Diluição de solução - pratica IV

Diluição de solução - pratica IV

COLÉGIO DIRETRIZ

TÉCNICO EM BIOTECNOLOGIA

Laboratório de Química

Relatório

Disciplina: Química / Prática em laboratório

Turma: B Grupo: 2 Turno: noite

Professora: Camila

Data da experiência: 23/04/2010 Data da entrega: 04/05/2010

Experiência: Diluição de Solução ( prática IV )

Nome dos alunos (as):

Nota:

Aline A. Neves

Marilaine

Francisléa

1º MODULO/2010

I - INTRODUÇÃO:

Diluição de Solução

Quando comparamos as soluções de mesmo soluto usamos os termos:

Solução diluída: uma solução que contem pouco soluto em relação ao solvente.

Solução concentrada: uma solução que contem muito soluto em ralação ao solvente.

Habitualmente, os químicos consideram como diluídas as soluções com concentração iguais ou menores que 0,1 molares. Se a solução possuir concentração superior a 0,1 molares, será concentrada.

Solução diluída | solução concentrada

0,1 M

Concentração aumenta

Diluir uma solução significa diminuir a sua concentração.

Então:

Isto pode ser feito retirando-se soluto ou acrescentando-se solvente. E claro que o último processo geralmente é mais fácil.

  • Ex: para fazer uma limonada, você espreme o limão, que é muito acido (azedo). Ao adcionar água, ficamos com uma solução menos acida, ou seja, menor concentração, ou melhor, (mais diluídas) e adicionarmos água.

Perceba que houve acréscimo unicamente de água. Isto permite concluir que a massa de soluto e a mesma antes e depois da diluição. Vamos combinar que as quantidades antes da diluição apresentarão índice 1 e após a diluição, índice 2.

Observando a solução concentrada (esquerda) e direita e (diluída), temos á formulada concentração mostrada abaixo, onde a massa de soluto não sofre alteração com a diluição.

Ácido Clorídrico

Também conhecido por ácido hidroclorídrico ou ácido muriático. Comercializado na forma de solução aquosa (32 %), normalmente incolor. É um ácido forte, muito corrosivo e que liberta vapores irritantes. Requer cuidados especiais de manipulação, pois pode causar queimaduras quando em contacto com a pele e olhos, ou quando inalado. Emprega-se nos processos que requeiram soluções muito ácidas. É um dos ácidos fortes que se ioniza completamente em solução aquosa.

Uma solução aquosa de HCℓ na concentração de 1 mol/L tem pH = 0. Em sua forma pura, HCℓ é um gás, conhecido como cloreto de hidrogênio. O ácido clorídrico que se vende comercialmente corresponde a uma solução de cloreto de hidrogênio (gasoso) em água. Tais soluções são rotuladas, indicando-se a proporção soluto/solvente em percentagem e a densidade da solução. Sendo vendido sob essa designação para a remoção de manchas resultantes da umidade em pisos e paredes de pedras, azulejos, tijolos e outros.

Uma solução de cloreto de hidrogênio (ácido clorídrico), em sua forma mais pura, com a denominação de "P.A." (Pureza Analítica), é um reagente comum em laboratórios e encontrado em uma solução de 37 a 38% em massa (título).

Os sucos digestivos humanos consistem numa mistura bastante diluída de ácido clorídrico e várias enzimas que ajudam a clivar as proteínas presentes na comida.

Ácido Clorídrico

Advertências

Ingestão

Tóxico, pode ser fatal.

Inalação

Pode ser fatal. Não respire sem máscaras

Contato com a pele

Pode causar queimaduras severas.

Contato com os olhos

Extremamente perigoso e irritante

Maiores informações ((em inglês))

Hazardous Chemical Database

À temperatura ambiente, o cloreto de hidrogênio é um gás incolor a ligeiramente amarelado, corrosivo, não inflamável, mais pesado que o ar e de odor fortemente irritante. Quando exposto ao ar, o cloreto de hidrogênio forma vapores corrosivos de coloração branca. O cloreto de hidrogênio pode ser liberado pelos vulcões.

O cloreto de hidrogênio tem numerosos usos: se usa, por exemplo, para limpar, tratar e galvanizar metais, curtir couros, e na produção e refinação de uma grande variedade de produtos. O cloreto de hidrogênio pode formar-se durante a queima de muitos plásticos. Quando entra em contato com a umidade do ar forma o ácido clorídrico.

II – OBJETIVO:

Calcular as concentrações da solução de Ácido Clorídrico (HCl) e preparar soluções diluídas apartir da mesma substancia.

III – MATERIAL E METADOS:

  • MATERIAL USADO

    1. Becker: 1 000ml

    2. pisceta

    3. balão volumétrico

    4. Pipeta graduada: 10 ml

    5. Pêra

    6. funil

    7. bastão de vidro

  • REAGENTES

    1. Água (H2O): 1 000 ml ou 1L;

    2. Ácido clorídrico (HCl): 37% v/v.

