Sistema de Vedação 2

Sistema de Vedação 2

(Parte 1 de 2)

18AULA18 A U L A

O mecânico de manutençªo de uma empresa de caminhıes tentava eliminar, de todas as formas, um vazamento de óleo que persistia na conexªo de um manômetro de um sistema hidrÆulico. Esse sistema pertencia a uma retificadora cilíndrica que retificava as pontas de eixo dos caminhıes. Por causa do vazamento, as paradas eram constantes e atrasavam a produçªo.

VÆrios vedantes foram usados sem sucesso. Por fim, um companheiro mais experiente aconselhou o mecânico a utilizar um vedante anaeróbico.

O mecânico fez todos os preparativos e aplicou o vedante, e em pouco tempo pôde verificar que o vazamento havia desaparecido. A retificadora voltou a operar normalmente sem maiores problemas.

Travas e vedantes químicos anaeróbicos serªo os assuntos desta aula.

Introduçªo

Em aulas anteriores de manutençªo corretiva, uma sØrie de procedimentos foram apresentados como diretrizes a serem seguidas pelo mecânico de manutençªo que deseja realizar seu trabalho com sucesso.

Estudamos a anÆlise de falhas, as tØcnicas de desmontagem e montagem e a recuperaçªo de elementos mecânicos por meio de alguns processos.

Nesta aula veremos um outro processo de recuperaçªo de elementos mecânicos, envolvendo travas e vedantes químicos.

O que sªo travas e vedantes químicos?

Sªo resinas anaeróbicas que endurecem na ausŒncia do oxigŒnio e sªo desenvolvidas em indœstrias do ramo químico por meio de tecnologias avançadas. Tais resinas apresentam vÆrios níveis de viscosidade e resistŒncia e sªo aplicadas, por exemplo, nos seguintes casos: •travamento anaeróbico de parafusos;

•adesªo anaeróbica de estruturas;

•vedaçªo aneróbica;

•vedaçªo anaeróbica de superfícies planas;

Travas e vedantes químicos

AULA• fixaçªo anaeróbica; •adesªo anaeróbica instantânea.

Adesªo por trava química

Muitos elementos de fixaçªo de mÆquinas, tais como parafusos, porcas e prisioneiros, sofrem esforços decorrentes da dilataçªo e contraçªo tØrmicas e das vibraçıes e impactos quando estªo em funcionamento. Nessas condiçıes, os elementos de fixaçªo podem se afrouxar por causa da perda de torque. Em decorrŒncia do afrouxamento dos elementos de fixaçªo poderªo surgir danos nos componentes fixados por eles.

Uma das soluçıes para evitar o afrouxamento dos elementos de fixaçªo, especialmente os roscados, Ø utilizar a trava química anaeróbica.

O produto, em estado líquido, preenche todos os espaços entre as roscas e começa a solidificar na ausŒncia de ar, uma vez que este Ø expulso para dar lugar à resina durante a montagem do elemento roscado. Depois de seca, a resina transforma-se numa película plÆstica entre as roscas, proporcionando o travamento.

Aplicaçªo da trava química

A trava química pode ser aplicada em uniıes com furos passantes, com parafusos e porcas e em furos cegos com bujıes roscados ou prisioneiros.

A quantidade de trava química que serÆ aplicada deve ser suficiente para preencher os espaços vazios entre o parafuso e a porca ou furo roscado.

Uma das vantagens da trava química Ø que ela permite o reaproveitamento de roscas espanadas, que se constituem em sØrios problemas de manutençªo. A trava química, ocupando o espaço entre a rosca espanada e o parafuso, cria uma nova rosca permitindo o reaproveitamento de peças. Deste modo, problemas com aquisiçªo de novas peças e problemas de substituiçªo desaparecem.

A figura abaixo mostra os passos que devem ser seguidos na operaçªo de recuperar roscas espanadas.

Desmontagem da trava roscada

Para desmontar uma trava roscada, deverªo ser observados os seguintes procedimentos: •usar a mesma ferramenta que foi utilizada na montagem;

•se necessÆrio, aplicar calor localizado na porca ou prisioneiro durante cinco minutos.

A temperatura da fonte de calor deverÆ estar ao redor dos 200°C e o conjunto precisarÆ ser desmontado enquanto estiver quente.

