivo de construir modelos que representam as partes essenciais de um sistema.

São várias as razões para se utilizar modelos na construção de sistemas. Nos próximos slides estudares essas razões.

Razões para se utilizar modelos:

◦Gerenciamento de complexidade ◦Comunicação entre as pessoas envolvidas

◦Redução dos custos no desenvolvimento

◦Previsão do comportamento futuro de sistema

No desenvolvimento de software usamos desenhos gráficos denominados de diagramas para representar o comportamento do sistema. Esses diagramas seguem um padrão lógico e possuem uma série de elementos gráficos que possuem um significado pré-definido.

Apesar de um diagrama conseguir expressar diversas informações de forma gráfica, em diversos momentos há a necessidade de adicionar informações na forma de texto, com o objetivo de explicar ou definir certas partes desse diagrama.

A modelagem de um sistemas em forma de diagrama, juntamente com a informação textual associada, formam a documentação de um sistema de software.

O rápido crescimento da capacidade computacional das máquinas resultou na demanda por sistemas de software cada vez mais complexos, que tirassem proveito de tal capacidade.

Por sua vez, o surgimento desses sistemas mais complexos resultou na necessidade de reavaliação da forma de desenvolver sistemas.

Desde o aparecimento do primeiro computador até os dias de hoje, as técnicas para construção de sistemas computacionais tem evoluído para suprir as necessidades do desenvolvimento de software.

Década de 1950/60: os sistemas de software eram bastante simples e dessa forma as técnicas de modelagem também. Era a época dos fluxogramas e diagramas de módulos

Década de 1970: nessa época houve uma grande expansão do mercado computacional. Sistemas complexos começavam a surgir e por conseqüência, modelos mais robustos foram propostos. Nesse período surge a programação estruturada e no final da década a análise e o projeto estruturado.

Década de 1980: surge a necessidade por interfaces homem-máquina mais sofisticadas, o que originou a produção de sistemas de software mais complexos. A análise estruturada se consolidou na primeira metade dessa década e em 1989 Edward

Yourdon lança o livro Análise Estruturada

Moderna, tornando-o uma referência no assunto

Década de 1990: nesse período surge um novo paradigma de modelagem, a Análise

Orientada a Objetos, como resposta a dificuldades encontradas na aplicação da

Análise Estruturada a certos domínios de aplicação.

Final da década de 90 e momento atual: o paradigma da orientação a objetos atinge a sua maturidade. Os conceitos de padrões de projetos (design patterns), frameworks de desenvolvimento, componentes e padrões de qualidade começam a ganhar espaço. Nesse período surge a Linguagem de Modelagem

Unificada (UML), que é a ferramenta de modelagem utilizada no desenvolvimento atual de sistemas.

O processo de desenvolvimento de software é uma atividade bastante complexa. Isso se reflete no alto número de projetos de software que não chegam ao fim, ou que extrapolam recursos de tempo e de dinheiro alocados.

Em um estudo clássico sobre projetos de desenvolvimento de software realizado em 1994 foi constatado que:

Porcentagem de projetos que terminam dentro do prazo estimado: 10%

Porcentagem de projetos que são descontinuados antes de chegarem ao fim: 25%

Porcentagem de projetos acima do custo esperado: 60%

Atraso médio nos projetos: um ano

(Parte 1 de 3)

Comentários