PÓS –OPERATÓRIO

EQUILÍBRIO FISIOLÓGICO/PSICOLÓGICO

CIRURGIA

RPA INCISÃO , SISTEMA VASCULAR

MOBILIZAÇÃO, DRENOS, TUBOS,

CATETER, SONDAS, SINAIS VITAIS,

CAMA ARRUMADA E LIMPA.

GRADES.

ANESTESISTA E EQUIPE-

RESPONSÁVEIS.

CUIDADOS COM MANIPULAÇÃO

PACIENTE.

RECUPERAÇÃO PÓS – ANÉSTESICA

  1. EQUIPE ESPECIALIZADA

  2. RECURSOS MATERIAIS E EQUIPAMENTOS

  3. SALA- ESTRUTURA- LIMPEZA

  4. SILÊNCIO

  5. LUMINOSIDADE

  6. SALA BEM VENTILADA, TEMPERATURA

(20 22,2ºC).

7-MÍNIMOS DE SATURAÇÃO DE 95ºC, PRESSÃO SANGUÍNEA ESTABILIZADA, RAZOÁVEL GRAU DE CONSCIÊNCIA, DÉBITO URIN´RIO SUPERIOR A 30ML/H, DOR MÍNIMA, E NÁUSEAS E VÔMITOS SOB CONTROLE.

HISTÓRICO

  • DETALHES DO OCORRIDO, TIPO DE CIRURGIA, TEMPO, INFUSÕES, INTERCORRÊNCIAS, ADEREÇOS TERAPÊUTICOS, SINAIS VITAIS, INCISÃO...

  • HISTÓRIA PREGRESSA.

  • VEJA ESCORE.

PRESCRIÇÕES DE ENFERMAGEM

  • SINAIS VITAIS-15/15/MINUTOS

  • RESPIRATÓRIO-EM PRIMEIRO PLANO

  • FUNÇÃO CARDIOVASCULAR (INFUSÃO DE LÍQUIDOS EVITA HIPOVOLEMIA)

  • INCISÃO CIRÚRGICA

  • RESPIRAÇÃO – ASSOCIADO COM ANESTESIA. PROCURAR PERCEBER FISICAMENTO A ENTRADA E SAIDA DE AR DOS PULMÕES DO PACIENTE. ANESTESIAS LONGAS RELAXAM MUITO OS MÚSCULOS .

  • PROBLEMAS? TRACIONAR A CABEÇA PARA TRAZ.

SECREÇÕES VIAS AÉREAS

  • SECREÇÃO DE MUCO

  • VÔMITOS

  • CABEÇA LATERALIZADA

  • LEITO HORIZONTAL

  • JOELHO FLEXIONADO

  • TRAVESSEIRO ENTRE JOELHOS( REDUÇÃO DE TENSÃO)

  • APOIO PSICOLÓGICO

ESCORE RPA

RECEPÇAO UNIDADE DE ORIGEM

  • RELATÓRIO MÉDICO

  • PRESCRIÇÃO

  • EXAMES

  • RECURSOS HUMANOS

  • RECURSOS MATERIAIS

PROCESSO DE ENFERMAGEM

  • RESPIRATÓRIO( RÁPIDAS= DOR; RUIDOSAS= OBSTRUÇOES; ESTERTORES= SECREÇÕES)

  • CIRCULATÓRIO( CHOQUES, HEMORRAGIAS, PVC)

  • NEUROLÓGICO

  • DRENAGEM

  • CONFORTO

  • PSICOLÓGICO

  • SEGURANÇA

  • EQUIPAMENTOS

OBSERVAÇÃO-

2H- 15/15 MINUTOS

2H SEGUINTES-30/30 MINUTOS

24H- 4/4H

DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM
  • ELIMINAÇÕES

  • DOR

  • HIPOTERMIAS

  • PÓS-ANESTÉSICO

  • NUTRIÇÃO ALTERADA

  • CONSTIPAÇÃO

  • MOBILIDADE

  • ANSIEDADE

  • PERFUSÃO SISTÊMICA ALTERADA

  • INTEGRIDADE PELE

  • INFECÇÕES

COMPLICAÇÕES PÓS OPERATÓRIAS

  • CHOQUE (NEUROGÊNICO, HIPOVOLÊMICO):

PELE HÚMIDA, RESPIRAÇÃO RÁPIDA, CIANOSE, PULSO RÁPIDO, DIMINUIÇÃO PRESSÃO PULSO, , BAIXA PRESSÃO SANGUÍNEA)

  • CHOQUE NEUROGÊNICO- RESISTENCIA ARTERIA CONSEQUENTE DA ANESTESIA MEDULAR

TRATAMENTO
  • MEDICAMENTOS, REPOSIÇÃO LÍQUIDOS, ESTADO RESPIRATÓRIO.

