Ric bt

Ric bt

(Parte 1 de 11)

w.ceee.com.br

FornecimentoemTensãoSecundáriadeDistribuição RededeDistribuiçãoAérea

Junho2008

Regulamento deInstalações Consumidoras

AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S/A

Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica Rio Grande Energia S/A

Regulamento de Instalações Consumidoras 2

1. Objetivo5
2. Normas complementares5
3. Terminologias e definições6
3.1.Agrupamento não pertencente a prédio de múltiplas unidades6
3.2. Barra de Proteção7
3.3. Caixa de distribuição (CD)7
3.4. Caixa de entrada e distribuição (CED)7
3.5. Caixa de passagem7
3.6. Caixa de proteção (CP)7
3.7. Caixa para medidor7
3.8. Carga instalada7
3.9. Cavidade de inspeção7
3.10. Centro de medição7
3.1. Circuito alimentador7
3.12. Circuito de distribuição7
3.13. Circuito de interligação7
3.14. Concessionária7
3.15. Condomínio horizontal7
3.16. Condutor de aterramento7
3.17. Condutor de proteção7
3.18. Consumidor8
3.19. Disjuntor8
3.20. Dispositivo de proteção contra surtos (DPS)8
3.21. Dispositivo de proteção a corrente diferencial-residual (DR)8
3.2. Energia elétrica ativa8
3.23. Energia elétrica reativa8
3.24. Entrada de energia8
3.25. Entrada de serviço8
3.26. Limite de propriedade8
3.27. Livre e fácil acesso8
3.28. Medidor8
3.29. Origem da instalação8
3.30. Pontalete8
3.31. Ponto de entrega8
3.32.Poste concreto armado com caixa de medição embutida9
3.3. Poste metálico com caixa de medição acoplada9
3.34. Poste particular9
3.35. Poste particular compartilhado9
3.36. Prédio de múltiplas unidades consumidoras9
3.37. Quadro ou painel de medidores9
3.38. Ramal de entrada9
3.39. Ramal de ligação9
3.40. Ramal de profundidade9
3.41. Unidade consumidora9
4. Condições gerais de fornecimento9
4.1. Campo de aplicação9
4.2. Tensão de fornecimento9
4.3. Identificação da unidade consumidora9
4.4. Consulta prévia10
4.5. Localização do ponto de entrega10
4.6. Limites de fornecimento10
4.7. Determinação do tipo de fornecimento10
5. Critério para ligação13
5.1. Pedido de ligação13
5.2. Ligação provisória (temporária)13
5.3. Ligação definitiva13
5.4. Ramal de profundidade14
5.5. Geração própria14
6. Localização e instalação da medição14
6.1. Localização da medição14
6.2. Instalação da medição15
7. Projeto16
7.1. Apresentação16
7.2. Cálculo da demanda17
8. Entrada de serviço da instalação consumidora18
8.1. Com ramal de ligação aéreo18
8.2. Com ramal de entrada subterrâneo20
8.3. Aspectos construtivos2
9. Medição23
9.1. Tipos23
9.2. Caixas e/ou painéis para medição23
9.3. Caixa de proteção (CP)24
9.4. Caixa de entrada e distribuição (CED)24
9.5.Aspectos construtivos para montagem de quadro ou painéis de medidores25
10. Proteção geral26
10.1. Disjuntor geral26
10.2. Unidade consumidora26
10.3. Prédio de múltiplas unidades consumidoras26
10.4. Sistema de emergência28
10.5. Aterramento28
10.6. Proteções adicionais29
10.7. Proteção contra sobretensões transitórias29
10.8. Proteção contra inversão de fases29
1. Vigência30

Regulamento de Instalações Consumidoras 3

ANEXO A32
ANEXO B3
ANEXO C34
ANEXO D36
ANEXO E37
ANEXO F37
ANEXO G37
ANEXO H38
ANEXO I38
ANEXO J39
ANEXO K40
ANEXO L41
ANEXO M42
ANEXO N43
ANEXO O43
ANEXO P4
ANEXO Q4
ANEXO R45
ANEXO S46
ANEXO T54
ANEXO U5
ANEXO V56
ANEXO W57
ANEXO X59
ANEXO Z64
ANEXO A90

Regulamento de Instalações Consumidoras 4

FIGURA 1 – Componentes da Entrada de Serviço123
FIGURA 2 – Alturas mínimas do Ramal de Ligação ao Solo124
FIGURA 3 – Disposição da Entrada de Serviço125
FIGURA 4 – Disposição do Ramal de Entrada Subterrâneo126
FIGURA 5(A) – Medição Independente da Área Privada (Vista Superior)127
FIGURA 5(B) – Medição Independente da Área Privada128
FIGURA 6 – Entrada de Energia com Medição Instalada em Poste Particular129
FIGURA 7(A) – Entrada de Energia com Medição Monofásica Instalada em Poste Particular130
Polifásica Instalada em Poste Particular131

