Resíduos sólidos

Resíduos sólidos

RESÍDUOS SÓLIDOS E IMPACTOS AMBIENTAIS

Resíduos sólidos Introdução

O colapso do saneamento ambiental chegou a níveis insuportáveis.A falta de água potável e esgotamento sanitário é responsável por 80% das doenças e 65% das internações hospitalares.E ainda há os esgotos domésticos e industriais que são despejados sem qualquer tratamento em mananciais de água ou lamentavelmente nas ruas.Os lixões são outro foco de problemas.O debate sobre o tratamento e disposição desses resíduos ainda é negligenciado pelo poder público.

* Definição técnica

Resíduos Sólidos são os restos das atividades humanas,

consideradas pelos geradores como inúteis, indesejáveis ou descartáveis.

* Classificação

Existem várias formas possíveis de se classificar os

resíduos sólidos:

_ quanto sua natureza física: seco e molhado;

_ quanto sua composição química: orgânico e inorgânico;

_ quanto sua origem: doméstico, comercial,

industrial, hospitalar, especial ou público, radioativo e agrícola.

Destino do lixo

Os resíduos sólidos podem ser descartados

de duas formas:

Sem nenhum tratamento: acarreta sérios danos ao meio ambiente, desencadeando na poluição do solo, da água e do ar.

Com tratamento: é realizado através dos

Com tratamento: é realizado através dos

seguintes métodos;

Aterro sanitário

É um tratamento baseado em técnicas

sanitárias e procedimentos operacionais que

visam evitar os aspectos negativos da deposição

final do lixo como, proliferação de ratos e

moscas, mau cheiro, contaminação de lençóis

freáticos, surgimento de doenças e visual nada

agradável de um local cheio de lixo amontoado.

Incineração

Incineração

Tratamento baseado na queima do lixo. É um processo que demanda custo elevado e um rigoroso controle de emissão de gases poluentes. A produção em massa de produtos químicos e plásticos hoje, torna esse método um processo complexo, de custo elevado e altamente poluidor.

Compostagem

Compostagem

É uma forma de tratamento biológico da parcela orgânica do lixo, permitindo uma redução de volume desses resíduos e tranformando-os em composto para utilização na agricultura como adubos do solo. Há uma dificuldade de comercialização devido ao comprometimento dos mesmos por contaminantes como metais pesados existentes no lixo urbano e por possíveis aspectos negativos de cheiro no pátio de cura.

Reciclagem e Reutilização

Reciclagem e Reutilização

Têm sido as mais importantes alternativas

para redução de quantidade de lixo no futuro, criando com isso bons hábitos de preservação do meio ambiente, o que nos leva a economizar matéria-prima e energia.

Os 3Rs para controle do lixo

São eles:

Reduzir: implica em reduzir o consumo de tudo que não é realmente necessário.Rejeitar produtos com embalagens plásticas e isopor, preferindo as de papelão que são recicláveis e desperdiçam menos energia.

Reutilizar: usar um produto de várias maneiras (reutilizar depósitos de plástico ou vidro, aproveitar folhas de papel rasuradas para blocos de lembretes, aderir a feira de trocas aproveitando bens de consumo como roupas, discos, calçados, móveis.)

Reciclar: consiste em fazer coisas novas a partir de coisas usadas. A reciclagem reduz o volume do lixo, o que contribui para diminuir a poluição e também economiza materiais e energia para fabricação de novos produtos.

Impactos Ambientais Introdução

O impacto ambiental é um desequilíbrio provocado pelo choque da relação do homem com o meio ambiente. Surgiu no momento em que o homem começou a evoluir em seu modo de vida. Nos primórdios da humanidade o homem mantinha uma relação de submissão com o meio ambiente.

Com o passar do tempo o homem descobriu o fogo, depois passou a cultivar alimentos e criar animais, com isso o impacto ambiental começou a aumentar gradativamente. Pois para plantar e para o gado pastar era necessário derrubar árvores de determinados lugares, além do mais, a madeira derrubada servia para construir abrigos mais confortáveis e para obtenção de lenha. A partir desse momento, começou a se tornar mais visível os impactos ambientais causados pelo homem como, por exemplo, a alteração em certas cadeias alimentares.

Definição

De acordo com a Resolução CONAMA no 001/86, art. 1o, o termo

impacto ambiental" é definido como toda alteração das propriedades

físicas, químicas e biológicas do meio ambiente, causada por qualquer forma

de matéria ou energia resultante das atividades humanas que, direta ou

indiretamente afetam a saúde, o bem estar da população e a qualidade do

meio ambiente.

