Série Ar Livre - 2 - Abrigos e Barracas

Série Ar Livre - 2 - Abrigos e Barracas

(Parte 1 de 2)

1ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006 Esta é mais uma publicação

Série Ar Livre Volume 2

2a. Edição: 1000 exemplares

Diagramação e Edição: Carlos Alberto F. de Moura Coordenação: Mario Henrique P. Farinon

Direitos da 1a. edição cedidos à União dos Escoteiros do Brasil, Região do Rio Grande do Sul

Porto Alegre, RS, 2003

2ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

EDIÇÃO IMPRESSA PELA DIRETORIA REGIONAL 2001/2003

DiretoriaMario Henrique Peters Farinon Diretoria David Crusius DiretoriaMárcio Sequeira da Silva DiretoriaRonei Castilhos da Silva DiretoriaOsvaldo Osmar Schorn Correa

EDIÇÃO DIGITAL DISPONIBILIZADA PELA DIRETORIA REGIONAL 2004/2006

DiretoriaRonei de Castilhos da Silva Diretoria Neivinha Rieth Diretoria Waldir Sthalscmidt DiretoriaPaulo Roberto da Silva Santos Diretoria Leandro Balardin

Carlos Alberto de Moura

Marco Aurélio Romeu Fernandes Mario Henrique Peters Farinon Miguel Cabistani Paulo Lamego Paulo Ramos Paulo Vinícius de Castilhos Palma Siágrio Felipe Pinheiro Tania Ayres Farinon

3ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006 APRESENTAÇÃO

Na Páscoa de 1998, de 10 a 12 de abril, um grupo de escotistas e dirigentes reuniram-se, em um sítio denominado TAFARA CAMP, tomando para si a incumbência de suprir a lacuna deixada pela falta de definição do tema das Especialidades, concebeu e criou o que hoje constitui-se no Guia de Especialidades da UEB. O mesmo grupo, na seqüência, participou decisivamente na elaboração dos Guias Escoteiro, Senior e Pioneiro.

Visto que este trabalho informal e espontâneo estava tendo resultados positivos, e, entendendo que a carência de instrumentos, principalmente literatura, é um grande obstáculo ao crescimento do Escotismo, resolvemos assumir como missão “disponibilizar instrumentos de apoio aos praticantes do Escotismo no Brasil”.

Este grupo, que tem sua composição aberta a todos quantos queiram colaborar com esta iniciativa, também resolveu adotar o pseudônimo TAFARA para identificar-se e identificar a autoria e origem de todo o material que continuará a produzir.

Os instrumentos que TAFARA se propõe a produzir, tanto serão originais como os Mapas de Especialidades, de Etapas Escoteiro, de Etapas Senior e de Planejamento, já editados pela Loja Escoteira Nacional, como também, traduções, adaptações, atualizações, consolidações, etc., de matérias já produzidas em algum momento, e que, embora sejam úteis, não mais estão disponíveis nos dias de hoje.

O material produzido por TAFARA é feito de forma independente. Não temos a pretensão de fazermos obras primas, mas instrumentos que possam auxiliar a todos quantos pratiquem Escotismo no Brasil.

Envie-nos sugestões para criarmos e aperfeiçoarmos qualquer material que seja necessário.

Este é mais um instrumento de apoio a suas atividades. Ele é uma coletânea de idéias de obras editadas em vários países.

Boa Atividade.

Mario Henrique Peters Farinon

4ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

É um prazer armar uma tenda ou barraca de campanha, que nos abriga de noite e em dias de chuva.

5ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Os desenhos são de barracas tradicionais e antigas, são pesadas para o transporte porém tem a vantagem de possuir uma lona mais grossa e conservar melhor o calor; em dias ensolarados são fáceis de ventilar, bastando para isso erguer as abas.

Se armam em direção do vento, em dias de chuva se abre uma valeta ao redor da barraca para que a água que cai do toldo deságue fora da área de campo; quando o vento está forte e há possibilidades de tormenta, se afrouxam as adriças.

6ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2 Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

7ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006 Conserto de emergência em barracas

Para consertar uma barraca em situação de emergência utilize uma agulha grossa e um cordão para arrematar o local danificado.

Adriças de Barracas

Neste modelo de barracas as adriças devem converger ao centro do toldo, e as abas se seguram e se formam entre o piso e o início do toldo.

8ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Espeques de Tendas e Barracas a) A posição dos espeques tem de ser de 90º entre o espeque e a adriça.

b) Menos de 90º entre o espeque e a adriça da barraca o deixam frouxa.

c) Mais de 90º entre o espeque e a adriça deixam a barraca por demais tensionada.

9ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Se durante o acampamento ventos fortes começarem a soprar, faça como na figura, segure sua barraca passando algumas cordas sobre ela e fixando-a ao chão.

10ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

2% a 3% Caimento

A escolha do local é muito importante, tente escolher uma área com um breve caimento, pois no caso de chuva você não correrá o risco de ter sua barraca alagada.

11ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Nunca arme sua barraca em uma baixada, pois em caso de chuva você terá sua barraca inundada, e daí acabou-se as chances de se ter um bom acampamento.

12ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Jamais arme sua barraca nas encostas de morros que apresentem riscos de desmoronamento, bem como sob árvores velhas que podem ter galhos derrubados com o vento.

13ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Quando em atividades mateiras, é natural que o escoteiro procure comodidade montando abrigos para se proteger do sol ou do vento.

14ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Com uma pequena manta é possível montar rapidamente um abrigo para se proteger das intempéries, durante uma jornada.

15ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Existe uma inesgotável diversidade de modelos de abrigos e formas de acampar que só a experiência nos ensina; desde uma simples manta em forma de tenda basta para construirmos um abrigo, outro fator importante é sabermos aproveitar os materiais que a natureza nos oferece para a montagem de nosso abrigo.

16ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Este abrigo, do tipo “Ratoeira”, se costuma usar em lugares frios, no alto de uma montanha ou lugares ventosos, com capacidade para uma ou duas pessoas, sendo possível construí-lo com uma manta e um plástico como piso.

Carregar na mochila uma manta é imprescindível pois além de proteger a própria mochila, serve para abrigar-nos do sol, vento, frio, como abrigo, etc., devendo fazer parte do equipamento pessoal para excursões e jornadas.

17ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Não importa a altura de um abrigo ou o material que contamos para construí-lo, o importante é utilizar o que está ao nosso alcance, para fazer da vida ao ar livre uma arte.

18ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Uma canoa pode servir de abrigo, quando em vez de acampar ou excursionar estivermos navegando.

19ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Se tem mencionado insistentemente o uso de uma manta como parte do equipamento de excursão ou acampamento, por ser comoda, quente, versátil, etc.. porém as lonas plásticos que, embora não biodegradáveis, são uma alternativa de equipamento barato, isolante para o piso ou como toldo de um abrigo, não ocupam muito espaço e são fáceis de transportar.

20ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Hoje, mais do que nunca, não se permite abusar do meio ambiente, o cuidado com o habitat de animais silvestres e de insetos, que cumprem sua função junto ao reino vegetal, se tornam cada vez maiores; por esta razão e usando da inteligência, evitamos danificar alguma colônia de minúsculos animais que se encontram nos gramados, aconselhando que se construa fogões elevados, utilizando galhos, barro e pedras; alimentados com galhos secos que se encontram espalhados pelo campo.

21ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Quando construímos nosso abrigo devemos observar a direção do vento, que deve golpear sobre a lateral, também devemos abrir uma pequena valeta ao redor para, no caso de chuva, nosso abrigo não seja alagado e escolher um lugar alto e seguro para construí-lo.

22ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2 Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

23ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Proteger nosso equipamento durante a atividade é muito importante. Envolva a ponta do bastão com um pano ou trapo, além de proteger nosso toldo, evita que deslize, desgaste ou rompa a manta, principalmente quando o vento é forte.

24ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Este abrigo, em forma de ratoeira, permite duas abas para fechamento em caso de frio intenso ou vento forte.

25ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Pode-se construir abrigos simples, rápidos de construir e que protegem da mesma forma que os mais sofisticados.

26ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

A sobrevivência e a busca de conforto no campo desenvolve o talento de fazer em uma manta, desenhos diferentes de abrigos e tendas para acampamentos improvisados.

Isto não quer dizer que não se tenha programado o acampamento, e sim que, com a manta ou lona plástica que fazem parte do equipamento, pode-se adaptar-se facilmente ao meio em caso de alguma emergência.

27ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

O abrigo é o melhor aliado para proteger-se das intempéries. Podem ser fabricados com galhos, folhas, feno, mantas ou lonas plásticas.

Sào pequenas áreas de proteção que qualificam a experiência do bom explorador ou de um acampador qualificado.

28ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Os modelos podem ser bastante variados, dependendo da criatividade do explorador e do material disponível.

29ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

O abrigo de “Vivac” é uma cabana que se pode construir rapidamente. Se cobre este tipo de cabana de baixo para cima com grama, junco, folhas de bananeira, etc.

Nunca deixe de fazer uma valeta em volta de sua cabana para evitar que seja inundada em caso de chuva.

30ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

A estrutura desta cabana é feita de galhos secos recolhidos no campo, após a montagem da estrutura, comece a cobri-lá com os materias sugeridos.

31ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Um bom abrigo proporciona ao excursionista um local seguro para repôr as energias depois de um dia de atividades.

32ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Cabana em forma de Cone

Trançar uma paliçada conforme a figura, colocar grama em leivas para cobrí-la, umedecendo a terra; exige muita paciência e trabalho de equipe.

33ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006 Cabana Zulú

Se constroe enterrando em círculo uma série de varas, cujas pontas se dobram até o centro e se amarram juntas; depois tem de se colocar varas horizontalmente, como se fosse uma jaula circular; se cobre com palha de baixo para cima, sustentando dessa forma a armação.

34ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Depois de pronta, a cabana Zulú se transforma num abrigo seguro e diferente para os jovens, que com certeza, vibrarão bastante pelo feito.

35ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Um escoteiro experiente conta com uma série infindável de recursos. Sempre encontra uma maneira de superar as dificuldades. O calor excessivo pode ser combatido montando o abrigo como o da figura abaixo.

36ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Em acampamentos volantes, que não se leva uma barraca para acampar e não se constrói um abrigo, tem de procurar um abrigo ou parapeito para se proteger do vento, principalmente a cabeça.

37ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2 Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

38ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2 Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

39ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Este abrigo é para atividades de longa duração, observe atentamente os detalhes de sua construção nas ilustrações.

40ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2

Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

Aqui você visualiza três tipos de abrigos fáceis de montar quando em um acampamento volante.

Basta ter em seu equipamento uma lona plástica e pronto, já tem onde se abrigar do tempo.

41ABRIGOS E BARRACASSÉRIE AR LIVRE - 2 Produzido pela UEB/RS - Edição Impressa: Gestão 2001/2003 - Edição Digital: Gestão 2004/2006

(Parte 1 de 2)

Comentários