  • HEMORRAGIAS( FOME DE AR, PULSO AUMENTA, PELE FRIA, PRESSÃO CAI, HMOGLOBINA CAI, PALIDEZ, FERAQUZA, SEDE)

  • Hemorragia primária, secundária, terciária( capilar= exudato lento; venosa= borbulha e tem cor escurecida; arterial= jato sincronizados e brilhante).

TRATAMENTO
  • LÍQUIDOS E SANGUE.

TVP- TROMBOSE VENOSA PROFUNDA.

TROMBO, TROMBOSE EM VEIAS MAIS PROFUNDAS (EM GERAL PERNA ESQUERDA) INFLAMAÇÃO SUAVE E ACENTUADA + COÁGULO SANGUÍNEO. PRESSÕES NAS VEIAS PODEM SER AS PRINCIPAIS CAUSAS. HEMOCONCENTRAÇÃO DEVIDO A QUEDA DO METABOLISMO E À DEPRESSÃO RESPIRATÓRIA.

COMPLICAÇÕES- EMBOLIA PULMONAR, SINDROME PÓS-FLEBÍTICA.

INCIDÊNCIA-PÓS-OPERATÓRIO, EM PACIENTES ORTOPÉDICOS (QUADRIL, JOELHO E OU EXTREMIDADES INFERIORES), PROSTATECTOMIZADOS, IDOSOS – UROLOGIA, CIRURGIAS GERAL COM MAIS DE 40 ANOS, OBESOS, PESSOAS QUE TIVERAM TVP ANTERIORMENTE OU SUAS COMPLICAÇÕES, PROBLEMAS DE GINECOLOGIA OU OBSTETRÍCIA COM MAIS DE 40 ANOS E ATORES DE RISCOS ADICIONAIS, AVC- PERNA PARALIZADA É DE 75%.

MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS.

CAÎMBRA NA PANTURRILHA (SINAL DE HOMANS), LEVE FEBRE LOCAL, , CALAFRIOS, EDEMA LEVE.

FORMA BRANDA DA DOENÇA= FLEBONTROBOSE.

PERIGO = TROMBO SE DESLOCAR.

PREVENÇÃO- EXERCÍCIOS PARA AS PERNAS, BAIXA DOSE DE HEPARINA, NÃO DEIXAR PERNAS PENDURADAS, NÃO USAR NENHUM TIPO DE PRESSOR LOCAL (JOELHOS) E NAS PERNAS ,

TRATAMENTO- LIGAÇÕES DE VEIAS FEMORAIS PARA PREVENÇÃO DE EMBOLIAS PULMONARES, , POIS O EMBOLO PODE CIRCULAR ATRAVÉS DESTA E CIRULAR PELO SANGUE.

USO DE ANTICOAGULANTES, MEIAS ELÁSTICAS DE ALTA PRESSÃO, POIS PREVINEM O EDEMA E ESTAGNAÇÃO DO SANGUE.

EMBOLIA PULMONAR-

ÊMBOLO – CORPO ESTRANHO9 COAGULO, GORDURA, AR) QUE SE DESLOCA. QUANDO NO LADO DIREITO DO CORAÇÃO OCORRE OBSTRUÇÃO DA ARTÉRIA PULMONAR.

PACIENTE GRITA DE DORES, DISPINEICO, E RISCO DE MORTE.

EM GERAL A OBSTRUÇÃO É PARCIAL.

TRATAMENTO- DEAMBULAÇÃO PRECOCE NO PÓS OERATÓRIO REDUZ RISCO DE EMBOLIA PULMONAR.