Principais impactos ambientais

Desmatamento de florestas

As principais conseqüências do desmatamento são:

Destruição da biodiversidade;

Genocídio e etnocídio das nações indígenas;

Erosão e empobrecimento dos solos;

Enchente e assoreamento dos rios;

Diminuição dos índices pluviométricos;

Elevação das temperaturas;

Desertificação;

Proliferação de pragas e doenças.

Poluição com agrotóxicos

Causam doenças nas pessoas que manipulam e aplicam esses venenos e naquelas que consomem os

alimentos contaminados. A utilização indiscriminada de agrotóxicos tem acelerado a contaminação

do solo, empobrecendo-o, ao impedir a proliferação de microorganismos fundamentais para a sua

fertilidade.

Erosão

É um impacto sério causado pela agricultura, principalmente na zona tropical do planeta. O

revolvimento do solo antes do cultivo desagrega-o, facilitando o carreamento dos minerais pela água

das chuvas. A perda de milhares de toneladas de solo agricultável todos os anos, em conseqüência da

erosão, é um dos mais graves problemas enfrentados pela economia agrícola. O processo de

formação de novos solos, como resultado do intemperismo das rochas, é extremamente lento, daí a

gravidade do problema.

O efeito estufa

É um desequilíbrio na composição atmosférica, provocado pela crescente elevação da concentração

de certos gases que têm capacidade de absorver calor, como é o caso do metano, dos CFCs, mas

principalmente do dióxido de carbono (CO2). Essa elevação dos níveis de dióxido de carbono na

atmosfera se deve à crescente queima de combustíveis fósseis e das florestas, desde a Revolução

Industrial.

Destruição da camada de ozônio

A destruição da Camada de Ozônio diminui a resistência natural que oferece à passagem dos raios

solares nocivos à saúde de homens, animais e plantas, os chamados raios ultravioletas. As

conseqüências mais citadas seriam o câncer de pele, problemas oculares, diminuição da capacidade

imunológica, etc.

Chuva ácida

A queima de carvão e de combustíveis fósseis e os poluentes industriais lançam dióxido de enxofre

e de nitrogênio na atmosfera. Esses gases combinam-se com o hidrogênio presente na atmosfera

sob a forma de vapor de água, resultando em chuvas ácidas. As águas da chuva, assim como a geada,

neve e neblina, ficam carregadas de ácido sulfúrico ou ácido nítrico. Ao caírem na superfície,

alteram a composição química do solo e das águas, atingem as cadeias alimentares, destroem

florestas e lavouras, atacam estruturas metálicas, monumentos e edificações. Vale lembrar que a

água da chuva já é naturalmente ácida devido à uma pequena quantidade de dióxido de carbono

(CO2) dissolvido na atmosfera.

AIA – EIA – RIMA

Considerando-se que toda ação ou atividade do homem no meio em que vive, causa um impacto ao meio ambiente, estas alterações precisam ser quantificadas, pois apresentam variações relativas, podendo ser positivas ou negativas, grandes ou pequenas. Portanto, antes de se colocar em prática um projeto, público ou privado, é necessário um estudo para avaliar as consequências dessas ações objetivando a prevenção dos impactos que esse ambiente poderá sofrer.

O Estudo e o respectivo Relatório de Impacto Ambiental – EIA/RIMA são dois documentos distintos, que servem como instrumento de Avaliação de Impacto Ambiental – AIA, parte integrante do processo de licenciamento ambiental. No EIA é apresentado o detalhamento de todos os levantamentos técnicos e no RIMA é apresentada a conclusão do estudo, em linguagem acessível, para facilitar a análise por parte do público interessado. Essa exigência teve como base a Lei Federal n.º 6.938/81, que instituiu a Política Nacional de Meio Ambiente, regulamentada pelo Decreto Federal n.º 99.274/90,tornando-se uma exigência nos Órgãos Ambientais brasileiros a partir da Resolução do CONAMA n.º 001 de 23/01/86.

Fontes de pesquisa

www.ambientebrasil.com.br

www.inema.com.br

www.mundoeducaçao.com.br

www.portalsaofrancisco.com.br

www.votorantim.sp.gov.br

www.rc.unesp.br/imagens

www.vaspexnet.blogspot.com

Comentários