lista de ossos do esqueleto humano

lista de ossos do esqueleto humano

(Parte 1 de 4)

Lista de ossos do esqueleto humano

(Redirecionado de Lista de ossos do esqueleto humano)

Ir para: navegação, pesquisa

Um típico esqueleto humano adulto consiste em 206 ossos. Entretanto uma pequena porção da população humana tem um osso extra, ocorrendo na forma de uma costela extra.

(Os números em negrito referem-se ao diagrama à direita.)

No crânio (22):

Nos ouvidos (6):

No pescoço (1):

Na cintura escapular (4):

No tórax (25):

Na coluna vertebral (24):

Nos braços (6):

  • 11. úmero (2)

    • 26. côndilo do úmero (o osso é o úmero)

  • 12. cúbito ou ulna (2)

  • 13. rádio (2)

    • 27. Cabeça do rádio (o osso é o rádio)

Nas mãos (54):

No pélvis ou cintura pélvica (4):

Nas pernas (8):

No (52):

O esqueleto infantil/adolescente possui os seguintes ossos em complemento com os acima:

  1. vértebra sacral (4 ou 5),as quais fundem nos adultos para dar forma ao sacro

  2. vértebra coccígea (3 a 5), as quais fundem nos adultos para dar forma ao cóccix

  3. ílio, ísquio e púbis, que se fundem nos adultos para dar forma ao osso do quadril

Crânio

Ossos do Crânio:

O osso frontal é um osso ímpar do crânio formando a calota craniana, sendo a sua localização ântero superior. É um osso chato(ou largo)

Os ossos parietais formam os lados e a abóboda craniana. É um osso par, possuindo dois lados: esquerdo e direito. Este lados são unidos pela sutura

parietal (ou interparietal). É um osso chato.

Articulam-se com os ossos frontal, temporais e occipital.O osso frontal é um osso ímpar do crânio formando a calota craniana, sendo a sua localização ântero superior. É um osso chato(ou largo).

Comunicações

Liga-se aos ossos:

Parietal, Zigomático, Etmóide, Temporal, Lacrimal, Esfenóide.

Nos seres humanos, o crânio é o conjunto dos ossos que formam a cabeça, protegendo o cérebro humano. O crânio humano, além de outros ossos, contém oito peças, as juntas destas peças são chamadas suturas, elas só se unem depois de alcançada a idade adulta e enquanto isso não ocorre, estas peças são ligadas por tecido cartilaginoso. Nos bêbes há um grande espaço entre as peças do crânio e o tecido cartilaginoso que os liga é chamada de moleira.

O osso temporal é um osso par que forma as laterais do crânio ou têmporas. É um osso irregular e situa-se ínfero-lateralmente.

Situa-se na região lateral e inferior do crânio, constituem as paredes laterais do crânio e na sua cavidade timpânica localizam-se os 3 ossos do ouvido médio. A saliência óssea atrás da orelha chama-se Apófise Mastóide.

O osso occipital está localizado na parte posterior do crânio e articula-se com os ossos parietais, temporais e esfenóide.

O principal acidente anatômico encontrado é o forame magno, que é transição entre medula oblonga e a medula espinal. Por ele passam as meninges, raízes espinhais do XI par craniano (nervo acessório), ramos meníngeos do primeiro ao terceiro nervos cervicais, artérias vertebrais e artérias espinhais.

O osso esfenóide é um osso situado na base do crânio na frente das partes temporal e basilar do osso occipital. Apresenta um formato semelhante a uma borboleta ou morcego com as asas estendidas.

Conexões

O osso esfenóide conecta-se com os ossos:

Frontal, Parietal, Temporal, Occipital, Zigomáticos, Maxilas.

O etmóide é um osso ímpar e mediano que, juntamente com o frontal, os parietais, os temporais, o occipital e o esfenóide, contribui para formar a cavidade craniana e a cavidade nasal.

O etmóide é um osso denominado curto, uma vez que a sua altura, comprimento e largura se equivalem harmoniosamente, não havendo predomínio de nenhuma destas dimensões. Este osso localiza-se na base do crânio, mais concretamente, na zona anterior medial.

Para o estudo anatômico o osso Etmóide deve estar posicionado apresentando uma crista, que se assemelha a crista de um galo (crista etmoidal), voltada para cima e para diante.

O etmóide é constituído por uma lâmina horizontal, uma lâmina vertical e duas massas laterais.

A lâmina horizontal é também chamada lâmina crivosa devido aos crivos (orifícios) que possui. Em sua face superior, separada pela crista etmoidal, a lâmina horizontal apresenta dois canais olfativos, onde estão alojados os bulbos olfativos. Por sua vez, esses canais apresentam-se perfurados por diversos outros orifícios (daí o nome "lâmina crivosa"), chamados forames da Lâmina cribriforme (ou crivosa). Dentro destes orifícios passam os filetes nervosos olfativos. A face inferior dessa lâmina horizontal contribui para formar a parede superior da fossa nasal.

A lâmina vertical atravessa perpendicularmente a lâmina horizontal e, por isso é dividida para estudo em duas porções, sendo a que fica acima da lâmina horizontal a própria crista etmoidal e a que fica por baixo a lâmina perpendicular do etmóide. A crista etmoidal ou apófise da "crista gali" encontra-se na zona superior e está em contacto com o osso frontal, estando portanto na zona da cavidade craniana. A lâmina perpendicular encontra-se na zona inferior, apresentando duas faces laterais que contribuem para a formação da parede medial da cavidade nasal. Deste modo, a lâmina perpendicular vai separar a cavidade nasal em duas fossas nasais, e ao articular-se com os ossos nasais, a espinha nasal e a cartilagem origina o septo nasal, estrutura separadora das duas narinas.