IV – PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL:

A partir da solução de 37% v/v de ácido clorídrico preparou-se uma solução do mesmo acido 100v vezes diluída em balão de 100 mL.

Para isso abra-se o vidro de acido clorídrico. Despeja-se certa quantidade em um Becker de 50 mL. Utilizando-se de uma pipeta graduada em conjunto com a pêra pipeta-se a quantidade de 1ml de HCl. Despeja-se esta quantidade em um balão volumétrico de 1000ml. Utilizando-se de um funil e um Becker de 500ml cheio de água encha-se o balão volumétrico. Utilizando-se de uma pisceta complete o volume do balão volumétrico até o menisco. Tampa-se o mesmo e faz-se a homogeneização da solução.

Da solução inicial serão obtidas quatro outras soluções, dissolvendo-se a mesma em 2x, 4x, 8x e 10x, utilizando-se do mesmo procedimento a cima para prepara as soluções diluídas.

V – RESULTADO E DISCURSSÃO:

  • Resultados:

  • Cálculos:

HCl: 37% v/v

37mL de HCl _________ 100 mL de solução

Densidade do HCl = 1,15g/mL

Concentração comum (g/l)

1 mL _________ 1,15 g

37 ml ________ X

X = 1,15 . 37

X = 42,55g

37 mL HCl = 42,55g/L

Massa de HCl

42,55g ________ 100mL

X ________ 1000mL

X= 42,55 . 1000

100

X = 42550

100

X = 425,5g/L de HCl

425,5g/L de HCl

Concentração Molar(mol/L):

HCl = 1 + 35,5 =36,5g/mol

1 mol _______ 36,5g

x mol _______ 425,5 g/L

x = 425,5

36,5

x = 11,657534

11,65 mol/L

  • Cálculos de diluição(100 x diluída):

425,5/ 100 = 4,255

C1 . V1 = C2 . V2

425,5g/l . V1 = 4,255g/L . 100mL

V1 = 4,255g/L . 100 mL

425,5g/L mL

V1 = 1mL

Determine a concentração em g/l e mol/L do ácido clorídrico que se pretende diluir, usando a tabela apresentada. Não se esqueça de anotar neta mesma tabela os valores encontrados da concentração comum e a concentração molar de cada solução diluída.

Nº.de diluições

(nº. de vezes)

Concentração comum

(g/L)

Concentração molar

(mol/l)

Volume da solução intermediaria (mL)

Volume do balão (ml)

2

212,75

5,825

50

100

4

106,375

2,9125

12,50

50

8

53,1875

1,45625

3,12

25

10

42,55

1,165

1

10

Formula: C1 . V1 = C2 . V2

1º) 2x:

425,5g/L . V1 = 212,75g/L . 100mL

V1 = 212,75 . 100

425,5

V1 = 21275

425,5

V1 = 50 ml

2º) 4x:

425,5g/L . V1 = 106,375g/L . 50mL

V1 = 106,375 . 10

425,5

V1 = 5318,8

425,5

V1 = 12,500117 mL

3º) 8x

425,5g/L . V1 = 53,1875g/L . 10mL

V1= 53,1875. 10

425,5

V1 = 1329,6875

425,5

V1 = 3,125 ml

4º) 10x

425,5g/L . V1 = 42,55g/L . 10mL

V1 = 42,55 . 10

425,5

V1 = 425,5

425,5

V1 = 1 ml

Concentração molar:

11,65mol/L : 2 = 5,825mol/L

11,65mol/L : 4 =2,9125mol/L

11,65mol/L : 8 =1,45625mol/L

11,65mol/L : 10 =1,165mol/L

  • Discurssão:

O procedimento do prepara da solução e a diluição da mesma não foi realizado pelos alunos e sim ministrado pela professora Camila. Sendo feito apenas o cálculos de concentração comum, molar e os cálculos das soluções diluídas 2x, 4x, 8x e 10x .

VI – CONCLUSÃO:

O experimento foi realizado com muita atenção sendo feito os cálculos de concentração comum, molar e diluição.

VIII – REFERENCIAS:

Livro:

LEMBO, Antonio & SARDELLA, Antonio; Química (2ºgrau), 3ª ed.; São Paulo: Ática, 1941.

Site:

http://www.educacao.te.pt/jovem/index.jsp?p=117&idArtigo=5259 dia 27/04/10 às 16h18min

http://camaraescura.no.sapo.pt/tecnicas/emulsao/emul_quimicos.htm dia 27/04/10 às 16h28min

http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%81cido_clor%C3%ADdrico dia 27/04/10 às 16h58min

Comentários