Perversão e Fetiches (PSICANÁLISE)

Perversão e Fetiches (PSICANÁLISE)

Psicogênese de um caso de homossexualismo numa mulher (1920)

Caso clínico...

  • Adoração pela dama ;

  • Tentativa de suicídio;

  • Relação dos pais com a filha após a tentativa de suicídio;

  • Medida defensiva : casamento ;

  • Incapacidade de abandonar o objeto;

  • Duas fases no tratamento analítico ;

  • Características masculinas ;

  • Infância e puberdade ;

  • Nascimento do irmão mais novo ;

  • Relação com a mãe.

  • Freud aprofunda alguns pontos que tinha mencionado ;

  • Explicitação pela análise da tentativa de suicídio :

 Superficial ;

 Profunda .

  • Realização de uma punição e de um desejo ;

  • Vingança com o pai;

  • A polêmica questão da transferência

 Sonhos falsos .

  • Interpretação analítica do sonho ;

  • Caso/ Todos nós

  • Homossexualismo congênito ou adquirido ?

Estrutura Perversa

  • A palavra perversão deriva do verbo latino pervertere e significa tornar-se perverso, corromper, desmoralizar.

  • Freud faz uso desse termo, conservando a idéia de desvio sexual mas, sem qualquer conotação pejorativa, para nomear uma das possíveis estruturas do aparelho psíquico.

  • O tema Perversão na obra de Freud, passou por sucessivas modificações .

Primeira concepção

  • Flutuação puncionais ;

  • Neurose enquanto oposto da perversão ;

  • Perversidade da criança .

“ A organização das perversões no adulto encontra sua explicação legítima na reaparição de um ou vários componentes parciais da sexualidade infantil”. (KOUFMAN, 1993)

Segunda concepção

Freud aborda pontos essenciais para a compreensão do processo perverso :

  • A renegação da realidade;

  • A renegação da castração ;

  • A clivagem do eu;

  • O conceito de renegação;

  • A renegação na perversão = fetichismo;

  • Clivagem do eu, propriedade psíquica de todos os sujeitos.

  • Identificação fálica;

  • Representação da mãe fálica.

“ A angústia da castração que disso resulta, pode favorecer a mobilização de certas reações defensivas capazes de neutralizá-las “.

( KAUFMAN, 1993)

Freud aponta três possibilidades de saída da angústia da castração:

  • O sujeito aceita a castração e a lei da interdição do incesto.

  • As outras duas , os sujeitos só aceitam sob a condição de transgredi-la gradativamente.

Processos de defesa característicos:

• Fixação (associada a regressão)

• Renegação da realidade;

Esses processos parecem intervir na organização de dois típicos de perversão: a homossexualidade e o fetichismo;

Freud distingui tipos de perversões:

• As perversões do objeto;

• As perversões do alvo.

Lacan e a compreensão das perversões

  • Recentralisação do processo perverso sobre a dialética do desejo na criança , compreendida em torno da noção de “ponto de ancoramento da escolha perversa” no contexto da lógica fálica e no terreno da dinâmica edipiana. ( Cf. I. Dor., Introducion a la lecture de Laeur).

  • O perverso se fecha na representação de uma falta não simbolizável que se traduz por uma contestação psíquica inesgotável sob os auspícios do desmentido da castração da mãe.

  • O perverso confunde renunciar ao desejo e renunciar ao objeto primordial ao seu desejo;

  • Tem desejo da lei e a sua transgressão como dois traços mais fundamentais de sua estrutura. Sendo o desejo também , um traço característico desta estrutura.

  • Horror da castração;

  • Nas perversões, a criança permanece confrontada com um desejo materno referido ao pai simbólico, isto é, submetido à lei do desejo do outro.

“ Queira ou não saber, as perversões diz respeito a todos, pelo menos em nome da dinâmica ‘normal’ do desejo que nela se exprime ao qual ninguém escapa”.

Fetichismo

Nos "Três ensaios sobre a teoria da sexualidade" (1905d), Freud faz sua primeira abordagem sobre o tema fetichismo.

O que é Fetichismo ?

  • Condição em que o objeto sexual, fonte de prazer, se desvia da normalidade, entendida por Freud como "o acoplamento dos genitais no ato conhecido como copulação".

  • Frente à intolerância da castração feminina, o fetichismo se institui como uma forma de recusá-la.

Lacan se coloca da seguinte forma a respeito do fetiche como um substituto do falo:   ..." não se trata em absoluto de um falo real na medida em que, como real, ela exista ou não exista, trata-se de uma falo simbólico, na medida em que é de sua natureza apresentar-se na troca como ausência, ausência funcionando como tal". (Lacan, 1957)

  • O fetiche recusa e afirma a castração feminina - splitting do ego

  • A fixação do objeto de fetiche se dá na cristalização de algo anterior à percepção da castração feminina

A palavra “Fetiche” vem de origem francesa.