Vedaçªo anaeróbica de roscas

A vedaçªo de tubos, vÆlvulas, manômetros, plugues e conexıes deve ser tratada em manutençªo com a mesma seriedade com que Ø tratado qualquer outro elemento importante de uma mÆquina. De fato, uma uniªo ou conexªo mal feita pode causar o vazamento de fluidos e, em conseqüŒncia, haverÆ problemas na produçªo.

AULAOs tipos mais comuns de vedantes de roscas sªo as fitas de teflon, sisal e massas vedantes. Esses materiais de vedaçªo, contudo, nªo propiciam um

preenchimento total das folgas existentes entre as roscas, provocando, em alguns casos, posicionamento impreciso de peças unidas, bem como necessidades de reapertos e altos torques. Reapertos e altos torques, geralmente, alØm de causarem avarias nas peças, podem fazer com que partículas de vedantes adentrem no sistema, contaminando-o.

Esses problemas podem ser evitados com o uso de vedantes químicos que suportam condiçıes adversas: altas temperaturas, pressıes hidrÆulicas e pneumÆticas e vibraçıes do equipamento.

A aplicaçªo de vedantes químicos Ø bem simples, conforme se pode observar na ilustraçªo.

Vedaçªo de superfícies planas

Uma das aplicaçıes dos produtos químicos de uniªo anaeróbicos sªo as vedaçıes. Elas permitem a confecçªo de juntas no local da uniªo sem a interposiçªo de outros materiais.

O vedante utilizado permite uma perfeita adaptaçªo à conformaçªo das superfícies, que ficarªo em contato sem a necessidade de interpor outros materiais, como as juntas de papel. ObtØm-se, desse modo, uma vedaçªo perfeita, resistente e insolœvel.

A aplicaçªo de um vedante aneróbico Ø bastante simples, como se pode observar na ilustraçªo.

AULAA utilizaçªo deste tipo de vedaçªo limita-se a uma folga de atØ 0,25 m. Acima deste valor, exige-se o emprego de uma junta espaçadora que deve ser utilizada em conjunto com o vedante anaeróbico.

Fixaçªo anaeróbica

Em manutençªo, freqüentemente ocorrem situaçıes em que um rolamento encontra-se folgado em sua sede ou mancal. Essa folga constitui-se num problema que exige uma soluçªo muitas vezes trabalhosa, como uma usinagem da sede ou do mancal ou a confecçªo de uma bucha, dependendo do formato e do tamanho do mancal.

Soluçıes desta natureza exigem a parada da mÆquina, desmontagem, usinagem do mancal, confecçªo da bucha e montagem do conjunto, com a inevitÆvel elevaçªo dos custos da manutençªo e prejuízos da produçªo.

A fixaçªo anaeróbica, diante de um problema dessa natureza, Ø uma excelente opçªo, pois o produto líquido preenche por completo as folgas entre as peças e, por causa da ausŒncia de ar, transforma-se em uma película sólida que fixa os elementos.

Esse processo, por ser de rÆpida aplicaçªo, permite que o serviço de manutençªo seja executado com rapidez e economia, e os resultados sªo satisfatórios.

O processo de fixaçªo anaeróbica tambØm pode ser aplicado na montagem de engrenagens, rolamentos e buchas em eixos e sedes, substituindo mØtodos mecânicos como o emprego de chavetas, montagem com interferŒncia (prensagem, dilataçªo ou contraçªo tØrmica), e estriagem, pois o produto utilizado na fixaçªo preenche todos os microespaços existentes entre os componentes, conforme as ilustraçıes.

AULADesmontagem de peças unidas por fixaçªo anaeróbica

A desmontagem deve ser feita utilizando os componentes usuais, tais como o saca-polias ou saca-rolamentos. Caso seja necessÆrio, deve-se aplicar calor localizado durante cinco minutos, estando a fonte de calor numa temperatura ao redor de 200°C. O desmonte deve ser executado enquanto o conjunto estiver quente.

Resumo

As travas e vedantes químicos sªo importantes componentes e auxiliares nas operaçıes de manutençªo que envolvem recuperaçªo e montagem de peças de mÆquinas. Esses produtos químicos promovem uma rÆpida e eficiente fixaçªo, sendo seguros, confiÆveis e fÆceis de aplicar. Com isto, os serviços de manutençªo, em termos de reparos, tornam-se melhores e mais rÆpidos.

(Parte 1 de 2)

Comentários