FIGURA 7(B) – Entrada de Energia com Medição

FIGURA 8(C) – Entrada com Medição Instalada com Poste Compartilhado134
FIGURA 9(A) – Entrada de Energia com Medição Instalada em Muro ou Mureta135
FIGURA 9(B) – Entrada de Energia com Medição Instalada em Muro ou Mureta Frontal136
FIGURA 9(C) – Entrada de Energia com Medição Instalada em Muro ou Mureta Frontal137
FIGURA 9(D) – Entrada de Energia com Medição Frontal Instalada em Grade138
FIGURA 10 – Entrada de Energia com Medição Instalada em Parede Frontal139
FIGURA 1 – Entrada de Energia com Medição Instalada em Parede Lateral, Casa no Alinhamento140

FIGURA 8(A) – Entrada com Medição Instalada em Muro ou Mureta Lateral com Poste Compartilhado..132 FIGURA 8(B) – Entrada com Medição Instalada em Muro ou Mureta Frontal com Poste Compartilhado..133

Alinhamento141
FIGURA 13(A) – Medição Fixada no Poste da Concessionária142
FIGURA 13(B) – Medição Fixada no Poste da Concessionária143
FIGURA 13(C) – Medição Fixada no Poste da Concessionária144
FIGURA 14 – Disposições dos Isoladores do Ramal de Ligação com Condutor Singelo145
FIGURA 15 – Ramal de Entrada Subterrâneo146
FIGURA 16 – Afastamento Mínimo para Ancoragem do Ramal de Ligação147
FIGURA 17 – Ancoragem do Ramal de Ligação148
FIGURA 18 – Fixação de Caixa para Medidores149
FIGURA 19 – Fixação de Caixa para Medidores150
FIGURA 20 – Fixação de Caixa para Medidores151
FIGURA 21 – Fixação de Caixa para Medidores152
FIGURA 2 – Disposição dos Eletrodutos153
FIGURA 23 – Montagem das Caixas para Medidores Monofásicos154
FIGURA 24 – Montagem das Caixas para Medidores Polifásicos155

FIGURA 12 – Entrada de Energia com Medição Instalada na Parede com Pontalete, Prédio no

Regulamento de Instalações Consumidoras 5

Consumidoras com Mais de um Centro de Medição157
FIGURA 27 – Painel para Agrupamento de Medidores Ocupando Duas Paredes158
FIGURA 28 – Painel para Agrupamento de Medidores Ocupando Três Paredes159
FIGURA 29 – Sistema de Emergência160
FIGURA 30(A) – Poste Particular161
FIGURA 30(B) – Poste Particular162
FIGURA 30(C) – Poste Particular163
FIGURA 30(D) – Poste Particular164
FIGURA 31(A) – Caixas para Unidades Consumidoras Individuais165
FIGURA 31(B) – Caixas para Agrupamentos166
FIGURA 32 – Caixas de Proteção e Distribuição167
FIGURA 3 – Caixas de Passagem para Ramal de Entrada Subterrâneo168
FIGURA 34 – Haste de Aterramento169
FIGURA 35 – Armação Secundária e Suporte170
FIGURA 36 – Isoladores171
FIGURA 37 – Tubo de Aterramento172
FIGURA 38 – Detalhe de Aterramento173
FIGURA 39 – Armação Secundária Policarbonato174

FIGURA 26 – Caixas para Agrupamento de Medidores Pertencentes a Prédios de Múltiplas Unidades

1. OBJETIVO Este Regulamento tem por objetivo padronizar e estabelecer as condições gerais para o fornecimento de energia elétrica em tensão secundária de distribuição, através de rede aérea, às unidades consumidoras na área de concessão das empresas AES Sul Distribuidora Gaúcha de Energia S. A., CEEE - Companhia Estadual de Distribuição de Energia Elétrica e RGE - Rio Grande Energia S.A. no Estado do Rio Grande do Sul. Aplica-se tanto para projetos e/ou instalações novas, como para reformas. As disposições desta Norma visam: a) atender as consultas dos interessados no fornecimento de energia elétrica, quanto à maneira de obterem ligação; b) estabelecer as condições gerais de utilização de energia elétrica; c) dar orientação técnica para o projeto e execução de entradas de serviço de unidades consumidoras, obedecendo recomendações da ABRADEE - Associação Brasileira de Empresas Distribuidoras de Energia Elétrica, das normas da ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas, bem como da legislação em vigor; d) orientar os consumidores, não implicando em qualquer responsabilidade das concessionárias, com relação à qualidade e segurança dos materiais fornecidos por terceiros, bem como sobre os riscos e danos à propriedade. Os materiais fornecidos devem atender às exigências do INMETRO e observar o “Código de Defesa do Consumidor”.

Este Regulamento poderá, em qualquer tempo, sofrer alterações por razões de ordem técnica ou legal, motivo pelo qual os interessados devem, periodicamente, consultar a concessionária quanto a eventuais modificações. Os órgãos técnicos da concessionária encontram-se à disposição dos interessados para prestar quaisquer esclarecimentos técnicos, julgados necessários, para o fornecimento de energia elétrica.