No sentido comum essa palavra vem referi um objeto de culto ao qual se atribui um poder mágico.

O “fetiche” seria um objeto causador de excitação sexual.

Por que alguém elege um dado objeto como fetiche?

...

“o fetichismo é, portanto, uma forma restrita de sexualidade, que pode levar alguém a não conseguir adaptar-se aos desejos de um parceiro sexual, restringindo sua satisfação a rituais sexuais idiossincráticos e repetitivos.” ( FERRAZ,2010)

  • Sigmund Freud( 1956-1939) atribuiu o fetichismo ao horror sentido por um menino ao constatar que uma mulher não possui o pênis.

  • Entre a Neurose e a Psicose

Ele pode “salvar” um sujeito da loucura psicótica,pois (...), substitui um importante objeto perdido. ( FERRAZ, 52,2010 )

“ O interesse sexual, na espécie humana, desconectou-se do imperativo da reprodução da espécie. O objeto que os excitará sexualmente será definido em sua história pessoal, com todos os acaso, gratificações e acidentes que ela contiver” (FERRAZ, 52. 2010)

Tipos de Perversão ( Parafilias)

  • Masoquismo :

• Prazer com dor e humilhação;

• Atos reais de ser submetido a sofrimento;

• Palmadas, espancamentos, ser cortado, perfurado, ser estuprado estando preso ou atado;

  • Pedofilia :

Pensamentos e fantasias eróticas repetitivas ou atividade sexual com crianças;

Em geral o ato pedofílio consiste em toques, carícias genitais e sexo oral;

A penetração é menos comum;

Divulgação de fatos de forma freqüente e repetida;

ATENÇÃO : Pedofilia só existe quando é praticada contra menores de 14 anos.

  • Frotteurismo :

Derivada do francês “frotter” = “esfregar,”roçar”;

Impulso infreável para ‘esfregar’ os órgãos genitais em outras pessoas;

Necrofilia :

Atração sexual por cadáveres;

Gostam desta prática porque os cadáveres não reclamam , não se incomodam;

  • Cropofilia :

Excitação erótica motivada pelo cheiro, contato ou visualização de pessoas realizando obras mortas;

Fezes no ato sexual;

Do grego “copro”- Kopros= excremento, “ filia”- philia= amor.

Clismafalia:

Também conhecida como enema, significa “ por para dentro”;

Excitação ou desejo sexual pela injeção de líquidos dentro do reto.

  • O sádico

O termo sádico fala de alguém que sente prazer em provocar dor no outro.

Sade : matéria sem culpa, gozo sem limites marquês de Sade (1740-1814)-> Autor de “Filosofia na Alcova”

Urofilia

É uma variante da coprofilia, referindo-se a excitação especificamente motivada pela urina.

Zoofélia( bestialismo)

Refere-se ao prazer pelo ato sexual com animais.

  • Voyeurismo

é o sujeito que se compraz sexualmente em observar, as escondidas, um ato sexual;

Hipoxifilia

Significa “atração” por teor reduzido de oxigênio;

Exibicionismo

Prazer em exibir os órgãos sexuais em público.

Referências bibliográficas:

MELLO, C.A.A., Um olhar sobre o fetichismo. Reverso, Belo Horizonte, v.29, n.54, p.71-76, 2007.   CELERI, E.H.R.V, OUTEIRAL, J., FILHO, J.M., GOLDSTEIN, R.Z. de, Paradoxo, objeto transicional e fetiche. Revista Brasileira de Psicanálise, v. 42, n.1, p.60-73, 2008.

Pedofilia. Disponível em:<http://www.mscontraapedofilia.ufms.br/index.php?inside=1&tp=3&comp=&show=62> Acesso em: 17 de mai. 2010.

KOCH,Alice S; ROSA,D. Dicionário da. Perversões sexuais ou parafilias. Disponível em : < http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?325 > Acesso em : 17 de mai. 2010.

DUNKER, C.I.L; Dossiê Perversão. Revista Cult. São Paulo. 144.ano 13.p.40-65. março 2010.

FREUD,S. Psicogênese de uma caso de homossexualismo numa mulher. Edição da Standart brasileira das obras completas de Singumnd Freud,vol XVIII.

CELERI, Eloisa Helena Rubello Valler, OUTEIRAL, José, MELLO FILHO, Julio de et al. Paradoxo, objeto transicional e fetiche. Rev. bras. psicanál. [online]. mar. 2008, vol.42, no.1 [citado 21 Maio 2010], p.60-73. Disponível na World Wide Web: <http://pepsic.bvs-psi.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0486-641X2008000100007&lng=pt&nrm=iso>. ISSN 0486-641X.

Componentes:

  • Aíla Matos;

  • Amanda Beatriz;

  • Amanda Laís;

  • Flávia Carvalho;

  • Flávia Daniele ;

  • Liberalina Gondim;

  • Márcia Gracielly;

  • Pétala Naiane

OBRIGADA !!

Comentários