(Parte 1 de 8)

COPEL – GERAÇÃO 15 –19 de Setembro / 2003

Luis R. A. Gamboa LACTEC / DPEL / UTAT

1) Aspectos gerais

• Características dos materiais. Condutores, quase condutores e dielétricos. Materiais Isolantes vs Dielétricos. Conceitos. Efeito da temperatura.

• Propriedades Elétricas: Resistividade, Permissividade, Condutividade, Constante dielétrica, Relaxação Dielétrica.

• Comportamento dos materiais com a freqüência e a geometria do Campo Elétrico aplicado. Configurações de campo elétrico, aplicações em equipamentos.

• Classificação dos materiais Isolantes. Classe térmica. Temperatura do ponto mais quente.

• Capacitância. Correntes de Carga, Descarga, Deslocamento e Condução.

• Circuitos equivalentes da Isolação.

• Características dielétricas em CA e C. Tangente Delta, Fator de Potência e Fator de Dissipação. Exemplo.

2) Transformadores

• Índice de Polarização, Relação de Absorção, Diagnóstico e cuidados na interpretação de resultados em transformadores (IEEE std 62-1995).

• Teor de umidade versus ensaios convencionais.

• Taxa de envelhecimento do papel impregnado.

• Isolação típica de transformador de distribuição. Distribuição de tensões em função dos materiais constituintes.

• Sistema papel-óleo. Equilíbrio da umidade vs temperatura. Eletrificação estática e Taxa de difusão da umidade. Cuidados de interpretação. Normas.

• Isolação entre espiras. Comentários.

• Polaridade. Conceito e métodos de ensaio.

• Relação de tensões – TTR

• Deslocamento angular. Diagrama vetorial de transformadores. Exemplos: Yy0, Yd1.

• Megohmímetro analógico. Circuitos Ground e Guard

• Medição de Resistência de Isolamento em transformador

• Ensaiador de Fator de Potência. Circuitos Ground, Guard (frio e quente) e UST.

• Medição de Fator de Potência em transformador

• Cancelamento de interferências em medições no Campo. Método da chave inversora do Ensaiador de Fator de Potência. Outros cuidados práticos para minimizar erros

• Medição da Resistência dos Enrolamentos. Cuidados com chaveamentos, indução, correção de valores. Decréscimo de R vs ensaios CA como Iexc (Doble), TTR. Transição de tapes do comutador.

• Aterramento do núcleo. Falha da conexão/capacitâncias. Aterramento Múltiplo / T°.

• Esforços radiais entre enrolamentos. Forças axiais. Esforços entre espiras. Exemplos de deformações.

• Impedância de Curto-circuito. Conceito e Medição por fase, no campo.

• Corrente de Excitação. Medição, Interpretação de Resultados.

• Capacitância entre enrolamentos e entre BT e massa / núcleo. Análise de resultados. Cuidados na interpretação.

• Resposta a impulsos de Tensão.

ENVELHECIMENTO TÉRMICO DO PAPEL ISOLANTE. • Evolução do conceito de fim-de-vida.

• Métodos de diagnóstico pontuais e globais. Resistência à Tração, Grau de

Polimerização (GP), Furfural (2fal), RVM. • Instrumento de Ensaio de Tensão de Retorno (RVM).

• Processos de Polarização. Circuito Equivalente. Resultados típicos de ensaios. Efeitos da distribuição da umidade e da degradação do óleo isolante.

• Comparação entre RVM e outros ensaios dielétricos e com o GP

• Indice de Polarização vs Umidade do Papel, para diferentes temperaturas.

• Potência do transformador / Potência térmica / Valor de placa.

• Sobrecarga vs envelhecimento. Fatores limitadores.

3) Buchas

• Características construtivas

• Medição de Capacitâncias C1 e C2 e FP em buchas condensivas. Interpretação de resultados.

• Ensaio de Colar quente.

• Emprego de Colares Guard em buchas com superfície irregular ou contaminada.

• Sobrecargas admissíveis

4) Compatibilidade Eletromagnética em SEs.

• Cuidados na execução de ensaios • Indução Eletrostática

• Indução Eletromagnética. Exemplo prático e cálculo.

• Cuidados com a instrumentação.

(Parte 1 de 8)

Comentários