2. NORMAS COMPLEMENTARES Na aplicação deste Regulamento, poderá ser necessário consultar as Normas da ABNT, Normas Internacionais e Resoluções da ANEEL, vigentes na época da sua utilização.

Regulamento de Instalações Consumidoras 6

Os dispositivos deste Regulamento aplicam-se às condições normais de fornecimento de energia elétrica. Os casos omissos ou aqueles que, pelas características excepcionais, exijam estudos especiais, serão objetos de análise e decisão por parte da concessionária.

Normas da ABNT

NBR 5361Disjuntor de baixa tensão – Especificação NBR 5410Instalações elétricas de baixa tensão – Especificação NBR 5419Proteção de estrutura contra descargas atmosféricas - Especificação

NBR 5597Eletroduto rígido de aço-carbono, com revestimento protetor, com rosca ANSI/ASME – Especificação

NBR 5598Eletroduto rígido de aço-carbono, com revestimento protetor, com rosca NBR 6414 – Especificação

NBR 5624Eletroduto rígido de aço-carbono, com costura, com revestimento protetor e rosca NBR 8133 – Especificação

NBR 6148Fios e cabos com isolação sólida estruturada de cloreto de polivinila para tensões até 750V sem cobertura – Especificação

NBR 6150Eletroduto de PVC rígido – Especificação NBR 6231Poste de madeira – Resistência à flexão NBR 6232Poste de madeira – Penetração e retenção de preservativo NBR 6248Isoladores de porcelana tipo castanhas dimensões e características – Padronização.

NBR 6249Isoladores de porcelana ou vidro tipo roldana, dimensões e características – Padronização

NBR 6323Aço ou ferro fundido - Revestimento de zinco por imersão a quente – Especificação NBR 6591Tubos de aço-carbono com estrutura de seção circular – Especificação NBR 6880Condutores de cobre para cabos isolados – Padronização

NBR 7285Cabos de potência com isolação sólida estrutura de polietileno termofixo para tensões até 0,6/1kV sem cobertura – Especificações

NBR 7286Cabos de potência isolação sólida estrutura de borracha etileno - propileno (EPR) para tensões de 1 a 35kV – Especificações

NBR 7287Cabos de potência com isolação sólida extrudada e polietileno reticulado (XLPE) para tensões de 1 a 35kV – Especificações

NBR 7288Cabos de potência com isolação sólida extrudada de cloreto de polivinila (PVC) para tensões de 1 a 20kV – Especificações

NBR 8159Ferragens eletrotécnicas para redes aéreas urbanas e rurais de distribuição de energia elétrica, formatos, dimensões e tolerâncias – Padronização

NBR 8451Postes de concreto armado para redes de distribuição de energia elétrica – Especificação

NBR 8456Postes de eucalipto preservado para redes de distribuição de energia elétrica

NBR 8457Postes de eucalipto preservado para redes de distribuição de energia elétrica – Dimensões

NBR 14306Proteção elétrica e compatibilidade eletromagnética em redes internas de telecomunicações em edificações – Projeto

NBR IEC 60050Instalações elétricas em edificações NR 10Segurança em instalações e serviços em eletricidade

Outros: Regulamento de Instalações Consumidoras com Fornecimento em Tensão Primária de Distribuição (RIC MT); Regulamentação da ANEEL (Agência Nacional de Energia Elétrica) - Condições gerais de fornecimento de energia elétrica em vigência.

3. TERMINOLOGIAS E DEFINIÇÕES

3.1. Agrupamento não pertencente a prédio de múltiplas unidades Conjunto de unidades consumidoras caracterizadas por medições individualizadas, localizadas em um só ponto e que não disponham de área em condomínio com a utilização de energia elétrica.

Regulamento de Instalações Consumidoras 7

3.2. Barra de Proteção Barra de cobre para a interligação do condutor de proteção das unidades consumidoras com o condutor de proteção da haste de aterramento.

3.3. Caixa de distribuição (CD) Caixa metálica destinada a interligar circuitos, podendo conter as proteções dos circuitos de interligação, o barramento e os transformadores de corrente para medição.

3.4. Caixa de entrada e distribuição (CED) Caixa metálica destinada a receber o ramal de entrada e as proteções, podendo ainda conter o barramento e os transformadores de corrente para medição.

3.5. Caixa de passagem Caixa destinada a possibilitar mudanças de direção e facilitar a enfiação dos condutores.

3.6. Caixa de proteção (CP) Caixa metálica ou plástica em PVC antichama, ou similares, destinada a garantir a inviolabilidade das ligações aos terminais de cada medidor.

3.7. Caixa para medidor Caixa destinada à instalação de um ou mais medidores, seus acessórios e dispositivos de proteção.

3.8. Carga instalada Soma das potências nominais dos equipamentos elétricos instalados na unidade consumidora, em condições de entrar em funcionamento, expressa em quilowatts (kW).

3.9. Cavidade de inspeção Caixa ou tubo destinados a possibilitar a inspeção da haste e conexões dos condutores de aterramento e proteção.

(Parte 1 de 11)

Comentários