COMPLICAÇÕES RESPIRATÓRIAS

SÃO AS MAIS FREQUENTES E CAUSA RISCO DE COMPLICAÇÕES PULMONARES.

PREVENÇÃO- HISTÓRICO DO PACIENTE PREVINE O PÓS-OPERATÓRIO.

TIPOS DE COMPLICAÇÕES :

HIPOXEMIA NÃO- DETECTADA ( 3ª OU 4ª NOITE DE PÓS-OPERATÓRIO EM GRANDES CIRURGIAS), ATELECTASIA (TAMPÃO MUCOSO OBSTRUI DOS BRONQUIOS),

BRONQUITES (INFLAMAÇÃO DOS BRONQUIOS),

BRONCOPNEUMONIA, PNEUMONIA (COM TOSSE PRODUTIVA PODE ELEVAR BEM A TEMPERATURA. OU ACELERAR O PULSO, AUMENTO DE FREQUÊNCIA CARDIACA E RESPIRAÇÃO)

CONGESTÃO PULMONAR HIPOGÁTRICA (IDOSOS OU ENFRAQUECIDOS, O CORAÇÃO ESTA DEBILITADO E SISTEMA VASCULAR FRÁGIL, PERMITINDO SECREÇÕES EM PLMÕES).

SINTOMAS VAGOS, ESTERTORES NA BASES DOS PULMÕES??

PLEURISIAS (INFLAMAÇÃO DA PLEURA)

SUPERINFECÇÕES (QUANDO OS AGENTES MICROBIANOS ALTERAM A FLORA BACTERIANA).

OBS: SINAIS VITAIS , DOR TORACIA, DIPINÉIA E TOSSE.

RETENÇÃO URINÁRIA

ACONTECE MAIS APÓS CIRURGIAS DO RETO, ÂNUS , VAGINA, HEMORRÓIDAS, BAIXO ABDOME.

É O SPASMO DO ESFINCTER DA BEXIGA.

TRATAMENTO-

MANOBRAS PARA URINAR, CATETERIZAÇÃO.

PODE TER ESCAPE DE RETENÇÃO (GOTEJAMENTO DA BEXIGA) NÃO CONFUNDIR COM COM FUNCIONAMENTO DE BEXIGA ANORMAL, POIS ESTE QUADRO É EXATAMENTE A SUPERDISTENÇÃO DA BEXIGA.

COMPLICAÇÕES GASTROINTESTINAIS.

ESTÃO RELAÇIONADAS COM AS CONSIDERAÇÕES NUTRICIONAIS. DEPENDE DO TIPO DE CIRURGIA (ILEO, COLOSTOMIA, INTESTINO, ETC.)

OBSTRUÇÃO INTESTINAL

ACONTECE MAIS COM CIRURGIAS DE BAIXO ABDOME, NO 3º OU 5º DIA DA CIRRUGIA.

MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

FEBRE, PULSO RÁPIDO. DORES, O BOLO FECAL PODE SER VOMITADO.

TRATAMENTO - DRENAGEM PO ASPIRAÇÃO POR SONDA NASOENTERAL, OU NASOGÁTRICA.

PSICOSES PÓS OPERATÓRIAS

ANORMALIDADES MENTAIS. ANÓXIA CEREBRAL, TROMBOEMBOLISMO, DESEQUILIBRIOS HIHDOELETROLÍTICOS, EM IDOSOS.

CUIDADOS NO PRÉ E PÓS-OPERATÓRIOS.

DELÍRIO-

TÓXICO (PERITONITE, CONDIÇÕES SÉPTICAS FACE COM RUBOR E PULSO RÁPIDO), TRAUMÁTICO DELÍRIO (PESSOAS MAIS NERVOSAS, EXCITAÇÃO MANÍACAE SELVAGEM) POR ABSTINÊNCIA DE ALCOOL (RESISTENCIA A ANESTESIA , NERVOSOS, IRRITADOS, SONO FRÁGIL, PERDE CONTROLE DE FIUNÇÕES MENTAIS).

IDOSOS

CONFUSÃO, PENEUMONIAS, INCONTINÊNCIA URINÁRIA, SISTEMA GASTRICO, DESCONFORTO, ESTADO HIDOELETROLÍTICO, DESENCORAJADO.

Comentários