As massas laterais apresentam uma forma cuboidal (seis faces), sendo a face superior articulada com o bordo da incisura etmoidal do frontal e apresentando semi-células, que juntamente com as semi-células do bordo da incisura etmoidal do frontal, formam as células etmoidais anteriores, sendo a maior e mais anterior denominada de infundíbulo, que, por sua vez, será o elo de ligação entre a fossa nasal e o seio frontal. A face inferior se articula com a parte média do bordo superior da maxila e apresenta um meato nasal médio. A face anterior se articula com a face posterior do osso lacrimal. A face posterior se articula com a face anterior do corpo do esfenóide. a face lateral ou lâmina orbital contribui para a formação da parede medial da cavidade orbital. A face medial, assim como a face superior, apresenta muitos acidentes anatômicos, sendo os mais importantes as conchas nasais média e superior, que por sua vez dão origem, em suas faces laterais, aos meatos nasal superior, que desemboca no seio esfenoidal, e médio que desemboca tanto no seio frontal, através do infundíbulo, como no seio maxilar.

O etmóide encontra-se articulado a outros ossos, nomeadamente ao esfenóide, que se encontra na zona posterior; o vómer, os palatinos e os maxilares que se encontram inferiormente.

Ossos da face

O osso zigomático é um osso par do crânio humano. É achatado, de forma quadrangular, apresentando 2 faces, 4 bordos e 4 angulos.Se articula com a maxila, osso temporal, a grande asa doosso esfenóide e o osso frontal. Forma parte da órbita e geralmente é referido como o osso da bochecha ou osso malar. Está situado acima e lateralmente na face: forma a proeminência da bochecha, parte da parede lateral e assoalho da órbita, e partes das fossas temporal e infratemporal. Apresenta o forame zigomaticofacial na sua face externa. Na face interna apresenta o orificio zigomatico-temporal do canal têmporo-malar. A apófise orbital (Processus orbitalis) situa-se no bordo antero-superior. O bordo postero-superior apresenta o tubérculo marginal. O bordo postero-inferior dá inserção ao músculo masseter.

O maxilar é a estrutura da região frontal do crânio que suporta os dentes superiores e forma uma parte do palato, da cavidade nasal e da órbita. É formada por dois ossos geminados – as maxilas - que, nas extremidades rostrais (na linha média), articulam-se entre si em sínfise (fixa) e, nas restantes superfícies recebe os ossos nasais, palatino, etmóide, frontal e, nas regiões laterais, com os zigomas (as “maçãs do rosto”).

A malformação da sutura mediana das maxilas provoca o defeito conhecido como lábio leporino, no homem.

Cada maxila contém, da parte mediana à posterior, onze alvéolos para a inserção dos dentes, respectivamente: três alvéolos, que aumentam de tamanho do primeiro para o terceiro, para o engaste dos incisivos; um alvéolo canino, bastante profundo; quatro alvéolos pré-molares e três molares. Estes números referem-se à boca dum mamífero com dentição completa; nos vários grupos de mamíferos, os números variam, tendo evoluído de acordo com o tipo de alimentação.

Nas aves, as maxilas formam a base do bico. Nos restantes craniados, as maxilas são também formadas por dois ossos, mas nos répteis e peixes existe um par de pré-maxilas.

Os ossos nasais são dois pequenos ossos oblongos, variando de tamanho e forma conforme a pessoa. Eles tão dispostos lado a lado na porção média e superior da face, e formam, através de sua união, "a ponte" do nariz.

Cada um tem duas superfícies e quatro bordas.

Mandíbula, é formada por um osso em forma de ferradura, que se ossifica nas primeiras semanas de vida.

Na parte posterior, há uma articulação sinovial, com os ossos temporais através do processo condilar, alongado ortogonalmente ao plano medial; esta articulação designa-se temporomandibular.

Cada lado contém, da extremidade anterior à posterior, oito alvéolos para a inserção dos dentes, respectivamente: dois alvéolos para o engaste dos incisivos; um alvéolo canino, bastante profundo; dois alvéolos pré-molares e dois ou tres molares,dependendo da formação ou não do terceiro molar ou dente siso. Estes números referem-se à boca do homem, nos restantes grupos de mamíferos, os números variam, tendo evoluído de acordo com o tipo de alimentação.

Ainda sobre a anotomia humana da mandibula humana nota-se a inserção de todos os músculos da mastigação, tendo como principais o Masseter, o Músculo temporal e os pterigóides, medial e lateral.

Nos répteis, a mandíbula é composta de cinco ossos e, durante o processo de evolução, nos mamíferos quatro destes ossos reduziram-se em tamanho e foram incorporados no ouvido médio e são conhecidos como martelo e bigorna que conjuntamente com o estribo, que tem outra origem, formam os ossículos do ouvido. Esta adaptação trouxe vantagem aos mamíferos porque, não só uma mandíbula formada por um só osso é mais forte, mas também porque os ossículos melhoraram o sentido da audição.

Os ossos palatinos são ossos pares localizados no teto da cavidade bucal, formando o palato ósseo, cavidade nasal, órbita e a fossa infratemporal

O osso lacrimal, o menor e mais frágil osso da face, está situado na porção anterior da parede medial da órbita. Ele tem duas superfícies e quatro bordas.

(Parte 1 de 4)

Comentários