Marcha com órteses

Marcha com órteses

  • MARCHA

Ciclos da Marcha

  • Fase de apoio – toque do calcanhar no chão

  • Fase de balanço - hálux deixa o solo

Fase de Apoio

  • Ocupa 60% da marcha

  • Contato inicial – toque do calcâneo no solo e absorção do impacto

  • Resposta de carga – o peso é transferido de uma perna para outra

  • Médio apoio – o pé de apoio se encontra em contato total com o solo

  • Apoio terminal- final da fase de apoio e o pé se encontra em flexão plantar

  • Pré-balanço – fase de desprendimento do hálux do solo

Fase de Balanço

  • Ocupa 40% do ciclo da marcha

  • Balanço inicial – desprendimento do hálux do solo

  • Balanço médio – flexão do joelho para a passagem do membro

  • Balanço final – extensão do joelho preparando para o contato

Fase de Duplo Apoio

  • Os pés estão em contato com o solo

Comprimento do passo

  • Aproximadamente 40 cm

  • - início da fase de apoio de um pé até o início da fase de apoio do outro.

Largura da passada: 5 cm

  • Velocidade da marcha: medir velocidade média, comprimento da passada com o paciente andando uma distância média de pelo menos 15 m. Contar o número de passos, dividir pelo tempo (110/min).

Parâmetros mensuráveis da marcha

  • Base de sustentação: não deve exceder de 5 a 10 cm de um calcanhar a outro.

  • Oscilação vertical da cabeça e pelve no plano sagital: não varia de 5cm no plano vertical.

  • Joelho: deverá ser sempre fletido em toda fase de apoio, exceto no apoio do calcâneo.

Parâmetros mensuráveis da marcha

  • Desvios no plano frontal da cabeça e tronco : é de 2 cm do lado que sustenta o peso do corpo durante aquele passo de modo a centralizar o peso do quadril. A pelve inclina-se para baixo na perna de balanço cerca de 8°.

  • Rotação pélvica durante a fase de balanço

Ações musculares durante a marcha

  • Flexores do quadril (iliopsoas)

  • Maior atividade no início da fase de balanço,para iniciar o movimento.

  • Sartório e Reto Femoral: fracos para a flexão do quadril,mostram grande atividade na retirada do hálux na fase de passagem.

Ações musculares durante a marcha

  • Extensores do quadril ( glúteo máximo) ativo imediatamente após o toque do calcanhar, assumindo a posição de alongamento que lhes permite tornarem-se mais efetivos na extensão do quadril.

Ações musculares durante a marcha

  • Abdutores- são estabilizadores do quadril no plano frontal.Impedem excessivo movimento para baixo do quadril no lado contralateral da descarga de peso durante o apoio unilateral.

Ações musculares durante a marcha

  • Adutores: é percebido no início da fase de balanço

Ações musculares durante a marcha

  • Extensores do joelho (quadríceps): grande atividade que inicia após o toque do calcâneo (ação de frenagem excêntrica).

Ações musculares durante a marcha

  • Flexores do joelho (isquiotibiais): maior atividade no momento anterior do toque do calcâneo que agem como flexores do joelho e desaceleram (contração concêntrica) a oscilação da perna para frente.

Ações musculares durante a marcha

  • Dorsiflexores(tibial anterior, extensor do hálux e comum dos dedos) Tem uma ação excêntrica importante após o toque do calcanhar durante a realização da flexão plantar controlada, evitando que o antepé bata no chão.

Ações musculares durante a marcha

  • Flexores plantares (sóleo, gastrocnêmeos) Atividade inicia no meio da fase de apoio. No final da fase de apoio ocorre uma contração concêntrica do tríceps sural que mantém a altura da pelve.

Órteses

  • Prolongamento dos membros superiores

  • Equilibrio (informação sensitiva)

  • Descarga - Aliviar, total ou parcial a sustentação de peso

  • Propulsão e freio

  • Aumentar a BA

Músculos que atuam no controle das órteses

  • Dedos

  • Flexores de dedos

  • Mão

  • Pronador quadrado

  • Pronador redondo

  • Bengalas:

  • Tem como função ampliar a Base de Apoio e e melhorar o equilíbrio, diminuir a transferência lateral do CG.

  • Medidas:

  • 15 cm borda lateral do pé

  • Parte + elevada da bengala- ao nível do trocânter maior

  • Coltovelo em flexão de 20-30°

Muletas

  • Serve para melhorar:

  • Equilíbrio

  • Aliviar, total ou parcial a sustentação de peso

  • Aumentar a BA

MULETAS Axilares

  • Medidas:

  • Deve ser feita com o paciente de sapato, partindo de 3-5 cm abaixo da dobra axilar posterior.

  • Angulo de flexão do cotovelo 15-20º.

  • 5 cm lateral e 15 cm em direção anterior ao pé.

Muletas Axilares

  • Vantagens: Melhora o equilíbrio e estabilidade lateral, baratas.

  • Desvantagens: Necessita de espaço para BA alargada, apoio na barra axilar.

Canadense

  • Canadense

  • Apoio no antebraço de 3-5 cm abaixo do cotovelo.

  • Angulo de flexão do cotovelo 20-30º

  • Empunhadura a nível do trocânter, forma um ângulo superior a 180° para uma melhor preensão.

  • Medidas:

  • 2 polegasdas lateral e 6 polegadas anteriormrnte ao pé.

  • 20-30° flexão cotovelo.

Muletas Canadenses

  • Vantagens: Menores, mais fácil de subir e descer escadas.

  • Desvantagens: Menor apoio lateral.

  • Andadores

  • Pacientes com equilíbrio deficitário

  • Desvantagens:diminuição da velocidade da marcha

  • Dificulta a subida e descida de escadas

INFLUÊNCIA DO COMPRIMENTO DAS MULETAS NA MARCHA

  • Muletas baixas: Marcha com inclinação para frente

  • Muletas altas: Se reduz a potência do tríceps

Comentários